Hístoria da Folia de Reis

Publicado em: 07/08/2010 |Comentário: 1 | Acessos: 239 |

É um auto popular natalino, de origem portuguesa, de evocação da visita dos três Reis Magos ao Menino Jesus, com apresentação de danças dramáticas como o Terno de Reis, o Rancho e o Bumba-meu-boi. A Folia de Reis marca o fim do ciclo natalino, principalmente no Norte do país. A Folia tem início no dia 24 de dezembro, à meia-noite, e termina no dia 6 de janeiro, Dia de Reis. O desfile leva uma bandeira que muitos acreditam ter o poder de curar as pessoas.

Os foliões fazem paradas em casas previamente escolhidas, para cantorias, em troca de comida e bebida. As Bandeiras de Reis, como também são chamadas as Folias, têm versos próprios para pedir, agradecer e despedir-se dos moradores.

Quando as bandeiras percorrem apenas as ruas da cidade, chamam-se Folias de Reis ou Folias de Reis de Banda de Música. No entanto, quando também visitam os sítios e fazendas, recebem o nome de Folias de Reis de Caixa.

As folias têm de 8 a 20 foliões que são organizados de acordo com suas funções. Eles representam os próprios Reis Magos, acompanhados de empregados, como o pajem e os mordomos, soldados e o Demônio ou Herodes e seus soldados, perseguidores de Jesus Cristo. O mestre e o contramestre são as figuras mais importantes e usam fitas cruzadas no peito, capas de renda e ombreiras para diferenciarem-se dos demais foliões. O mestre é responsável pela organização da folia e o contramestre recolhe os donativos oferecidos pelos donos das casas. O alferes fica encarregado de levar a bandeira, que traz estampadas as figuras dos Reis Magos e da Sagrada Família e que é feita de acordo com as posses do grupo. Os músicos e cantores animam a folia com bumbo, violão, sanfona, pandeiro e cavaquinho. Cantam versos inspirados em trechos da Bíblia e sua música recebe o nome de toada.


Os palhaços, que representam os perseguidores de Cristo, apresentam-se depois dos outros. Usando máscaras e roupas improvisadas, eles dançam descalços, saltitam e recitam versos engraçados chamados chulas. Depois da apresentação dos palhaços são feitas as despedidas.

No encerramento da Folia de Reis, no dia 6 de janeiro, parentes, amigos e participantes de outras folias se divertem com muitas música, comida e bebida. E uma ceia é realizada a 2 de fevereiro, dia de N. Sra das Candeias. Os foliões cumprem promessa de por 7 anos consecutivos saírem com a folia. Conhecida nas cidades, vilarejos e fazendas do interior do RJ, ES, MG, GO, SP e PR, a Folia era essencialmente rural, mas nos dias atuais se expandiu, resistindo até mesmo nas grandes cidades (RJ, Belo Horizonte e Goiânia), no PA e no MA. A Folia de Reis revivia no campo as jornadas das pastorinhas urbanas, entre Natal e Reis.

(Fonte: Globinho Pesquisa, dez. 1996 e 1997)

Arquivo: Folia de Reis de Diadema S.Paulo  27/02/2008.

Jaime F. Mendes - Fonte http://www.foliadereis.org - Comunidade da Folia de reis

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 0 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/arte-artigos/historia-da-folia-de-reis-2986740.html

    Palavras-chave do artigo:

    folia de reis

    ,

    reisado

    ,

    www foliadereis org

    Comentar sobre o artigo

    A vinda, da família do Sr. Joaquim Orlando Dias de Minas Gerais para São Paulo começou assim com a chegada em São Paulo em 1943, ele e a esposa Dona Orminda com 4 filhas e um filho pegaram o trem que vem de São Paulo para Santo André e depois vieram para Piraporinha ( hoje pertence a cidade de Diadema) morar ao lado da Cerâmica Assad.

    Por: Jaime Mendesl Arte& Entretenimento> Artel 07/08/2010 lAcessos: 240 lComentário: 2
    Milka Wolff

    Curadora de museu desmistifica a ideia de que homem não gosta de museu e mostra uma pesquisa que aponta que o público masculino aprecia visitar museus

    Por: Milka Wolffl Arte& Entretenimento> Artel 15/10/2014

    O ensaio avalia e estabelece um posicionamento crítico acerca do Circuito das Artes Visuais. O autor diante de vários segmentos, inclusive das ciências exatas mostra como o mercado procede. O título possui uma estratégia de motivação para o leitor assimilar as obras e instalações( utiliza-se de animais) presentes no mercado de arte, nos Salões e Bienais. Os erros, acertos os métodos para a escolha dos artistas e consequentemente das suas obras podem ser analisados com embasamento pelo leitor

    Por: vicente de percial Arte& Entretenimento> Artel 09/10/2014

    Ensaio crítico acerca do embate entre a Arte e o Poder. Exemplos e direcionamentos através do panorama do Circuito das Artes Visuais.

    Por: vicente de percial Arte& Entretenimento> Artel 03/10/2014

    Os antigos imperadores e generais romanos celebravam suas grandes vitórias no campo de batalha de forma espantosa: Construindo monumentos que os lembrassem para a eternidade. Este artigo mostra uma das mais marcantes de toda a cidade, muito embora marcada pela simplicidade, se levarmos em conta que é apenas uma "grande coluna", porém que teve e tem consequências fenomenais ainda hoje em nosso mundo moderno, a maravilhosa coluna de Trajano.

    Por: Giovani Pinto da Costal Arte& Entretenimento> Artel 29/09/2014
    Cristina Ribeiro

    A pintura em tecido vem sendo aprimorada a niveis fantásticos. Temos hoje em dia, artistas buscando um aprimoramento jamais visto. Isso é muito bom, valoriza a arte de pintar tecido e em breve, eu creio, que este trabalho já não estará mais relegado aos panos de copa.

    Por: Cristina Ribeirol Arte& Entretenimento> Artel 25/09/2014 lAcessos: 13

    Ensaio que relata a presença do conceituado artista Rubem Valentim. O autor Vicente de Percia é autor do texto do catálogo da Casa da Moeda quando as foram cunhadas em homenagem à obra de Valentim. Tal evento teve repercussão internacional e gerou esse texto.

    Por: vicente de percial Arte& Entretenimento> Artel 25/09/2014

    Análise crítica da obra de Celeida Tostes pelo crítico Vicente de Percia e sinalização da sua trajetória como artista plástica. Percia como um dos idealizadores e júri da I Bienal Mundial do Barro que teve origem em Carracas, Venezuela. A ceramista brasileira Celeida Tostes foi a convidada viva dessa grande Mostra e a artista homenageada falecida Ana Medieta de Cuba. Esse ensaio crítico e segundo a crítica Maria João Machado fundamental para o conhecimento e compreensão da obra da artista.

    Por: vicente de percial Arte& Entretenimento> Artel 06/09/2014
    Milka Wolff

    Estilista, criadora do Museu da Moda, único no mundo, chama a atenção para o crescimento do turismo cultural no país

    Por: Milka Wolffl Arte& Entretenimento> Artel 06/09/2014

    A vinda, da família do Sr. Joaquim Orlando Dias de Minas Gerais para São Paulo começou assim com a chegada em São Paulo em 1943, ele e a esposa Dona Orminda com 4 filhas e um filho pegaram o trem que vem de São Paulo para Santo André e depois vieram para Piraporinha ( hoje pertence a cidade de Diadema) morar ao lado da Cerâmica Assad.

    Por: Jaime Mendesl Arte& Entretenimento> Artel 07/08/2010 lAcessos: 240 lComentário: 2

    Comments on this article

    0
    Ilza 12/08/2010
    Parabéns Ponto de Cultura Folia de Reis.
    Sou moradora de Diadema e gostei de saber um pouco mais sobre essa cultura.
    Ilza
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast