A Racionalidade e os Modelos de Tomada de Decisão na Administração Pública

Publicado em: 18/12/2010 |Comentário: 0 | Acessos: 1,000 |

A RACIONALIDADE E OS MODELOS DE TOMADA DE DECISÃO EM AP

Prof. M.Sc. Diógenes Lima Neto

Qual a relação entre as diferentes perspectivas sobre a racionalidade com os diferentes modelos de tomada de decisão propostos por acadêmicos da área disciplinar da Administração Pública? Para tentarmos responder a esta questão, há que se definir, aqui, racionalidade como a lógica utilizada pelas pessoas em seus processos de decisão racional em busca do alcance de seus objetivos, quaisquer que estes sejam.

Nas abordagens teóricas da Administração, tanto descritivas quanto prescritivas, todos seus pensadores iniciaram seus raciocínios e argumentos a partir de determinada concepção do ser humano, o que lhes propiciava uma forma de entender e prever as decisões (comportamentos) de administradores e empregados. Desta forma, por exemplo, algumas perspectivas sobre a racionalidade foram (e ainda são) muito utilizadas, entre as quais destacam-se:

  • Abordagem clássica: Homem econômico (Homo Economicus);
  • Abordagem humanística: homem social;
  • Abordagem estruturalista: homem organizacional;
  • Abordagem sistêmica: homem funcional; e
  • Abordagem contingencial: homem complexo.

Especificamente em relação ao Homem Econômico, é importante dizer que este abstraía diversas dimensões do comportamento humano como moral, ética, religiosa e política. Neste, foram mantidas apenas as dimensões CONSUMO e PRODUÇÃO. Como se observa, este padrão é fruto de uma abordagem puramente econômica, daí seu nome. Vejamos os princípios fundamentais do conceito Homem Econômico:

1- A razão psicológica essencial a toda a atividade humana é o interesse pessoal. Este primeiro princípio é então afetivo, pois define a única razão da atividade econômica;

2- O homem não obedece senão à razão;

3- O sujeito é universal, o interesse pessoal e a racionalidade são validos em todos os lugares e em todos as épocas.

4- O homem está perfeitamente informado, tem conhecimento da totalidade das conseqüências de todas as possibilidades das ações que se lhe oferecem;

5- O homem vive o presente num tempo linear, não se lembra, nem tem a capacidade de prever;

6- Ele está só e, portanto, livre dos outros homens, ou seja, não existem determinismos que lhe sejam exteriores.

A despeito das diversas outras abordagens do ser humano (social, organizacional e outras), este sempre era considerado como "perfeitamente informado" e apoiado na razão, até surgir a análise de Herbert Simon, no final dos anos de 1950, com sua Teoria da Racionalidade Limitada. Nesta, ele observava que, em verdade, dadas suas limitações cognitivas, o homem nunca está perfeitamente informado e, menos ainda, tem como avaliar a totalidade dos desdobramentos de todas suas possíveis soluções a escolher, seja por falta de recursos, seja por falta de tempo. Ou seja, o alcance de sua racionalidade está seriamente e definitivamente limitado (ou delimitado), o que anula a possibilidade de uma decisão perfeitamente informada e racional (rational choice). Desta feita, a decisão racional reduz-se a uma decisão ótima, ou seja, aquela possível a partir das informações disponíveis. Neste ponto é que entram os conceitos de bounded rationality e satisficing, ambos de Simon, sendo o primeiro relativo à noção de que a racionalidade está vinculada à quantidade e qualidade de informações de que dispõe, bem como aos critérios (muitas vezes pessoais) utilizados para se satisfazer suficientemente (satisficing). Estes dois conceitos poderiam, de alguma forma, ser trabalhados pela Administração no sentido de fazer seus empregados atuarem de uma determinada forma, ou dentro de certos padrões.

A importância da teoria de Simon reside no fato de que ela envolve todas as outras percepções humanas, sendo mais genérica e aplicável. Além disso, o modelo de Simon ajuda-nos a perceber a diferença de fatos e valores, tendo os primeiros um caráter mais objetivo e os segundos, mais subjetivo. No entanto, ambos, fatos e valores, influenciam o processo decisório.

Simon, ainda neste tema, teorizou que existem 4 fases no processo de Tomada de Decisão, que são:

-Selecionar problemas e prioridade de tratamento;

-Identificar caminhos viáveis para a solução;

-Avaliar alternativas e escolher a mais adequada;

-Implementar a decisão escolhida.

No que diz respeito aos modelos de decisão propostos por teóricos da AP, destacam-se os modelos de Incremental e Incrementalismo de Lindblom (1958 e 1979), Mixed-scanning de Etzioni (1967) , Burocrático-Político de Allison (1969) e da Anarquia Organizada de Cohen, March e Olsen (1972).

O modelo Incremental proposto por Lindblom (1958) trata-se de um modelo descritivo que reconhece que a escolha dos objetivos não é independente dos valores e, neste sentido, sua implementação estará sujeita a todo tipo de interferência, posto que cada ator envolvido terá sua percepção do problema e de sua solução. Desta forma, entendeu Lindblom que, nestas circunstâncias, os decisores, por força de sua baixa capacidade cognitiva da situação, optam por reduzir drasticamente suas opções, de modo a poder fazer comparações rápidas e fáceis e decidir agilmente. Neste sentido, como se observa, a análise incremental se encaixa na abordagem de racionalidade limitada.

Em 1979, Lindblom revisitou este seu modelo, nascendo o Incrementalismo. Neste, o próprio incrementalismo seria um continuum, onde de um lado teríamos a abordagem racional pura e, do outro, a incremental. Aqui, os administradores selecionam cursos de ação de forma incremental, diferentes daqueles já utilizados, e vão corrigindo ou evitando erros através de sucessivas mudanças incrementais, que podem levar a um curso de ação completamente novo. Durante esse processo, os objetivos organizacionais e a forma de alcançá-los podem mudar, mas de forma tão devagar que ações corretivas podem ser tomadas. De acordo com esse modelo, os decisores, limitados por falta de informações, movem-se bem devagar para reduzir suas chances de erro. Essa abordagem refere-se a mudanças pequenas e não-planejadas (na maioria das vezes), as quais, paulatinamente, vão sendo implementadas. Trata-se do inverso da abordagem por "planejamento centralizado" e, desta feita, é útil em situações em que o planejamento estratégico falhou ou simplesmente não é necessário, bem como em situações em que se deseja fazer grandes alterações, porém com baixo impacto.

O Modelo Mixed-scanning de Etzioni (1967), apresenta uma racionalidade bi-dimensional, com dois níveis de decisão: um relacionado ao planejamento estratégico, com decisões racionais acerca das direções a seguir; e outro relacionado à análise incremental que consiste em comparação de variações da primeira decisão. Um bom exemplo desta situação é o caso do Orçamento Geral do Estado e o Rendimento Mínimo Garantido, ou seja, há uma determinação de alto nível de se aumentar o Rendimento, porém este vai sendo feito aos poucos e, em cada iteração, verificam-se os impactos e a possibilidade de se continuar aumentado.

O Modelo Burocrático-Político de Allison (1969) de tomada de decisão, por sua vez, utiliza uma racionalidade mais instrumental, apoiada no fato de que Governo e Administração Pública possuem diversos centros de poder em sua estrutura. Desta forma, muitos interesses, pessoais e de grupos, entram em conflito na busca por recursos usualmente escassos. Neste contexto, há, forçosamente, uma divulgação seletiva da informação, bem como o uso político de leis e regulamentos, tudo em benefício de objetivos próprios. Aqui, as decisões saem como resultado de jogos de poder, negociação e consensos obtidos, bem como a maximização é vista sob a ótica política e não econômica.

Por fim, mas não menos importante, temos o Modelo da Anarquia Organizada, de Cohen, March e Olsen (1972). Nesta abordagem, temos que entender que o modelo parte de dois fenômenos cruciais para sua compreensão: 1) ambigüidade dos objetivos, contrapondo-se à racionalidade instrumental (Weber), de objetivo claramente definido; e 2) há um padrão errático (aleatório) de atenção por parte dos participantes, a qual depende da magnitude do problema. Isto porque este modelo subverte a lógica solução-problema para a lógica problema-solução. Trata-se de uma abordagem aberta, onde as decisões decorrem da interação de 4 importantes elementos, a saber: Problemas, Soluções, Participantes e Oportunidades. Algumas características típicas desta abordagem são: busca de problemas (preferência problemática); tecnologias pouco claras (às vezes, nem necessárias); e participação fluída (ou seja, sem limitações maiores). Esta abordagem também é chamada de "lata de lixo", ou seja, os participantes lançam problemas e soluções nela, e as soluções resultam de oportunidades de escolhas entre elas. Relativamente à estrutura organizacional por trás deste modelo, ela servirá para: 1) definir padrão de chegada de problemas, soluções e decisores; 2) afetação de energia dos potenciais participantes; e 3) estabelecimento de ligações entre os vários elementos.

Como se observa, de fato, a percepção de racionalidade e sua aplicação nos modelos decisórios da Administração Pública tem variado ao longo dos anos sem, no entanto, que houvesse uma abordagem "vitoriosa". Em verdade, se observarmos bem, todas são aplicáveis, e seu grau de aplicabilidade depende, certamente, do contexto em que se analisa.

----------------------------------

(Artigo também disponível em http://www.brasiladmin.com)

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 1 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/administracao-artigos/a-racionalidade-e-os-modelos-de-tomada-de-decisao-na-administracao-publica-3871501.html

    Palavras-chave do artigo:

    racionalidade

    ,

    tomada

    ,

    decisao

    Comentar sobre o artigo

    Claudemir Oribe

    O estudo do efeito do estresse sobre o julgamento foi compilado por Hammond (2000) em sua obra "Judgements under stress". O autor explora e analisa vários estudos feitos sobre fatores estressantes como a falta de repouso, choque, ambientes perigosos, pressão do tempo treinamento não representativo, fadiga, sobrecarga da memória, ruído, ameaça de acidente e calor. A relação entre estresse no julgamento e tomada de decisão é um aspecto do comportamento humano que ainda é inconclusiva.

    Por: Claudemir Oribel Negócios> Gerêncial 02/12/2010 lAcessos: 555
    Diógenes Lima Neto

    1. Simon criticou os trabalhos anteriores em ciência da administração e procurou estabelecer novos elementos necessários para uma teoria científica da administração. Será que conseguiu? 2. Quais as razões pelas quais Herbert Simon é apontado como o autor que rompe com a ortodoxia (Weber, Taylor, Wilson, etc) no estudo da Administração Pública? 3. De que forma é que poderemos considerar Simon (r)evolucionário?

    Por: Diógenes Lima Netol Negócios> Administraçãol 16/12/2010 lAcessos: 1,557
    Valdelício Menezes

    Este artigo expõe o cenário econômico atual e discute sobre a tomada de decisão dos gestores, investir ou não em meio a tantas atribulações?

    Por: Valdelício Menezesl Negóciosl 08/10/2009 lAcessos: 1,084

    A crescente desarticulação entre a definição de políticas, formas e meios de implementação das mesmas, é uma realidade facilmente constatável. Por outro lado, a também crescente aposta na desintervenção do Estado na economia e na sua demissão das responsabilidades sociais, que constituem a sua razão de ser, conduzem-nos a um novo modelo de Gestão Pública que importa analisar. Se um novo modelo de Estado implica um novo modelo de Gestão Pública, como definir e caracterizar o novo gestor público e

    Por: candida marreirosl Negócios> Administraçãol 29/03/2011 lAcessos: 740
    Antonio Cunha

    O presente trabalho de pesquisa tem por objetivo principal demonstrar que a linguagem afeta sobre maneira a qualidade do processo decisório, considerando as circunstâncias temporais, análise ambiental, relacionamento inter-pessoal e aspectos políticos inerentes ao contexto em que são tomadas. O processo decisório envolve cognição, e a linguagem é especializada para cada campo de conhecimento, como na Administração e Direito aqui apresentada. Correlações sob diferentes aspectos foram coletadas no desenvolvimento teórico da pesquisa, assim como buscou-se informações num bairro curitibano, conhecido como Cabral. Dez empresas em que se consultou empregadores e empregados sobre problemas relacionados com o uso da linguagem.

    Por: Antonio Cunhal Negócios> Gerêncial 10/08/2009 lAcessos: 5,029 lComentário: 1

    Este artigo aborda o comportamento do consumidor. Aqui mostra-se algumas teorias capazes de identificar a forma de comportamento de compra do cliente.

    Por: IDERLAN SOARES DO NASCIMENTOl Negócios> Gestãol 24/09/2008 lAcessos: 90,696 lComentário: 8

    A cultura organizacional pode ser definida como um conjunto de hábitos, crenças, normas, valores, atitudes e expectativas compartilhadas em uma organização que tem como principal objetivo alinhar os valores organizacionais as estratégias do negócio. Assim, o objetivo desta pesquisa é conhecer a cultura organizacional por meio dos valores e das práticas segundo a percepção dos colaboradores de uma empresa de geração de energia elétrica.

    Por: ANA CAROLINA SANTOS GOMESl Negócios> Gestãol 07/08/2012 lAcessos: 354

    A premissa principal deste trabalho acadêmico gira em torno de uma consultoria empresarial. Atualmente, os desafios empresariais estão se agravando em decorrência da pressão e redução dos custos, competitividade cada vez maior, margens de lucro menores, entre outros, são exemplos de variáveis fatores que estão causando estes desafios. Diante disso, empresas estão buscando consultorias para minimizar obstáculos. Consultoria é: O serviço prestado por uma pessoa ou grupo de pessoas, independente

    Por: gabriela silva de liral Negócios> Administraçãol 06/05/2011 lAcessos: 829
    Públio Athayde

    O xadrez é o jogo que melhor representa o conflito complexo. Mas é conflito que requer antagonista. Na situação em que o eu se isola em si o conflito latente se perde em uma espiral sem fim.

    Por: Públio Athaydel Notícias & Sociedade> Polítical 18/11/2008 lAcessos: 2,141
    Edson luiz dos Santos

    O objetivo deste documento é analisar as barreiras que impedem a evolução natural da concorrência na indústria de meios de pagamento, em específico, no setor de credenciamento (Acquirer)

    Por: Edson luiz dos Santosl Negócios> Administraçãol 05/09/2014 lAcessos: 26

    Muitas pessoas podem acabar por não ter conhecimento sobre quais seriam as funções, ou até mesmo qual seria a importância de uma empresa que seja administradora de condomínios.

    Por: anamarial Negócios> Administraçãol 03/09/2014

    Dica como sua empresa pode economizar em telefonia. Nos dias atuais, empresas sólidas e bem estruturadas procuram a redução de custos em todos os seus departamentos, pois no balanço mensal ou anual da empresa a diferença é nítida.

    Por: Glaucol Negócios> Administraçãol 06/08/2014 lAcessos: 31

    Nos dias de hoje, podemos verificar que boa parte das pessoas acabam por não ter tempo o suficiente para que assim possam realizar determinadas atividades, como por exemplo a administração de um condomínio.

    Por: anamarial Negócios> Administraçãol 06/08/2014 lAcessos: 15
    Marlon Silva

    Saiba o que é amostragem e como pode ser utilizada pela auditoria para conduzir os trabalhos de forma mais efetiva e que servirá para formar a opinião do auditor.

    Por: Marlon Silval Negócios> Administraçãol 05/08/2014 lAcessos: 12
    Marlon Silva

    Saiba a diferença entre os dois tipos de auditoria: Interna e Externa. Conheça o perfil de cada profissional e o objetivo dos trabalhos de cada um.

    Por: Marlon Silval Negócios> Administraçãol 05/08/2014 lAcessos: 15
    Marlon Silva

    Saiba o significado do termo auditoria e qual seu objetivo. Entenda de onde surgiu e como desempenha seu trabalho.

    Por: Marlon Silval Negócios> Administraçãol 04/08/2014 lAcessos: 12

    Empresas precisam ser competitivas. Mas como assegurar e ter certeza de que a sua empresa está competindo corretamente?

    Por: Leo Augusto Sorgl Negócios> Administraçãol 31/07/2014
    Diógenes Lima Neto

    De acordo com a Lei 8666/93, a Administração está autorizada a pedir, de seus fornecedores potenciais, algumas formas de garantias. A idéia é que a capacidade de prover tais garantias, juntamente com outras abordagens, funcione como um "dado objetivo de comprovação da qualificação econômico-financeira dos licitantes e para efeito de garantia ao adimplemento do contrato a ser ulteriormente celebrado", conforme consta do Art.31, § 2º, da citada lei. Mas há alguns aspectos que devem ser realçados.

    Por: Diógenes Lima Netol Negócios> Administraçãol 23/08/2011 lAcessos: 528
    Diógenes Lima Neto

    Após a crise financeira de 2008-2009, de efeitos nefastos em nível global, muito se tem discutido e implementado em termos de formas de se aumentar o acompanhamento e controle societário sobre as empresas, o que acabou por ressuscitar e reforçar uma idéia não tão nova: a Governança Corporativa. Mas, afinal, o que seria isso? Tal é aplicável em Administração Pública? O governo brasileiro pratica isso? Veja e se surpreenda!

    Por: Diógenes Lima Netol Negócios> Administraçãol 08/03/2011 lAcessos: 256
    Diógenes Lima Neto

    1. Simon criticou os trabalhos anteriores em ciência da administração e procurou estabelecer novos elementos necessários para uma teoria científica da administração. Será que conseguiu? 2. Quais as razões pelas quais Herbert Simon é apontado como o autor que rompe com a ortodoxia (Weber, Taylor, Wilson, etc) no estudo da Administração Pública? 3. De que forma é que poderemos considerar Simon (r)evolucionário?

    Por: Diógenes Lima Netol Negócios> Administraçãol 16/12/2010 lAcessos: 1,557
    Diógenes Lima Neto

    Todos sabemos, em termos psicológicos, do peso da palavra Burocracia em nossas mentes. Morosidade, má gestão, mal atendimento, lentidão, filas, enfim, toda uma miríade de sensações e idéias ruins nos ocorrem ao pensar nessa palavra. Mas será que a idéia por trás da Burocracia sempre foi essa? Ou a deturpamos violentamente ao long dos anos? Fizemos algo para matá-la? Conseguimos? Veja nesse interessante artigo, o porque ela não vai morrer tão cedo...

    Por: Diógenes Lima Netol Negócios> Administraçãol 18/10/2010 lAcessos: 192
    Diógenes Lima Neto

    Não faz muito tempo, um internauta nos questionou acerca da possibilidade (ou não) de se realizar licitações sigilosas. A questão girava em torno de um ponto que colocamos em uma de nossas apresentações postadas no Scribd, a saber: "uma licitação, por definição, não pode ser sigilosa, mas detalhes técnicos de seu objeto podem". E a pergunta de nossa colega era, exatamente, onde estava a sustentação legal para tal afirmação.

    Por: Diógenes Lima Netol Negócios> Gestãol 17/09/2010 lAcessos: 1,244
    Diógenes Lima Neto

    Todos sabemos que não se pode reduzir uma análise estratégica a considerações sobre o ambiente externo em que está inserido o seu empreendimento, mas seria muita inocência, para não dizer falta de profissionalismo, abstrair aspectos ambientais em uma análise deste tipo. A intenção, numa análise estratégica do ambiente, é, antes de mais nada, descobrirmos como as variáveis ambientais podem mudar e, em seguida, quais as implicações destas mudanças em nossa empresa.

    Por: Diógenes Lima Netol Negócios> Gestãol 17/09/2010 lAcessos: 1,133
    Diógenes Lima Neto

    O planejamento hoshin kanri ou Gerenciamento pelas Diretrizes (GDP), ou Desdobramento das Diretrizes, tem suas origens no Statistical Quality Control, sendo um dos fundamentos do Total Quality Management - TQM. Até por esta razão, torna-se um sistema para o controle da qualidade e para as atividades de melhoria contínua.

    Por: Diógenes Lima Netol Negócios> Administraçãol 17/09/2010 lAcessos: 1,769
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast