VOCÊ ESTÁ SENDO TRAÍDA? (tem coragem de fazer um teste?)

15/10/2010 • Por • 4,603 Acessos

Se incluirmos a infidelidade conjugal como um crime, então a regra aqui também é valida: não existe um crime perfeito. Pode até ser que os investigadores, sejam eles detetives particulares contratados ou as próprias esposas traídas  para apanhar o marido infiel, não consigam a prova cabal do crime, mas posso assegurar que ele pode ser descoberto, se forem conduzidas as observações e pesquisas apropriadas.

Neste capítulo você encontrará novos e velhos truques e macetes empregados por detetives e por mulheres experientes em várias partes do mundo para:

• Observar detalhes aparentemente insignificantes no comportamento do marido infiel;
• Analisar todo tipo de desculpa usada por ele;
• Perceber os sinais indicativos de uma traição iminente;
• Detectar vestígios de uma recente traição;
• Descobrir se ele já foi ou está sendo infiel no atual momento da relação;
• Flagrá-lo de forma incontestável;

Mas, antes de adentrarmos este capítulo vamos ter uma conversa franca a respeito da necessidade de descobrir se o seu marido está ou não sendo infiel. Sem querer assustá-la, fique certa de que a possibilidade disso já ter acontecido, estar acontecendo ou vir a acontecer é muito grande. Apenas um em cada 100 relacionamentos conjugais escapa dessa quase sempre dolorosa situação.

Primeiro tente responder a esta pergunta para si mesma: Para que quero descobrir se o meu marido está sendo infiel?

Fiz esta mesma pergunta para centenas de mulheres casadas e estas foram algumas das respostas mais freqüentemente registradas:

"Quero descobrir se vivo uma relação verdadeira ou mentirosa. Não pretendo continuar vivendo como uma completa idiota". (M.J. – 32  –  casada a 6 anos)

"Acho que vai ser terrível se descobrir que estou sendo traída por meu marido. Mas será melhor saber da verdade que viver a vida inteira enganada". (K.S –27 –  casada a 4 anos)

"Se descobrir que estou sendo traída vou pedir o divórcio imediatamente. Quero viver ao lado de alguém que me respeite e ame exclusivamente a mim. Jamais aceitarei que meu homem tenha outras."(J.B. – 36 – casada a 9 anos)

"Quero ter a chance de fazer alguma coisa para salvar a integridade do meu casamento. Quero ao menos saber onde estou errando. Talvez eu ainda possa remediar a situação". (P.H. –  40 – casada a 16 anos)

"Se descobrir que o meu marido está me traindo, vou pagá-lo com a mesma moeda: presenteá-lo com um belo par de chifres". (A. R. – 25 – casada a 3 anos)

"Nem consigo imaginar o que farei se souber que meu marido tem ou teve outra. Acho que o mataria com as próprias mãos ou lhe daria o desprezo para sempre." (R.M – 37 – casada a 17 anos)

"Quero saber se vai valer a pena continuar dando a ele o meu amor, minha dedicação e minha fidelidade." (T.M. – 39 – casada a 13 anos)

"Meu desejo em saber se realmente meu marido me é fiel, é porque quero continuar acreditando nele, como acreditei um dia na sua integridade e honestidade. ( J.O. – 45 – casada a 24 anos)

"Quero tirar da minha mente as dúvidas que tenho. Se ele realmente for sincero para comigo, vai ser recompensado ainda mais. No entanto, se estiver me traindo, vai se arrepender para o resto da vida". (G.L. – 51 – casada a 32 anos)

"Dizem que a maioria dos homens não presta. No meu eu confio. Seria capaz de enfiar as mãos no fogo por ele. Saber se ele é fiel ou não, só vai confirmar o que sinto ser a verdade." ( S.F. – 38 – casada a 15 anos)

Todos os relatos mostram as diversas razões pelas quais muitas mulheres querem saber se estão sendo ou não traídas por seus maridos. Você pode ter  razões iguais ou diferentes.  No entanto, em todos os casos pode-se se perceber que está em jogo a questão de valores preciosos tais como: honestidade, sinceridade, integridade.

Mesmo aquelas que se mostraram mais confiantes, pareciam sentir lá no fundo, um medo inexplicável, o receio de que talvez seus homens não fossem tão fiéis como gostariam que fossem.

A infidelidade conjugal está intimamente associada a outros tipos de traições brutais que vêm ocorrendo na história da humanidade. Judas traiu Jesus. Brutus traiu Julio César. Silvério do Reis  traiu  Tiradentes. Raras seriam as mulheres que  poderiam aceitar  que seus maridos estivessem mantendo relações sentimentais ou sexuais com outras, sem considerar isso uma traição infame e abominável. Essa tradição vem sendo perpetuada por gerações e gerações.

Assim, esteja certa de que por mais autocontrole que você julgue ter, vai se sentir muito mal quando souber que seu marido lhe vem sendo infiel. Seu mundo sentimental poderá vir literalmente abaixo. Você se sentirá uma completa idiota, tanto quanto as mulheres da minha pesquisa declararam nos relatos que você acabou de ler ainda há pouco. Você se sentirá um lixo, um trapo humano. Sua raiva poderá ser tanta, que você desejará agredir, matar, destruir a vida do seu marido. Esse mesmo homem que você sempre tratou com carinho e desvelo. Esse mesmo ser que você jurou um dia amar para sempre.

Como se não bastasse toda a sua angústia, ódio e desejo de vingança, sua vida familiar vai se desestruturar em muitos outros aspectos. Se  você é  independente,   menos mal.  Vai ser difícil no entanto,  superar a humilhação imposta pelos familiares, amigos e até desconhecidos que parecem sentir uma pontinha de regozijo, especialmente se você alardeava aos quatro ventos que seu marido  jamais lhe trairia.

Mas, será mesmo que algo que a Mãe Natureza tão caprichosa fez, precisa ser encarado num nível tão mesquinho? Porque aceitamos que os animais ditos irracionais (mas são incapazes de matar por pura vingança e ainda preservam instintivamente o meio ambiente, melhor que os humanos ditos racionais) copulem com liberdade entre si, mas os animais-homens (e mulheres) não deveriam, só por conta de uma promessa ao pé do altar?

Será que as mulheres sempre mais sensíveis à Natureza, não podem dar o primeiro passo na compreensão e tratamento desta verdadeira síndrome da compulsão sexual masculina? Tudo isso é o que tentaremos fazer neste livro.

Se tiver filhos, neste caso as coisas, ficam ainda mais tumultuadas. Você terá pela frente ação de divórcio,  requerimento de pensão alimentícia, pedido de tutela e outras questões legais que vão lhe aborrecer ainda mais.

Durante muito tempo você vai oscilar entre o sentimento de culpa e frustração. Vai achar que poderia ter sido uma melhor amante, uma mãe mais dedicada, mais atenciosa e  tudo mais que parece não ter sido bastante para ele.

Mas ainda não acabou. Passada a raiva (que pode levar dias, meses ou anos) você continuará sem entender o que levou o seu marido a lhe ser infiel. Tentará em vão descobrir se existirá na face do planeta algum homem capaz de lhe amar exclusivamente. Capaz de resistir aos encantos de outras mulheres, porque você será a única, a eleita por ele dentre todas as demais do planeta. O pior é que você realmente nunca saberá.

A despeito de serem traídas por seus esposos, muitas são as mulheres que confessaram que teria sido melhor que nunca viessem saber dessas infidelidades conjugais. Elas dizem ainda que não tinham do que se queixar da vida a dois. Que seus maridos lhe eram atenciosos, bons pais, cumpridores dos seus deveres e que  eram até mesmo amantes ardorosos... apesar de terem sido infiéis por muitos anos.

Isso pode significar que ao fim de tudo, o que conta mesmo é o modo como a relação conjugal se desenvolveu entre você e seu marido ao longo dos anos. O importante foi tê-lo curtindo junto o bebê ainda em gestação e todo aquele carinho recebido da parte dele até o último instante do nascimento do primeiro filho e dos demais. Foi ter tido a inseparável companhia dele nos momentos mais importantes da sua vida.

Aquelas mulheres que foram amadas profundamente, demonstraram mais resignação com a descoberta da infidelidade dos seus maridos. Muito embora sofressem com esse fato, se sentiam de algum modo confortadas em saber que a "outra" talvez não tivesse recebido tanto carinho e amor. Certamente a outra ficou apenas com as migalhas. O restolho do que o marido lhes pode precariamente oferecer.

Também percebi durante minhas longas conversas com clientes em terapia, que muitas foram capazes de perdoar seus maridos, depois da descoberta. Justificavam-se afirmando que não iriam jogar fora todos os anos compartilhados juntos. Muitas levavam em conta a questão dos filhos que eram realmente amados pelos pais e que sofreriam com a separação do casal. Diziam não querer estender o sofrimento aos pobres inocentes.

Algumas mulheres chegaram mesmo a afirmar que embora fosse terrível ter descoberto a infidelidade dos seus maridos, tinham consciência de que não havia mesmo jeito a dar. Todos os homens eram iguais. Assim, que continuassem com suas "safadezas" se isso lhes convinham. Elas no entanto continuariam mantendo sua dignidade e usufruindo o que lhes fosse possível.

Lamentavelmente as páginas policiais estão diariamente sendo preenchidas com crimes chamados passionais. Ou seja, movidos pela paixão. Nem é preciso lembrar que 30% da população carcerária feminina são de mulheres que agrediram ou mataram seus companheiros ao descobrirem a traição.

Será que a privação da liberdade deve ser um castigo adicional a uma mulher que foi traída e que perdeu o controle emocional, agredindo ou matando o traidor? Não creio que nenhuma mulher merece isso. E não pense que criminosas passionais são um privilégio das camadas mais baixas da população. Na verdade, um número muito alto de mulheres da classe média e média-alta estão entres as prisioneiras das casas de detenção no mundo inteiro.

Voltemos à questão do questionário. Você quer mesmo saber se o seu marido lhe está sendo ou já foi infiel? Está preparada para enfrentar qualquer que seja o desfecho desta descoberta? Lembre-se que depois disso, talvez você nunca mais seja a mesma pessoa. Talvez nunca venha mais acreditar no amor, na fidelidade e na sinceridade dos homens. Quem sabe perderá muito do romantismo que adoça a sua existência e a faz pertencer a classe privilegiada de seres chamados de "sexo feminino".

A escolha é sua. Pode parar aqui mesmo e passar para outro capítulo que trata da prevenção da infidelidade masculina ou prosseguir na leitura deste capítulo que poderá transformar sua vida num verdadeiro inferno.

Posso lhe assegurar que o teste que você fará agora é competente em 99% para determinar as possibilidades de seu marido ter sido, estar sendo ou vir a ser infiel. Repeti o teste milhares de vezes e os resultados não deixam dúvida. Pronta para começar ou quer desistir dessa  que pode ser uma grande bobagem?

Minha última advertência é:

OAUTOR NÃO SE RESPONSABILIZA POR QUAISQUER FATOS QUE VENHAM OCORRER DERIVADOS DA APLICAÇÃO DESTE TESTE. AINDA QUE OS RESULTADOS POSSAM PREVER UMA MARGEM SEGURA DE ACUIDADE, NÃO PROVAM POR SI MESMOS, QUALQUER ATO DE INFIDELIDADE COMETIDA OU  A VIR SER COMETIDA POR QUEM QUER QUE SEJA. DEVE SER CONSIDERADO AQUI COMO PASSATEMPO PARA SER PRATICADO ENTRE OS CASAIS QUE DESEJAM APRIMORAR O CONHECIMENTO MÚTUO E ASSIM CONQUISTAREM UM MAIOR NÍVEL DE INTIMIDADE E PRAZER A DOIS.

Se concorda intimamente com tudo isso,  pegue uma caixa com lenços de papel, um copo de água fresca, uma calculadora, sente-se confortavelmente,  faça uma oração com fé e comece agora.

(Extraído do livro SOMENTE PARA MULHERES ESPECIAIS - Como evitar a infidelidade masculina - Mathias Gonzalez) o livro pode ser adquirido no site:

                                    www.somenteparamulheres.com.br/


- EM FUNÇÃO DO CARÁTER DELICADO DESTE TESTE, EU SÓ PODEREI ENVIÁ-LO ÀS LEITORAS QUE SOLICITAREM POR EMAIL: mathiasgonzalez2005@yahoo.com.br -

Perfil do Autor

Mathias Gonzalez

Mathias Gonzalez, brasileiro e naturalizado australiano, autor de 132 livros dedicados à filosofia, psicologia e educação. -> Psicólogo...