Do que os clientes gostam

Publicado em: 14/09/2010 |Comentário: 0 | Acessos: 422 |

Atender necessidades e construir relacionamentos são fatores de sucesso na Advocacia

"Na fábrica, fazemos cosméticos. Na loja vendemos esperança" Charles Revson, fundador da Revlon Inc.


Segundo Theodore Levitt, professor da Universidade de Harvard, e um dos maiores especialistas em marketing do mundo, "as pessoas não compram coisas, mas soluções para problemas". Em seu livro "A Imaginação de Marketing", (Editora Atlas, 1985), o professor Levitt mostra que é fundamental entender os clientes, seus problemas, e desenvolver meios de empolgar sua atenção e seus hábitos.

 

Charles Revson percebeu que apesar de suas indústrias fabricarem apenas produtos químicos, as lojas precisavam vende mais do que isto para terem sucesso. Por esta razão criou o conceito de vender sonhos e esperanças associados aos seus produtos, tornando-se um grande sucesso na indústria de cosméticos mundial.

 

Na advocacia é possível utilizar o mesmo raciocínio para conquistar clientes. No escritório, o advogado produz um conjunto de  tarefas e estudos que resulta em petições, processos e ações judiciais para resolver os eventuais problemas de seus clientes, no entanto para estas pessoas o que importa é de que forma aquele escritório jurídico poderá atender suas necessidades e expectativas, e como poderá influenciar sua qualidade de vida e de sua família.

 

No filme "Do Que as Mulheres Gostam", o personagem Nick Marshall, interpretado pelo ator Mel Gibson, passa a ter grande sucesso com as mulheres após sofrer um acidente em que adquire a capacidade de "ler" o pensamento feminino, e, com isto, ele consegue atender melhor as expectativas delas. O filme é uma metáfora, que nos remete à seguinte questão: não seria interessante que também os profissionais desenvolvessem a capacidade de perceber os pensamentos de seus clientes, compreendendo melhor suas expectativas e desejos para poder atendê-los?

 

Existem duas questões básicas para conquistar clientes e obter sucesso na advocacia:

 

  • Entender os clientes, seus desejos, expectativas e necessidades.
  • Desenvolver um relacionamento adequado e duradouro com os clientes.

 

Entendendo os clientes

O primeiro passo para entender um cliente é conhecer suas necessidades e expectativas. Uma das ferramentas que possibilita este conhecimento é a teoria de Maslow.

 

Abraham Maslow (1908-1970) foi um psicólogo americano, conhecido pela teoria da "Hierarquia das necessidades de Maslow", onde nos apresenta a seguinte ordem de prioridades em termos de nossas necessidades.

Maslow explica o comportamento de um indivíduo levando em conta a satisfação destas necessidades. Com isto, é possível perceber a força do estímulo de um cliente, baseado no nível de satisfação que já foi atendida, e orientar o relacionamento sempre no sentido de atender as necessidades ainda não satisfeitas daquele individuo.

 

O operador do Direito precisa ter uma oferta de serviços específica para cada tipo de público, e, mesmo dentro de um determinado grupo, precisa direcionar sua oferta de serviços para atender as necessidades não satisfeitas daquele individuo em particular. É necessário levar em conta a condição social, econômica, escolaridade e outros fatores que possam indicar qual nível de satisfação este individuo ainda não conseguiu realizar.

 

As pessoas buscam satisfazer necessidade em função da condição social em que se encontram. Pessoas mais carentes socialmente costumam buscar satisfazer principalmente as necessidades básicas, como as fisiológicas e de segurança, ao passo que aquelas que tiveram estas necessidades realizadas, tentarão satisfazer expectativas superiores como auto-estima, realização espiritual ou mesmo de status social, por exemplo.

 

Além da teoria de Maslow, é preciso levar em conta também a abordagem que Sigmund Freud (1856-1939) e seu seguidor Jaques Lacan (1901-1980) apresentaram sobre o assunto. Eles mostraram em seus ensaios que além da satisfação das necessidades existe uma demanda interior nas pessoas, que antes de tudo é a expressão do desejo. Isto explica porque muitos clientes vinculam a satisfação de suas necessidades também a um estado de prazer. Por isto, muitas pessoas relacionam o ato de comprar ao prazer de realizar esta ação além do próprio atendimento das necessidades não satisfeitas.

 

Um advogado que orientar o relacionamento com seus clientes utilizando estes conceitos perceberá que existem aspectos subjetivos que podem facilitar o seu trabalho. Este profissional deve estabelecer um relacionamento com seus clientes que possa gerar prazer (através de conforto, serviços complementares, forma de atender e outros meios), para estas pessoas durante todo processo de atendimento, pois este também terá papel fundamental no resultado.

 

Desenvolvendo relacionamentos duradouros

O relacionamento entre advogados e clientes raramente termina após o primeiro contrato. Em uma razoável proporção de transações, a tendência é que o relacionamento possa intensificar-se, e isto se torna o fator crítico na escolha daquele escritório da próxima vez que o cliente for precisar dos serviços.

 

Como ilustra o professor Theodore Levitt, o primeiro contrato meramente consuma o namoro. Em suas palavras: "Depois começa o casamento. O quanto o casamento tem de bom depende de quão bem o relacionamento é administrado pelo vendedor. Isto determina se haverá negócios continuados e serão expandidos, ou problemas e divorcio, e se aumentam os custos ou os lucros."


Nestas condições, segundo Levitt, uma decisão de compra não é uma decisão de comprar apenas um item (ou como ter apenas "um caso"), mas de entrar em um relacionamento vinculado (casar). Por isto, os clientes estão cada vez mais exigentes e seletivos em relação aos seus fornecedores.

 

É preciso buscar uma interdependência em que contratantes e contratados, clientes e advogados, busquem um relacionamento de longo prazo, com vantagens recíprocas. Os clientes podem oferecer novos negócios ao escritório de maneira continuada, seja através da utilização eles próprios dos serviços deste escritório, seja pela indicação de conhecidos como novos clientes. Os escritórios precisam garantir qualidade, regularidade, confiança e bom atendimento. Dessa forma, o relacionamento comercial resultará num "casamento", permanente.

 

Como diz o professor Theodore Levitt, "Nada impele o progresso como a imaginação. A idéia precede o feito". Por isto, é tão fundamental que os advogados possam começar a imaginar novas formas de se relacionar com seus clientes, imaginar quais são as necessidades destes, suas expectativas e desejos. Assim, conhecendo melhor seus possíveis contratantes, se colocando no lugar deles para viver e sentir a mesma expectativa que ele sente, o profissional do Direito poderá construir seu principal patrimônio que é um forte relacionamento com sua banca de clientes.

Ari Lima

(31) 3643-4980 – (31) 8813-5871

contato@arilima.com

 

Participe de nossos treinamentos em Marketing Jurídico e Gestão de Escritórios. Para mais informações, visite nosso site: www.arilima.com

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 0 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/atendimento-ao-cliente-artigos/do-que-os-clientes-gostam-3266555.html

    Palavras-chave do artigo:

    marketing juridico

    ,

    gestao de escritorio

    ,

    clientes

    Comentar sobre o artigo

    A importância da implantação de um plano de gestão e marketing nos escritórios de advocacia está se tornando uma unanimidade. Mais do que isso, tornou-se crucial para garantir o sucesso de uma banca jurídica. A maioria dos profissionais que participam de nossos treinamentos e consultoria, desde advogados com alguns anos de militância no setor, até jovens recém-saídos da universidade concordam com a relevância de se ter um plano de negócios para gerir suas carreiras e escritórios.

    Por: Ari Limal Negócios> Atendimento ao Clientel 13/09/2010 lAcessos: 243

    Neste momento em que está surgindo, timidamente, uma nova cultura no meio jurídico sobre a necessidade da gestão de marketing nos escritórios e na carreira de advogados, com a implantação do chamado "marketing jurídico", levanta-se uma questão crucial: como conciliar a implantação de um programa de marketing com as limitações impostas pelo Código de Ética da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB)?

    Por: Ari Limal Negócios> Atendimento ao Clientel 15/09/2010 lAcessos: 243

    Analisar histórias reais de sucesso em captação de clientes pode ser bastante útil como modelo de marketing jurídico eficaz. Um bom exemplo é o filme "Erin Brockovich, Uma Mulher de Talento", que teve Julia Roberts no papel principal. O enredo nos mostra os bastidores de um escritório de advocacia que se envolve numa investigação sobre a contaminação de água de uma pequena cidade dos EUA.

    Por: Ari Limal Negócios> Atendimento ao Clientel 15/09/2010 lAcessos: 822

    O líder de um escritório de advocacia deve ser ao mesmo tempo um técnico, um gerente e um empreendedor com competência nessas três áreas. Estes atributos em um profissional são imprescindíveis para gerar um escritório de sucesso.

    Por: Ari Limal Negócios> Atendimento ao Clientel 14/09/2010 lAcessos: 172

    A advocacia atual vive um processo de modernização e adaptação à nova realidade social, oferecendo sistematicamente novas soluções jurídicas, com o objetivo de atender necessidades, expectativas e exigências que surgem a cada dia na sociedade. No entanto, apesar de estar ocorrendo esta importante e necessária adaptação, o setor continua utilizando métodos antigos e, em muitos casos, ultrapassados, no seu processo de prestação de serviços.

    Por: Ari Limal Negócios> Atendimento ao Clientel 15/09/2010 lAcessos: 360
    Alexandre Motta

    O Marketing Jurídico e a Evolução da Advocacia.

    Por: Alexandre Mottal Marketing e Publicidadel 14/01/2010 lAcessos: 558
    Gustavo Rocha

    Uma interessante reportagem do Consultor Jurídico desta segunda-feira retrata a questão do Marketing Jurídico na Inglaterra, o que nos traduz num comparativo interessante sobre aquilo que hoje temos no Brasil. Leia o artigo completo aqui. Marketing jurídico no Brasil são um conjunto de atitudes discretas, que não podem ser confundidas com propaganda, nem mesmo próximo daquilo que chamamos de marketing tradicional. Já na Inglaterra temos vários exemplos de marketing e propaganda que são permtid

    Por: Gustavo Rochal Marketing e Publicidadel 21/09/2011 lAcessos: 75
    Gustavo Rocha

    Talvez um dos temas mais complexos para um jovem advogado (e para muitos advogados marmanjos também), que ainda pensa que marketing é o mesmo que propaganda e quer tentar convencer um cliente de que ele é a melhor alternativa com um site maneiro, um twitter descolado e suas fotos de surfista amador e gatas do facebook. Uma ilusão completa. Outros ainda pensam que escrever artigos densos, quase tratados de direito convencerão empresários e/ou clientes comuns a contratar seus serviços, diante de

    Por: Gustavo Rochal Marketing e Publicidadel 12/08/2014
    Gustavo Rocha

    São 50 tons de cinza, quer dizer, 50 dicas práticas de guerrilha em termos de marketing para advogados. 50 dicas explícitas, objetivas, quase eróticas de tão diretas, sensuais e mais, perfeitamente aplicáveis a vida real, sem ser ficção. Nada de esse cara sou eu ou personagens que nunca encontramos na rua. Leia atentamente estas 50 dicas separadas por João Ozorio e escritas por Terry Berger, e aplique no seu dia a dia cada uma delas. Vale a pena ler, analisar se a dica está ou não inserida no

    Por: Gustavo Rochal Marketing e Publicidadel 16/01/2013 lAcessos: 63
    Gustavo Rocha

    Um artigo do consultor americano Larry Bodine apresenta dez ações efetivas de marketing jurídico. Para ler o artigo original, clique aqui. Abaixo as dez ideias apresentadas no artigo original, com comentários meus. 1. Separe um percentual para investir em marketing. O autor se refere a 2,5% do faturamento. Ao meu ver, desde que seja um valor fixo, qualquer valor vale a pena.O importante é que o dono saiba que investir em marketing é algo sério e não apenas um brinquedo que se usa uma vez e depoi

    Por: Gustavo Rochal Marketing e Publicidadel 30/03/2011 lAcessos: 84

    O atendimento é essencial para fidelizar e satisfazer clientes, por isso ele deve ser excelente.

    Por: contasl Negócios> Atendimento ao Clientel 17/12/2014

    Excelência em Comunicação no Atendimento ao Cliente - Parte 02, Comunicação verbal nos dias atuais.

    Por: Priscila Pereira de Oliveiral Negócios> Atendimento ao Clientel 14/12/2014
    michelly bonifacio

    Você já teve sua empresa criticada nas mídias sociais por conta de um mau atendimento ou quem sabe por algum problema com seu produto? É horrível, não? Então, se você já teve sua empresa criticada nas mídias sociais e quer evitar que isso aconteça novamente ou se simplesmente tem medo de que isso ocorra e quer se prevenir, não importa, este artigo foi feito especialmente para você. Veja agora mesmo 3 Dicas que vão ajudar a sua empresa a não ser Publicamente Criticada pelas Mídias Sociais.

    Por: michelly bonifaciol Negócios> Atendimento ao Clientel 11/12/2014

    Para manter um cliente, é necessário realizar algumas ações pontuais a fim de fidelizá-lo. Entretanto existem algumas ações que podem ser realizadas de maneira simples para que ocorra a fidelização completa.

    Por: Inrisel Negócios> Atendimento ao Clientel 03/12/2014

    A comunicação é fundamental em todos os pilares da vida, e quando fala-se em Atendimento ao Cliente é fundamental pois é preciso primeiro se conhecer para entender o cliente, a primeira parte do artigo é sobre AUTOCOMUNICAÇÃO.

    Por: Priscila Pereira de Oliveiral Negócios> Atendimento ao Clientel 29/11/2014 lAcessos: 17

    A cadeia de suprimentos para a indústria de tecnologia é extremamente volátil, já que envolve grandes desafios para as empresas do setor, como a rápida resposta à demanda, sazonalidade, melhoria contínua, otimização de custos, visibilidade em tempo real, lançamento de novos produtos em um curto período de tempo e a movimentação de itens para produtos com ciclo de vida curto.

    Por: Flávia Gaviolil Negócios> Atendimento ao Clientel 25/11/2014

    O atendimento ao cliente é um serviço de impacto e precisa de um grupo de pessoas hábeis para realizar o atendimento de uma empresa, contudo, não é sempre assim que funciona, gerando resultados improdutivos impedindo o progresso do negócio.

    Por: Adriano Bezerral Negócios> Atendimento ao Clientel 07/08/2014 lAcessos: 37
    Gerisval Alves Pessoa

    Vender não se trata de trocar o produto ou serviço por dinheiro do cliente. É a doação de si mesmo.

    Por: Gerisval Alves Pessoal Negócios> Atendimento ao Clientel 20/06/2014 lAcessos: 37

    A persuasão é provavelmente a habilidade mais importante para um profissional se destacar no meio social em que vive. Palavra pouco utilizada no dia a dia, e conceito raramente difundido na literatura, a persuasão tem um poder incalculável, e pode ser utilizada tanto para realizações nobres, como para enganar as pessoas.

    Por: Ari Limal Marketing e Publicidade> Marketing Pessoall 29/09/2010 lAcessos: 352

    Conhecer a forma como executivos de sucesso atuam no dia a dia, seus hábitos no trabalho e em sua vida pessoal pode ser uma vantagem competitiva para os profissionais se sobressaírem no mercado. Em geral são conceitos simples e fáceis de aplicar, porem são úteis o bastante para serem incorporados às rotinas de novos e até mesmo de experientes profissionais.

    Por: Ari Limal Marketing e Publicidade> Marketing Pessoall 29/09/2010 lAcessos: 152

    Recebemos um convite do jornalista Tiago Cabrera da rádio Novo Tempo de São Paulo, para participar de uma entrevista no programa 50 minutos com o apresentador Elias Teixeira, no dia 24 de julho de 2008, e falar sobre "A Arte de Vender", e o vendedor bem sucedido. A seguir um resumo de nossa entrevista.

    Por: Ari Limal Marketing e Publicidade> Marketing Pessoall 29/09/2010 lAcessos: 229

    O ponto fundamental para qualquer processo de vendas vem sucedido, é a confiança. Tanto a credibilidade que o vendedor e a empresa precisam despertar no cliente, quanto à própria confiança que o vendedor precisa ter em si mesmo.

    Por: Ari Limal Marketing e Publicidade> Marketing Pessoall 29/09/2010 lAcessos: 374

    Na terceira etapa para construir uma carreira de vendedor bem sucedida, estudaremos a técnica de vendas denominada A.I.D.A, que significa: Atenção, Interesse, Desejo e Ação. Veremos que em todo o processo de vendas, inicialmente é preciso chamar a atenção do cliente para nossa proposta e nosso produto.

    Por: Ari Limal Marketing e Publicidade> Marketing Pessoall 29/09/2010 lAcessos: 440

    Durante um processo de vendas, pode chegar um momento em que o vendedor sente que está no lado oposto ao seu cliente, é quando este começa a apresentar objeções, mostrar resistência ao seu produto ou pedir muitos esclarecimentos. Esta é uma etapa crítica em que a maioria dos vendedores sente grande desconforto.

    Por: Ari Limal Marketing e Publicidade> Marketing Pessoall 29/09/2010 lAcessos: 240

    A segunda fase necessária para construir uma carreira bem sucedida em vendas é conhecer adequadamente o mercado em que irá atuar. Nesta etapa, o vendedor precisa estudar profundamente todos os aspectos do setor em que está inserido, para conhecer melhor o seu cliente e suas necessidades, conhecer o produto que vende e todos os benefícios que o mesmo pode oferecer, precisa conhecer o mercado, os concorrentes e as tendências gerais do setor.

    Por: Ari Limal Marketing e Publicidade> Marketing Pessoall 29/09/2010 lAcessos: 159

    A maioria dos vendedores desconhece o real poder de compra das mulheres. No entanto, as mais recentes pesquisas demonstram que as mulheres são, atualmente, o grupo de consumidores mais importante que existe. Para se tornar um vendedor bem sucedido é fundamental não apenas tomar consciência da importância das mulheres no mercado consumidor, mas, principalmente, aprender a lidar com este público exigente e desenvolver ações de marketing específicas para conquistá-las.

    Por: Ari Limal Marketing e Publicidade> Marketing Pessoall 29/09/2010 lAcessos: 153
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast