Plantas Medicinais Brasileiras Ameaçadas De Extinção: Propostas Para Conservação

Publicado em: 11/10/2009 |Comentário: 1 | Acessos: 6,381 |

Espinheira santa (Maytenus ilicifolia)

A utilização de plantas medicinais tornou-se um recurso terapêutico alternativo de grande aceitação pela população e vem crescendo junto à comunidade médica, desde que sejam utilizadas plantas cujas atividades biológicas tenham sido investigadas cientificamente, comprovando sua eficácia e segurança (Cechinel e Yunes, 1998).

É notável o crescente número de pessoas interessadas no conhecimento de plantas medicinais, inclusive pela consciência dos males causados pelo excesso de quimioterápicos causados no combate as doenças. Remédios à base de ervas que se destinam as doenças pouco entendidas pela medicina moderna – tais como: câncer, viroses, doenças que comprometam o sistema imunológico, entre outras – tornaram-se atrativos para o consumidor (Sheldon et al., 1997).

O uso de plantas medicinais pela população mundial tem sido muito significativo nos últimos tempos. Dados da Organização Mundial de Saúde (OMS) mostram que cerca de 80% da população mundial fez o uso de algum tipo de erva na busca de alívio de alguma sintomatologia dolorosa ou desagradável. Desse total, pelo menos 30% deu-se por indicação médica.

HISTÓRICO DA UTILIZAÇÃO NO BRASIL

A situação mundial ocorre da mesma forma no Brasil, que é um dos países de maior diversidade genética vegetal, contando com mais de 55.000 espécies catalogadas (Nodari & Guerra 1999), entretanto, como conseqüência da revalorização mundial do uso de plantas medicinais, a pressão ecológica exercida sobre alguns desses recursos naturais tem sido grande nos últimos anos colocando em perigo a sobrevivência de muitas espécies medicinais nativas (Montanari Junior 2002). De acordo com Sánchez e Valverde (2000) o comércio local de plantas medicinais leva à deterioração de populações naturais, tanto quanto a pressão extrativista da indústria farmacêutica.

O DESAPARECIMENTO DE PLANTAS MEDICINAIS.

O relatório da ONG Plants for the Planet (http://www.bgci.org/), alerta para o perigo que as plantas estão correndo, principalmente pela destruição do seu habitat, as causas apontadas são extrativismo, a destruição das florestas e a expansão da fronteira agrícola, dos pastos para criações animais e da urbanização. O impacto causado nessas espécies afeta ainda as comunidades que tem como fonte de medicamentos as plantas dessas regiões. Esses milhões de pessoas ao redor do mundo confiam na medicina tradicional para tratar doenças graves com plantas medicinais. A proteção dessas plantas não só é importante para a saúde humana, mas para o ecossistema circundante e também para a própria conservação da espécie.

Ainda de acordo com este relatório apenas 15% das drogas convencionais são usadas em países em desenvolvimento. Por outro lado, 50 mil tipos de vegetais (cerca de 20% das espécies conhecidas) são usados hoje em medicina tradicional.

Na China, em áreas rurais, o uso da medicina tradicional chega a 90%. Ao mesmo tempo, de acordo com a Red List da ONG World Conservation Union (UICN), o país tem quase 70% de suas espécies vegetais ameaçadas.

Estimativas recentes indicam que aproximadamente a cada quatro segundos, um hectare de floresta tropical é perdido, e até o ano 2050, 60.000 espécies de plantas terão sido extintas (Trankina, 1998). Segundo Beachy (1992) 40% das florestas foram destruídas entre 1940 e 1980, com uma taxa de extinção de cerca de 50 espécies por dia.

No Brasil não tem sido diferente, os seus maiores biomas, Cerrado, Amazônia e Mata atlântica sofrem uma destruição cada vez maior. Em um estudo recente que utilizou imagens do satélite MODIS do ano de 2002, concluiu que 55% do Cerrado já foram desmatados ou transformados pela ação humana (Machado et al., 2004), a floresta da Mata atlantica já perdeu mais de 93% de sua área (Myers et al., 2000) e menos de 100.000km2 de vegetação remanesce. Na Amazônia mais de 67 milhões de hectares (2004) já foram desmatados (Homma, 2005).

A exploração das empresas e a biopirataria também tem causado prejuízos no Brasil, não somente à flora, mas principalmente ao conhecimento tradicional da biodiversidade e aos povos tradicionais que dela dependem.

Uma das causas da degradação esta no fato de que muitas plantas medicinais são colhidas no seu meio natural, em vez de serem cultivadas, muitas plantas são exploradas indevidamente por vendedores autônomos ou como são conhecidos “raizeiros”. Estes por sua vez não têm o conhecimento necessário sobre coleta ou conservação de plantas medicinais, assim como muitos tem dificuldades de reconhecer uma planta de uso medicinal, comercializando plantas sem eficácia comprovada ou plantas com identificação incorreta. Além deste fator que coloca em risco a saúde de seus compradores, existe outro problema que é o beneficiamento incorreto e o mau armazenamento das plantas, pela possibilidade de contaminação com microrganismos e insetos.

SOLUÇÕES

As soluções a serem apresentadas para este problema são simples e eficazes, embora necessite de uma união de esforços tanto do poder público quanto de entidades civis e comunidade em geral.

O primeiro passo para se proteger as plantas medicinais em cada ecossistema é fazer um levantamento para determinar quais são as plantas. Esse levantamento deve ser feito nos ecossistemas presentes na região de atuação e também na região urbana para se determinar quais plantas estão sendo comercializadas na cidade.

A Educação Ambiental no sentido de proteção das espécies deve ser a principal ação de qualquer projeto conservacionista. Os coletores autônomos devem ser capacitados tanto quanto a coleta dessas plantas no seu habitat, quanto ao cultivo e beneficiamento dessas plantas, sempre no sentido de se evitar o desaparecimento das plantas do seu local de origem.

O incentivo a pesquisa nas universidades locais, principalmente em relação ao cultivo de espécies medicinais nativas deve ser incentivado, assim como outros projetos como levantamento etnobotânico e identificação de espécies. Deve se levar em consideração que para se proteger uma planta em perigo, o uso de outras plantas em menor risco deve ser estimulado. A casca de um arvore, por exemplo, nunca deve ser fonte de coleta, a não ser que exista um plano de manejo para cada espécie, pois as suas partes coletadas podem deixar cicatrizes para a entrada de organismos que poderão destruir a planta em poucos anos. Um outro exemplo seria a coleta de raízes, que pode levar a extinção da espécie no local, pois assim se retira a principal forma de desenvolvimento vegetativo da planta. As flores, frutos e sementes podem ser retirados, mas somente a partir do momento que se iniciarem a propagação em viveiros dessas espécies, pois assim o homem poderá introduzir as plantas que estariam sendo propagadas pela dispersão das sementes.

Políticas publicas e fiscalização devem andar juntas no sentido da regulamentação da comercialização dessas plantas na venda informal no município. A criação de reservas naturais de plantas medicinais silvestres e a promoção do cultivo de pelos agricultores locais também pode colaborar no sentido de preservação. A garantia da não super exploração significa que as plantas permaneceriam disponíveis para a comunidade local assim como para os próprios coletores dessas plantas, mantendo contínua a sua fonte de renda.

CONCLUSÃO

A orientação sobre o uso das plantas medicinais, tem potencial para ser uma grande força motivadora para a conservação da natureza. A melhoria da saúde, uma fonte de renda e a manutenção de tradições culturais são importantes para todos e devemos estar envolvidos em motivar as pessoas a conservar as plantas medicinais e, por conseguinte, o habitat onde são encontradas.

Plantas ameaçadas de extinção de acordo com o IBAMA.

A vergatesa ou catuaba Anemopaegma arvense (vell) Stellf. ex de Souza, família Bignoniaceae. É afrodisíaca, no tratamento da impotência e como estimulante do sistema nervoso. As partes usadas da planta são a casca e raiz em infusão.

O Pau-rosa Aniba rosaeodora Ducke, é uma espécie importante economicamente para a Região Amazônica, porque sua madeira é fonte de linalol, insumo utilizado pelas perfumarias.

Gonçalo Alves ou Gonçaleiro Astronium fraxinifolium, família Anacardiaceae. Parte usada casca.

Myracrodruon urundeuva Fr. All., é conhecida popularmente como aroeira-do-sertão. As cascas do caule empregadas em disenterias e em úlceras gastroduodenais

Bertholletia excelsa H.B.K (Lecythidaceae) é uma planta tipica da floresta amazônica e conhecida popularmente como castanheira. Na medicina popular a casca do caule deste vegetal é utilizada como chá ou sumo para o tratamento de moléstias crônicas do fígado e como antimalárica, e a água do fruto contra hepatite.

Byrsonima coccolobifolia é conhecida popularmente como “murici” ou “sumanera”, é uma planta que ocorre principalmente nas regiões Norte e Nordeste do nosso país. A infusão das folhas e cascas são empregadas pela população para o tratamento de disfunções gástricas e ainda como anti-diarréico.

Caesalpinia echinata, o pau-brasil, é uma árvore pertencente à família das Leguminosas, sub-família Caesalpinoidae. É usada como adstringente e diuretica, esta sendo pesquisada para tratamentos contra cancer.

Camarea affinis A. St.-Hil. Malpighiaceae pé-de-perdiz inflamações uterinas, partos.

O pequi (Caryocar brasiliense Camb.) é um fruto do cerrado muito conhecido na culinária regional. O óleo de sua polpa, além de conter antioxidantes naturais, é também usado na medicina popular para sanar diversos tipos de afecções.

Casearia pauciflora Cambess Flacourtiaceae utilizadas como depurativas do sangue e, também, o suco de suas folhas servem para mordeduras de cobras.

Cochlospermum regium, conhecida no cerrado mato-grossense como algodão do campo, é utilizada na medicina popular para o tratamento de inflamações e para a limpeza do sangue  houve comprovação de efeito analgésico e antiedematogênico e de atividade antibacteriana em Staphylococcus aureus e Escherichia coli.

O faveiro-de-wilson (Dimorphandra wilsonii Rizz.) é uma leguminosa arbórea, encontrada na região de Paraopeba, no Estado de Minas Gerais, que possui boas propriedades medicinais, pois apresenta em seus frutos potencial para extração de glicosídeos flavonóides, especialmente a rutina.

Gallesia gorazema (Vell.) Moq., Crataeva gorazema Vell. Família: Phytolaccaceae, guararema, ibirarema, pau-de- mau-cheiro, árvore-de-alho, ubaeté. Medicinalmente é utilizado o chá das raízes, casca e folhas, para o tratamento do reumatismo e úlceras. O chá das folhas é utilizado no combate à gripe. O cozimento das folhas e raspas da madeira é usado para banhar tumores. A cinza, rica em potássio, é muito procurada para o fabrico de sabão.

O jatobá (Hymenaea courbaril L.) é considerado uma espécie rara e naturalmente de baixa densidade (Clay et al., 2000). Pertencente à família Caesalpiniaceae do jatobá são aproveitadas todas as partes (resina, casca, raízes, polpa dos frutos e seiva), seu principal uso é medicinal, sendo utilizadas contra afecções pulmonares de modo geral, dores e cólicas estomacais, como vermífugo e anti-diarréico, antioxidante, diurético, expectorante, hepatoprotetor,

Um grande número de Ipomoea vem merecendo especial interesse dos pesquisadores, por causa da presença de alcalóides do tipo indólico com atividade antitumoral. Nosso interesse tem sido verificar o potencial dessas

Krameria tomentosa St. Hil. carrapicho-de-cavalo KRAMERIACEAE RATÁNIA: [folhas e floresAdstringente, usado em casos de diarréia e disenteria.

Lychnophora ericoides Martius é uma espécie arbustiva, é conhecida como arnica de Goiás, arnica do campo, candeia, candieiro, pau de candeia e veludinho, e é utilizada tradicionalmente na forma de tintura para o tratamento de hematomas, contusões, dores musculares, varizes e também como anti-inflamatório.

Maytenus ilicifolia Celastraceae possui atividade antitumoral, antiácida, antiulcerogenica, antiinflamatoria.

Uma espécie de Laurácea, a Ocotea pretiosa (Nees.) Mez., é bastante abundante no vale do rio Itajaí-Açú, no estado de Santa Catarina, sendo do arraste a vapor de seu tronco e lenho que se produz, no Brasil, o óleo de Sassafraz, cujo teor em 1 é superior a 90%.

Benjoeiro, Estoraqueiro  Pamphilia aurea (Mart.) Mart. Styracaceae, parte usada: resina, doenças         antiblenorrágica, antiúlcera, calmante, doenças respiratórias, leucorréia, rouquidão, tosse, tumor.

Uma das drogas mais importantes em oftalmologia é derivada das folhas de um arbusto da família dos citrus, colhidas por índios e camponeses nas florestas do Brasil. Jaborandi (Pilocarpus spp.; Rutaceae – Pilocarpinae).

Pouteria ramiflora e P. gardnerii família Sapotaceae podem ser encontradas no Cerrado do Distrito Federal, Brasil. Pouteria torta (Mart.) Radlk e P. caimito (Ruiz &Pav) Radlk podem ser encontradas em todo o Brasil. Ainda que não exista uma política de exploração comercial dos frutos de P. torta, P. caimito e P. ramiflora, as populações residentes no Cerrado usam tais espécies como alimentos e remédio caseiro. A casca da árvore P. torta, é utilizada como remédio contra desinteria. As raízes e a casca de P. ramiflora, chamada de são usadas como remédios contra desinteria, bem como vermífugo. Pouteria caimito, conhecida como abiu, também é útil em desinteria, além de afecções pulmonares e contra malária.

A Ipecacuanha (Psychotria ipecacuanha) é uma planta da família Rubiaceae, muito comum no Brasil. As suas raizes contém um poderoso emético (estimulante do reflexo do vomito) também denominado Ipecacuanha. A emetina também é usada contra amebíase, pois atua como limitador na formação das proteínas, além de efeitos circulatórios.

Spiranthera odoratissima A. St. Hillaire (Família Rutaceae), planta arbustiva conhecida como Manacá, cresce em cerrado ralo na região central do Brasil1. O chá da raiz é usado para dores de estômago ou musculares e disfunções hepáticas. No estado de Goiás, suas raízes são utilizadas para o tratamento de reumatismo. Resultados anteriores mostraram que o extrato etanólico da raiz (EER) apresenta atividade antiinflamatória.

Stryphnodendron adstringens (Mart.) Coville (Leguminosae), distribuido pelo cerrado, sua casca contme tanino, é usado contra leucorreia, diarréia, antiparasitica e antiiflamatorio.

Zeyheria montana da família das Bignoniaceae, bolsa de pastor, suas raizes são usadas contra doenças de pele.

REFERÊNCIAS

SHELDON, J. W.; BALICK, M. J.; LAIRD, S. A. 1997. Medicinal Plants: can utilization and conservation coexist? New York Botanica Garden, New York. 104p.

CECHINEL FILHO, V.; YUNES, R. A. 1998. Estratégias para a obtenção de compostos farmacologicamente ativos a partir de plantas medicinais. Conceitos sobre modificação estrutural para otimização da atividade. Quim. Nova, 21: 99a.

VAN DEN BERGHE, D. A.; VLIETINCK, A. J.; VANHOOF, L. 1986. Plant products as potential antiviral agents. Bull. Inst. Pasteur, 84: 101-47.

MONTANARI JUNIOR, I. 2002. Exploração econômica de plantas medicinais da Mata Atlântica. Pp. 35-54. In: SIMÕES, L. L. e LINO, C.F. (orgs.).  Sustentável Mata Atlântica: a exploração de seus recursos florestais. São Paulo, Editora Senac.

SÁNCHEZ, R. A. O. e VALVERDE, R. 2000. Manual de cultivo y conservación de plantas medicinales. San José, R.A. Ocampo Editora.

NODARI, R. O. e GUERRA, M. P. 1999. Biodiversidade: aspectos biológicos, geográficos, legais e éticos. Pp.11-24.  In: SIMÕES,  C. M. O. et al.  (eds.). Farmacognosia da planta ao medicamento. Porto Alegre, Editoras UFRGS/ UFSC.

TRANKINA, M. L. 1998. Drugs That Grow on Trees. World & I (August): 158-165.

BEACHY, D. 1992. Nature's Pharmacy. Houston Chronicle. Houston, Tx.

MACHADO, R. B.; RAMOS NETO, M. B.; PEREIRA, P.; CALDAS, E.; GONÇALVES, D.; SANTOS, N.; TABOR, K.; STEININGER, M. 2004. Estimativas de perda da área do Cerrado brasileiro. Conservation International do Brasil, Brasília.

MYERS, N.; MITTERMEIER, R. A.; MITTERMEIER, C. G.; FONSECA, G. A. B.; KENT, J. 2000. Biodiversity hotspots for conservation priorities. Nature, 403: 853-845.

HOMMA, A. K. O. 2005. Amazônia: como aproveitar os benefícios da destruição? Estudos Avançados, 19 (54).

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 1 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/biologia-artigos/plantas-medicinais-brasileiras-ameacadas-de-extincao-propostas-para-conservacao-1326386.html

    Palavras-chave do artigo:

    extincao

    ,

    meio ambiente

    ,

    plantas medicinais

    Comentar sobre o artigo

    RESUMO: O presente estudo foi realizado, município de Pimenta Bueno/RO. Seu objetivo foi caracterizar do ambiente local, como a vegetação ciliar em regeneração, os tipos de solo ocorrentes, visando avaliar o grau da degradação local fornecendo subsídios para sua recuperação. A área passou por intensas intervenções, advinda supressão mineral. No levantamento de campo, os dados observados demonstraram que a maior parte da á

    Por: vera Moreira Lagassi Diasl Ciências> Biologial 04/05/2011 lAcessos: 1,117 lComentário: 9
    Vininha F. Carvalho

    São cerca de cinqüenta roteiros mapeados para amadores e profissionais, possibilitando a contemplação de belas paisagens, o trekking, o montainbike, o vôo livre e o alpinismo. Por ter este enorme potencial turístico , a cidade é conhecida como a Suíça Brasileira.

    Por: Vininha F. Carvalhol Turismo e Viagem> Dicas de Viageml 26/06/2008 lAcessos: 1,093 lComentário: 1

    O presente artigo busca estabelecer a diferença de estrutura e de pontos de vistas de dois gêneros jornalísticos: a notícia e o editorial, sobre o assunto das demarcações das terras indígenas em Mato Grosso do Sul veiculadas no primeiro trimestre de 2009 no Jornal Correio do Estado. Assunto este de grande relevância porque no Estado a população indígena vem passando por sérias dificuldades dentro das suas comunidades, devido à falta de áreas para produção de alimentos e para própria moradia, já que muitos indígenas de etnias diferentes vivem aglomerados em pequenas áreas. Com base nas análises desses dois gêneros percebe-se que um mesmo assunto pode ser visto sob diferentes perspectivas graças às marcas lingüísticas deixadas pelo seu redator.

    Por: Rosana Pereira de Souzal Educaçãol 13/12/2009 lAcessos: 1,747
    JORGE FLOQUET

    A convivência dos avós com os seus netos é uma terapia e muito pouco sinalizada pelas referências bibliográficas médicas, é uma das mais surpreendentes formas de revigoramento do fluido vital dos avós. Observem que à proporção que os netos estão crescendo e se distanciando dos seus avós esses tendem a perder o seu vigor físico. Não se trata de uma relação direta com a idade e sim uma consequência deste afastamento.É fato!

    Por: JORGE FLOQUETl Ciências> Biologial 17/11/2014
    Emanuel

    Resumo Um dos maiores desafios no campo das ciências cognitivas é identificar os substratos neurais dos comportamentos. O desenvolvimento da tecnologia em neuroimagem funcional nos últimos cinco anos está provocando um rápido avanço no conhecimento das funções cerebrais, o que resultou numa explosão de achados novos na psiquiatria. O uso da ressonância magnética funcional na pesquisa em esquizofrenia é um bom exemplo de como esse avanço; tornou possível a investigação de aspectos complexos das d

    Por: Emanuell Ciências> Biologial 16/11/2014

    O presente artigo tem por objetivo determinar a prevalência de dislipidemia em adultos de faixa etária de 20 a 49 anos, de ambos os sexos, da demanda laboratorial de Teixeira de Freitas, Bahia, Brasil. Casuísticas procedentes de amostras de 30% dos laboratórios não hospitalares da cidade, num total de 286 amostras por ano, em 2009 e 2010. Para a determinação das dislipidemias, consideraram-se os valores da IV Diretriz Brasileira sobre Dislipidemias (DBD).

    Por: Gilvan Ferreira Moreiral Ciências> Biologial 15/10/2014 lAcessos: 23

    O presente trabalho procura tratar sobre as restingas brasileiras, destacando o seu conceito e suas características gerais, assim como identificar os estudos realizados sobre levantamentos de fauna e flora endêmicas e em extinção na Faixa litorânea no Estado da Bahia. Este estudo foi realizado através do levantamento de dados encontrados na literatura já existente.

    Por: Gilvan Ferreira Moreiral Ciências> Biologial 15/10/2014 lAcessos: 26

    Este artigo teve como objetivo avaliar a importância da atividade pesqueira e da conservação ambiental para a comunidade de pescadores do Prado (BA). Para o levantamento de dados foram realizadas entrevistas com os pescadores da mesma. Foram entrevistados 11 pescadores, todos do sexo masculino.

    Por: Gilvan Ferreira Moreiral Ciências> Biologial 15/10/2014 lAcessos: 22
    José Bittencourt da Silva

    O presente artigo objetiva expor e descrever um fenômeno natural chamado de pirakaú, o qual pode ser observado entre os meses de janeiro, fevereiro e março de cada ano no rio que banha a comunidade Joana Peres localizada no território da Reserva Extrativista Ipaú- Anilzinho, município de Baião, estado do Pará. O texto resulta de pesquisa de campo do tipo qualitativa, com pressupostos epistemológicos e metodológicos próprios das correntes etnográfica e fenomenológica.

    Por: José Bittencourt da Silval Ciências> Biologial 01/10/2014 lAcessos: 23

    As moscas das frutas são moscas de espécie Ceratitis capitata (Wied, 1824) ou Anastrepha spp. As fêmeas colocam seus ovos nos frutos, os quais têm formato parecido com uma banana e coloração amarelada. Dos ovos eclodem larvas que se alimentam da polpa do café, prejudicando o sabor e a qualidade da bebida.

    Por: niviol Ciências> Biologial 23/09/2014 lAcessos: 17

    A substância H2O conhecida como água, líquida, incolor, insípida e inodora, é simples só que essencial para todos os seres vivos sobreviverem, é o elemento mais importante para a vida

    Por: adminl Ciências> Biologial 12/09/2014

    benefícios, saúde, sementes, mamão, rins, insuficiência, renal, câncer, leucemia, papaína, carica, papaya, parasitas

    Por: Marcelo Rigottil Saúde e Bem Estar> Medicina Alternatival 13/07/2012 lAcessos: 6,536

    A educação especial é a educação de alunos com necessidades especiais de uma forma que aborda as diferenças dos alunos e necessidades individuais.

    Por: Marcelo Rigottil Educação> Educação Infantill 03/04/2012 lAcessos: 440

    A síndrome de Down é um conjunto de sintomas físicos e mentais que resultam de ter uma cópia extra do cromossomo 21.

    Por: Marcelo Rigottil Educação> Educação Infantill 03/04/2012 lAcessos: 414

    A Ecoterapia tem como principio trazer melhorias à saúde através do contato com a natureza e ambientes naturais.

    Por: Marcelo Rigottil Saúde e Bem Estar> Medicina Alternatival 03/04/2012 lAcessos: 1,824

    Autismo faz com que as crianças experimentem o mundo de forma diferente da maioria das outras crianças. É difícil para as crianças com autismo falar com outras pessoas e se expressar usando palavras. Crianças com autismo geralmente mantêm-se isolados em seu proprio mundo e muitos não podem se comunicar sem ajuda especial.

    Por: Marcelo Rigottil Educação> Educação Infantill 03/04/2012 lAcessos: 322

    Uma dieta rica em frutas e vegetais tem muitos benefícios á saúde. Quando são incorporados em nossa dieta diária, podem ajudar a reduzir o risco de problemas associados a pressão arterial elevada.

    Por: Marcelo Rigottil Saúde e Bem Estar> Nutriçãol 11/01/2012 lAcessos: 6,925

    As varizes ocorrem quando as veias são obstruídas e impedem que o sangue volte a circular normalmente. O sangue se agrupa em um determinado lugar e quando isso ocorre, as veias e capilares próximos ficam distendidos e inchados, perdendo sangue e líquido para os tecidos circundantes.

    Por: Marcelo Rigottil Saúde e Bem Estar> Medicina Alternatival 02/08/2011 lAcessos: 1,007

    Uma das doenças mais comuns em todo o mundo a depressão é capaz de causar a debilitação do organismo da pessoa e até levar a morte por suicídio ou até mesmo pela falta de vontade de viver. Os sintomas clássicos são tristeza profunda, sentimentos de desamparo e desesperança, falta de concentração, perturbação do sono, alteração nos hábitos alimentares e intestinais, e uma incapacidade de se sentir bem nas atividades normalmente prazerosas. As causas são as mais diversas e podem estar relacionado

    Por: Marcelo Rigottil Saúde e Bem Estar> Medicina Alternatival 02/08/2011 lAcessos: 366

    Comments on this article

    0
    plata 09/03/2011
    regiao norte as arvores;,,,,animais em extinçao
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast