Dependência Química - A família e o Dependente Químico

Publicado em: 08/09/2011 |Comentário: 0 | Acessos: 153 |

A FAMÍLIA PODE AJUDAR?

A família tanto pode:

 Ajudar o dependente a se recuperar;

Fazer com que o indivíduo comesse a fazer o uso de álcool e drogas;

Fazer o indivíduo recuperado a ter uma recaída.

É muito comum o indivíduo experimentar o álcool ou qualquer tipo de droga em função do relacionamento familiar.

A falta de atenção e amor dos pais para com o indivíduo, as constantes discussões entre os pais, a agressão familiar, a falta de compreensão, as regras e normas impostas (muitas vezes de forma excessiva), o excesso de liberdade, os locais e pessoas com aos quais os pais se relacionam, o excesso de cobrança de resultados nos estudos e no trabalho, o excesso de mimo, o uso de álcool e drogas dos próprios pais, são fatores que normalmente fazem com que haja fuga do indivíduo para grupos sociais onde a droga e o álcool são as "soluções dos problemas".

Muitos pais dão ao jovem ou adolescente a condição de tomar as suas próprias decisões e se comportarem da maneira que pensam com relação ás pessoas e a tudo o que o mundo oferece. Porém se esquecem, que o adolescente ou jovem é imaturo, ainda não conseguiu formar opinião própria e se deixam facilmente serem influenciados por opiniões e atitudes de outras pessoas, espelhando-se em indivíduos que aparentemente são felizes agindo de forma de que tudo pode, tudo convém e nada lhes é proibido.

Os pais devem tomar muito cuidado com relação á liberdade atribuída aos filhos, ela não pode ser demais, porém também não pode ser de menos, A conversa franca, honesta e muito diálogo, são fundamentais no desenvolvimento dos adolescentes e jovens. Os pais devem formar as opiniões dos filhos, caso contrario outras pessoas a formarão, e pode ser que seja um traficante ou usuário de drogas, ladrão, pedófilo, prostituta, estuprador, desocupado, delinquente, alcoólatra, etc.

Hoje infelizmente dentro de nossas casas é comum ter bebida alcoólica, é comum os filhos verem os pais se divertindo bebendo em festas, viagens, churrascos, encontro familiar ou com amigos. A cabeça de uma criança diante dessa situação associa que o álcool é bom, pois os pais estão sempre alegres e felizes quando bebem, daí a curiosidade de experimentar e quando vai se dar conta já é um alcoólatra.

Outros pais totalmente desinformados têm o habito de levar seus filhos á bares, acostumando-os desde pequenos ao ambiente do bar, e o que se aprende de pequeno se põem em prática quando adulto.

Alguns pais até chegam a molhar o bico da chupeta de crianças em cervejas, aguardente ou vinhos, em champanhe em festas de fim de ano, despertando desde a infância a disposição do indivíduo a fazer o uso do álcool.

Muitos pais quando descobrem que seus filhos estão fazendo o uso de drogas ou bebendo demais, normalmente condenam os filhos, chegando até a agredi-los verbalmente e fisicamente, mas se esquecem que tudo isso começou do incentivo que eles "os próprios pais" deram á seus filhos durante a sua infância.

É também comum, jovens iniciarem o uso de álcool e drogas após separações de seus pais, o jovem não entende a separação, assimila um sentimento de perca, do pai ou da mãe, se sente solitário, desprotegido, triste, infeliz, angustiado, depressivo, rejeitado, e assim fica vulnerável, buscando consolo e apoio na sociedade externa, amigos de escola, trabalho, lazer, porém na sua condição deplorável não é aceito no grupo de pessoas alegres e felizes, mas é aceito no grupo dos derrotados, e uma vez no grupo dos derrotados, se torna também um.

No mundo em que vivemos onde o individualismo prevalece, ás pessoas perderam a intenção de viver em pró do bem comum, tornando-se egoístas, orgulhosos, materialistas, amantes do dinheiro e do poder. E é essa a educação que em muitos casos o jovem/adolescente recebe de seus pais. Nessa educação os valores da família não são preservados, os valores do bem comum muito menos, a educação religiosa é esquecida e os jovens/adolescentes se frustram com o ser humano, pois devido à imaturidade não compreendem os verdadeiros valores da existência.

Os jovens/adolescentes desde cedo dentro mesmo de sua própria casa percebem que a paz, a harmonia e o amor não são tão primordiais como o sucesso financeiro e materialista, ficando assim devido a sua fragilidade expostos a tudo o que o mundo lhes oferece.

É importante ressaltar que uma educação religiosa ajuda e muito a compor uma personalidade positiva para cada indivíduo, pois tudo que é ensinado dentro de uma igreja é de grande proveito pessoal, familiar e social, pois os verdadeiros valores de amor, humildade, caridade, perdão e paz são revelados pelos ensinamentos religiosos.

 

COMO A FAMÍLIA PODE AJUDAR A RECUPERAR O DEPENDENTE:

Em primeiro lugar com amor.

Trazer o dependente para o amago da família, se mostrar preocupado com ele, mostrar que entende que a sua dependência não é por falta de caráter, mas sim que é uma doença, que não tem cura, porém tem como estacioná-la e controlá-la. 

Evitar brigas e discussões na presença do dependente, tais situações geram emoções e sentimentos negativos onde o álcool e as drogas se tornam o caminho mais curto para a fuga de tais emoções.

Não expor o dependente a situações e lugares onde haja a presença de álcool e drogas, pois á vontade ou fissura na maioria das vezes se torna incontrolável.

Se tiver bebidas alcoólicas ou drogas em casa joga-las fora o mais rápido possível.

Procurar nas roupas e objetos pessoais reservas de drogas ou bebidas, que possam levar o individuo a fazer o uso em sua própria casa.

Nunca comprar bebidas ou drogas para o dependente. Algumas famílias para manter o dependente em casa e livrá-lo de ambientes perigosos compra a substância para o mesmo. Isso é comum acontecer, porém muito, mas muito errado mesmo.

Não acreditar que a crise de abstinência que o dependente esta tendo é insuportável, pois não é, ela passa, demora mas passa. Apenas no caso do Álcool e da Heroína há risco de uma crise muito forte, porém a melhor maneira de resolver é levando o dependente ao hospital mais próximo, com medicação logo se controla a crise de abstinência.

Ajudar o dependente a controlar a sua vida financeira, pois o dinheiro facilmente induz ao uso, pois se torna bem mais fácil beber e usar drogas com dinheiro na mão.

Os assuntos de ordem pessoal que trazem desconforto e constrangimento não devem serem lembrados á todos os instantes, mas sim a família deve de alguma maneira procurar resolvê-los com sabedoria.

Caso o dependente chegue tarde em casa, não adianta deixá-lo para fora, pois, no momento isso não ajudará em nada, é melhor deixá-lo entrar e no outro dia quando o mesmo estiver sóbrio conversar com ele, sugerir acompanhamento em Grupos de Auto - Ajuda, ajuda médica e se necessário for internação.

A principio nenhum dependente aceita ajuda, pois não admite que perdeu o controle sobre o uso da substância, ele sempre diz "eu paro a hora que quero". É preciso mostrar o quanto ele tem perdido e quanto mais ainda pode perder, e em alguns casos é necessário que a família ajude a colocar o dependente no fundo do poço, pois somente assim ele aceitará ajuda.

O dependente não se apega aos prejuízos materiais e financeiros, mas se apega demasiadamente ás pessoas que o cercam e mostram o seu amor por ele, mesmo que ele não demonstre, para o dependente perder a esposa, filhos, os pais, etc., é muito doloroso, em muitos casos essas percas influenciam o dependente a buscar ajuda e recuperação.

Importante saber que o dependente também não se preocupa muito com a sua saúde, tanto é que não tá nem ai para ela. Argumentar sobre a saúde não ajuda muito o dependente, mas argumentar sobre as percas familiares sim.

Tentar afastar os maus amigos e os amigos influentes (no negativo) do dependente ajuda muito, aproximar os amigos e familiares mais íntimos que não bebem nem usam drogas também é ponto muito favorável.

Cuidado com a auto – piedade do dependente, isso é normal, se colocar na condição de coitado, para alcançar mais atenção dos familiares, porém não aprove esse comportamento, pois ele não é favorável á recuperação.

Informar-se se ele tem contato direto com álcool e drogas na escola ou no trabalho, se tiver induza-o a mudar de escola e se preciso for sair do trabalho também, pois é melhor ficar desempregado sóbrio do que empregado e usando drogas, pois mais hora, menos hora, também perderá o emprego.

Através de conversa descobrir a intensidade da relação afetiva que o dependente tem com a droga ou o álcool, ele precisa perder ou diminuir essa relação, mostrar ao dependente que para viver bem e ser feliz não é necessário usar drogas ou beber.

Alguns dependentes acham que não conseguirão deixar o uso, cabe também à família provar o contrário, através de incentivos á recuperação acompanhando o dependente nos grupos de auto-ajuda, médicos e se caso houve internação acompanhar o tratamento o melhor possível.

É muito difícil o dependente se recuperar sem a ajuda dos familiares, pois a dependência nas maiorias das vezes esta relacionada á família, todo familiar de dependente também deve fazer acompanhamentos em grupos de auto-ajuda, para adquirir conhecimento de como se relacionar com um dependente e como não prejudicar o mesmo em sua recuperação.

 

A IMPORTÂNCIA DA FAMÍLIA EM GRUPOS DE AUTOAJUDA

Ajuda e muito na recuperação dos dependentes a participação em grupos de auto-ajuda, tanto para o que quer se recuperar como para aquele que já esta na sobriedade e quer mantê-la.

Sem a participação em grupo de apoio, o dependente á medida que o tempo passa, começa a perder o vínculo com a sua recuperação, sem compartilhar com demais dependentes vendo e ouvindo as dificuldades de cada um, começa então a se achar forte o suficiente para se manter sóbrio e começa a se desviar dos propósitos de recuperação, fazendo coisas que pessoas na sobriedade não podem fazer.

Essa acomodação acaba por deixar tempos livres que normalmente são preenchidos por um vazio que depois é completado com atitudes erradas que futuramente levam ao uso de álcool e drogas.

O número de recaídas de dependentes que passam por internação e não dão continuidade em grupos de apoio infelizmente é muito grande, ao contrario daqueles que saem da internação e dão continuidade em seu tratamento no grupo de apoio, assim normalmente permanecem sóbrios.

Outro dado importante com relação a grupos de apoio é o da família que não acompanha o dependente no mesmo grupo. O índice de dependentes que sofrem recaídas após deixarem o tratamento ou internação e que a família não participa do grupo é assustador.

O familiar além de não participar do processo de recuperação do dependente também acaba não tendo conhecimento de como se portar e ajudar o dependente em sua recuperação, fazendo muitas vezes coisas que acabam por levarem o dependente a uma recaída.

A participação do dependente no grupo de apoio serve como termômetro para medir a sua determinação e busca pela sobriedade.

Da mesma forma também sabemos o interesse da família em ajudar o dependente no seu processo de recuperação.

maiores informações: http://www.alcooledrogas.no.comunidades.net

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 0 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/auto-ajuda-artigos/dependencia-quimica-a-familia-e-o-dependente-quimico-5202039.html

    Palavras-chave do artigo:

    dependencia quimica

    ,

    alcool

    ,

    drogas

    Comentar sobre o artigo

    Rogerio Fernando Cozer

    Matéria sobre dependência química, mostrando o mal que essa doença vem causando á nossa sociedade, que hoje já pode ser chamada de Praga do Milênio.

    Por: Rogerio Fernando Cozerl Notícias & Sociedade> Cotidianol 10/11/2011 lAcessos: 131
    Eduardo Veronese da Silva

    É NECESSÁRIO CONHECER BEM O QUE LEVA UM INDIVÍDUO A USAR DROGAS E, AO MESMO TEMPO, COMO SE INSTALA A DEPENDÊNCIA NO USUÁRIO. QUAIS SÃO OS EFEITOS E SINTOMAS COMUNS APRESENTADOS POR ALGUMAS SUBSTÂNCIAS PSICOATIVAS NO ORGANISMO DO USUÁRIO (EFEITOS FÍSICOS E PSICOLÓGICOS). ASSIM, QUEM SABE, PODEREMOS CONTRIBUIR E AJUDAR ESSE DOENTE EM SUA REABILITAÇÃO.

    Por: Eduardo Veronese da Silval Saúde e Bem Estar> Medicinal 08/10/2011 lAcessos: 92
    Rogerio Fernando Cozer

    Esta matéria informa á todo dependente químico e a todas as pessoas interessadas como iniciar um tratamento para a recuperação da dependência química. Este trabalho já foi realizado com um grande número de dependentes químicos e até aqui vem apresentado excelentes resultados.

    Por: Rogerio Fernando Cozerl Psicologia&Auto-Ajuda> Auto-Ajudal 10/11/2011 lAcessos: 348
    Claudio Donato

    Como lidar com a dependência química! Alcoolismo tem cura? Sim tem cura basta lutar contra a doença! O grande problema das drogas ilícitas são as drogas lícitas. A própria sociedade que incentiva depois recrimina! É comum vermos pais oferecerem bebidas alcoólicas aos seus filhos ainda pequenos e o pior dando ênfase, "Bebe que você é macho". Os amigos que estão em volta participando desde momento todos acham graça e também dão incentivos.

    Por: Claudio Donatol Saúde e Bem Estarl 25/10/2009 lAcessos: 399
    Rogerio Fernando Cozer

    Hoje sabemos que a Dependência Química, também é de ordem espiritual. Esta matéria tem a intenção de informar o porque que o uso de álcool e drogas está tão fortemente ligado á espiritualidade.

    Por: Rogerio Fernando Cozerl Religião & Esoterismo> Religiãol 10/11/2011 lAcessos: 194

    Trabalho apresentado na disciplina de Saúde Mental, foi observado relatos de cinco pacientes vindo de uma clinica de recuperação em atendimento no Ambulatório de Saúde Mental. O Ambulatório de Saúde Mental tem por objetivo o tratamento, a reabilitação e reinserção social, como também a promoção da saúde mental.

    Por: Keila de Oliveira Paulinl Saúde e Bem Estarl 30/06/2011 lAcessos: 484

    Com o surgimento de novas formas de sofrimento no mundo moderno, psiquiatras, psicanalistas e psicólogos se ocupam cada vez mais em tentar entender, em suas atividades clínicas, a origem desse sentimento. Hoje, busca-se soluções mágicas para a cura da dor, que causa incômodo e mal-estar na sociedade considerada normal.

    Por: Gilson Tavaresl Psicologia&Auto-Ajudal 06/04/2009 lAcessos: 4,795 lComentário: 2

    Muito se têm falado sobre o grave aumento de usuários de drogas, das mais leves as mais pesadas, entre jovens e adultos. As mais abordadas inclusive são as de mais difícil acesso, como a maconha, o crack e a cocaína, esquecendo, a mídia e órgãos responsáveis, de disseminar a prevenção e alertas sobre os perigos de drogas consideradas lícitas, e que estão presentes na vida das pessoas, quase que diariamente, como o álcool e o cigarro.

    Por: Pontes&Portela;l Direito> Legislaçãol 14/11/2012 lAcessos: 31

    TRATAMENTO PARA DEPENDENCIA QUIMICA. TRATAMENTO VOLUNTARIO. TRATAMENTO INVOLUNTARIO.CLINICA CONCEITUADA NA AREA DE DEPENDENCIA QUIMICA. EQUIPE MULTIDICIPLINAR,COM PSIQUIATRA RENOMADO A MAIS DE 26 ANOS NA ARÉA, PSICOLOGO COM PÓS GRADUAÇÃO EM DEPENDENCIA QUIMICA. TERAPEUTAS CREDENCIADOS. EQUIPE DE MONITORAMENTO 24 HORAS

    Por: Clinica A7l Notícias & Sociedade> Desigualdades Sociaisl 30/06/2011 lAcessos: 171
    Luana De Paula Pimentel

    O presente trabalho visa estudar acerca da resiliência em pacientes hospitalizados do Hospital Municipal Modesto de Carvalho da cidade de Itumbiara-Goiás. A resiliência é a capacidade de se recuperar de situações de crise e aprender com ela. Para alcançar o objetivo do estudo, aplicou-se uma escala de avaliação da resiliência e um questionário sócio demográfico. A partir da análise dos dados, pode-se avaliar a presença da resiliência nos pacientes hospitalizados.

    Por: Luana De Paula Pimentell Psicologia&Auto-Ajuda> Auto-Ajudal 28/10/2014

    O lado sombrio que todos insistem em ocultar. Liberte-se... Descubra o que um dos pioneiros da psicanálise disse sobre sombras

    Por: Leticia Moreiral Psicologia&Auto-Ajuda> Auto-Ajudal 22/10/2014
    Tatiane de Oliveira

    Popularmente existe uma crença que saber ouvir é uma habilidade a ser desenvolvida e utilizada exclusivamente por psicólogos, líderes religiosos, conselheiros... De fato, a escuta é fundamental para o fazer profissional do psicólogo e para os outros exemplos acima citados também; mas recentemente em uma análise que fiz em um determinado círculo social que frequentava, notei como às pessoas estão ansiosas e carentes por falar, mas indiferentes ou insensíveis ao ouvir o outro.

    Por: Tatiane de Oliveiral Psicologia&Auto-Ajuda> Auto-Ajudal 20/10/2014

    Muitas pessoas se acham pouco atraentes em termos de simpatia, ou dizem ter poucos amigos. Mas tudo é uma questão de mudar a própria concepção e visão das atitudes que se tem. Nesse artigo, mostro que é possível ser agradável a atrair a atenção dos outros, de maneira simples, sincera e com resultados imediatos. Experimente colocar em prática.

    Por: Josemar Barbosa Ferraril Psicologia&Auto-Ajuda> Auto-Ajudal 17/10/2014 lAcessos: 12
    Egon Griesang

    A chuva traz uma simbologia de lavar o que está sujo para recomeçar com nova vida, novas forças. Quantas vezes precisamos que isso aconteça conosco? Praticamente todos os dias! Encontre forças para recomeçar e ser feliz!

    Por: Egon Griesangl Psicologia&Auto-Ajuda> Auto-Ajudal 16/10/2014
    Edison Candido Gonçalves

    "Chegamos a incrivel marca de 07 bilhões de habitantes no planeta. Neste cenário, a luta para conquistar um lugar ao sol torna-se cada vez mais acirrada. Não basta ser apenas humano. É preciso muito mais. Ser uma super máquina com mil habilidades para vencer toda sorte de competição. E tudo isso com um preço altíssimo. Desgate físico e emocional, doenças psicossomáticas, estress,frustação, pressão acima do que se pode suportar .

    Por: Edison Candido Gonçalvesl Psicologia&Auto-Ajuda> Auto-Ajudal 13/10/2014 lAcessos: 11

    A pesquisa teve como objetivo propor para adolescentes de 14 a 17 anos, uma breve orientação para a profissionalização, em busca de auxilia-los no desenvolvimento do processo de escolhas, na descoberta de suas habilidades e possíveis vocações e também levar informações sobre o possível acesso dos adolescentes da associação Proreavi em uma universidade, cursos profissionalizantes, técnicos entre outros, através de dinâmicas, questionários e estudos dirigidos com os mesmos.

    Por: Guilherme Beraldo Cesáriol Psicologia&Auto-Ajuda> Auto-Ajudal 09/10/2014
    Edison Candido Gonçalves

    Vencer na vida todo mundo quer. Alcançar prestígio, reconhecimento pessoal e profissional, ter dinheiro sobrando etc. Enfim, eu quero, você quer e tudo isto é tudo muito natural,normal eu diria. Há uma minoria que diz não se importar com nada disso. Chegam ao cúmulo de afirmar que dinheiro não é importante. Contraditoriamente, essas pessoas são as mesmas que reclamam do preço dos alimentos que não param de subir, das tarifas de água, luz etc.

    Por: Edison Candido Gonçalvesl Psicologia&Auto-Ajuda> Auto-Ajudal 09/10/2014 lAcessos: 13
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast