Fo T O G R A F I A A B S T R A T A

Publicado em: 20/04/2010 |Comentário: 0 | Acessos: 145 |

Para se entender a fotografia abstrata é preciso compreender a interpretação do real feita pelos fotógrafos através dos tempos. O olhar sobre o mundo, feito pela fotografia, em um primeiro momento, meados do século XIX, foi um continuísmo da maneira como a pintura representava não só a sociedade, seus personagens, a natureza, enfim, o mundo real.

Para se entender a fotografia abstrata é preciso compreender a interpretação do real feita pelos fotógrafos através dos tempos. O olhar sobre o mundo, feito pela fotografia, em um primeiro momento, meados do século XIX, foi um continuísmo da maneira como a pintura representava não só a sociedade, seus personagens, a natureza, enfim, o mundo real.

A fotografia nasce com sua linguagem atrelada à função social que a pintura desempenhava naquela época. Assim a linguagem, neste momento, não só se utiliza da composição oriunda da pintura, como também apresenta-se empenhada em representar a realidade tal qual ela se apresentava.

O movimento chamado pictorialismo é o maior exemplo dessa ligação inicial da fotografia com a pintura.

Por meio de várias formas de manipulação da imagem fotográfica, o fotógrafo procurava inserir a fotografia no universo das artes visuais, ao
mesmo tempo distanciando da então compreensão do que seria uma imagem fotográfica e, aproximando-a da linguagem pictórica.

Com o desenvolvimento da tecnologia, os equipamentos tornaram-se mais leves e as emulsões mais rápidas, permitindo uma maior mobilidade do fotógrafo, facilitando assim, a busca por ângulos inusitados e recortes que fugissem da intenção de representação fiel da realidade.

Um momento importante é movimento do construtivismo russo, já no início do século XX. Não por acaso, neste momento estava nascendo a pintura abstrata. Alexander Rodchenko, e László Moholy-Nagy, principalmente, ampliaram as possibilidades
da fotografia, incutindo no fotógrafo o desafio de mostrar o mundo de uma forma diferente e inusitada. Enriquecendo o imaginário fotográfico, Rodchenko e Moholy-Nagy, iniciaram, a meu ver, a história da fotografia abstrata, propondo novos ângulos em imagens que con contribuíram para o abstracionismo na fotografia.


Com os surrealistas, representados na fotografia principalmente por Man Ray, a fotografia abstrata conquista seu espaço. May Ray, inclusive assessorando Marcel Duchamp em alguns de seus trabalhos, propõe novos elementos estéticos na fotografia, fugindo do figurativo e mergulhando em um universo fotográfico descompromissado com a representação da realidade. May Ray retoma a técnica criada por Henry Fox Talbot, no início da história da fotografia, rebatizando-a de Rayografia, técnica hoje conhecida por fotograma. A idéia é colocar objetos diretamente sobre o papel fotográfico, no laboratório, sem o uso do negativo, pesquisando composições abstratas em ricas gradações de cinzas, luzes e sombras.

As fotografias aéreas, em alguns casos, são imagens abstratas, pois as referências do mundo real se dissolvem, assim como nas fotografias feitas por microscópios.

Interessante notar que, segundo Phillipe Dubois(1), El Lissistsky e Kasimir Malévitch, pintores do movimento artístico chamado Suprematismo, se inspiraram em fotografias aéreas para produzirem suas imagens abstratas.

Aqui quero fazer um pequeno paralelo entre a fotografia abstrata e a pintura abstrata. Para Meyer Schapiro(2), ao contrário do que alguns dizem sobre a pintura abstrata, esta não é fruto de um excesso de racionalismo e ausência de sentimentos, é sim, o
ápice da dimensão humana no processo criativo. É no abstrato que o artista
coloca todo o seu potencial para criar uma imagem que não traga em sua percepção referência de figurativo. Faço uma comparação com a fotografia abstrata, com a ressalva que sem o referente real a fotografia não existe.

A fotografia traz consigo, sempre, um rastro do real, definida por alguns como uma imagem de natureza indicial. Isto coloca a fotografia abstrata em uma situação de ambigüidade. Ao mesmo tempo que procura negar uma representação figurativa da realidade, por outro lado, até por sua gênese por projeção luminosa sobre a material fotossenssível, não pode nascer desassociada de algo real que esteve diante da câmera.

Há também um desafio que o fotógrafo se impõe de ser original, fruto do bombardeamento não só de fotografias mas também de todos os tipos de imagens, sempre na busca de ter em suas fotografia uma abordagem diferente nunca antes vista. Isto o instiga na procura por abstrair o real, e propor imagens que mesmo geradas a partir de referentes reais ao mesmo tempo negue este mesmo real.

O resultado é um conjunto de fotografias abstratas que ao mesmo tempo em que nos remetem ao digital, demonstram também as muitas possibilidades da fotografia explorando apenas o recorte da realidade que nos cerca. São imagens que partem de um mundo real e negam, ao mesmo tempo, sua ligação com referentes deste real.

Na exposição Composições, o abstracionismo está em uma total negação ao figurativo. As fotografias não têm foco, dificultando ainda mais o reconhecimento do referente. São massas de cor, com seus limites diluídos, distribuídas pelo retângulo em uma pesquisa estética de composições.

Não sei se interessa saber a partir de qual objeto foi feita uma fotografia abstrata. Mas para o espectador, em geral, isto é importante, pois a fotografia traz esta ligação indissociável com o real. Como é fotografia então há um objeto para onde a máquina fotográfica esteve apontada por um átimo de segundo que seja. É a ambigüidade do abstracionismo na fotografia. Prefiro que o julgamento do resultado não esteja condicionado ao conhecimento de qual porção do real aquela imagem partiu, mas espectador é livre em suas considerações e julgamento.

O abstrato nega o figurativo, e de certa forma nega o real, isto instiga o fotógrafo. Uma vez em exposição o fotógrafo quer mostrar do que foi capaz e faz um desafio ao espectador: Será capaz de julgar a imagem sem precisar saber a partir do quê foi feito aquela fotografia?

1 DUBOIS, Philippe. O ato fotográfico. Campinas, SP. Papirus, 1994.
2 SCAHPIRO, Meyer. Mondrian-a dimensão humana da pintura abstrata. São Paulo-SP, Cosac & Edições, 2001.

 

 

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 0 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/arte-artigos/fo-t-o-g-r-a-f-i-a-a-b-s-t-r-a-t-a-2188316.html

    Palavras-chave do artigo:

    fotografia

    Comentar sobre o artigo

    Com o crescimento da Internet, hoje em dia há uma série de cursos que podem ser feitos on line. É por esta razão que você deve estar sempre bem informado sobre as diversas oportunidades que podem lhe ajudar a aprender muitas coisas de uma maneira prática e acessível.

    Por: Fotografia GDl Arte& Entretenimento> Fotografial 24/04/2012 lAcessos: 85

    Fotografar criativamente está mais além de simplesmente pôr a câmera a frente dos olhos e click. Fotografar bem significa em primeiro lugar saber o que se quer mostrar e depois planejar cuidadosamente a fotografia para que se possa ter uma foto de impacto. Neste artigo apresentaremos mais três dicas sobre composição que realmente deixarão suas fotografias mais atraentes.

    Por: bruno sellmerl Arte& Entretenimento> Fotografial 10/09/2014

    Um dos aspectos que evidenciam o olhar do fotógrafo sobre o mundo é a capacidade que ele tem de selecionar e dispor os elementos que compõem uma fotografia. Essa capacidade está atrelada ao ponto de vista do fotógrafo, o lugar de onde ele decide colocar a câmera é uma de suas decisões mais críticas. Para que você consiga uma composição criativa é indispensável se movimentar de um lado para o outro e aproximar-se e se afastar da cena, se colocar em um ponto superior e inferior a ela. Vendo a cen

    Por: Thiago De Souzal Arte& Entretenimentol 07/12/2009 lAcessos: 302 lComentário: 1

    Tanto podemos aprender fotografia de forma autônoma como através de uma escola de fotografia. Aprender fotografia de forma autônoma é válido, mas é preciso tomar cuidado com buracos que ficam pela forma desestruturada que se adquire o conhecimento. Um bom curso de fotografia adianta muitos caminhos.

    Por: bruno sellmerl Arte& Entretenimento> Fotografial 18/09/2014
    kathia Cilene S. Nascimento

    RESUMO Este ensaio tem como objetivo tratar de questões referentes ao uso da fotografia como fonte de pesquisas na obtenção de informações históricas. Revelar que cada fotógrafo tem uma intenção ao fotografar. A partir do espaço físico o profissional encontra ou cria os mecanismos de passar informações que nem sempre são reais.

    Por: kathia Cilene S. Nascimentol Educação> Ensino Superiorl 24/07/2012 lAcessos: 108

    Não há dúvida de que a fotografia é considerada uma arte visual. Como qualquer outro tipo de arte, que exige imaginação e intuição, o que significa que não há nenhuma limitação em tirar fotografias, desde que sejam criativos.

    Por: Decio Fernandesl Arte& Entretenimentol 22/01/2009 lAcessos: 1,954

    O que é um Curso de Fotografia Online e como eu posso aprender mais sobre eles? Descubra como funcionam os Cursos de Fotografia Digital pela Internet e como você vai se surpreender com o mundo da fotografia ao aprender os segredos dos melhores fotógrafos. Continue lendo...

    Por: Rodrigol Arte& Entretenimento> Fotografial 18/03/2011 lAcessos: 112

    Por definição, fotografia é, essencialmente, a técnica de criação de imagens por meio de exposição luminosa, fixando esta em uma superfície sensível. A primeira fotografia reconhecida remonta ao ano de 1826 e é atribuída ao francês Niepce Contudo, a invenção da fotografia não é obra de um só autor, mas um processo de acúmulo de avanços por parte de muitas pessoas, trabalhando juntas ou em paralelo ao longo de muitos anos.

    Por: Glauber Queirozl Arte& Entretenimento> Artel 21/07/2010 lAcessos: 237

    Um olhar rápido em torno de qualquer museu você irá perceber um número surpreendente de imagens da figura feminina. As mulheres têm sido usadas na arte ao longo da história. Hoje, as mulheres são o principal foco da fotografia utilizada pela indústria da moda e "fashion", que aparecem em jornais e revistas, onde são vistas como noivas, atrizes, domésticas,atletas e etc.

    Por: Decio Fernandesl Arte& Entretenimentol 17/12/2009 lAcessos: 547

    Há uma grande variedade de tipos de fotografias que podem ser vistas no inverno. Todo o contraste e texturas da natureza são simplesmente infinitas.

    Por: Decio Fernandesl Arte& Entretenimentol 20/01/2009 lAcessos: 2,320
    Milka Wolff

    Curadora de museu desmistifica a ideia de que homem não gosta de museu e mostra uma pesquisa que aponta que o público masculino aprecia visitar museus

    Por: Milka Wolffl Arte& Entretenimento> Artel 15/10/2014

    O ensaio avalia e estabelece um posicionamento crítico acerca do Circuito das Artes Visuais. O autor diante de vários segmentos, inclusive das ciências exatas mostra como o mercado procede. O título possui uma estratégia de motivação para o leitor assimilar as obras e instalações( utiliza-se de animais) presentes no mercado de arte, nos Salões e Bienais. Os erros, acertos os métodos para a escolha dos artistas e consequentemente das suas obras podem ser analisados com embasamento pelo leitor

    Por: vicente de percial Arte& Entretenimento> Artel 09/10/2014

    Ensaio crítico acerca do embate entre a Arte e o Poder. Exemplos e direcionamentos através do panorama do Circuito das Artes Visuais.

    Por: vicente de percial Arte& Entretenimento> Artel 03/10/2014

    Os antigos imperadores e generais romanos celebravam suas grandes vitórias no campo de batalha de forma espantosa: Construindo monumentos que os lembrassem para a eternidade. Este artigo mostra uma das mais marcantes de toda a cidade, muito embora marcada pela simplicidade, se levarmos em conta que é apenas uma "grande coluna", porém que teve e tem consequências fenomenais ainda hoje em nosso mundo moderno, a maravilhosa coluna de Trajano.

    Por: Giovani Pinto da Costal Arte& Entretenimento> Artel 29/09/2014
    Cristina Ribeiro

    A pintura em tecido vem sendo aprimorada a niveis fantásticos. Temos hoje em dia, artistas buscando um aprimoramento jamais visto. Isso é muito bom, valoriza a arte de pintar tecido e em breve, eu creio, que este trabalho já não estará mais relegado aos panos de copa.

    Por: Cristina Ribeirol Arte& Entretenimento> Artel 25/09/2014 lAcessos: 13

    Ensaio que relata a presença do conceituado artista Rubem Valentim. O autor Vicente de Percia é autor do texto do catálogo da Casa da Moeda quando as foram cunhadas em homenagem à obra de Valentim. Tal evento teve repercussão internacional e gerou esse texto.

    Por: vicente de percial Arte& Entretenimento> Artel 25/09/2014

    Análise crítica da obra de Celeida Tostes pelo crítico Vicente de Percia e sinalização da sua trajetória como artista plástica. Percia como um dos idealizadores e júri da I Bienal Mundial do Barro que teve origem em Carracas, Venezuela. A ceramista brasileira Celeida Tostes foi a convidada viva dessa grande Mostra e a artista homenageada falecida Ana Medieta de Cuba. Esse ensaio crítico e segundo a crítica Maria João Machado fundamental para o conhecimento e compreensão da obra da artista.

    Por: vicente de percial Arte& Entretenimento> Artel 06/09/2014
    Milka Wolff

    Estilista, criadora do Museu da Moda, único no mundo, chama a atenção para o crescimento do turismo cultural no país

    Por: Milka Wolffl Arte& Entretenimento> Artel 06/09/2014
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast