Violência Na Adolescência

20/01/2009 • Por • 30,540 Acessos

Infelizmente, a agressividade é sempre um tema da atualidade, especialmente a agressividade juvenil, na qual está relacionada aos roubos, furtos, assaltos, seqüestros, gangues, atiradores de escolas, dos queimadores de mendigos, dos homicidas ou pelo simples fato da agressão familiar, o que não é tão difícil hoje em dia.


Segundo a UNICEF, a situação da violência na adolescência gera o seguinte fato, 44% das crianças e adolescentes no Brasil, vivem em famílias com uma renda per capita de meio salário mínimo, sendo que desse total, metade vive em famílias com um quarto de salário mínimo per capita. São 29 milhões de crianças e adolescentes em situação de miséria absoluta, filha da violência estrutural, campo propício para a experiência da delinqüência.


De acordo com a revista americana “Science”, algumas das causas sociais da violência mais relevantes são:


a)    Índices de encarceramento, tanto familiar quanto em cadeias;


b)    Uso constante de crack e outras drogas nocivas


c)     Uso de armas, na qual a venda é ilegal nesta faixa etária, porém de fácil acesso


d)    Desigualdade econômica


e)    Dificuldade de laços familiares

Considere que não é fácil construir uma sociedade rica e igual, que eduque de forma adequada e capacitada todas as crianças, mas como evitar a violência em sociedade e ainda mais com o adolescente?


Podemos dizer que não há realmente soluções mágicas ou estratégicas para tal fato. Temos que entender que a violência juvenil deve ser entendida como doença, por fatores múltiplos, como citados acima, na qual precisam ser verificados com cuidado para que possamos ao menos diminuir este fato, que é tão complexo e amedrontador a todos numa sociedade.

Perfil do Autor

Alexandre Vieira

Professor Especialista pela UNIFESP - Escola Paulista de Medicina em Bases Metodológicas e Fisiológicas do Treinamento Desportivo. Graduado pela USP em Licenciatura em Educação Física (Aluno-especial - 1996) Graduado pela UNISA em Licenciatura e bacharelado em Educação Física (1998). Experiência nas disciplinas de Ensino Superior: a) Metodologia de ensino I, II e III; b) Filosofia, Sociologia e História da Educação e da Educação Física; c) Didática de ensino e Prática de Ensino; d) Educação Física Adaptada (deficiência física, mental, auditiva e visual) e) Atividade Física para saúde (Cardiopatias, Obesidade, Diabetes( tipo I e II ), Distúrbios Respiratórios, Distúrbios Posturais, Distúrbios Ortopédicos, Gravidez, Aids, Câncer e Síndromes raras), e suas implicações em programas de exercícios físicos. f) Estágio Supervisionado g) T.C.C. Docente na UNIBAN - Brasil.