Consultoria: Premissas E Características Para O Sucesso

04/12/2008 • Por • 3,617 Acessos

O ritmo acelerado das mudanças atuais parece marcar um cenário no qual as empresas e as pessoas que as constituem têm que buscar, a todo custo, adaptar-se, adotar uma postura proativa ou reagir rapidamente ao ambiente de mudanças tecnológicas, políticas, econômicas, sociais e culturais que estão ocorrendo, forçando-as a reverem estruturas, políticas, filosofias de trabalho e de relacionamento empresarial e pessoal.  

 

No que concerne ao trabalho de consultoria é importante deixar claro que o mercado valoriza primeiro a experiência profissional do executivo, depois a visão de consultor que ele tem. A consultoria existe para criar soluções práticas e solucionar problemas que a empresa não consegue resolver sozinha. Segundo Barbosa e Rabaça (2001), em seu Dicionário de comunicação, descrevem consultor como o profissional: [...] qualificado, em razão de sua experiência e formação especializada, a quem os clientes recorrem para consultas sobre problemas de determinados aspectos, ligados à comunicação, ou para solicitar a elaboração de diagnósticos, programas e políticas de comunicação (Barbosa e Rabaça, 2001, p.180).

 

O consultor organizacional tem bagagem, formada por qualificação e experiência reconhecidas; é uma pessoa capaz de elaborar e formular estratégias; a relação entre consultor/cliente deve ser vista como um casamento ou como uma sociedade; é preciso “ser cuidada” para dar certo. Ambas as partes precisam dar, ceder e conceder. Segundo Oliveira (1999, p.21) destaca o consultor como um agente de mudanças, isto é, um “profissional capaz de desenvolver comportamentos, atitudes e processos que possibilitem à empresa transacionar, proativa e interativamente, com os diversos fatores do ambiente empresarial.” O consultor, portanto, com seu poder de influência, é capaz de provocar a pro-atividade e a interação de seu cliente.

 

Um consultor conquista e constrói sua credibilidade. Sua manutenção e crescimento no mercado estão intrinsecamente relacionados à sua capacidade de transformação própria, da realidade que o circunda, assimilação e seleção de informações, existindo momentos no qual deverá desprender-se de seus velhos ensinamentos, outros, não tão velhos, que irão impedí-lo de crescer e alçar novos vôos. Isso, sem contudo, abandonar a ética e o senso de humanidade.

 

Esta carreira é extremamente desafiadora e estimulante para o ser humano. Desafiadora por vivenciar situações que irão requerer mais do que o consultor possui e essa carência deverá ser suprida em tempo hábil e estrategicamente, sem interferir na relação de confiança do cliente no trabalho que está sendo realizado ou vai ser realizado pelo consultor. Estimulante por excitar o consultor, gerar soluções, e ele é pago para gerar soluções, mas é sabido também que ele não é um super-homem, alguém que tem todas as respostas. Ele certamente se empenha em obtê-las, porém nem sempre as encontra. Aprender a lidar com o erro, com seus limites é a arte de ser consultor, com todo o poder desta palavra.

 

O Consultor deve buscar novas formas de visão do mundo, deve abrir novas alternativas às sugeridas pelos próprios clientes, deve facilitar escolhas não antes vislumbradas, deve agregar valor ao seu trabalho e ao negócio da empresa/cliente. Decidir utilizá-lo é opção da empresa. Decidir sê-lo é uma decisão do profissional, decisão esta que deve ser pensada, planejada e implementada como um projeto de vida. Por isso, ser Consultor é mais que uma profissão, é uma opção de vida.

 

Perfil do Autor

ELIANA DE SOUZA

Servidora Pública Cursando Administração-UCB