O Administrador

23/09/2008 • Por • 2,079 Acessos

O administrador

 

Desde os tempos primórdios a arte de administrar já se fazia necessário para que os homens pudessem se organizar e manter-se vivos diante da ameaça constante de suas vidas por parte dos mais diversos tipos de animais existentes. Em meados do século XVIII com o advento da revolução industrial, esta arte tornou-se mais presente e necessária para existência das organizações, no entanto os administradores daquela época não estavam acostumados a lidar com grandes produções, a vinda das máquinas tornou-se uma ameaça constante as atividades destes pequenos produtores, pois eles tinham uma rotina que não era necessário lidar com grandes produções e para isso não exigia ter conhecimentos técnicos, nem promover grandes diferenciais ao mercado consumidor.

Nos tempos de hoje em que a velocidade da informação é o maior diferencial para a sobrevivência das organizações, a figura do administrador deixou de ser apenas uma formalidade e passou a ser uma visível necessidade, pois na velocidade em que as organizações necessitam de empenho e dinamismo para a busca constante de resultados, o administrador necessita de capacitação e conhecimento para atender a essas expectativas. Entretanto é um verdadeiro absurdo ver, saber e conhecer organizações patriarcais em que seus proprietários e sucessores acham-se os donos da razão, totalmente preparados para lidar com situações que exigem conhecimentos extremamente técnicos, esta problemática assola nosso país e é base de muitas organizações que acabam por falir, levando com ela famílias e sonhos, onde os envolvidos nem sempre sabem o por que de ter que parar com um projeto de vida e a realização de seus objetivos.

Hoje o administrador é uma pessoa altamente capacitada para exercer atividades e funções que requeiram sensibilidade, dinamismo, competência, conhecimento técnico e habilidades específicas. Se eu enquanto formando do curso de Administração , não posso fazer uma cirurgia cardíaca, mover uma ação de alimentos, projetar uma casa, dentre outras atividades, por que qual quer um destes profissionais pode exercer funções que competem a nós administradores?

Enquanto deixarmos que outro ocupe o lugar que deveria ser nosso o país continuará vivendo o dilema das profissões, até por que quem não sabe o que quer qualquer coisa serve. Esta conscientização deve passar a ser tema de debates e seminários nas faculdades e universidades, pois a necessidade de organizar-se conforme suas necessidades e particularidades é um diferencial dos animais racionais, a estes cabe definir a melhor forma de viver heterogeneamente sem esquecer das adversidades.

A arte de Administrar não é algo que necessita somente de vontade, mas também de uma base fundamentada, conhecimentos técnicos e específicos é fundamental para que os administradores possam ter êxito, sucesso e reconhecimento durante a execução de suas atividades. Alguns autores falam em administrador in natu, acredito que realmente possa existir administradores naturais, no entanto estes administradores possuem apenas algumas habilidades naturais que permitem a eles algumas facilidades de assimilação, mas também não isenta estes da necessidade dos bancos universitários, pois é na academia que se encontra as ferramentas que irão auxiliar e direcionar seu entendimento para um melhor desempenho de suas atividades. Sérgio Dal Sasso já dizia em seu portal na enternet: “Para crescer tem que amadurecer, começando pelo reconhecimento da própria imperfeição e limitação”. Sendo assim, não somente nós como as organizações vivem uma constante mutação em busca do aperfeiçoamento e obtenção de objetivos através de metas já pré-estabelecidas em nossos sub-conscientes.

 

 

O administrador do mundo moderno além de ter a necessidade de estar atento as mudanças no ambiente externo (políticas publicas, responsabilidade social, bolsas de valores, índices financeiros, leis trabalhistas, crises financeiras e etc.), não pode esquecer da gestão interna, onde as transformações são constantes. Pensar em políticas adequadas de cargos, salários e carreiras, benefícios, treinamentos, capacitação, em busca de um ambiente de trabalho mais harmonioso, mantendo os colaboradores sempre motivados, resolvendo ou amenizando os conflitos internos, são tarefas que na teoria parece fácil, mas na prática é um dos grandes desafios dos gestores atuais, pois, estamos na era do homem complexo.

O colaborador faz parte do patrimônio ativo e intangível da empresa, sendo que o seu diferencial é ser racional, único e particular, além de carregar consigo uma bagagem cultural, hábitos, desejos, sentimentos, razões e aptidões, essas muitas das vezes sendo mal exploradas dentro das organizações, geralmente ocasionada por falta de uma análise de potencial e de desempenho.

O ser humano é um universo único e extremamente complexo, onde temos que avaliar o potencial e o desempenho sem paternalismo, tomando as decisões visando o desenvolvimento da organização como um todo, e não crescimento individual, pois toda a organização que se apóia em uma única “estrela” pode se dar mal, investir em um só individuo tem seus riscos e não são poucos, como: supervalorização do individuo, causando um certo ciúme dos outros colaboradores, podendo gerar até mesmo, uma desmotivação no grupo, causada pela sensação de “euquipe” e não de equipe.

Temos que ter a consciência de que ninguém faz nada sozinho e onde tem um bom sempre pode haver um melhor, o ser humano é capaz de grandes mudanças e conquistas, temos apenas que saber trabalha-los de forma eficiente, a qual possamos desenvolvê-los da melhor maneira possível, não podemos esquecer da sinergia, que é maximização dos resultados, no aumento da somatória no resultado final, onde 2 + 2 = 5.

             O desafio do gestor é convencer os seus colaboradores a concretizar os seus sonhos e para isso temos que acreditar que somos agentes de mudança e que podemos colocar o destino ao nosso favor e a certeza de fazer a diferença no mundo, para isso temos que acreditar que somos capazes de realizar coisas antes vistas como impossíveis, confiando em nossos ideais e pontos de vista, que possam ser sustentados e justificados, lutando sempre por nosso espaço, buscando sempre o papel de ator principal... “É preferível ser cabeça de sardinha a rabo de tubarão”.

A liderança é um ponto fortíssimo a favor do gestor que por sua vez deve ser praticada diariamente, principalmente a habilidade de liderança servidora para que ela se torne um hábito, basta se engajar em um processo de melhoria continua, aceitar feedback de seus subordinados e estar disposto a assumir os riscos para eliminar a distancia entre o que você é e o que você precisa mudar para se tornar um líder realmente eficaz. Ao trilhar este caminho, é importante não confundir poder com autoridade. A autoridade inspira as outras pessoas a fazer as coisas com boa vontade, o poder as obriga. A liderança servidora é um estilo de vida, ela não é conquistada, mas sim construída com serviço e sacrifício.

Nas organizações, o gestor soluciona problemas, é responsável em captar recursos planejando sua aplicação, desenvolvendo estratégias para novas ações em um mercado altamente competitivo. Com este entendimento, podemos perceber que a arte de administrar não é tão simples quanto parece, mas é o desafio dessa profissão que nos torna apaixonados por ela, pois a administração não é mecânica e nem tem uma receita pronta, para se obter sucesso na área administrativa é necessário ser dinâmico e empreender com responsabilidade, agindo hora certa, usando o principio da eficiência, o que significa organizar o andamento do processo produtivo, objetivando diminuir o tempo e material alocado nesse processo, maximizando os resultados, sem perda de qualidade no produto final. Cada organização é única, em suas metas, objetivos, desafios, problemas e mercados, e devido nos depararmos com mercados diversos, consumidores exigentes, mão de obra diversificada, ou seja, realidades completamente diferentes; com isso, chego à seguinte conclusão: “a arte de administrar tem que ser feita com amor, esse é o primeiro passo para desenvolvermos nossas habilidades com dinamismo, excelência e satisfação”.

Perfil do Autor

Cléo Afonso Aragão de Souza Junior

Acredito que não existe uma receita de sucesso, a verdadeira fórmula da vitória, está dentro de cada um de nós, da nossa força de vontade...