Relações Interpessoais E Respeito No Trabalho

Publicado em: 06/10/2009 |Comentário: 0 | Acessos: 9,333 |

Seja no trabalho, na escola, na família ou num grupo de amigos, as relações interepessoais têm muito em comum, já que acontecem entre pessoas, e pessoas têm características, emoções e atitudes semelhantes onde quer que estejam. Mas, claro, dependendo do tipo de grupo social no qual se encontram, há aspectos diferenciados nas relações. No grupo social do ambiente profissional não se age exatamente como no grupo social familiar, e por aí vai.

A grande maioria das pessoas, depois de uma certa idade, variável, passa a integrar o mercado de trabalho, inserida num grupo de pessoas que estão lá para a mesma coisa que ela: trabalhar. Trabalhar para obter seu sustento financeiro, construir uma carreira, pôr em prática seu conhecimento acadêmico, diferentes motivos que existem isolados ou concomitantemente. Uma grande maioria trabalha principalmente porque precisa do dinheiro obtido com sua atuação profissional para custear sua vida, de sua família. Para poder comprar bens duráveis e não duráveis, pagar as contas do mês, custear um curso, etc.

Sendo assim, em princípio, o ambiente de trabalho seria um ambiente no qual as pessoas estão para desempEnhar suas funções profissionais e receber um salário por isso. As relações entre elas, nesse local, seriam primeira e idealmente profissionais, acontecendo de forma harmônica para que todas as funções se complementassem e isso levasse a um objetivo maior, que visa à boa realização das tarefas da empresa onde trabalham. Sim, há quem seja autônomo e trabalhe sozinho, em casa, num consultório, escritório, mas o exemplo a que me aterei aqui é mais o de pessoas que trabalham num ambiente de empresa, onde há mais relações entre profissionais. E, sendo esses profissionais seres humanos, as relações naturalmente não se limitam ao aspecto profissional, como acabei de descrever. Acontecem relações interpessoais que envolvem aspectos que não necessariamente são os básicos de uma convivência empresarial; claro, não somos robôs nem engrenagens numa máquina que trabalham em harmonia só para produzir bem. Criamos amizades, inimizades, afetos e desafetos no ambiente de trabalho, entram em cena egos, solidariedade, inveja, amizade, o melhor e o pior do ser humano. Inevitável, já que somos gente que tem sentimentos e individualidades.

Só que esses nossos sentimentos e personalidades, no convívio do dia a dia do trabalho, necessariamente não têm de ser expostos e vivenciados da mesma forma que num grupo de amigos, mesmo que trabalhemos com amigos. O grande lance é saber que no trabalho precisamos ter um tato, uma sensibilidade maior para perceber que há fatores diferenciais envolvidos, próprios desse tipo de relação. Há interesses econômicos, de carreira, de autoridade, que podem não existir em outros grupos sociais. Não é de bom tom que no serviço nos expressemos como se estivéssemos com a família em casa, por exemplo, sem uma maior preocupação no uso das palavras. Falar com um superior como se estivesse falando com a mulher ou com o filho provavelemnte não surtirá um efeito muito bom, esteja você falando de forma carinhosa ou sobre qualquer problema. Usar o bom-senso e lembrar que ali você é um profissional falando com outro é vital para que o relacionamento entre vocês continue da melhor forma possível. Isso não significa deixar de ser quem é, ser falso, mas sim ser inteligente, sabendo que deve exercer sua autenticidade de modos diferentes em ambientes com características diversas.

Um aspecto que deve permear as relações humanas, não só no trabalho, deve ser o repeito. Pensando no ambiente profissional, o respeito é fator fundamental para que as relações entre as pessoas existam de maneira positiva. Não precisamos ser amigos de todos que trabalham conosco, mas precisamos respeitá-los e por eles ser respeitados, sejam subordinados ou superiores. Todo ser humano merece respeito. Seja nas brincadeiras, seja no convívio diário, seja num momento de algum tipo de conflito, perder o respeito pelo outro nesse tipo de meio põe em risco muita coisa: o bom ambiente, a carreira, o emprego... Tem-se muito a perder com a falta de respeito e polidez no serviço. Uma grosseria ou brincadeira inoportuna pode marcá-lo para sempre naquele ambiente.

Espera-se que os membros de uma equipe estejam sempre motivados e pensando no objetivo maior da empresa, em seu sucesso no mercado. Só que, para isso, não só um bom salário é o fato principal. Uma pessoa que trabalha num ambiente no qual não é respeitada provavelmente perderá a motivação e sua satisfação e motivação de ficar ali cairão, caindo também seu rendimento. Além disso, o reconhecimento profissional positivo é muito importante, pois faz com que o profissional se sinta notado, valorizado. Dizer que trabalhar bem é a obrigação e não se deve cumprimentar ninguém por isso é um pensamento antigo, pouco produtivo e humano. Sim, se o indivíduo não exerce sua função bem, pode-se pensar em substituí-lo por quem o faça melhor, mas, primeiro, deve-se refletir por que essa pessoa não está desempenhando suas funções a contento. Será falta de preparo, de treinamento, de um ambiente motivador, é má vontade da pessoa, imaturidade? Demitir alguém por ele trabalhar mal sem uma análise geral da situação nem sempre resolve os problemas. A menos que essa pessoa se mostre completamente despreparada, é válido refletir por que ela não está bem em sua função. Se é completamente despreparada mesmo, como foi contratada? Isso não foi notado por quem a contratou, e não será(ão) essa(s) pessoa(s) também despreparada(s) para contratar funcionários? Não valeria a pena treinar mais a pessoa que não está realizando bem seu serivço?

O reconhecimento profissional vem em forma de <em>feedbacks</em> positivos, menções, promoções, aumentos salarias, de uma forma ou de várias juntas. Vem com o respeito à opinião e argumentos da pessoa, confiança, respeito a seu espaço e jeito de ser e agir. Tudo o que as empresas e profissionais deveriam saber, mas ainda muitas vezes ignoram totalmente. Por mais que se fale em desenvolvimento humano, motivação profissional, que existam palestras, cursos nesse sentido, o que se vê muito na realidade é que isso não é aplicado.

Profissionais continuam sendo desrespeitados em seus ambientes de trabalho. Seja por que eles próprios agiram de maneira a se prejudicar, agindo de maneira inadequada e conquistando antipatias, construindo uma imagem negativa, ou porque as outras pessoas não têm sensibilidade e preparo suficientes para se relacionar positivamente com os demais membros da equipe.

Observemos, então, o profissional que se prejudica no ambiente profissional. Ele próprio cria um ambiente negativo à sua volta, com colegas, subordinados e superiores. Como já dito, não se pode falar com os outros no ambiente de trabalho como se estivesse em casa. As pessoas ali, em geral, não tem um histórico de vida, um envolvimento afetivo como seus familiares tem com você e nem sempre estão dispostos a entender e a passar uma borracha sobre os deslizes reais ou imaginários que se possa cometer. Sim, porque é comum algo ser mal entendido por alguém e aí gera-se uma antipatia difícil de anular posteriormente. Precisamos ter sempre em mente que no trabalho precisamos ter educação, respeito pelo outro, falar de maneira clara e polida, observando diferenças e hierarquias, sempre com cortesia, mas nunca esquecendo que seu superior tem autoridade para lhe delegar tarefas e que seu subordinado ou pessoa em posição abaixo da sua não é uma pessoa inferior no aspecto humano por causa disso. Pode-se falar uma série de coisas, desde uma advertência, um pedido de ajuda, uma reclamação, até um elogio ou uma brincadeira, mas sempre com respeito, profissionalismo e bom-senso. Observe o ambiente a seu redor, as pessoas que estão nele. Procure entender as mensagens que passam com suas atitudes e jeito de ser. Isso é a melhor forma de aprender a como agir e se comunicar com elas. Podemos nós mesmos fazer com que se perca o respeito para conosco se agirmos mal. Se seu emprego lhe interessa, seja porque no momento precisa dele ou porque realmente o aprecia, ou as duas coisas, aja de maneira correta nele. Se está cansado dele, procure meios de conseguir um novo trabalho, mas sem criar um clima ruim no seu atual, isso pode prejudicá-lo por muito tempo, até mesmo em novos empregos. Os profissionais se comunicam, uma má fama extrapola muitas vezes o ambiente de uma empresa. Se errou, procure não cometer de novo o mesmo erro. Ganha quem contrói relações positivas no local de trabalho, em qualidade de ambiente, motivação, desempenho. Relacionamentos positivos hoje podem gerar muitas possibilidades boas no futuro. Uma boa rede de contatos profissionais é importante na hora de procurar um emprego; por exemplo: um ex-colega de trabalho pode dar indicações importantes.

Entendamos que para isso não é necessário ser falso, "puxa-saco", político ao extremo. Ser político no trabalho deve(ria) ser entendido como ser equilibrado, polido, relacionar-se bem com diferentes pessoas. Não precisa ser amigo de quem não quer, é só ser profissional e respeitoso; demonstrar iniciativa e boa vontade na realização de seu serviço (desde que isso seja minimamente verdadeiro) gera uma percepção de que é um profissional interessado e positivo, mostra suas qualificações, conhecimentos. E isso dá um retorno bom. Se não é possível, se não tem como ser motivado no ambiente em que está, analise o que acontece. É algo seu ou do ambiente, mesmo? Se for algo de sua parte, tem como corrigir? Vale a pena? Se é do ambiente, é válido insistir e permanecer nele?

Sim, muitas vezes o problema está no ambiente. Seja por causa do desrespeito entre as pessoas, seja por causa das condições precárias de trabalho, isso tudo pode gerar uma situação extemamente negativa. Um colega que sabota seu trabalho, um superior despreparado que o trata de forma pouco adequada, real falta de identificação com a equipe. São muitas as hipóteses. O que precisamos ter sempre em mente é que trabalho nenhum vale mais que nosso bem-estar. Um trabalho que exige sua presença além do que gostaria e seria racional, ou uma equipe de pessoas que não consegue trabalhar em concordância de forma alguma... Tentemos entender a situação e ver se podemos mudá-la por nós mesmos. Há alguém com quem falar sobre o que acontece que poderá efetivamente fazer algo para melhorar a situação? Se sim, ótimo, demos essa oportunidade e façamos nossa parte. Não há como mudar as coisas? Há como a gente se adaptar à situação, encará-la? Vale a pena? Muitas vezes, pensamos que precisamos de qualquer jeito suportar uma situação que nos agride, porque precisamos daquele emprego ou porque ali construiremos uma brilhante carreira. Só que, se a situação não tem possibilidade de mudar para melhor, não adianta. Que custo isso terá para nós, ficar naquele ambiente? <em>Stress</em>, insatisfação, desmotivação, desrespeito? Desrespeito para com nós mesmos, que permanecemos num meio hostil. Será que não há possibilidade de procurar outra coisa, mesmo permanecendo nesse ambiente enquanto não aparece algo melhor? Será esse emprego o último da face da Terra? Sempre há uma saída, mesmo que pensemos que não no momento. É questão e refletir e tentar achar alternativas, sozinho ou com ajuda de alguém. O que não se pode é permanecer indefinidamente num meio que o incomoda além do que pode ser tolerável, isso variando de pessoa para pessoa. Não há emprego perfeito, só com aspectos bons. Natural. Mas, quando os aspectos ruins se mostram em maior número e mais significativos que os bons, é importante repensar-se nesse emprego.

A saúde física e mental de ninguém vale menos do que um trabalho. Quem pensa diferente, que colha as consequências negativas no futuro. Se um colega seu está satisfeito com as condições da empresa e você não, que bom para ele. Vocês são pessoas diferentes, o que é bom para ele não precisa ser para você. Insistir num ambiente que o estressa traz uma série de malefícios à sua qualidade de vida e a seu próprio desempenho profissional. Você reflete se está agindo com boa vontade e da melhor forma que poderia, sinceramente, insiste da maneira que pode, tenta, mas será difícil manter um bom nível de trabalho; mesmo que consiga, estará motivado, feliz? Provavelmente, não. Isso transparece para os outros e pode causar sua demissão, principalmente se estiver num meio em que a cobrança por motivação e satisfação a qualquer custo for muito grande. Você se desrespeita e fica exausto para permanecer no ambiente, insatisfeito, e acaba perdendo o emprego pelo qual lutava erroneamente para manter. Teria sido melhor ter procurado outro antes que isso acontecesse, já que não estava mais satisfeito. Muitas vezes pior ainda quando não é demitido, fica anos num meio que o faz mal de muitas maneiras.

O que proponho que se faça é uma reflexão sobre a importância do respeito para conosco e para com os outros no ambiente de trabalho e em suas relações nele. Se temos enfrentado problemas nesse sentido, procuremos identificar suas causas e possíveis soluções. Passamos tanto tempo de nossas vidas no ambiente de trabalho! É algo muito importante para ser ruim ou insatisfatório, o que traz consequências importantes para nós. Se não podemos mudar as relações entre as pessoas como achamos que deveríamos, nem as relações empregador-empregado, se a mentalidade das pessoas muitas vezes está mais para o século XVIII do que para o que deveria ser do século XXI, apesar de aparências de evolução e humanismo, podemos procurar para cada um de nós caminhos profissionais melhores, mais adequados a nossas características, necessidades e desejos. Sem faltar com o merecido respeito para com os outros e para conosco. Com isso, ganhamos não só profissionalmente, mas em qualidade de vida em geral, que é o que realmente importa.

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 3 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/carreira-artigos/relacoes-interpessoais-e-respeito-no-trabalho-1308023.html

    Palavras-chave do artigo:

    carreira

    ,

    emprego

    ,

    motivacao

    Comentar sobre o artigo

    Sempre que pensamos em motivação logo associamos a participar de palestras, workshops, seminários ou até mesmo fazer cursos que nos ensine a ser motivado. Acredito que esses recursos podem proporcionar algo em nossa carreira, entretanto nenhuma ferramenta será tão eficiente quanto a nossa atitude positiva para motivação. Por mais que as ferramentas disponíveis sejam adequadas, se o profissional não absorver seu conteúdo não existirá motivação.

    Por: Marco Aureliol Carreira> Gestão de Carreiral 06/07/2011 lAcessos: 183
    Luís Sérgio Lico

    Saiba como planejar seu sucesso profissional. Veja as dicas do Prof. Luís Sérgio Lico e prepare-se para um futuro brilhante!

    Por: Luís Sérgio Licol Carreira> Gestão de Carreiral 01/10/2011 lAcessos: 63

    O presente artigo trata dos principais fatores motivadores para os colaboradores e como os líderes podem atuar nas empresas, de forma que mantenham a equipe sempre com um objetivo principal, que é a melhora na relação fornecedor e consumidor dos produtos. O foco principal são micro e pequenas empresas, com a aplicação de teorias para a ascensão da empresa no âmbito em que está inserida, buscando utilizar-se disso para atender a necessidade de todos.

    Por: João G. S. Stadlerl Negócios> Administraçãol 22/09/2013 lAcessos: 79

    Por vezes, confrontados com a necessidade de ganhar a vida, perguntamo-nos: Será que terei sucesso num negócio ou serei mais bem sucedido num emprego dependente? Pode a Astrologia Jyotish ajudar-me na decisão? Apesar de não existirem indicadores absolutos no horóscopo para esta questão, é possível analisar os vários factores presentes e ter uma ideia clara sobre qual das alternativas provavelmente terá maior sucesso.

    Por: Maria de Fátima Rodriguesl Religião & Esoterismo> Astrologial 15/11/2012 lAcessos: 47
    Nestor de Almeida

    O plano de carreira tem por objetivo colocar a pessoa nos trilhos do sucesso pessoal, profissional, familiar e comunitário, programando, assim, o crescimento nas quatro áreas de maneira eficaz. Ele possibilita programar o tempo necessário para alcançar os objetivos e avaliar se os conhecimentos são suficientes ou não para realizar os projetos...

    Por: Nestor de Almeidal Negóciosl 22/06/2010 lAcessos: 955

    O que se pode perceber nos novos dias é que o marketing interno é um forte instrumento de mudança e motivação e uma estratégia eficaz para o alcance de objetivos corporativos, com reflexos diretos no aprimoramento da qualidade de relacionamentos da organização. É interessante observar que quando a empresa desenvolve adequadamente o conceito de marketing interno, um dos primeiros reflexos observados como melhoria efetiva não se situa no interior da organização, mas sim em seu exterior, nas relaçõ

    Por: Nayara Barbosa Soares Soutol Negócios> Gestãol 27/10/2008 lAcessos: 40,728 lComentário: 4
    Fabiani Seibel Stock

    Planejar a carreira é importante, e devemos decidir o rumo da nossa. Se você não fizer isso, o mercado irá ditar os rumos dela, e nem sempre os acontecimentos estarão de acordo com os nosos objetivos.

    Por: Fabiani Seibel Stockl Carreira> Gestão de Carreiral 05/04/2010 lAcessos: 2,880

    Com o concorrido mercado de trabalho, passar em empregos e concursos habita no sonho de muitas pessoas, principalmente dos recém-formados. Uma das formas mais segura para criar uma estabilidade financeira é através de empregos e concursos público. No entanto, se planejar cada passo de sua carreira é possível conseguir o emprego dos sonhos, então alguns passos são sempre bem-vindos para ajudar a conquistar o tão sonhado concurso ou aquele trabalho que tanto quis.

    Por: Prof. Agusto Nogueiral Carreiral 21/09/2012 lAcessos: 40

    Este artigo pretende reflectir sobre o desafio de saber lidar com o capital intelectual, motivando-o, e fazendo com que ele se sinta satisfeito e feliz no local de trabalho e no desempenho da sua actividade laboral. O objectivo é alcançar maior qualidade e produtividade, elevando a performance da organização. Através de uma pesquisa bibliográfica, foram recolhidas contribuições de diversos autores, sobre os conceitos e factores inerentes à motivação, bem como das principais teorias.

    Por: Paula Costal Negóciosl 21/10/2010 lAcessos: 5,961 lComentário: 1

    Este artigo relata algumas teorias da motivação utilizadas pelos administradores, demonstrando que o fundamento básico da motivação é estimular os funcionários e integrantes da organização. A motivação é o resultado das atitudes adotadas pela administração, voltadas para a satisfação e o bem estar de seus funcionários, tendo como base, recompensas e benefícios oferecidos aos empregados, que podem ser materiais e não materiais.

    Por: Diego Ceriolil Negócios> Gerêncial 30/09/2009 lAcessos: 7,538 lComentário: 3
    Zilda Ap. S. Guerrero

    Saber se escolhemos ou não a opção adequada ao nosso perfil, nossos desejos de consumo, nossos ideais, princípios morais, religiosos, nossas qualidades, aptidões, entre outros fatores que nos inspiram a indicar com "xis" na área, carreira e vaga na inscrição para o vestibular, é realmente muitas vezes, uma decisão muito difícil, principalmente quando pinta um ponto de interrogação em nossa mente: Ser ou Não Ser???

    Por: Zilda Ap. S. Guerrerol Carreiral 03/09/2014
    Gustavo Rocha

    Sabe, eu já fui um carro novo, hoje sou um carro considerado velho. Há 40 anos atrás, eu era um sucesso. Arredondado, com prateado no meio e nos acessórios, todos queriam andar comigo. Era potente, podia ter 1500 cilindradas e fazia um barulho que todos sabiam quem eu era e onde estava passando. Era o desejo dos homens e mulheres e bastava me ter, que o sucesso era garantido. Eu era um Fusca, 1500, do ano de 1974. Os anos passaram e com eles vieram todas as emoções, corridas, fizeram até u

    Por: Gustavo Rochal Carreiral 18/08/2014
    Gustavo Rocha

    Uma etapa difícil da carreira: Formado em direito, passado na OAB, e agora? Passa zilhões de coisas pela cabeça, dificuldades financeiras e de todas as ordens, e ainda a dúvida: Como agir, como proceder. Em Agosto, na semana do Advogado, traremos um manual enxuto sobre vários temas voltados para advogados em início de carreira. Hoje, faremos a reflexão do livro do fundador do Twitter, e mais algumas reflexões minhas: O americano Christopher Stone, o Biz, de 40 anos, tem uma daquelas trajetór

    Por: Gustavo Rochal Carreiral 23/07/2014

    Dados das Nações Unidas indicam que 80% dos participantes de militância ecológica são mulheres, o que talvez se deva ao movimento feminista, que desde a década de 70 defende a ideia de que o meio ambiente natural é feminino e, por este motivo, a proteção da natureza estaria ligada à emancipação da mulher e sua maior influência no desenvolvimento local e global.

    Por: Central Pressl Carreiral 14/07/2014 lAcessos: 13
    Gustavo Rocha

    14 de Julho de 1789, data da queda da Bastilha. Naquele ano uma prisão foi derrubada por ideais de liberdade, igualdade e fraternidade. Hoje, séculos depois, convido você a fazer uma mudança e lutar por estes 3 ideais. Qual a mudança? A queda da sua bastilha. Todos temos situações, convenções, pré-conceitos que nos tornam menos preparados para o mercado. Esta é a nossa bastilha, a nossa prisão. Vivemos como se tudo sempre for ser o mesmo, como se nada fosse mudar, como se sucesso fosse eter

    Por: Gustavo Rochal Carreiral 14/07/2014

    Saber lidar com conflitos é fundamental para o sucesso, tanto empresarial, quanto pessoal e profissional. O teste é útil para sua autoavaliação.

    Por: Ernesto Bergl Carreiral 07/07/2014 lAcessos: 19
    Gustavo Rocha

    "Seja quente ou seja frio, não seja morno que eu te vomito", texto Bíblico do Apocalipse, Capítulo III, Versículo 16. "Assim, porque és morno, e não és frio nem quente, vomitar-te-ei da minha boca". Uma verdade existencial. Seja A ou B, seja bom ou mal, seja algo, pelo amor de Deus, seja! Quantas pessoas em cima do muro, pessoas preocupadas com salários e horário ao invés de resultados, pessoas que não fazem parte dos 5%. Como assim 5%? Diz a sabedoria popular que apenas 5% das pessoas apre

    Por: Gustavo Rochal Carreiral 03/07/2014
    Gustavo Rocha

    Pessoas, o bem maior de qualquer organização. Pessoas, para alguns, o mal necessário de qualquer organização. Pessoas, seres com sentimentos, razão e objetivos, todos juntos e misturados num mesmo ambiente, num mesmo convívio. Imagine juntar diversas pessoas diferentes, com criações diferentes, com valores diferentes, com verdades diferentes, com sentimentos diferentes e teoricamente – e bem teoricamente – com objetivos comuns e querer que desta salada de frutas saia um caldo doce. Parece im

    Por: Gustavo Rochal Carreiral 26/06/2014
    Marcus Facciollo

    Numa época em que "parecer" se torna mais importante que "ter" ou "ser", de verdade, e que o consumismo é visto como objetivo de vida e passaporte para a realização pessoal, que valores resgatar para levar uma vida com mais satisfação e crescimento interior?

    Por: Marcus Facciollol Psicologia&Auto-Ajuda> Auto-Ajudal 22/10/2010 lAcessos: 103
    Marcus Facciollo

    A luz e a sombra, o certo e o errado, nos acompanham a todos pela vida. Cabe a nós escolhermos que caminho seguir, de acordo com a verdade de cada um.

    Por: Marcus Facciollol Psicologia&Auto-Ajuda> Auto-Ajudal 27/04/2010 lAcessos: 458
    Marcus Facciollo

    Viver plenamente demanda periodicamente renovar-se, reinventar-se para uma existência mais gratificante e feliz, em acordo com sua verdade.

    Por: Marcus Facciollol Psicologia&Auto-Ajuda> Auto-Ajudal 31/03/2010 lAcessos: 291
    Marcus Facciollo

    Uma visão sobre o mecanismo da superproteção e os efeitos negativos para quem superprotege e para quem é superprotegido.

    Por: Marcus Facciollol Psicologia&Auto-Ajuda> Auto-Ajudal 21/03/2010 lAcessos: 421
    Marcus Facciollo

    Um medo que se tem pode ser algo positivo ou negativo. Saber se é de um ou de outro tipo é muito importante para viver bem, mas como fazer isso?

    Por: Marcus Facciollol Psicologia&Auto-Ajuda> Auto-Ajudal 09/03/2010 lAcessos: 184
    Marcus Facciollo

    Problemas e fugas não podem nos impedir de refletir e decidir os melhores rumos para nós e nossas vidas.

    Por: Marcus Facciollol Psicologia&Auto-Ajudal 04/02/2010 lAcessos: 1,599
    Marcus Facciollo

    Nem sempre quem tem o conhecimento o usa, o que não o invalida. Grandes lições podem vir de quem menos se espera.

    Por: Marcus Facciollol Psicologia&Auto-Ajudal 26/01/2010 lAcessos: 28
    Marcus Facciollo

    O processo de envelhecimento é natural e não é algo negativo, desde que acompanhado de amadurecimento interior, o que garante uma mente sempre jovem e uma forma positiva de viver.

    Por: Marcus Facciollol Psicologia&Auto-Ajudal 30/12/2009 lAcessos: 218
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast