Sobre o suicídio

Publicado em: 15/09/2011 |Comentário: 0 | Acessos: 106 |

Sobre o Suicídio

 

 

Através da iniciativa da Associação Internacional para a Prevenção do Suicídio, em parceria com a Organização Mundial da Saúde (OMS) estabeleceu-se o dia 10 de Setembro como o Dia Mundial de Prevenção do Suicídio. Para essa Organização, o suicídio é causado por problemas psicossociais, culturais e ambientais e podem ser prevenidos através de ações internacionais, locais e nacionais.

Uma estatística apresentada pela OMS mostrou que, aproximadamente três mil pessoas se matam por dia, e que nos últimos 50 anos esse número cresceu 60%. Outros dados revelam que, atualmente, o suicídio já é uma das principais causas de morte entre os jovens e adultos de 15 a 34 anos. No Brasil, 9,5% da população urbana já teve pensamentos suicidas e 3,1% tentou tirar a própria vida.  O livro Prevenção do Suicídio: Manual Dirigido a Profissionais das Equipes de Saúde Mental traz dados de outras estatísticas: em 2003, cerca de 900 mil pessoas cometeram suicídio no mundo inteiro e em 2004, aproximadamente oito mil brasileiros tiraram a própria vida. Nada mais palpável para justificar a gravidade desse sintoma.

O fato é que culturalmente eternizamos um simbolismo nebuloso a respeito do suicídio e infelizmente ainda pendemos nessa direção. O que se tem feito para modificar esse registro emocional é muito pouco. Falta interesse e investimento, tanto por parte do governo, dos líderes religiosos quanto das instituições de ensino, no sentido de colaborar com a "desmistificação do suicídio". Precisamos entendê-lo, descobrir a sua origem, fazer o seu diagnóstico, prever as suas consequências, elaborar o prognóstico, trabalhar na prevenção, no tratamento e na cura. O que parece é que somos afetados por esse simbolismo sombrio e isso nos faz recear a própria busca do seu entendimento. 

Não há, necessariamente, enigmas no suicídio. Há na vida do indivíduo, em algum momento, um intenso sentimento de autodepreciação, impotência e desistência diante dos obstáculos da vida, coisas próprias da condição humana. O suicídio deve ser visto como um sintoma social ou psicológico e estudado com a objetividade científica. Não podemos continuar permitindo que esses episódios de "enfraquecimento vital" tomem conta da vida psíquica de grande parte da população e determine a nossa qualidade de vida e o limite da nossa existência, mas para isso é preciso conhecê-lo.

No Dicionário de Psicanálise, Ed. Zahar, suicídio é o termo cunhado a partir do latim sui (si) e caedes (matança), introduzido na língua inglesa em 1636 e na língua francesa em 1734, para expressar o ato de matar a si mesmo, no sentido de uma doença ou uma patologia, em oposição à antiga formulação "morte voluntária", sinônima de crime contra si mesmo.

O Dicionário Internacional de Psicanálise define o suicídio como "um ato sintomático que, na maioria das vezes, se insere no quadro das depressões e das melancolias. Sua etiologia é variada e complexa, visto que se caracteriza ao mesmo tempo por um desmoronamento do Eu, com autocensuras e uma diminuição ou até a perda total de autoestima, e por uma onipotência mágica que permite aniquilar os perseguidores internos, e um sentimento maníaco baseado na negação da própria morte". O suicídio é então o resultado de um estado de crise dominado pelo sentimento de que alguma coisa deve mudar.

Uma observação encontrada no Dicionário de Psicologia, Ed. Ática, é a de que embora não exista um perfil psicológico do suicida, toda alteração mental é mais ou menos suicidógena, principalmente a melancolia, onde o risco é maior. Na depressão neurótica, a passagem ao ato parece função da estruturação das defesas. Certos trabalhos neurobiológicos emitem a hipótese de uma vulnerabilidade à passagem ao ato – seja ele qual for – relacionada com uma disfunção serotoninérgica. É sabido que a serotonina age como neurotransmissor que toma parte na regulação do processo de tristeza e que a mesma é influenciada pela forma como percebemos a vida. Conclui-se que os contornos que damos aos acontecimentos da nossa vida têm ligação direta com a nossa tendência suicida. 

Os dados estimam que um suicídio afete de 6 a 10 pessoas próximas à vítima, entre parentes e amigos. Essas situações provocam graves danos emocionais também para as pessoas mais próximas, família e amigos. O impacto emocional provocado pela perda pode durar muitos anos, e pode ter, nas famílias, consequências que perduram por várias gerações. Sofremos todos, com esse ato que retrata a fragilidade do ser, porque somos espectadores e ao mesmo tempo atores nessa vida.

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 0 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/auto-ajuda-artigos/sobre-o-suicidio-5222492.html

    Palavras-chave do artigo:

    psicologia auto ajuda suicidio

    Comentar sobre o artigo

    Resumo: Parte da sociedade vê a depressão e o suicídio na adolescência como um ato de imaturidade, mas não percebem que por trás dessas atitudes eles estão passando por dificuldades na vida social. Os jovens devem gostar de conhecer, ter prazer em aprender, se identificar com histórias e culturas próprias, e com seus direitos reconhecidos e preservados. *Acadêmica do 1º Semestre de Psicologia da Faculdade de Quatro Marcos - FQM.

    Por: Ana Maria Cardoso Leall Educação> Ensino Superiorl 06/05/2013 lAcessos: 76
    Francisco Eudes Rocha

    Sentindo-se suicida? Sentimento suicida não é um defeito de caráter, e isso não significa que você é louco, ou fraco, ou com defeito. Significa apenas que você tenha mais dor do que você pode lidar com agora.

    Por: Francisco Eudes Rochal Saúde e Bem Estar> Medicina Alternatival 21/02/2012 lAcessos: 1,082
    NÚCCIA GAIGHER MAGALHÃES

    O álcool é a droga mais consumida no mundo, tornando-se um problema social muito sério. No conjunto de doenças resultantes do consumo abusivo de substâncias psicoativas graves, o alcoolismo, que é uma doença crônica, provoca uma modificação profunda na personalidade do indivíduo que é usuário. É inegável a relação intrínseca entre o sujeito e o comportamento. Este estudo investiga os efeitos devastadores do alcoolismo, como os prejuízos cognitivos e comportamentais.

    Por: NÚCCIA GAIGHER MAGALHÃESl Psicologia&Auto-Ajudal 08/07/2009 lAcessos: 6,215
    Escritorcampos

    Aqui vai uma síntese da cultura organizacional ao estudante, que necessite de descre­ver sobre o assunto tão em voga no momento.

    Por: Escritorcamposl Educação> Ensino Superiorl 05/05/2010 lAcessos: 2,699 lComentário: 1
    Escritorcampos

    Então o profissional de vendas é realmente um insigne elemento, imprescindível à vida da indústria e do comércio!

    Por: Escritorcamposl Marketing e Publicidade> Marketing Internacionall 05/05/2010 lAcessos: 619

    O presente artigo consiste em uma revisão bibliográfica sobre a violência escolar, trazemos o conceito de bullying, as consequências dessa violência para a comunidade escolar. Para tanto usamos como referencial teórico autores que retratam esta temática como: Constanatini (2004); Fante (2005); Lopes Neto (2005) Fante e Pedra (2008); Guareschi (2008), Pereira (2009) dentre outros. Apresenta-se uma reflexão sobre a contribuição da família e da escola na minimização deste tipo de violência.

    Por: EURICLÉIA FAGUNDES RAMOSl Educação> Ciêncial 24/11/2011 lAcessos: 686
    prof. Dirceu Moreira

    Quando o ser humano tenta destruir aquilo que considera negativo em si mesmo, estará se autodestruindo, porém quando aceita suas próprias imperfeições, estará a caminho da transformação, da superação e de forma inefável encontrará a essência Divina dentro de si mesmo. O encontro com o Divino que há em cada ser humano, só poderá acontecer quando este se permitir um encontro consigo mesmo. Assim dizia Santo Agostinho “Deuses fomos e disto temos nos esquecido”, da mesma forma o prof. Henrique José de Souza quando afirma: “Deus se divide em homens para que estes se somente novamente a ele”.

    Por: prof. Dirceu Moreiral Psicologia&Auto-Ajuda> Auto-Ajudal 12/10/2009 lAcessos: 661
    Renato Bandeira

    Este estudo procura descrever o fenômeno da crise existencial que, muitas vezes, é também chamada de angústia; assim sendo, não se pretende classificá-la nos moldes científicos de pesquisa, mas sim, explicitá-la utilizando-se de uma compreensão existencial. Não se pode dar repostas absolutas a este fenômeno, porque a pesquisa como fenômeno humano não se esgota e, também, por ser um tema muito abrangente, onde uma simples definição ou sistematização seria indevida, e não se compreenderia a comple

    Por: Renato Bandeiral Psicologia&Auto-Ajuda> Psicoterapial 04/09/2012 lAcessos: 358

    O artigo, resultado de pesquisa bibliográfica, destaca o assédio moral no trabalho, a ação do agente ativo e as conseqüências do comportamento sobre o trabalhador, com ênfase para as questões psicológicas de ambos os agentes. Aborda ainda a prática do assédio moral, na qual a vítima se vê por repetidas vezes submetida a situações constrangedoras e humilhantes, isolada e ridicularizada perante terceiros, durante a jornada de trabalho e dentro da própria empresa, gerando sequelas negativas não ape

    Por: Charline Rennerl Direitol 25/11/2009 lAcessos: 3,778

    Quantas vezes nos dá vontade de desistir, jogar tudo pro alto e sumir do mapa? Saiba que isso é normal, e você pode usar essa vontade de desistir para impulsionar a realizar seus sonhos e melhorar sua vida!

    Por: Biancal Psicologia&Auto-Ajuda> Auto-Ajudal 11/11/2014 lAcessos: 15
    Luana De Paula Pimentel

    O presente trabalho visa estudar acerca da resiliência em pacientes hospitalizados do Hospital Municipal Modesto de Carvalho da cidade de Itumbiara-Goiás. A resiliência é a capacidade de se recuperar de situações de crise e aprender com ela. Para alcançar o objetivo do estudo, aplicou-se uma escala de avaliação da resiliência e um questionário sócio demográfico. A partir da análise dos dados, pode-se avaliar a presença da resiliência nos pacientes hospitalizados.

    Por: Luana De Paula Pimentell Psicologia&Auto-Ajuda> Auto-Ajudal 28/10/2014

    O lado sombrio que todos insistem em ocultar. Liberte-se... Descubra o que um dos pioneiros da psicanálise disse sobre sombras

    Por: Leticia Moreiral Psicologia&Auto-Ajuda> Auto-Ajudal 22/10/2014
    Tatiane de Oliveira

    Popularmente existe uma crença que saber ouvir é uma habilidade a ser desenvolvida e utilizada exclusivamente por psicólogos, líderes religiosos, conselheiros... De fato, a escuta é fundamental para o fazer profissional do psicólogo e para os outros exemplos acima citados também; mas recentemente em uma análise que fiz em um determinado círculo social que frequentava, notei como às pessoas estão ansiosas e carentes por falar, mas indiferentes ou insensíveis ao ouvir o outro.

    Por: Tatiane de Oliveiral Psicologia&Auto-Ajuda> Auto-Ajudal 20/10/2014 lAcessos: 11

    Muitas pessoas se acham pouco atraentes em termos de simpatia, ou dizem ter poucos amigos. Mas tudo é uma questão de mudar a própria concepção e visão das atitudes que se tem. Nesse artigo, mostro que é possível ser agradável a atrair a atenção dos outros, de maneira simples, sincera e com resultados imediatos. Experimente colocar em prática.

    Por: Josemar Barbosa Ferraril Psicologia&Auto-Ajuda> Auto-Ajudal 17/10/2014 lAcessos: 20
    Egon Griesang

    A chuva traz uma simbologia de lavar o que está sujo para recomeçar com nova vida, novas forças. Quantas vezes precisamos que isso aconteça conosco? Praticamente todos os dias! Encontre forças para recomeçar e ser feliz!

    Por: Egon Griesangl Psicologia&Auto-Ajuda> Auto-Ajudal 16/10/2014
    Edison Candido Gonçalves

    "Chegamos a incrivel marca de 07 bilhões de habitantes no planeta. Neste cenário, a luta para conquistar um lugar ao sol torna-se cada vez mais acirrada. Não basta ser apenas humano. É preciso muito mais. Ser uma super máquina com mil habilidades para vencer toda sorte de competição. E tudo isso com um preço altíssimo. Desgate físico e emocional, doenças psicossomáticas, estress,frustação, pressão acima do que se pode suportar .

    Por: Edison Candido Gonçalvesl Psicologia&Auto-Ajuda> Auto-Ajudal 13/10/2014 lAcessos: 15

    A pesquisa teve como objetivo propor para adolescentes de 14 a 17 anos, uma breve orientação para a profissionalização, em busca de auxilia-los no desenvolvimento do processo de escolhas, na descoberta de suas habilidades e possíveis vocações e também levar informações sobre o possível acesso dos adolescentes da associação Proreavi em uma universidade, cursos profissionalizantes, técnicos entre outros, através de dinâmicas, questionários e estudos dirigidos com os mesmos.

    Por: Guilherme Beraldo Cesáriol Psicologia&Auto-Ajuda> Auto-Ajudal 09/10/2014 lAcessos: 11
    Renner Cândido Reis

    Não é raro surgir em consultório de psicologia pais incomodados com os comportamentos afeminados dos seus filhos. Os próprios indivíduos possuidores dessa conduta são acometidos por algum tipo de insatisfação, seja o da não autoaceitação motivada pelo autopreconceito ou pelo preconceito social. Muitos, possuídos por esse impulso, não conseguem entender essa manifestação. Alguns ficam se perguntando o que possibilitou a emissão desse tipo de comportamento, na maioria das vezes involuntário.

    Por: Renner Cândido Reisl Psicologia&Auto-Ajuda> Auto-Ajudal 17/09/2011 lAcessos: 846
    Renner Cândido Reis

    Em meio a tantas mazelas – advindas do nosso mundo individual, social, cultural e político – que envolvem a nossa vida emocional, muitas vezes ficamos perdidos, sem uma clareza que nos ajude a iluminar os cenários de escuridão. A psicologia caminha com a tarefa de iluminar o nosso mundo mental e transformar esse "ver" em "saber".

    Por: Renner Cândido Reisl Psicologia&Auto-Ajuda> Auto-Ajudal 13/08/2011 lAcessos: 111
    Renner Cândido Reis

    De acordo com um estudo realizado por psicólogos, 25% dos homens já haviam fingido um orgasmo durante a atividade sexual, em algum momento de suas vidas. Para isso eles utilizaram uma combinação de gemidos, vocalizações e alteração de movimentos físicos.

    Por: Renner Cândido Reisl Psicologia&Auto-Ajuda> Auto-Ajudal 09/07/2011 lAcessos: 118
    Renner Cândido Reis

    Um tema que desde os primórdios do mundo é polêmico, preconceituoso e fechado, é o da sexualidade, e essa característica se dá pelo fato de não discutirmos com a naturalidade devida, preferindo considerá-la um segredo trancado a sete chaves ou um tema que se apresenta com certa dificuldade de discussão.

    Por: Renner Cândido Reisl Psicologia&Auto-Ajuda> Auto-Ajudal 02/07/2011 lAcessos: 77
    Renner Cândido Reis

    Somos parte de uma cultura que nos apresenta a felicidade como a solução do dilema humano, a resposta para muitas perguntas que não podemos, por ignorância ou falta de conhecimento, responder. O erro é que elegemos a felicidade como a solucionadora dos nossos problemas.

    Por: Renner Cândido Reisl Psicologia&Auto-Ajuda> Auto-Ajudal 02/07/2011 lAcessos: 244
    Renner Cândido Reis

    Uma condição nova, que ocorre durante a fase do sono (}NREM), que é considerada uma desordem de sono rara e desconhecida é o "sonambulismo sexual", no qual o indivíduo, tanto homem quanto mulher, dorme enquanto age sexualmente. Ao contrário do sonambulismo, o "sonambulismo sexual" ainda é pouco conhecido.

    Por: Renner Cândido Reisl Psicologia&Auto-Ajuda> Auto-Ajudal 02/07/2011 lAcessos: 1,784
    Renner Cândido Reis

    É comum a nossa preocupação com a imagem que imprimimos no imaginário das pessoas. Habitualmente, enquadramos nossos comportamentos e nossa imagem à fantasia que temos a respeito do que as pessoas gostariam que fôssemos. Munidos da flexibilidade comportamental e da variação de vestimentas, postamo-nos frente ao mundo com o sentimento de agradar as pessoas e causar uma boa impressão.

    Por: Renner Cândido Reisl Psicologia&Auto-Ajuda> Auto-Ajudal 28/05/2011 lAcessos: 181
    Renner Cândido Reis

    A prevalência de momentos agradáveis e felizes em uma relação conjugal é o objetivo de todos nós, mas o caminho não é fácil, há a necessidade de disposição para os exercícios necessários a esse fim. Trata-se de uma disposição que se apresenta, na maioria das vezes, de forma desigual, onde os interesses de um não nivelam com os do outro, e isso se transforma em um agravante.

    Por: Renner Cândido Reisl Psicologia&Auto-Ajuda> Auto-Ajudal 03/04/2011 lAcessos: 138
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast