Diagrama De Causa E Efeito De Ishikawa

08/12/2008 • Por • 37,621 Acessos

Uma forma de levantamento de sintomas na etapa de Análise de Situação Atual da TransMeth é a construção de diagramas de causa-efeito de Ishikawa.


Este diagrama, originalmente proposto por Kaoru Ishikawa na década de 60, já foi bastante utilizado em ambientes industriais para a localização de causas de dispersão de qualidade no produto e no processo de produção. Ele é uma ferramenta gráfica utilizada para explorar e representar opiniões a respeito de fontes de variações em qualidade de processo, mas que pode perfeitamente ser utilizada para a análise de problemas organizacionais genéricos


. É proposta a utilização deste diagrama na TransMeth em situações onde existe um grande Efeito Indesejável bem localizado e consensuado pelos elementos da organização.


Ele é utilizado para a identificação de direcionadores, ou drivers, que potencialmente levam ao Efeito Indesejável. Ele é uma ferramenta analítica que, utilizada por um grupo de projeto, parte de um "problema de interesse" e possibilita a ocorrência de um "brainstorm" no sentido de identificar as causas possíveis para o problema.


No entanto, no contexto da TransMeth entende-se que o conceito de causa-raiz não é propriamente expresso no Diagrama de Causa-e-efeito. Entende-se aqui que o Diagrama de Ishikawa é uma ferramenta poderosa para a identificação dos direcionadores que potencialmente causam os Efeitos Indesejáveis. Estes direcionadores, por sua vez, também podem ser EIs originados por outras Causas-raizes



 Diagrama de Causa-e-Efeito de Ishikawa



Sendo assim, o diagrama de Ishikawa conduz a uma miríade de causas, sem estabelecer exatamente quais as raízes do problema. O diagrama apresenta como pontos fortes:



  • é uma boa ferramenta de levantamento de direcionadores.

  • é uma boa ferramenta de comunicação.

  • estabelece a relação entre o efeito e suas causas.

  • possibilita um detalhamento das causas.


Mas, também apresenta os seguintes pontos fracos:



  • não apresenta os eventuais relacionamentos entre as diferentes causas.

  • não focaliza necessariamente as causas que devem efetivamente ser atacadas.


Assim, para sanar estes pontos fracos, é sugerida a utilização combinada do Diagrama de Ishikawa com uma ferramenta de focalização, chamada de Árvore da Realidade Atual, da Teoria das Restrições.


Diagrama de Causa e Efeito: Mostra a relação entre um conjunto de causas (processo) que provoca um ou mais efeitos. É uma forma organizada de correlacionar o efeito com suas causas, agrupando-se em "famílias de causas", tais como: Matéria-Prima, Máquina, Mão de Obra, Medida, Método e Meio Ambiente. O Diagrama de Causa e Efeito proporciona ao gerente melhor entendimento de que ele tem autoridade sobre as causas e responsabilidade sobre os efeitos (resultados) de um processo. É também conhecido como o Diagrama de Ishikawa ou de Espinha de Peixe. É uma das Sete Ferramentas de Qualidade.


Análise de Causa e Efeito


Esta técnica de solução de incidências é uma forma de analisar incidências complexas que parecem ter muitas causas inter-relacionadas. Um dos aspectos básicos da técnica é o uso de um diagrama de causa e efeito. Em razão da aparência do diagrama, essa técnica é também chamada Diagrama de Espinha de Peixe (Outro nome que você poderá ouvir para essa técnica é  Diagrama Ishikawa, por causa do Professor Kaoru Ishikawa, professor japonês que utilizou esse diagrama pela primeira vez em 1943). Os benefícios dessa técnica incluem:


·         Permitir o exame de diversas categorias de causa.


·         Incentivar a criatividade através de um processo de tempestade de idéias.


·         Fornecer uma imagem visual da incidência e categorias de causa em potencial.


DIAGRAMA DE CAUSA E EFEITO


   Também conhecido como Diagrama Espinha de Peixe (por seu formato) e Diagrama de Ishikawa (Kaoru Ishikawa - quem o criou), foi desenvolvido para representar a relação entre o "efeito" e todas as possíveis "causas" que podem estar contribuindo para este efeito. O efeito ou problema é colocado no lado direito do gráfico e as causas são agrupadas segundo categorias lógicas e listadas à esquerda.

   Ele é desenhado para ilustrar claramente as várias causas que afetam um processo por classificação e relação das causas. Para cada efeito existem seguramente, inúmeras categorias de causas. As causas principais podem ser agrupadas sob seis categorias conhecidas como os "6 M": Método, Mão-de-obra, Material, Meio Ambiente, Medida e Máquina. Nas áreas administrativas talvez seja mais apropriado usar os "4P": Políticas, Procedimentos, Pessoal e Planta (arranjo físico). Estas categorias são apenas sugestões, é possível utilizar outras que ressalte ou auxilie as pessoas a pensar criativamente.

Perfil do Autor

Franco Kaolu Takakura Junior

Experiência na área de Controladoria (2 anos), atuando na Apuração e análise do resultado econômico e financeiro, Coordenação de Orçamentos e Análise de viabilidade de novos Investimentos; Auditoria operacional, verificação de pessoas, processos e procedimentos, reversão de resultados de 300 mil reais mensais em uma unidade operacional. Participação no plano de ação para sanar os problemas. Desenvolvimento de trabalhos para a otimização e racionalização de processos operacionais e administrativos; Sólidos conhecimentos de Matemática Financeira e Informática; Habilidade nos relacionamentos interpessoais em todos os níveis hierárquicos e rápida adaptação a novas estruturas organizacionais