Sobre o suicídio

Publicado em: 15/09/2011 |Comentário: 0 | Acessos: 111 |

Sobre o Suicídio

 

 

Através da iniciativa da Associação Internacional para a Prevenção do Suicídio, em parceria com a Organização Mundial da Saúde (OMS) estabeleceu-se o dia 10 de Setembro como o Dia Mundial de Prevenção do Suicídio. Para essa Organização, o suicídio é causado por problemas psicossociais, culturais e ambientais e podem ser prevenidos através de ações internacionais, locais e nacionais.

Uma estatística apresentada pela OMS mostrou que, aproximadamente três mil pessoas se matam por dia, e que nos últimos 50 anos esse número cresceu 60%. Outros dados revelam que, atualmente, o suicídio já é uma das principais causas de morte entre os jovens e adultos de 15 a 34 anos. No Brasil, 9,5% da população urbana já teve pensamentos suicidas e 3,1% tentou tirar a própria vida.  O livro Prevenção do Suicídio: Manual Dirigido a Profissionais das Equipes de Saúde Mental traz dados de outras estatísticas: em 2003, cerca de 900 mil pessoas cometeram suicídio no mundo inteiro e em 2004, aproximadamente oito mil brasileiros tiraram a própria vida. Nada mais palpável para justificar a gravidade desse sintoma.

O fato é que culturalmente eternizamos um simbolismo nebuloso a respeito do suicídio e infelizmente ainda pendemos nessa direção. O que se tem feito para modificar esse registro emocional é muito pouco. Falta interesse e investimento, tanto por parte do governo, dos líderes religiosos quanto das instituições de ensino, no sentido de colaborar com a "desmistificação do suicídio". Precisamos entendê-lo, descobrir a sua origem, fazer o seu diagnóstico, prever as suas consequências, elaborar o prognóstico, trabalhar na prevenção, no tratamento e na cura. O que parece é que somos afetados por esse simbolismo sombrio e isso nos faz recear a própria busca do seu entendimento. 

Não há, necessariamente, enigmas no suicídio. Há na vida do indivíduo, em algum momento, um intenso sentimento de autodepreciação, impotência e desistência diante dos obstáculos da vida, coisas próprias da condição humana. O suicídio deve ser visto como um sintoma social ou psicológico e estudado com a objetividade científica. Não podemos continuar permitindo que esses episódios de "enfraquecimento vital" tomem conta da vida psíquica de grande parte da população e determine a nossa qualidade de vida e o limite da nossa existência, mas para isso é preciso conhecê-lo.

No Dicionário de Psicanálise, Ed. Zahar, suicídio é o termo cunhado a partir do latim sui (si) e caedes (matança), introduzido na língua inglesa em 1636 e na língua francesa em 1734, para expressar o ato de matar a si mesmo, no sentido de uma doença ou uma patologia, em oposição à antiga formulação "morte voluntária", sinônima de crime contra si mesmo.

O Dicionário Internacional de Psicanálise define o suicídio como "um ato sintomático que, na maioria das vezes, se insere no quadro das depressões e das melancolias. Sua etiologia é variada e complexa, visto que se caracteriza ao mesmo tempo por um desmoronamento do Eu, com autocensuras e uma diminuição ou até a perda total de autoestima, e por uma onipotência mágica que permite aniquilar os perseguidores internos, e um sentimento maníaco baseado na negação da própria morte". O suicídio é então o resultado de um estado de crise dominado pelo sentimento de que alguma coisa deve mudar.

Uma observação encontrada no Dicionário de Psicologia, Ed. Ática, é a de que embora não exista um perfil psicológico do suicida, toda alteração mental é mais ou menos suicidógena, principalmente a melancolia, onde o risco é maior. Na depressão neurótica, a passagem ao ato parece função da estruturação das defesas. Certos trabalhos neurobiológicos emitem a hipótese de uma vulnerabilidade à passagem ao ato – seja ele qual for – relacionada com uma disfunção serotoninérgica. É sabido que a serotonina age como neurotransmissor que toma parte na regulação do processo de tristeza e que a mesma é influenciada pela forma como percebemos a vida. Conclui-se que os contornos que damos aos acontecimentos da nossa vida têm ligação direta com a nossa tendência suicida. 

Os dados estimam que um suicídio afete de 6 a 10 pessoas próximas à vítima, entre parentes e amigos. Essas situações provocam graves danos emocionais também para as pessoas mais próximas, família e amigos. O impacto emocional provocado pela perda pode durar muitos anos, e pode ter, nas famílias, consequências que perduram por várias gerações. Sofremos todos, com esse ato que retrata a fragilidade do ser, porque somos espectadores e ao mesmo tempo atores nessa vida.

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 0 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/auto-ajuda-artigos/sobre-o-suicidio-5222492.html

    Palavras-chave do artigo:

    psicologia auto ajuda suicidio

    Comentar sobre o artigo

    Resumo: Parte da sociedade vê a depressão e o suicídio na adolescência como um ato de imaturidade, mas não percebem que por trás dessas atitudes eles estão passando por dificuldades na vida social. Os jovens devem gostar de conhecer, ter prazer em aprender, se identificar com histórias e culturas próprias, e com seus direitos reconhecidos e preservados. *Acadêmica do 1º Semestre de Psicologia da Faculdade de Quatro Marcos - FQM.

    Por: Ana Maria Cardoso Leall Educação> Ensino Superiorl 06/05/2013 lAcessos: 89
    Francisco Eudes Rocha

    Sentindo-se suicida? Sentimento suicida não é um defeito de caráter, e isso não significa que você é louco, ou fraco, ou com defeito. Significa apenas que você tenha mais dor do que você pode lidar com agora.

    Por: Francisco Eudes Rochal Saúde e Bem Estar> Medicina Alternatival 21/02/2012 lAcessos: 1,108
    NÚCCIA GAIGHER MAGALHÃES

    O álcool é a droga mais consumida no mundo, tornando-se um problema social muito sério. No conjunto de doenças resultantes do consumo abusivo de substâncias psicoativas graves, o alcoolismo, que é uma doença crônica, provoca uma modificação profunda na personalidade do indivíduo que é usuário. É inegável a relação intrínseca entre o sujeito e o comportamento. Este estudo investiga os efeitos devastadores do alcoolismo, como os prejuízos cognitivos e comportamentais.

    Por: NÚCCIA GAIGHER MAGALHÃESl Psicologia&Auto-Ajudal 08/07/2009 lAcessos: 6,255
    Escritorcampos

    Aqui vai uma síntese da cultura organizacional ao estudante, que necessite de descre­ver sobre o assunto tão em voga no momento.

    Por: Escritorcamposl Educação> Ensino Superiorl 05/05/2010 lAcessos: 2,707 lComentário: 1
    Escritorcampos

    Então o profissional de vendas é realmente um insigne elemento, imprescindível à vida da indústria e do comércio!

    Por: Escritorcamposl Marketing e Publicidade> Marketing Internacionall 05/05/2010 lAcessos: 625

    O presente artigo consiste em uma revisão bibliográfica sobre a violência escolar, trazemos o conceito de bullying, as consequências dessa violência para a comunidade escolar. Para tanto usamos como referencial teórico autores que retratam esta temática como: Constanatini (2004); Fante (2005); Lopes Neto (2005) Fante e Pedra (2008); Guareschi (2008), Pereira (2009) dentre outros. Apresenta-se uma reflexão sobre a contribuição da família e da escola na minimização deste tipo de violência.

    Por: EURICLÉIA FAGUNDES RAMOSl Educação> Ciêncial 24/11/2011 lAcessos: 701
    prof. Dirceu Moreira

    Quando o ser humano tenta destruir aquilo que considera negativo em si mesmo, estará se autodestruindo, porém quando aceita suas próprias imperfeições, estará a caminho da transformação, da superação e de forma inefável encontrará a essência Divina dentro de si mesmo. O encontro com o Divino que há em cada ser humano, só poderá acontecer quando este se permitir um encontro consigo mesmo. Assim dizia Santo Agostinho “Deuses fomos e disto temos nos esquecido”, da mesma forma o prof. Henrique José de Souza quando afirma: “Deus se divide em homens para que estes se somente novamente a ele”.

    Por: prof. Dirceu Moreiral Psicologia&Auto-Ajuda> Auto-Ajudal 12/10/2009 lAcessos: 668
    Francisco Eudes Rocha

    Can you easily face up to differences? Are you able to have disagreements with colleagues, friends or loved ones without feeling threatened? Você pode facilmente fazer face às diferenças? Você é capaz de ter desentendimentos com colegas, amigos ou entes queridos sem se sentir ameaçado? Answering "usually," to most of the questions indicates that you have a good start in your relationships and on the skills of emotional intelligence. But even if you rarely do these things, it's not

    Por: Francisco Eudes Rochal Saúde e Bem Estar> Medicina Alternatival 20/02/2012 lAcessos: 41
    Renato Bandeira

    Este estudo procura descrever o fenômeno da crise existencial que, muitas vezes, é também chamada de angústia; assim sendo, não se pretende classificá-la nos moldes científicos de pesquisa, mas sim, explicitá-la utilizando-se de uma compreensão existencial. Não se pode dar repostas absolutas a este fenômeno, porque a pesquisa como fenômeno humano não se esgota e, também, por ser um tema muito abrangente, onde uma simples definição ou sistematização seria indevida, e não se compreenderia a comple

    Por: Renato Bandeiral Psicologia&Auto-Ajuda> Psicoterapial 04/09/2012 lAcessos: 380

    Disciplina no dia a dia te faz te levar a lugares onde você menos espera!

    Por: Cláudio Rodriguesl Psicologia&Auto-Ajuda> Auto-Ajudal 30/01/2015
    Helder Marques

    Uma Ovelha Negra, Normalmente é Uma Pessoa Que Pensa Diferente da Maioria... Eu Sou uma Ovelha Negra e TU? Continuar a ler em: http://checkthisout.me/sou-uma-ovelha-negra

    Por: Helder Marquesl Psicologia&Auto-Ajuda> Auto-Ajudal 28/01/2015
    Helder Marques

    Tudo o que tu lanças no universo, volta para ti, multiplicado. Já ouviste isto não sei quantos milhões de vezes, já o viste acontecer debaixo dos teus próprios olhos, e, todavia, ainda duvidas. Como é que eu sei que duvidas?

    Por: Helder Marquesl Psicologia&Auto-Ajuda> Auto-Ajudal 27/01/2015
    Terapia da Autonomia

    Um dos desafios para o nosso desenvolvimento pessoal é nos tornar quem somos. Mas, como me tornar quem sou?

    Por: Terapia da Autonomial Psicologia&Auto-Ajuda> Auto-Ajudal 26/01/2015

    Ter a disciplina de agir, mesmo que o mundo não seja o ideal, continue seguindo em frente, faça as coisas com diligência, inteligência, persistência e consistência. Mantenha o foco de onde quer chegar. Comece a acelerar e seguir em frente, manter forte em sua disciplina, em seu reconhecimento, valorize mesmo que o seu resultado não seja gigantesco. Não se sabote, mantenha-se firme em seu ideal e em seu objetivo. Mantenha-se firme em continuar agir mesmo em pequenas ações. Use sua inteligência

    Por: Paulo Flausinol Psicologia&Auto-Ajuda> Auto-Ajudal 25/01/2015
    Helder Marques

    Sempre que me surge uma oportunidade, uma inspiração ou uma ideia eu avalio-os imediatamente e tomo uma decisão se vou prosseguir ou não dentro dos primeiros 90 segundos. Se a decisão for positiva, inicio a acção de imediato. Porquê?

    Por: Helder Marquesl Psicologia&Auto-Ajuda> Auto-Ajudal 24/01/2015
    Angélica Silva

    Sigmund Freud foi um dos pais da psicologia moderna e o inventor da terapia do "sente no sofá e me fale sobre os seus problemas". Freud acertou bastante, mas ninguém – nem mesmo ele – acerta sempre. Uma de suas ideias era a de que os pais desempenham um papel determinante na formação das personalidades e saúde emocional de seus filhos. Essa ideia persiste até hoje.

    Por: Angélica Silval Psicologia&Auto-Ajuda> Auto-Ajudal 15/01/2015
    Angélica Silva

    Precisamos aprender a não esperarmos das pessoas aquilo que elas não conseguem nos dar. Acabamos percebendo, depois de vários tombos, que somos nós mesmos quem nos ferimos. Nunca foram as pessoas. Elas, na realidade, nunca me prometeram nada. Nós é que esperávamos mais delas.

    Por: Angélica Silval Psicologia&Auto-Ajuda> Auto-Ajudal 15/01/2015
    Renner Cândido Reis

    Não é raro surgir em consultório de psicologia pais incomodados com os comportamentos afeminados dos seus filhos. Os próprios indivíduos possuidores dessa conduta são acometidos por algum tipo de insatisfação, seja o da não autoaceitação motivada pelo autopreconceito ou pelo preconceito social. Muitos, possuídos por esse impulso, não conseguem entender essa manifestação. Alguns ficam se perguntando o que possibilitou a emissão desse tipo de comportamento, na maioria das vezes involuntário.

    Por: Renner Cândido Reisl Psicologia&Auto-Ajuda> Auto-Ajudal 17/09/2011 lAcessos: 883
    Renner Cândido Reis

    Em meio a tantas mazelas – advindas do nosso mundo individual, social, cultural e político – que envolvem a nossa vida emocional, muitas vezes ficamos perdidos, sem uma clareza que nos ajude a iluminar os cenários de escuridão. A psicologia caminha com a tarefa de iluminar o nosso mundo mental e transformar esse "ver" em "saber".

    Por: Renner Cândido Reisl Psicologia&Auto-Ajuda> Auto-Ajudal 13/08/2011 lAcessos: 118
    Renner Cândido Reis

    De acordo com um estudo realizado por psicólogos, 25% dos homens já haviam fingido um orgasmo durante a atividade sexual, em algum momento de suas vidas. Para isso eles utilizaram uma combinação de gemidos, vocalizações e alteração de movimentos físicos.

    Por: Renner Cândido Reisl Psicologia&Auto-Ajuda> Auto-Ajudal 09/07/2011 lAcessos: 123
    Renner Cândido Reis

    Um tema que desde os primórdios do mundo é polêmico, preconceituoso e fechado, é o da sexualidade, e essa característica se dá pelo fato de não discutirmos com a naturalidade devida, preferindo considerá-la um segredo trancado a sete chaves ou um tema que se apresenta com certa dificuldade de discussão.

    Por: Renner Cândido Reisl Psicologia&Auto-Ajuda> Auto-Ajudal 02/07/2011 lAcessos: 79
    Renner Cândido Reis

    Somos parte de uma cultura que nos apresenta a felicidade como a solução do dilema humano, a resposta para muitas perguntas que não podemos, por ignorância ou falta de conhecimento, responder. O erro é que elegemos a felicidade como a solucionadora dos nossos problemas.

    Por: Renner Cândido Reisl Psicologia&Auto-Ajuda> Auto-Ajudal 02/07/2011 lAcessos: 252
    Renner Cândido Reis

    Uma condição nova, que ocorre durante a fase do sono (}NREM), que é considerada uma desordem de sono rara e desconhecida é o "sonambulismo sexual", no qual o indivíduo, tanto homem quanto mulher, dorme enquanto age sexualmente. Ao contrário do sonambulismo, o "sonambulismo sexual" ainda é pouco conhecido.

    Por: Renner Cândido Reisl Psicologia&Auto-Ajuda> Auto-Ajudal 02/07/2011 lAcessos: 1,807
    Renner Cândido Reis

    É comum a nossa preocupação com a imagem que imprimimos no imaginário das pessoas. Habitualmente, enquadramos nossos comportamentos e nossa imagem à fantasia que temos a respeito do que as pessoas gostariam que fôssemos. Munidos da flexibilidade comportamental e da variação de vestimentas, postamo-nos frente ao mundo com o sentimento de agradar as pessoas e causar uma boa impressão.

    Por: Renner Cândido Reisl Psicologia&Auto-Ajuda> Auto-Ajudal 28/05/2011 lAcessos: 185
    Renner Cândido Reis

    A prevalência de momentos agradáveis e felizes em uma relação conjugal é o objetivo de todos nós, mas o caminho não é fácil, há a necessidade de disposição para os exercícios necessários a esse fim. Trata-se de uma disposição que se apresenta, na maioria das vezes, de forma desigual, onde os interesses de um não nivelam com os do outro, e isso se transforma em um agravante.

    Por: Renner Cândido Reisl Psicologia&Auto-Ajuda> Auto-Ajudal 03/04/2011 lAcessos: 143
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast