A Reforma Educativa e o seu impacto na disciplina de sociologia a nível do ensino secundário

Publicado em: 28/09/2010 |Comentário: 0 | Acessos: 2,174 |

Introdução

 

O presente artigo faz parte de uma colectânea de temas relacionados ao Ensino da Sociologia nos vários subsistemas de ensino angolano, onde a nossa preocupação central cinge-se em Analisar a Reforma Educativa e o seu impacto no Ensino da Sociologia a nível do ensino secundário.

 

Este artigo nos permitirá entender as premissas que estão na base da implementação da Reforma Educativa em Angola, onde identifica-se as anomalias referentes ao fraco aproveitamento escolar dos estudantes e as fragilidades que o próprio sistema de educação possuía, sem por de lado, os impactos que a Reforma Educativa causou ao Ensino da Sociologia, realçando assim, as dificuldades que os professores de sociologia enfrentam no cumprimento das suas actividades laborais.

   

  1. 1.     A Reforma Educativa e o seu impacto na disciplina de sociologia a nível do ensino secundário.

 

            Ao falarmos em reforma a nosso ver, só estamos diante de uma reforma quando pretende-se mudar algo velho e substitui-lo por algo novo, desde que seja melhor que o anterior ou ofereça melhores garantias. Esta mudança ou substituição de algo velho por algo novo, reflecte-se na Reforma Educativa que Angola implementou recentemente e isto só foi possível, graças a um estudo realizado pelo Ministério da Educação que visava diagnosticar as dificuldades do anterior Sistema de Educação e identificar as anomalias referentes ao fraco aproveitamento escolar dos estudantes nos diferentes níveis de ensino. Posteriormente, constatou-se que "…Entre 1981 e 1984, 10 000 professores abandonaram o Ministério da Educação, tendo como causas: a situação político-militar, a baixa remuneração salarial e as péssimas condições sociais…" (MED.2009:7), quanto ao IIº e IIIº Nível que faziam parte do Ensino de Base constatou-se que ", …o ensino estava nas mãos de docentes estrangeiros, cuja língua de trabalho e preparação profissional era diferente, conforme a sua nacionalidade…" (Idem), sem esquecer o elevado índice de reprovação dos estudantes que estavam no Iº Nível, "…Em cada 1 000 alunos que ingressavam na 1ª Classe, somente 142 concluíam o Iº Nível do Ensino de Base, dos quais 34 transitavam sem repetições de classe, 43 com uma repetição e 64 com duas ou três repetições." (Idem). Além destas, ainda existem outras anomalias como:

 

"…a distorção da rede escolar, a exiguidade das infra-estruturas escolares, a insuficiente qualidade e quantidade do corpo docente, o deficiente fornecimento de equipamentos, de material escolar e de meios [de] ensino, a débil gestão administrativa e pedagógica das instituições de ensino e a consequente desvalorização da carreira docente." (GRILO.2004:99)

 

Face a estas fraquezas que começaram no Ensino de Base e que repercutiram-se noutros níveis de ensino, o Ministério da Educação viu-se obrigado a conceber uma nova estrutura no Sistema de Educação em Angola, uma vez que cada Estado, em determinadas circunstâncias da sua história, pode criar ou inovar o Sistema de Educação de que necessita para fazer fincar os seus ideais e objectivos, assim sendo, o Governo de Angola aprovou a Lei 13/01, de 31 de Dezembro, Lei de Bases do Sistema de Educação. Este novo Sistema de Educação foi aprovado em 2001 e implementado paulatinamente a partir de 2004.

 

Quanto ao impacto que a Reforma Educativa causou ao Ensino da Sociologia, afirmamos que a Reforma Educativa trouxe consigo mais impactos negativos que positivos à disciplina de sociologia a nível do Ensino Secundário. A exemplo, constata-se o seguinte:

 

1.1 Impactos negativos

 

a)      A disciplina de sociologia deixou de ser uma disciplina obrigatória a todos estudantes para ser um disciplina de opção, onde só alguns estudantes dos cursos de Ciências Humanas e Ciências Económicas-Jurídicas são os que estudam-na, em contrapartida, todos estudantes do curso de Ciências Físicas-Biológicas não estudam-na, assim sendo, estamos diante de uma descriminação porque alguns têm o privilégio de estudá-la e outros não;

b)      Quando se fala em disciplina de opção, subentende-se que o estudante tem a liberdade de optar se vai estudá-la ou não. Algo que na nossa pesquisa constatamos que o estudante não tem a liberdade de opção, porque, lhe é imposta a condição de estudar uma das duas, onde o critério de selecção obedece o seguinte principio: o estudante que no livro de ponto o seu número é par estuda psicologia, por outro lado, o estudante que no livro de ponto o seu número é impar estuda sociologia;  

c)      Com a entrada da Reforma Educativa, a disciplina de sociologia contínua em situação de desigualdade comparando com as outras disciplinas, porque, até ao momento não há manual de apoio referente a disciplina de sociologia para professores e estudantes do Ensino Secundário;

d)     O programa de sociologia da Reforma Educativa elaborado pelo INIDE, exige o uso de novos manuais de consulta, em contrapartida, isto dificulta significativamente o trabalho dos professores, porque, nem todos têm a possibilidade de obterem os manuais recomendados, por isso, extraem as matérias de qualquer manual de sociologia;

e)      Com a entrada da Reforma Educativa passou haver uma certa diminuição na carga horária da disciplina de sociologia, porque, antes da reforma as aulas eram administradas (2) duas vezes por semanas, compreendendo assim (4) tempos semanais; com a entrada da reforma, as aulas passaram a ser administradas apenas (1) uma vez por semana, compreendendo assim (2) dois tempos semanais.

 

1.2 Impactos positivos

 

a)      Com a entrada da Reforma Educativa a disciplina de sociologia passou a ser leccionada em (2) dois anos, a contar da 11ª classe até a 12ª classe, ao passo que, antes da reforma a disciplina de sociologia era leccionada em um ano, isto é, na 11ª classe;

b)      Com a entrada da Reforma Educativa, os estudantes de sociologia e não só, têm tido avaliações diárias ou semanais como condição necessária, ao passo que, antes da reforma as avaliações eram trimestrais.

 

Estes foram os principais impactos constatados que a Reforma Educativa, causou a disciplina de sociologia a nível do ensino secundário.

 

Conclusão

 

            A guisa de conclusão apraz-nos dizer que, o anterior sistema de educação e ensino possuía muitas lacunas e fragilidades, por este motivo, não adequava-se as metas que o País pretendia alcançar, razão pela qual, implementou-se um novo sistema de ensino através de uma reforma. Quanto ao impacto desta reforma ao Ensino da Sociologia, temos a dizer que, a Reforma Educativa trouxe consigo mais impactos negativos que positivos ao Ensino da Sociologia, assim sendo, a Reforma Educativa não trouxe melhorias significativas ao Ensino da Sociologia, porque os professores continuam a enfrentar os problemas antigos, como a falta de manual de apoio publicado oficialmente pelo Instituto Nacional para Investigação e Desenvolvimento da Educação, salas de aula superlotadas, políticas de ensino mal direccionadas, entre outras.

 

            Para terminar, considera-se este artigo como o alicerce de uma obra em construção, ou seja, considera-se como o trilho de um percurso a ser percorrido, onde cada um é chamado a intervir e a contribuir para o engrandecimento da ciência.

 

Referências Bibliográficas

 

            GRILO, Luisa Maria Alvez. (2004), Reforma do Ensino Geral In Colóquio sobre o Ensino em Angola. Luanda: Fundação Sagrada Esperança.

            LEMBE, Horácio Domingos. (2010), O Ensino da Sociologia no Ensino Secundário em Luanda: Estudo de Caso da Escola do IIº Ciclo do Ensino Secundário nº 3030-Ingombota (1992-2006). Trabalho Apresentado para a Obtenção do Grau de Licenciatura em Ciências da Educação, Opção Sociologia.

            MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. (2009) Informação sobre a Implementação do Novo Sistema de Educação: Reforma Educativa do Ensino Primário e Secundário. Luanda: INIDE.

            REPÚBLICA DE ANGOLA. (2001), Lei de Bases do Sistema de Educação In Diário da República. I Série – N.º 65. Luanda: Imprensa Nacional.

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 1 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/ciencia-artigos/a-reforma-educativa-e-o-seu-impacto-na-disciplina-de-sociologia-a-nivel-do-ensino-secundario-3363813.html

    Palavras-chave do artigo:

    reforma educativa

    ,

    ensino da sociologia no ensino secundario

    Comentar sobre o artigo

    Elizeu Vieira Moreira

    O ensino de Sociologia, no Brasil, enquanto disciplina escolar inicia-se no final do século XIX no contexto do nascimento da República e difusão dos seus ideais positivistas, que influíram também no âmbito da educação e da educação escolar. Lembremos que no final do Segundo Reinado, em 1882, a primeira sugestão da Sociologia como disciplina escolar, ocorreu pela proposição de projetos de lei que incluíam a disciplina no ensino secundário...,

    Por: Elizeu Vieira Moreiral Educação> Ciêncial 05/06/2013 lAcessos: 15

    Artigo apresentado no V Simpósio de PesquUisa e Pós-Graduação em Educação, 2013, na Universidade estadual de Londrina. trata da disciplina de sociologia no ensino médio e da construção de uma metodologia de ansino apropriada, perpasando a pedagogia histórico-crítica.

    Por: Cristiano Pinheiro Corrêal Educação> Ciêncial 24/05/2013 lAcessos: 69
    Ana Paula Pinto

    A análise da participação e dos direitos à juventude brasileira na atualidade se impõe como necessidade perante o grande contingente jovem e à situação de vulnerabilidade que se encontra grande parte desse contingente. Para enfrentar tal quadro os programas sociais dos governos, especificamente o Projovem no Brasil, tem sido uma das alternativas apontadas para estimular o protagonismo juvenil. sendo assim, procuramos apreender as perspecções política dos participantes do Projovem Adolescente.

    Por: Ana Paula Pintol Educaçãol 27/12/2010 lAcessos: 2,490 lComentário: 2
    Antonio Cunha

    O presente trabalho tem como objetivo, rever as referências teóricas sobre o tema “emancipação” associadas à análise das políticas públicas educacionais adotadas pelo Governo Brasileiro, focando Curitiba-Pr, considerando a desigualdade e a diferença social da clientela das escolas públicas estaduais e federais, diante das demandas sociais e de mercado de trabalho, numa perspectiva de emancipação e esforços públicos.

    Por: Antonio Cunhal Educaçãol 10/08/2009 lAcessos: 4,748

    Objetivou-se neste estudo, reconstruir a história do ensino de enfermagem no Brasil desde a criação da Escola de Alfredo Pinto, em 1890, pelo decreto 791/1890, assinando pelo então Presidente da República, Marechal Deodoro da Fonseca até os dias atuais. Embora alguns autores já tenham dissertado sobre este tema, o objetivo neste estudo foi abranger fatos da literatura em um só trabalho, como subsídio complementar para os futuros enfermeiros no Brasil.

    Por: Andrea M.Payal Saúde> Medicinal 20/10/2012 lAcessos: 217

    O projeto-atividade tem como objetivo levar o conhecimento de estruturas microscópicas ao público alvo, sob uma perspectiva de ensino em ambientes informais, levando à exposição de uma célula "gigante" em praça pública. São apresentados conceitos sobre o ensino no ambiente informal e toda a estrutura necessária para a realização do projeto-atividade, respectivamente, bem como sua aplicação, dificuldades e resultados.

    Por: BRUNA LARISSA DA COSTA LEALl Educação> Ciêncial 19/02/2014 lAcessos: 16
    Marcelo Capistrano

    O objetivo deste trabalho científico é apresentar o Digicoaching como um novo processo de desenvolvimento humano e abordar o contexto histórico dos meios de comunicação até os dias atuais, mapeando o presente cenário digital, no que se refere ao macroambiente, tendências, eu digital e networking, para assim, trazer a análise dos resultados obtidos com a aplicação desse processo nos objetos de pesquisa (clientes Pesolíquido), a fim de embasar o Digicoaching como teoria e prática científica

    Por: Marcelo Capistranol Educação> Ciêncial 13/02/2014
    Elizeu Vieira Moreira

    No século 20, que pode ser considerado como o século das preocupações com as questões sociais advindas da necessidade de se manter certo consenso em relação à sociedade capitalista, burguesa, surge a Constituição de 1934..., a mais avançada de todas as constituições brasileiras, dentro da perspectiva da democratização da oferta da educação pública, o que fica claro pela quantidade de títulos de fundamental importância que não estavam contemplados nas Cartas anteriores.

    Por: Elizeu Vieira Moreiral Educação> Ciêncial 22/01/2014 lAcessos: 55
    Elizeu Vieira Moreira

    Diferentemente da Constituição dos Estados Unidos da América, de 17 de setembro de 1787, que tem apenas 10 artigos e 10 emendas, formando a Carta de Direitos, o Brasil, com a Carta Magna de 1988, completou oito constituições. Três delas foram outorgadas (impostas pelo Executivo: 1824, 1937 e 1969). As de 1891, 1934, 1946 e 1988 foram promulgadas (votadas no Congresso Nacional).

    Por: Elizeu Vieira Moreiral Educação> Ciêncial 15/01/2014 lAcessos: 22

    RESUMO Em decorrência da escassez do solo urbano se viu a necessidade de procurar novos métodos de moradia, surgindo empreendimentos em forma de condomínios verticalmente construídos. Esse tipo de organização se destina aos moradores da classe média alta que procuram conforto, segurança e melhores condições de vida nas proximidades do centro da cidade. Todavia, essas organizações não visam o lucro e sim evitar que o déficit estacione. Com isso, fica evidente a importância da contabilidade em con

    Por: ROMÁRIO LÁZARO LOPESl Educação> Ciêncial 03/01/2014 lAcessos: 50
    Marco Bueno

    Paulo Freire em sua obra Política e Educação faz uma reflexão político-pedagógica baseada em palavras verdadeiras. Para ele, palavra verdadeira é aquela que pode transformar o mundo; que denuncia as injustiças; que não exige neutralidade da ciência; que não reduz homens e mulheres a meros objetos e, sobretudo, demonstra o comprometimento que se faz necessário para a humanização, libertação e autonomia do indivíduo - através de um processo político-ético-pedagógico eficiente.

    Por: Marco Buenol Educação> Ciêncial 28/12/2013 lAcessos: 25

    Nesta pesquisa realizada com os pequenos produtores que participam da feira do pequeno produtor nas quartas feiras, constatamos que uma das maiores dificuldades é a questão do transporte de sua produção. Onde muita produção acaba ficando para traz, porque não tem condições de transportar, pois o frete as vezes acaba tirando o lucro.

    Por: CLAUDIO ADÃO TEODOROl Educação> Ciêncial 18/12/2013 lAcessos: 12

    O conhecimento científico foi uma revolução científica no século XVII, buscou seu próprio método. O conhecimento científico tenta através de estudos explicarem análises, experimentação, observação e responder cientificamente um determinado assunto. Diferente do senso comum, que é trazido de gerações e gerações é uma forma de pensar, sentir e agir, sendo que é conhecimento baseados em opiniões em hábitos, preconceitos, tradições cristalizadas e em observações ingênuas da realidade.

    Por: ANA MARIA LIBARDIl Educação> Ciêncial 16/12/2013 lAcessos: 19
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast