Conceito de economia

Publicado em: 25/12/2010 |Comentário: 0 | Acessos: 2,979 |

Economia

Alex Ferreira da Silva

Bacharelando em Administração de Empresas pela FATIN - Faculdade de Teologia Integrada, Igarassu, PE

E-mail: alexfsilva12@hotmail.com

Metodologia Científica – Orientador: Jorge Rocha

25/12/2010

INTRODUÇÃO

 

Economia é a ciência social que estuda a produção, distribuição, e consumo de bens e serviços. O termo economia vem do grego para oikos (casa) e nomos (costume ou lei), daí "regras da casa (lar)."

Ela estuda as formas de comportamento humano resultantes da relação entre as necessidades dos homens e os recursos disponíveis para satisfazê-las. Assim sendo, esta ciência está intimamente ligada à política das nações e à vida das pessoas, sendo que uma das suas principais funções é explicar como funcionam os sistemas econômicos e as relações dos agentes econômicos, propondo soluções para os problemas existentes.

A ciência econômica está sempre analisando os principais problemas econômicos: o que produzir, quando produzir, em que quantidade produzir e para quem produzir. Cada vez mais, esta ciência é aplicada a campos que envolvem pessoas em decisões sociais, como os campos religioso, industrial, educação, política, saúde, instituições sociais, guerra, etc.

 

Tipos de economia

1. Economia mundial

Conjunto de atividades econômicas desenvolvidas em todo o mundo. A forma de ganhar dinheiro, de obter rendimentos, de gastá-los ou poupá-los para obter riqueza, depende de como o dinheiro é ganho, gasto e poupado no restante dos países. Estes vínculos internacionais existem há muito tempo, mas, devido às mudanças de natureza, a sua intensificação e ampliação, a economia mundial atual é bem diversa da economia internacional anterior.

Ao abordar este tipo de economia, estão sendo abordadas as relações internacionais existentes desde o surgimento do comércio, e também é afirmado que a produção, o consumo, o investimento, as finanças e qualquer outra atividade econômica estão organizadas em escala mundial. Isto significa que as instituições nacionais possuem poder restrito para influir sobre sua própria atividade econômica. Os governos têm pequena margem de manobra para mudar o nível de emprego ou mudar o saldo da balança de pagamentos, através de sua política fiscal ou monetária. São necessários, portanto, acordos com outros governos ou, no caso de países com economias frágeis, adequar-se ao movimento econômico mundial de acordo com as condições impostas pelas instituições internacionais, mais concretamente o Fundo Monetário Internacional (FMI) e o Banco Internacional de Reconstrução e Desenvolvimento (BIRD). Por outro lado, as empresas nacionais estão sendo substituídas por grandes multinacionais.

Existem três importantes mecanismos integrando a economia mundial: o comércio, a produção e as finanças. O comércio é medido pelas exportações e importações de bens e serviços. É freqüente a idéia de que o comércio internacional está limitado ao intercâmbio de bens acabados, mas o correto é que uma elevada percentagem das transações é produzida pelo intercâmbio de bens produzidos em vários países e montados em outros que, por sua vez, exportarão o bem acabado a outros, fato que reflete a globalização do próprio processo produtivo. Isto significa que as grandes corporações multinacionais produzem cada componente do produto no país que lhe ofereça melhores condições para sua fabricação. Quanto às finanças, a operação internacional mais simples é a compra e venda de divisas.

As condições econômicas predominantes em cada país dependem em grande parte do que ocorre na economia mundial, refletida no comércio internacional, na produção global e nas finanças internacionais. Outros fatores que contribuem para a integração da economia dos diversos países em uma única economia mundial, são as migrações e a difusão internacional da tecnologia. Embora ocorra esta integração, o resultado não é homogêneo, como o demonstra o crescimento desigual econômico dos diferentes países, permitindo que alguns enriqueçam enquanto outros empobrecem.

2. Economia de mercado

Modelo econômico segundo o qual, com exceção de determinadas atividades consideradas próprias do estado (como a defesa nacional, a promulgação de leis e a manutenção da ordem pública), todas as demais atividades e as transações econômicas dependem da livre iniciativa das pessoas, para alcançar seus objetivos econômicos da forma considerada a mais apropriada, sem a intervenção do governo. Neste contexto econômico, os indivíduos decidem livremente questões relativas ao emprego, à utilização de seu capital e de seus recursos; por exemplo, como distribuir os lucros entre a poupança e o consumo e como escolher para comprar entre os diferentes bens oferecidos.

Há controvérsias sobre quais atividades são de competência do Estado e quais cabem à iniciativa privada. O direito à liberdade e à segurança, constituindo direitos fundamentais, não pode estar sob o controle do mercado, pois não pode depender do poder aquisitivo do indivíduo. Da mesma maneira, os direitos humanos — por exemplo, o direito à vida e, portanto, a uma saúde pública mínima — requerem a intervenção do Estado na prestação de serviços médicos privados.

Quando atividades econômicas são desempenhadas por empresas do setor privado, torna-se necessária uma regulamentação pública para impedir, por exemplo, a apropriação indébita de propriedade.

3. Economia centralizada

Caracteriza-se por forte regulamentação e planificação por parte do Estado nos países comunistas. A queda dos sistemas comunistas nos países do Leste Europeu, em 1989, e na União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (URSS), em 1991, serviu como argumento para demonstrar não somente que a planificação centralizada ou o projeto comunista fracassou, mas também que é inviável. Uma opinião mais serena não estabeleceria generalizações tão taxativas. Em primeiro lugar, não se pode valorizar sua pertinência baseando-se nos sucessos econômicos e, em segundo lugar, sua associação com o termo socialismo ou comunismo somente tem sentido quando se trata de mostrar que esse era o único sistema econômico alternativo ao capitalismo.

Esse sistema econômico não foi implantado na URSS depois da Revolução Russa de 1917, mas quando Josef Stalin, em meados da década de 1920, tomou o poder e o controle do Partido Comunista da União Soviética (PCUS). Com o objetivo de reconstruir a economia a curto prazo, os objetivos, a médio prazo, consistiam em conseguir um desenvolvimento econômico gradual, fomentando um crescimento equilibrado em todos os setores industriais. A vitória de Stalin supôs uma política, em grande parte, de industrialização, com três aspectos políticos e econômicos inter-relacionados: a coletivização forçada do setor agrícola controlado por granjas estatais, o controle centralizado da economia mediante planos qüinqüenais e a neutralização da oposição com a reforma do sistema político. A coletivização pretendia eliminar a dependência alimentícia do setor industrial, suprimindo os pequenos proprietários agrícolas e aumentando o excedente do setor. A proibição dos mercados e a centralização da tomada de decisões econômicas pretendiam maximizar o uso dos recursos destinados à indústria. Essa política teve importantes efeitos negativos sobre o nível de vida médio da população.

Os planos qüinqüenais teriam que ser planos agregados, porque não se poderia realizar um plano para cada um dos 12 milhões de bens produzidos em uma sociedade industrial. Ao permitir um certo grau de discricionariedade em cada setor, indústria ou empresa, esses planos em cada setor, indústria ou empresa, esses planos somente podiam ser aplicados de forma eficaz em função dos objetivos gerais que inspiraram o plano, e sua eficiência dependia dos objetivos políticos. A premiação dos gestores ou administradores, em função da capacidade para o cumprimento dos objetivos do plano, implicava em motivos para pedidos de mais matérias primas necessárias e para subestimar a capacidade produtiva da fábrica. Portanto, a centralização provocou um desenvolvimento desequilibrado, incompatível com uma planificação eficiente. De fato, pretender alcançar determinados objetivos, mediante a racionalização e a utilização de recursos e sua aplicação de forma cooperativa, imaginativa e motivada, não permite definir a economia centralizada do regime stalinista como uma economia "planificada". Devido à posição monopolista dos produtores, não existiam incentivos para adaptar-se às variações da demanda ou para melhorar a qualidade dos produtos.

Esse sistema só foi exportado para o resto do Leste Europeu a partir de 1945. Em 1947, quando a União Soviética decidiu não se incorporar ao Plano Marshall, desconfiando das intenções do Ocidente, Moscou mudou sua estratégia, impondo pela força governos comunistas nos países que estavam sob sua esfera de influência. O objetivo era copiar o mecanismo da economia centralizada, reforçar o auto-abastecimento, para eliminar a dependência comercial da Europa Ocidental, e criar relações comerciais bilaterais com cada país, criando assim uma dependência econômica com a URSS.

A partir do início da década de 1960, tornaram-se patentes os problemas e surgiram numerosas reformas, conduzindo a uma situação insustentável que deu lugar à política da Perestroika, ou "reforma econômica" de Mikhail Gorbatchov, e sua contrapartida política, denominada glasnost ou "transparência": a supressão parcial da censura e o fomento da crítica positiva, que pretendiam também debilitar os opositores das reformas. Entretanto, os efeitos dessas medidas foram incontroláveis.

4. Economia Mista

Sistema econômico no qual participam tanto o setor privado como o setor público. Existe em muitos países capitalistas, particularmente nos de regime social-democrata. Nessas condições, o Estado, além de orientar a economia, detém a propriedade de importantes empresas em setores considerados estratégicos (bancos, indústrias de base, transporte, saúde e educação). A partir da queda do regime comunista no Leste Europeu e na antiga União Soviética e do apoio à empresa privada em países comunistas como China e Vietnã, é possível afirmar que não existe nenhum país que não pratique um regime de economia mista. Mas podemos afirmar também que, mesmo quando o comunismo estava em seu apogeu, havia certa atividade privada nesses países.

 

CONCLUSÃO

Segundo Paul A. Samuelson e William D. Nordhaus, economia pode ser definida como a ciência que estuda a forma como as sociedades utilizam os recursos escassos para produzir bens com valor e de como os distribuem entre os vários indivíduos. Nesta definição estão implícitas duas questões fundamentais para a compreensão da economia: por um lado a ideia de que os bens são escassos, ou seja, não existem em quantidade suficiente para satisfazer plenamente todas as necessidades e desejos humanos; por outro lado a ideia de que a sociedade deve utilizar os recursos de que dispõe de uma forma eficiente, ou seja, deve procurar formas de utilizar os seus recursos de forma a maximizar a satisfação das suas necessidades.

Dito por outras palavras, a economia procura responder a três questões, as quais constituem os três problemas de qualquer organização económica: o quê, como e para quem:

- O que produzir e em que quantidades? Quais os produtos e serviços deverão ser produzidos por forma a satisfazerem da melhor forma possível as necessidades da sociedade?

- Como devem os bens ser produzidos? Que tecnologias e métodos de produção utilizar? Que matérias primas deverão ser utilizados para produzir determinado produto? Como maximizar a produção tendo em conta os recursos disponíveis?

- Para quem são os bens produzidos? Como repartir pelos diferentes agentes económicos os rendimentos disponíveis? Quem deverá ganhar mais e quem deverá ganhar menos?

Da forma como as sociedades respondem as estas três questões resultam diferentes sistemas de organização económica - nos dois extremos podemos distinguir duas formas de organização económica alternativa:

- Economias centralizadas ou de direcção central - neste tipo de economias as principais decisões quanto ao quê, ao como e ao para quem devem ser produzidos os bens são tomadas pelo governo;

- Economias de mercado - nestas economias é o próprio mercado (composto por quem oferece e por quem procura os bens) que decide a resposta às três questões que constituem os problemas de qualquer organização económica.

Contudo, na verdade não existem actualmente sociedades que se encaixem em nenhum dos dois casos extremos expostos. De facto, todas as sociedades actuais estão organizadas em economias mistas na medida em que contém características quer das economias de mercado, quer das economias de direcção central. Nas economias ocidentais, por exemplo, é o mercado que determina o quê, o como e o para quem produzir mas os governos desempenham papeis importantes como sejam a supervisão e regulamentação das actividades económicas, a oferta de serviços públicos ou a repartição dos recursos pelos agentes económicos.

BIBLIOGRAFIA :

Nunes, Paulo : Conceitos de Economia

Fonte: http://www.formosaonline.com.br/geonl ... omia/economia_texto03.htm

 

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 0 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/administracao-artigos/conceito-de-economia-3916813.html

    Palavras-chave do artigo:

    economia

    ,

    tipos de economia

    ,

    mercado

    Comentar sobre o artigo

    Este breve trabalho pretende analisar os aspectos econômicos referentes, principalmente `a Segunda Grande Guerra, embora trate também do primeiro grande conflito mundial. Buscaremos empreender uma investigação histórica do processo em questão, bem como das ideologias subjacentes `as teorias econômicas típicas do período estudado. Queremos averiguar quanto custou tais conflitos de grandes proporções, e qual a dinâmica da macro economia durante tais acontecimentos. Para tanto, nosso metodologia consistiu na pesquisa de textos de História, bem como textos complementares de economistas e filósofos.

    Por: Vinicius C. da Silval Notícias & Sociedade> Polítical 14/01/2010 lAcessos: 4,799
    Lucileno Matos

    Este artigo tem como objetivo geral "Analisar as condições socioeconômicas do município de Imbituba". O trabalho fez uso da pesquisa bibliográfica e se enquadra como pesquisa básica com abordagem qualitativa do tipo estudo de caso. Como resultado, a pesquisa apontou a importância do desenvolvimento econômico para Imbituba, e que, para a análise da economia de um País, Estado ou Município, há a necessidade da adoção de indicadores: populacionais; sociais; econômicos; e infraestrutura.

    Por: Lucileno Matosl Educação> Educação Onlinel 14/08/2014 lAcessos: 72
    Adriana de Almeida Paiva

    A busca por uma maneira mais econômica de satisfazer as necessidades financeiras das sociedades por ações sem contratempos e operações a curto prazo com valores elevados pelas altas taxas de juros, levando as mesmas ao encontro das Debêntures e assim as sociedades anônimas podem captar recursos através de títulos, valores mobiliários a médio e longo prazos com juros mais baixos com ou sem atualização monetária e resgates por sorteio ou por prazos estabelecidos de acordo com as necessidades.

    Por: Adriana de Almeida Paival Finanças> Créditol 07/04/2011 lAcessos: 380

    Este artigo realizou um estudo exploratório da utilização da Gestão de Projetos na Internacionalização de Empresas. Buscou-se analisar o que significam os dois conceitos através de visões de vários autores. O objetivo foi trazer à tona a utilidade e a correlação entre dois saberes do conhecimento que, atualmente, fazem parte do cotidiano das empresas. Analisou-se o planejamento correto e os riscos positivos e negativos de uma empresa estar fora do país. Foram trazidos conceitos propostos pela Ge

    Por: Quintiliano Campomoril Negócios> Ger. de Projetosl 19/05/2011 lAcessos: 668

    No atual cenário econômico, muitas vezes as empresas para se manterem competitivas no mercado, necessitam do aporte de capital advindo de terceiros para subsidiar suas atividades operacionais e, proporcionar a maximização do lucro, com base em um bom gerenciamento de seus recursos. Neste contexto, o presente artigo tem o objetivo de identificar quais produtos e serviços financeiros são mais utilizados pelas empresas e como ocorre o relacionamento destas com as instituições bancárias. Foi realiza

    Por: Diego Ceriolil Finanças> Créditol 18/11/2010 lAcessos: 4,530

    O artigo é uma reflexão preliminar que faz parte de uma pesquisa mais ampla em que se busca investigar a parceria entre setor público e privado na área educacional para uso de material didático apostilado. O estudo se baseia em pesquisas já realizadas sobre o tema e nos dados coletados. A pesquisa inicial demonstra que, em nível global, a parceria público-privada faz parte de um conjunto de estratégias utilizadas pelos governantes para o enfrentamento da crise do capitalismo moderno.

    Por: Neide Pena Cárial Educaçãol 06/07/2011 lAcessos: 785
    Paulo Roberto Felipe Marques

    Sociedade de Economia Mista exploradora de atividade econômica de produção ou comercialização de bens ou de prestação de serviços pode ou não falir? Considerando o disposto no art. 173, §1, II da CR/88, a vedação à falência de sociedades de economia mista que exercem atividade econômica em sentido estrito, prevista no art. 2, I da Lei de Falências, é constitucional?

    Por: Paulo Roberto Felipe Marquesl Direito> Legislaçãol 15/06/2010 lAcessos: 2,676
    SerradoMar Imóvel Praia Grande

    A Cyrela publicou o Dicionário do Mercado Imobiliário. Muito bom pois, ajuda pessoas leigas em alguns assuntos a entederem melhor seu significado. Isto tabém ajuda a corretores de diferentes regiões do país.

    Por: SerradoMar Imóvel Praia Grandel Notícias & Sociedade> Cotidianol 23/09/2011 lAcessos: 425

    O artigo pretende discutir a reestruturação do Sistema Capitalista pós- quebra dos acordos de Bretton Woods, suas relações com a reforma neoliberal iniciada nos anos 1980 e implementada no Brasil a partir da década de 1990. Aborda as reações da sociedade civil, pelo efetivo atendimento de demandas universais listadas na Constituição de 1988 no Brasil, e pela regulamentação legal de novos anseios sociais.

    Por: João Carlos Peixel Notícias & Sociedade> Polítical 02/08/2011 lAcessos: 772
    Sergio Sebold

    O artigo trata da predominancia da atividade financeira sobre a produção, gerando oportunidade de se criar moeda ficticia, num jogo de cassino onde a produção não consegue acompanhar, opotunizando novamente a concentração de rendas.

    Por: Sergio Seboldl Finanças> Créditol 07/02/2011 lAcessos: 114

    Dicas simples para você escolher o curso de coaching ideal para crescer na sua carreira profissional e em sua própria vida pessoal

    Por: Fabio Augustol Negócios> Administraçãol 19/12/2014

    O artigo dar dicas para corretores que estão iniciando sua carreira no mercado imobiliário e não sabe os primeiros passos a serem tomados.

    Por: villevoxl Negócios> Administraçãol 19/12/2014

    O estudo de campo foi realizado no Hospital UDI, onde foram coletados os dados referentes ao atendimento e pacote de serviços, bem como qualificá-los na opinião dos clientes e funcionários. Em linhas gerais, esse trabalho científico teve como finalidade afirmar a ideia de que um pacote de serviços bem estruturado e um atendimento sem falhas são essenciais na formação de uma imagem empresarial consolidada.

    Por: Leobruno Revil Torres Ferreiral Negócios> Administraçãol 15/12/2014

    Este artigo apresenta que na atualidade as fraudes atacam cada vez mais os empresários, tendo em vista a insuficiência nos controles internos das empresas, apresenta alguns tipos de fraudes e como elas podem ser detectadas e também a melhor forma para combate-las.

    Por: Mirielil Negócios> Administraçãol 10/12/2014
    michelly bonifacio

    Descubra as três pergunta que Rick e seu grupo usam para serem capazes de determinar de forma eficiente se cada candidato é ou não digno de admissão e de quebra, como estas questões podem te ajudar a prospectar clientes.

    Por: michelly bonifaciol Negócios> Administraçãol 08/12/2014
    michelly bonifacio

    Nesta mais nova série, veja semana a semana uma nova dica para melhorar o desempenho de sua empresa.

    Por: michelly bonifaciol Negócios> Administraçãol 04/12/2014
    michelly bonifacio

    Eu sei, controlar estoque é realmente chato! Mas, se você possui um negócio, eu nem preciso dizer que o seu estoque é um dos fatores mais importantes, certo? Pensando nisso, a Alfa Networks preparou um artigo super especial para você controlar de uma vez por todas o seu estoque.

    Por: michelly bonifaciol Negócios> Administraçãol 01/12/2014

    Este trabalho tem como objetivo demonstrar as variações de desperdício primeiramente explicando seu conceito e suas definições na área administrativa. O trabalho foi dividido em cinco partes em cada parte o assunto será abordado de forma diferente, cada vez mais com foco na logística citando exemplos dos problemas que o Brasil enfrenta com a falta de investimento nesta área e infraestrutura apropriada.

    Por: Wolgran Teixeiral Negócios> Administraçãol 28/11/2014
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast