O PAPEL E A IMPORTÂNCIA DO SUPERVISOR DE SEGURANÇA NAS EMPRESAS DE SEGURANÇA PATRIMONIAL

05/11/2010 • Por • 976 Acessos

O PAPEL E A IMPORTÂNCIA DO SUPERVISOR DE SEGURANÇA NAS EMPRESAS DE  SEGURANÇA PATRIMONIAL

O papel do supervisor em algumas empresas de segurança privada, não esta de forma nenhuma relacionada à valorização do profissional. Algumas empresas sejam elas de pequeno, médio ou de grande porte esquecem-se de dois fatores importantes: O supervisor e o vigilante. As empresas só focam os clientes, que é o fator determinante, e o mais importante na visão de alguns gestores. Esquecem-se que para a satisfação do cliente na prestação de serviço, o vigilante é o colaborador de linha de frente, e sempre estará em contato direto com o cliente, o supervisor é o elo entre clientes, colaboradores e a empresa, ele é o mais indicado, para saber como esta a situação física e emocional do colaborador no posto de serviço.

Hoje com o mundo globalizado, não tem mais espaço para o tipo de supervisor, que atuava em décadas passadas. Naquela época os colaboradores eram tratados nas regras do regime militar, não importando o estado emocional de cada um, o que todos queriam é que o trabalho fosse realizado, não importava as condições, que muitas vezes em alguns postos era até desumano. Nesta época a maioria dos supervisores atuava ou teriam participado do quadro das forças armadas ou na policia militar, e traziam consigo enraizado o regime militar, e implantava este regime nas empresas. Outros que não fizeram parte do quadro militar, também incorporavam o regime, usando muitas vezes de truculência. As técnicas usadas na época vinham das escolas militares, com planejamentos e estratégias usadas na segurança pública, o vigilante em questão, não tinha direito a opinar, mesmo que ele também tivesse servido as forças armadas. Nesta época era comum as empresas contratarem ex-militares (soldados), para preencher as vagas de vigilantes, aproveitando que eles já estavam enquadrados no regime. Este era o retrato do supervisor de segurança, e também era o que as empresas procuravam implantar.

Hoje o papel do supervisor é de máxima importância, passamos por uma mudança de concepção de segurança, ele pode tratar diretamente com o cliente, representando a empresa, defendendo os interesses em comum,  da organização e do vigilante, tem que ter habilidades Técnicas, Humanas e Conceituais, ter conhecimento das funções da administração; Planejar, Organizar, Comandar, Coordenar e Controlar. A atuação deste profissional tem que estar direcionado ao mesmo tempo em vários segmentos, e a sua carteira de clientes pede isso. A sua área de atuação tem um leque de clientes distintos, que pode ser; bancos, indústrias, hospitais, shopping centers, condomínios comerciais e residenciais, órgãos públicos, hipermercados e institutos educacionais entre outros, e estes clientes estão cada vez mais exigentes. O supervisor tem que elaborar normas e procedimentos, projetos de segurança física, eletrônica e da informação, políticas de segurança, implantação de novos postos, alem de demonstrar pró - atividade, conduzir sindicância interna, programa de treinamento e qualificação, fiscalizar documentos, equipamentos, entre outros.

O profissional tem que estar preparado, para avaliar as diversas vulnerabilidades dos seus clientes dia-a-dia; No passado o supervisor não fazia, o papel de gerenciamento de risco e prevenção de perdas, hoje é obrigatório e fundamental, este levantamento tem que ser diário, ou em todas as visitas fiscalizadoras, e sempre interagindo com o corpo de vigilância do posto de serviço, solicitando idéias, e nunca esquecer que o vigilante fica a maior parte do tempo no posto, estas anotações têm que estar sempre atualizada, dever manter a empresa e o cliente sempre informados, através de relatórios.

Após a ocorrência, tem que avaliar com rapidez e precisão, o modus operandi utilizado, pelos criminosos, e tem que atuar no gerenciamento de crise, dar suporte a todos os envolvidos na ocorrência, preservar o ambiente, orientar seus colaboradores e também preservar a imagem do cliente. O profissional tem que ter um bom relacionamento interpessoal (Gestão de Pessoas), para tratar de assuntos muitas vezes delicado que envolve a família do colaborador, e tem que interagir com outros setores na empresa e com órgãos externos, e tratar direto ou indiretamente com os gestores da empresa.

Hoje não tem mais espaço no mercado para o supervisor do passado, o profissional tem que se atualizar constantemente, através da leitura, tem vários livros de ótimos autores, as universidades oferecendo cursos de Graduação, MBA e Pós-Graduação, tudo isto relacionado à segurança. E ainda tem a internet como uma ferramenta importante de pesquisas.

Os criminosos todos os dias surgem com novas técnicas para burlar a lei. A Segurança deve se aprimorar com as novas tecnologias para tentar frustrar a ação destes criminosos.

Ninguém nunca sabe tudo, o conhecimento é infinito.

Perfil do Autor

NIVALDO NUNES

Há 16 anos atuando no segmento de segurança privada, prestando serviços em grandes empresas como Gestor de Segurança. Formado em Gestão de Segurança Privada pela Uniban Universidade de São Paulo. Cursando Pós-Graduação em Especialização em Docência do Ensino Superior pela Uniban Universidade Bandeirante.