O Ensino de Geometria no Ensino fundamental

Publicado em: 25/06/2010 |Comentário: 1 | Acessos: 4,735 |

O ensino do Desenho permaneceu oficialmente por 40 anos consecutivos nos currículos escolares – de 1931 a 1971. Essa situação se manteve, apesar de que a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional de 1961 propusesse opções de currículo onde o Desenho não era disciplina obrigatória.

Os currículos escolares do ensino fundamental no Brasil sofreram grandes mudanças em 1971 com a promulgação da Lei n. 5692 – Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Havia um núcleo de disciplinas obrigatórias e outros núcleos de disciplinas optativas, as quais poderiam integrar a parte diversificada do currículo. As escolas tinham a liberdade de construir a sua grade curricular apenas dentro da parte diversificada. As instituições escolares deveriam seguir as determinações da legislação escolar, que impunham a integração da Educação Artística, em todas as séries dos cursos de 1º e 2º graus do ensino básico. O Desenho tornara-se uma disciplina optativa da parte diversificada do currículo. Deste modo, após a promulgação da referida lei, muitas escolas aboliram o ensino das construções geométricas, ensinadas na disciplina Desenho Geométrico.

Outro ponto importante a ser destacado é que as construções geométricas com régua e compasso não mais seriam obrigatórias nos concursos vestibulares de Arquitetura e Engenharia na década de 70. Estes fatos se entrelaçam fortalecendo o abandono do Desenho Geométrico em escolas do ensino básico.

Este quadro permanece até a década de 80, quando algumas editoras lançam coleções de Desenho Geométrico, para serem utilizadas de 5a a 8a série do primeiro grau – o que nos aponta uma revalorização das construções geométricas e/ou a sua assunção pelas escolas de uma forma explícita. No entanto, oficialmente as construções geométricas continuavam ausentes dos currículos escolares, uma vez que o Desenho Geométrico deixara de ser uma disciplina obrigatória.

No final do século passado, temos a proposta dos PCN(s) que têm como finalidade orientar as políticas públicas e as práticas escolares do ensino básico brasileiro, estabelecendo

"... uma meta educacional para a qual devem convergir as ações políticas do Ministério da Educação e do Desporto, tais como os projetos ligados a sua competência na formação inicial e continuada de professores, à análise e compra de livros e outros materiais didáticos e à avaliação nacional. Têm como função subsidiar a elaboração ou a revisão curricular dos Estados e Municípios, dialogando com as propostas e experiências já existentes, incentivando a discussão pedagógica interna das escolas e a elaboração de projetos educativos, assim como servir de material de reflexão para a prática de professores." (PCN, v. 1, p.36).

Apenas em 1998, com a publicação dos Parâmetros Curriculares Nacionais de Matemática para o 3º e 4º ciclos do ensino fundamental, demonstra-se uma real preocupação com o ensino das construções geométricas neste nível de ensino. Este volume propõe os traçados geométricos com régua e compasso, reabilitando uma forma de trabalhar a geometria que estava esquecida em diversas instituições de ensino básico do país.

No Brasil, pesquisas mais recentes apontam a importância do ensino do ensino das construções geométricas, auxiliando a construção do conhecimento em geometria e/ou mostram as dificuldades encontradas pelos alunos, nos cursos superiores, nos quais a geometria e as construções geométricas são pré-requisitos imprescindíveis.

Os estudos iniciais sobre geometria abordam situações relacionadas à forma, dimensão e direção. O objetivo de ensinar geometria aos alunos do 1º ao 5º ano está ligado ao sentido de localização, reconhecimento de figuras, manipulação de formas geométricas, representação espacial e estabelecimento de propriedades.

Analisando pelo lado construtivista, o aluno estabelece seu espaço na medida em que o pensamento cognitivo seja colocado em ação. Dessa forma, os alunos que possuem um maior grau de habilidade se destacam, relacionando a geometria a outros contextos. É com base nesse caso que a escola deve acionar mecanismos, a fim de fornecer o conhecimento de forma gradual, atendendo a todos os alunos de forma igualitária.
O professor deve aproveitar os diferentes pontos de vista e opinião dos alunos, criando um ambiente de discussão de idéias, debates e formulação de novas definições. Trabalhos assim valorizam o aluno, pois ao utilizar conceitos particulares nas aulas, sua autoestima é valorizada. Alguns conteúdos possuem afinidade com a geometria, como os mapas, as figuras, os sólidos, as planificações entre outros. Com o auxílio dos mapas, o aluno utiliza de formas bidimensionais no estudo de situações tridimensionais. O sentido de localização é colocado em prática e termos como latitude, longitude e altitude são relacionados às coordenadas geográficas de países, estados e cidades. Essa seria uma boa oportunidade para a formação de uma parceria com o professor de Geografia, colocando em prática a interdisciplinaridade entre as ciências exatas e humanas. As figuras e os sólidos são primordiais para o sucesso do aluno nas séries seguintes.

Os conhecimentos em geometria e desenho se encontram entre, através e além de quatro disciplinas escolares desde o ensino fundamental: matemática, arte, geografia e ciências (física, química e biologia). É nesse sentido que a geometria e o desenho, na escola, sejam tidos como temas transdisciplinares. Entende-se, portanto, que a abordagem ou metodologia transdisciplinar pode contribuir para o avanço do ensino da geometria e do desenho, facilitando uma formação plena do aluno.

No PCN de matemática para os conteúdos do ensino fundamental de 1ª a 4ª série, observa-se que a expressão ‘espaço e forma' surge inicialmente utilizada pelo PCN de matemática como referência ao ensino da geometria e de sua representação gráfica. Em suas "considerações preliminares da caracterização da área de matemática", observa-se o tratamento inicial dado à geometria evidenciando seu caráter concreto, abolindo a abstração que dificulta a aprendizagem. Dentre os objetivos gerais da área de matemática para o ensino fundamental, percebe-se a necessidade de se "fazer ligação da realidade com o conhecimento matemático em suas várias linguagens (aritmética, geométrica, métrica, algébrica, estatística, combinatória e probabilística)" em busca de um pensamento crítico. Portanto, a geometria é apontada como necessária à formação básica do ser humano. Percebe-se o caráter transversal proposto pela matemática e evidencia-se a necessidade tanto do uso da tecnologia, quanto da interseção com outras áreas e da comunicação humana plena. O documento cita que os conceitos geométricos constituem parte importante do currículo de matemática, pois, por meio deles, o aluno desenvolve um tipo especial de pensamento que lhe permite compreender, descrever e representar, de forma organizada, o mundo em que vive. A geometria é um campo fértil para se trabalhar com situações-problema e é um tema pelo qual os alunos costumam se interessar naturalmente. (PCN Matemática, 1997, p. 39).

O PCN de Artes cita o lúdico, as brincadeiras infantis, em que o ‘brincar de desenhar' é uma das atividades prediletas das crianças (PCN Arte, 1997, p. 36). O desenho livre, as histórias em quadrinhos, as produções em informática; o contato com formas bi e tridimensionais, para o desenvolvimento de uma linguagem visual são alguns exemplos da aplicação do desenho na área de Artes. Em relação à dança e ao teatro, observam-se referências quanto à necessidade de se lidar livremente com o espaço e a forma, através da dualidade espaço-movimento e os espaços cênicos (p. 47-57). Outra referência é para que se faça a transversalidade com a área de matemática, em projetos na escola. (PCN Arte, 1997, p. 77).

Estudar o espaço, a percepção espacial, a imagem, a mídia, o dualismo entre o local-global e a Internet, são temas ligados ao visual e à representação gráfico-espacial, presentes no PCN de Geografia. O documento faz-se menção à espacialidade, à linguagem gráfica, ao espaço. Grande importância é dada à alfabetização cartográfica, bem como ao aprendizado de diferentes formas de representação com evidências para o desenho, seja pelos esboços (representação bidimensional), seja pelo uso e confecção de maquetes (representação tridimensional). Sistemas de representação projetiva (visão oblíqua; visão vertical), alfabeto cartográfico (ponto, linha e área); proporção e escala; rigor na representação (convenções, simbologia, normas técnicas); criatividade na abstração, são temas de destaque no documento.

No PCN de Ciências observa-se alusão ao modo de buscar conhecimento através do desenho de observação em ciências. O espaço e o tempo, a informática e as mídias, são da mesma forma citados. O lúdico gráfico-gestual e o desenho surgem como formas variadas de aprendizagem e estreitamento da relação professor-aluno. O desenho de observação volta a ser destacado como de suma importância às ciências naturais, enfatizando a escala, a precisão e o caráter lúdico da aprendizagem, a criatividade, a visão espacial. Um exemplo da representação do sistema solar reforça a importância da visão espacial e sua conseqüente representação gráfica. O PCN de Ciências faz referência à parceria entre áreas, especificando a área de matemática, pela necessidade do uso de medidas e representações variadas, pautadas através de conhecimentos da geometria.

Como é notório o desenho, presente desde a educação infantil e como ferramenta de várias, senão de todas as disciplinas escolares, mostra-se cada vez mais importante na formação dos indivíduos, pois utiliza-se do apelo visual, seja para divulgar informações e lugares, para vender produtos ou para se estimular o aprendizado. Aprender geometria e poder desenhar a natureza e as formas criadas pelo homem torna-se ferramenta imprescindível neste contexto, dando àquele que a detém facilidades na comunicação e na interpretação de vários códigos.

Constata-se que se deve incentivar a aprendizagem de conceitos geométricos e a continuidade dos estímulos para o desenho o mais precocemente possível; que o professor que atua na escola, em todos os níveis da educação, deve ter uma boa formação, pautada nesta consciência e na importância que isso tem para a formação integral dos alunos.

A transdisciplinaridade vem ao encontro deste ideário ao trazer à tona uma metodologia que aponta um caminho possível para a educação, centrada nos diferentes níveis de realidade, na lógica do terceiro incluído e da complexidade. Em outras palavras propõe-se que, em meio ao conjunto complexo da escola, não é necessário um novo conhecimento para dar conta de um ensino mais presente da geometria e o desenho. Com o que se tem instalado é possível desenvolver tais tópicos dentro da educação, trabalhando de forma lúdica, contextualizada e integrada (não fragmentada) com as disciplinas de arte, geografia, ciências e a própria matemática.

Assim, a realidade de um universo de várias disciplinas, como é a escola, e de tantos atores, como é a educação, desde seus dirigentes, até as famílias, com todos os seus membros envolvidos, deixa explícita a compreensão do todo complexo, que a transdisciplinaridade tão bem compreende e apazigua.

 

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 2 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/ciencia-artigos/o-ensino-de-geometria-no-ensino-fundamental-2726919.html

    Palavras-chave do artigo:

    o ensino da geometria e do desenho e a interdisciplinaridade

    Comentar sobre o artigo

    Este texto tem por objetivo ajudar o professos uma forma mais recreativa para ensinar a Disciplina de Educação Fisica.

    Por: João do Rozario Limal Educaçãol 13/04/2008 lAcessos: 240,564 lComentário: 61
    simiana ribeiro leal

    Resumo: Este artigo tem como objetivo analisar e discutir como a Arte tem contribuído de forma relevante para o processo de ensino e da aprendizagem dos alunos da educação básica, e de como através da educação estética se pode construir interfaces, com outras áreas do conhecimento. Pode-se afirmar que através da quebra do conceito que Arte está isolada de outros saberes tradicionais, e que trabalhar a Arte de forma articulada com outras disciplinas, viabiliza um novo modelo de aprendizagem menos

    Por: simiana ribeiro leall Educação> Ensino Superiorl 15/11/2011 lAcessos: 526

    O presente artigo tem como objetivo: levar-nos a refletir sobre a importância dos jogos, para o Ensino da Educação Física no Ensino Fundamental. A escolha de trabalhar este tema nasceu da necessidade de investigar a importância do jogo dentro do processo de ensino e aprendizagem da Educação Física. Como objetivos específicos; Observar o valor Pedagógico do Jogo; Lançar um olhar Reflexivo sobre os jogos e a Educação Física. Analisar o Paradigma Quebra-cabeça e Educação Física. Com o tema e os obj

    Por: Walderclaudio Nascimento Santosl Educação> Ensino Superiorl 16/08/2009 lAcessos: 10,378 lComentário: 2

    O projeto-atividade tem como objetivo levar o conhecimento de estruturas microscópicas ao público alvo, sob uma perspectiva de ensino em ambientes informais, levando à exposição de uma célula "gigante" em praça pública. São apresentados conceitos sobre o ensino no ambiente informal e toda a estrutura necessária para a realização do projeto-atividade, respectivamente, bem como sua aplicação, dificuldades e resultados.

    Por: BRUNA LARISSA DA COSTA LEALl Educação> Ciêncial 19/02/2014 lAcessos: 19
    Marcelo Capistrano

    O objetivo deste trabalho científico é apresentar o Digicoaching como um novo processo de desenvolvimento humano e abordar o contexto histórico dos meios de comunicação até os dias atuais, mapeando o presente cenário digital, no que se refere ao macroambiente, tendências, eu digital e networking, para assim, trazer a análise dos resultados obtidos com a aplicação desse processo nos objetos de pesquisa (clientes Pesolíquido), a fim de embasar o Digicoaching como teoria e prática científica

    Por: Marcelo Capistranol Educação> Ciêncial 13/02/2014
    Elizeu Vieira Moreira

    No século 20, que pode ser considerado como o século das preocupações com as questões sociais advindas da necessidade de se manter certo consenso em relação à sociedade capitalista, burguesa, surge a Constituição de 1934..., a mais avançada de todas as constituições brasileiras, dentro da perspectiva da democratização da oferta da educação pública, o que fica claro pela quantidade de títulos de fundamental importância que não estavam contemplados nas Cartas anteriores.

    Por: Elizeu Vieira Moreiral Educação> Ciêncial 22/01/2014 lAcessos: 63
    Elizeu Vieira Moreira

    Diferentemente da Constituição dos Estados Unidos da América, de 17 de setembro de 1787, que tem apenas 10 artigos e 10 emendas, formando a Carta de Direitos, o Brasil, com a Carta Magna de 1988, completou oito constituições. Três delas foram outorgadas (impostas pelo Executivo: 1824, 1937 e 1969). As de 1891, 1934, 1946 e 1988 foram promulgadas (votadas no Congresso Nacional).

    Por: Elizeu Vieira Moreiral Educação> Ciêncial 15/01/2014 lAcessos: 25

    RESUMO Em decorrência da escassez do solo urbano se viu a necessidade de procurar novos métodos de moradia, surgindo empreendimentos em forma de condomínios verticalmente construídos. Esse tipo de organização se destina aos moradores da classe média alta que procuram conforto, segurança e melhores condições de vida nas proximidades do centro da cidade. Todavia, essas organizações não visam o lucro e sim evitar que o déficit estacione. Com isso, fica evidente a importância da contabilidade em con

    Por: ROMÁRIO LÁZARO LOPESl Educação> Ciêncial 03/01/2014 lAcessos: 52
    Marco Bueno

    Paulo Freire em sua obra Política e Educação faz uma reflexão político-pedagógica baseada em palavras verdadeiras. Para ele, palavra verdadeira é aquela que pode transformar o mundo; que denuncia as injustiças; que não exige neutralidade da ciência; que não reduz homens e mulheres a meros objetos e, sobretudo, demonstra o comprometimento que se faz necessário para a humanização, libertação e autonomia do indivíduo - através de um processo político-ético-pedagógico eficiente.

    Por: Marco Buenol Educação> Ciêncial 28/12/2013 lAcessos: 26

    Nesta pesquisa realizada com os pequenos produtores que participam da feira do pequeno produtor nas quartas feiras, constatamos que uma das maiores dificuldades é a questão do transporte de sua produção. Onde muita produção acaba ficando para traz, porque não tem condições de transportar, pois o frete as vezes acaba tirando o lucro.

    Por: CLAUDIO ADÃO TEODOROl Educação> Ciêncial 18/12/2013 lAcessos: 14

    O conhecimento científico foi uma revolução científica no século XVII, buscou seu próprio método. O conhecimento científico tenta através de estudos explicarem análises, experimentação, observação e responder cientificamente um determinado assunto. Diferente do senso comum, que é trazido de gerações e gerações é uma forma de pensar, sentir e agir, sendo que é conhecimento baseados em opiniões em hábitos, preconceitos, tradições cristalizadas e em observações ingênuas da realidade.

    Por: ANA MARIA LIBARDIl Educação> Ciêncial 16/12/2013 lAcessos: 21

    Este artigo propõe uma breve reflexão sobre os componentes do PPP e sobre fatores que podem prejudicar sua execução.

    Por: Marcial Educação> Ensino Superiorl 28/11/2010 lAcessos: 638

    Comments on this article

    1
    gerson 04/01/2011
    sem comentario
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast