Eu e a Pesquisa Acadêmico-Científica

Publicado em: 11/09/2010 |Comentário: 2 | Acessos: 1,176 |

 

Introdução

 

Um dos pré-requisitos para ingresso nos Programas de Mestrado, de muitas Instituições de Ensino Superior, é a apresentação de um pré- projeto ou até mesmo, projeto de pesquisa.

Difícil é compreender que, na atual realidade educacional brasileira, é somente neste nível de ensino que ocorre maior iniciativa com relação à pesquisa acadêmico-científica. É, pois, nos cursos de pós-graduação, que será construído o caminho do conhecido rumo ao desconhecido.

Acostumados que estamos a nos valer do senso comum, o fato que se apresenta de imediato é a dificuldade de se entender o que se anuncia como pensamento rigoroso, que na construção da pesquisa aparece como um dos elementos principais de sua caracterização.

No discurso acadêmico, pesquisa é a marcha do conhecido para o desconhecido, um linear percurso entre partida e chegada. E, por se tratar de conhecimento, parte o sujeito (aquele que conhece) em busca do objeto (aquilo que se conhece), ao mesmo tempo que o objeto por suas propriedades, fornece ao sujeito os elementos que ele precisa para conhecê-lo.

Por isto, há que se definir objetos, procedimentos metodológicos e estar ciente de que é necessário valer-se de um corpo conceitual, próprio à cada discíplina científica.

"Assim, antes de iniciar uma pesquisa, é preciso saber pesquisar e, mais, o que se vai pesquisar" (PEREIRA, 2008, p.45).

Contudo, referências documentais ricas em conteúdo e informações serão insuficientes se o futuro pesquisador desconhecer esses aspectos, cruciais para a pesquisa. Pode-se estar de posse do dicionário mais atualizado, mas, se o pesquisador não estiver de posse do termo correto a consultar de nada valerá tal dicionário.

Mas vale, acima de tudo a ressalva de Pereira (2008, p.23), quando afirma que nossas pesquisas não são voltadas para objetos e, sim, para sujeitos.

Por isto, não acredito em desconstrução do pensamento- soa como destruição. Prefiro referir-me à reconstrução do pensamento.

 Logo, nos primeiros contatos, entre orientador e orientando no Mestrado, são intrigantes e conflitantes os diálogos sobre o tema e o problema de pesquisa.

Procurar pelo objeto da pesquisa gera incerteza, frustração. É quando se descobre que a noção de objeto não está clara. Na maior parte das vezes, o próprio mestrando desconhece o objeto da própria Ciência, na qual se formou.

Outra questão interessante, que convém observar aqui, é que a maioria dos mestrandos não se vê como pesquisador, já que ingressa, com certeza, num programa de Pós-Graduação por conta da exigência para o exercício da docência superior. Assim, o esperado é adquirir titulação para prosseguir na carreira docente. E, neste contexto, a frustração é perceptível.

Ser pesquisador demanda dedicação, muita leitura e interpretação de textos científicos e filosóficos, que requerem atenção redobrada e domínio de terminologias próprias.

Há que se saber, ainda, interpretar os diferentes tipos de discursos e de linguagens, com que se depara.

Nesta perspectiva, ser pesquisador é reconstruir seus próprios pensamentos. É conhecer o pensamento de outros pesquisadores, que há milênios, séculos, décadas, dias pesquisaram e escreveram.

Muito do que parece novo já foi pesquisado, avaliado e validado em um contexto científico. Posto isto, ser pesquisador nos dias atuais, é tarefa árdua.

Contudo, é preciso iniciar. E, de fato, ir em rumo ao desconhecido, para si e para a Humanidade.

E é nesta perspectiva que início minha trajetória na pesquisa acadêmico-científica.

Pensamentos dirigidos pelo senso comum e a experiência como docente na rede Pública de Ensino do Estado de São Paulo, fizeram-me pensar as Políticas Públicas e a Prática Docente. Realizo em meu projeto de pesquisa para ingresso no Programa de Mestrado, co-relacionar a história da Educação com a minha história na Educação. Descrevo em breve relato as mudanças pelas quais a Educação vem passando nos últimos trinta anos, a responsablidade ou inresponsabilidade dos poderes públicos ao incentivo à pesquisa, falta de pesquisa dos professores e consequentemente de alunos e o desânimo no exercício da prática docente.

Ao ingressar no mestrado na Universidade da Cidade de São Paulo, começa o que chamarei de "aclaramento" do pensamento, com o discurso dos professores que são unanimes em afirmar, a importância  de se descobrir o objeto a ser pesquisado.

E tudo que parece ser conhecido, na verdade é desconhecido, e a indagação esta em, qual meu objeto de pesquisa, como definir o tema, como seguir em uma marcha do conhecido rumo ao desconhecido, se neste momento não há o "conhecido". Este é o momento em que os iniciantes na pesquisa acadêmico-cientifíca, começam o discurso de desconstrução, o qual não compartilho. Já que é neste momento, que acredito que começamos a nos construir pesquisadores.

Já que a pesquisa é iniciada na busca por um objeto, tema, problema, que seja relevante a ser pesquisado.

Para a comunidade acadêmica o discurso não deve ser apenas através de expressão oral, mas sim através da dissertação. E neste contexto há toda uma estrutura e normas a serem seguidas para apresentação da dissertação.

No entanto neste percurso há de se considerar as modalidades do pensamento, que se apresentam como, mítico-dedutivo (afirma), filosófico-indutivo (dialoga) e cientifico-analógico (demonstra). Noutros termos, a marcha do conhecido rumo ao desconhecido acontece pelo sujeito por um ou mais, destes pensamentos. E que o objeto é relevante para a escolha do pensamento. E estes fatores devem ser observados, considerados na pesquisa acadêmico-científica.

Então ao iniciar este novo ensaio à pesquisa e retomando a leitura de meu projeto de pesquisa percebo que não houve uma diretriz estabelecida, sem um objeto especifico. Não tinha um um norte à seguir com a minha pesquisa.

Na busca por um objeto. Deparo-me com a Pedagogia do Sujeito e assim com o sujeito- professor (PEREIRA, 2007). E este só fora descoberto através da pesquisa.

Quando abordada, sobre o meu objeto de pesquisa. Disse que gostaria de percorrer por caminhos que me levassem à descobrir o "ser" educador. E logo nas primeiras aulas descubro que o "ser", tem conotação diferente da qual eu julgava saber

"Nada é. O que é esta deixando de ser, num fluir constante.(Heraclito).  Enquanto que para Parmênides, diz que, "o ser é, e o não ser não é". Assim o ser é (eterno, imóvel, infinito, imutável, único). Não ser é o ente.(fisico, objeto, real, concreto)".

Assim, meus pensamento não foram desconstruído, mas sem "sombra" de dúvida fez com que eu fosse em busca da objetividade da minha pesquisa. Que até então estava amparada no tema Qualidade do Ensino e Prática Docente.

Assim, fui me inteirar sobre A qualidade do Ensino. A primeira frustração, já que grande parte do referêncial teórico o qual tive acesso, relaciona a Qualidade do Ensino, um fator mais de mensuração, (definitivamente não é este o caminho que pretendia percorrer).

Aqui meu pensamento de reestruturação do pensamento, acredito que saber o que não pesquisar, se dá por meio de pesquisa. Não deve ser entendido este como desconstrução. Mas sim uma organização diferente da idéia (sendo que a idéia é a maneira como o pensamento opera).

Contudo, é preciso saber que em uma pesquisa acadêmico-científica estes (pensamentos) devem ser sistematizados.

Que existem diferentes tipos de pesquisas estas podem ser, quantitativa, qualitativa, pesquisa-ação, história de vida, formação de professores e estudo de caso. A escolha desta, retratará um pouco da característica do pesquisador.

Começo a entender que, a ciência do pensamento correto ocorre por meio da co-relação entre idéia, juizo e raciocínio. Que o pensamento ocorre por movimento dedutivo, indutivo e analógico, assim os pensamentos sistematizados (idealismo, realismo e fenomenológico) serão defindos pelo estilo pessoal de cada pesquisador.

Assim, surge o construir-se pesquisador. Já que o pesquisador, a partir de referências, irá adotando um estilo próprio de realizar e conduzir suas pesquisas.

A partir do meu encontro com o meu objeto de pesquisa Pedagogia do Sujeito (PEREIRA, 2007), e com o meu problema de pesquisa A construção do Professor à luz da Pedagogia do Sujeito, pretendo, seguir em minha marcha.

Contudo, não é por outro caminho que encontrarei o que idealizo, como professora da rede Pública Estadual de Educação desde 1995, que é o de apresentar, aos professores, um novo conceito em educação. No entanto, este só se afirmará quando os professores olharem para si e perceberem que é necessário iniciar à pesquisa. Acredito que existe um "interesse", no Currículo da Secretaria do Estado de São Paulo, em difundir este conceito à pesquisa, mas está implícito, para a maioria dos professores. Mas este seria assunto para um outro projeto de pesquisa, dada a extensão de fatos e interesses políticos, que envolve o assunto.

Com o auxílio precioso dos Doutores da Educação, meus professores e orientador, pretendo voar alto meu sonho de pesquisa. Inicio, com a certeza de me construir pesquisadora. Assim seguir, eu e a pesquisa.

 

 

 

 

Referências Bibliográficas

 

 FURLANETTO, Ecleide; MENESES, João Gualberto de Carvalho; PEREIRA, Potiguara Acácio. A Escola e o Aluno relações entre sujeito-aluno e sujeito-professor. São Paulo: Averkamp, 2007

 

 GATTI, Bernadete A. Pós-Graduação e pesquisa em Educação no Brasil, 1978-1981.CP 44,p.3-17, fev.1983.

 

 PEREIRA, Potiguara Acácio. O que é pesquisa em educação? São Paulo, Editora Paulus, 2008.

 

Avaliar artigo
4
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 35 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/ciencia-artigos/eu-e-a-pesquisa-academico-cientifica-3248389.html

    Palavras-chave do artigo:

    educacao

    ,

    pesquisa

    ,

    pedagogia do sujeito

    Comentar sobre o artigo

    Janaina Silveira

    O presente artigo constitui-se um estudo acerca das relações paradoxais que existem entre escola e educação popular no Brasil na década de 1970. Ocorreu por meio de pesquisa bibliográfica onde foi investigada a literatura pedagógica no campo educacional para que essa fosse capaz de subsidiar a elaboração de um panorama histórico da educação popular nos anos 1970. Assim apresentam-se as concepções de escola de Louis Althusser e Antonio Gramsci e analisa-se a concepção e as características da educ

    Por: Janaina Silveiral Educaçãol 09/03/2011 lAcessos: 1,201

    Este artigo apresenta uma discussão para dizer se a educação é uma ciência ou não, que se realizara através de concepções de vários autores com varias ideias e concepções diferentes que nos fara pensar e decidir qual deles estão certos quanto à cientificidade da educação. A ciência esta presente no nosso dia-a-dia e é essencial para o nosso conhecimento do mundo, muitos discordam da ciência, mas sem ela estaríamos ainda ligados a nossas próprias crenças e valores. E a pedagogia é uma ciência da

    Por: Elainel Educação> Ciêncial 30/11/2011 lAcessos: 348

    Este trabalho foi elaborado com a intenção de um melhor aprendizado, de melhores experiências e capacitação de produção de aprendizagem do curso de Pedagogia a distância. Com essas experiências, que serão levantadas nas respectivas disciplinas no que se refere aos fundamentos da educação.

    Por: Geórgea Daniela Araujo Bergl Educação> Ensino Superiorl 30/01/2012 lAcessos: 6,312
    Valmôr Scott Junior

    As pessoas com necessidades especiais carecem de inclusão efetiva pela educação. Antes de se pensar em discutir a inclusão, é preciso entender seus pressupostos: direito à educação e cidadania. O presente trabalho possui como objetivos: (inter)relacionar direito à educação (legislação básica federal), cidadania e políticas educacionais de inclusão, sendo referência as pessoas com necessidades especiais e refletir sobre políticas educacionais destinadas para estes sujeitos.

    Por: Valmôr Scott Juniorl Educação> Ciêncial 19/07/2010 lAcessos: 1,535
    Jaqueline Claudete de Oliveira

    A cultura surda, os métodos e todas as concepções que envolvem os indivíduos no processo de construção de uma identidade e que possibilitam a verdadeira integração do surdo na sociedade.

    Por: Jaqueline Claudete de Oliveiral Educação> Línguasl 13/11/2010 lAcessos: 1,926
    DANIELY MARIA OLIVEIRA BARBOZA

    Esta pesquisa tem como pressuposto principal propor uma reflexão em torno da dinâmica e da realidade da Educação de Jovens e Adultos, uma vez que este campo de ensino fez e faz parte da história da educação brasileira. Diante disso, ao analisar todo o contexto desse campo de ensino, verificamos a dinâmica existente em cada momento que se consegue organizar uma sala de jovens e adultos na escola.

    Por: DANIELY MARIA OLIVEIRA BARBOZAl Educação> Ensino Superiorl 30/11/2013 lAcessos: 76

    Neste trabalho desenvolvemos algumas idéias da pedagogia de Célestian Freinet (1896-1966). Para ele a pedagogia do bom senso e a educação para o trabalho se constitui em uma posição central para a instrução do aluno. O professor tem papel fundamental, pois é um agente de mediação, um interlocutor de seus alunos, ensinando-lhes, não de forma mecânica, autoritária ou distante, mas através de um processo de interação dialógica.

    Por: Santos, Sebastião Jacinto dosl Educação> Educação Infantill 11/07/2009 lAcessos: 7,306
    Elizeu Vieira Moreira

    ....Considera, a guisa de conclusão, que o entendimento desse processo de desumanização da condição humana provocado pelo paradigma das competências é condição necessária para a crítica ontológica e a materialização de um bloco histórico de resistência à lógica do capital e a sociometabolização propugnada pela incontrolabilidade do mesmo.

    Por: Elizeu Vieira Moreiral Educação> Ciêncial 02/07/2011 lAcessos: 786
    Wilian Junior

    O presente texto que insere-se no campo da reflexão sobre o ensino de História na Educação de Jovens e Adultos (EJA), tem por finalidade analisar e discutir quatro aspectos básicos para a compreensão da disciplina na EJA: a)- Ensino de História como objeto de pesquisa; b) - Aspectos históricos da EJA; c) - O papel do professor; d) - O ensino de História na EJA.

    Por: Wilian Juniorl Educação> Ensino Superiorl 21/01/2011 lAcessos: 1,897

    O presente texto fala sobre as diferentes classes de escolarização, assim como as dificuldades de ensinos, de aprendizados e as mudanças ao longo do tempo que a educação no país está sofrendo; também fala sobre as reformulações necessárias para melhorias no campo da educação, e desvalorização financeira e social do magistério.

    Por: Reginaldo Posol Educação> Ciêncial 16/12/2014

    o presente trabalho relata sobre a falta de etica em laboratorios de hospitais publico

    Por: perolal Educação> Ciêncial 11/12/2014

    O projeto surgiu da necessidade de entendermos melhor sobre a cultura indígena Paresi. Em língua Portuguesa foram trabalhados durante o ano letivo os clássicos da literatura brasileira do autor José de Alencar. Os livros foram Iracema, O Guarani e Ubirajara Em geografia foram trabalhados os impacto que houve na cultura com a globalização . Envolvemos os alunos do 3º G para visitarmos a aldeia Paresi e pudemos constatar as mudanças que houve ao logo dos anos.

    Por: Sortineide Navarro Segural Educação> Ciêncial 05/12/2014

    Espera-se que este projeto possa contribuir para formação de cidadãos mais conscientes, e esperando que todos os segmentos sociais, governo, escola e comunidade possam empenhar na modificação de modelos sociais para que um homem novo possa emergir, mais autentico e integrado com os valores sociais.

    Por: SUELY CARDOSO FURLANl Educação> Ciêncial 03/12/2014 lAcessos: 12
    Andréia Camargo Fleck

    O artigo visa apresentar um breve relato sobre a realização da IV mostra de Ciência e Tecnologia realizada na Escola Estadual João Nepomuceno de Medeiros Mallet no município de nova xavantina – MT, onde foram oferecidos aos alunos palestras e oficinas com o Tema: Ser Humano, Ciência e Tecnologia para o desenvolvimento social, os trabalhos foram confeccionados pelos alunos de acordo com a oficina escolhida e apresentados numa exposição no dia 19 de novembro de 2014. Andreia Camargo Fleck

    Por: Andréia Camargo Fleckl Educação> Ciêncial 29/11/2014
    Teresa Coutinho

    A palavra tempo pode referir-se a um período do definido com maior ou menor precisão, desde pouco tempo, que significa de breve duração, até o tempo dos faraós, que foi há três mil anos; pode igualmente designar uma duração contínua indefinida, tal como está expresso nos dicionários, no âmbito de qual todos os acontecimentos tiveram lugar, estão a ter lugar e irão ter lugar.

    Por: Teresa Coutinhol Educação> Ciêncial 29/11/2014
    Eros Bazan

    Promover a interdisciplinaridade e a busca e troca de conhecimentos entre participantes da Feira no sentido de estimular o interesse pelo estudo das Ciências, da Cultura e das Artes; Incentivar a participação e a construção de em eventos de natureza cientifica; Motivar e envolver todos os alunos na realização de métodos experimentais e busca de respostas de todos os fenômenos naturais; Envolver os estudantes em atividades participativas, de natureza conceitual, reflexiva e prática.

    Por: Eros Bazanl Educação> Ciêncial 25/11/2014

    Por um longo tempo, as ciências formaram uma grande unidade conhecida como filosofia Natural. Praticamente qualquer atividade desenvolvida no mundo atual envolve uma inter-relação entre as várias ciências e foi pensando nisso que o presente trabalho foi proposto para alguns alunos do 1° ano do ensino médio inovador, visando uma relação entre a física e a Biologia "Biofísica" .

    Por: anacleil Educação> Ciêncial 17/11/2014 lAcessos: 19

    Comments on this article

    1
    isabele 30/09/2010
    professora linda, já votei em vc...

    bjssssssssssss te adoro
    0
    maycon 21/09/2010
    olá pessoas,gostaria de pedir ajuda se alguem pode enviar algumas fontes de monografia sobre docencia do ensino superior jogos e brincadeiras.
    somente para aprimorar minha monografia,sei que muitos ja passaram pelo mesmo que estou passando agora se alguem quizer colaborar ficarei agradecido agradeço pela força de vontade de ajudar o próximo.
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast