O papel do coordenador pedagógico da atualidade escolar

Publicado em: 17/04/2011 |Comentário: 1 | Acessos: 4,118 |

Atualmente se faz necessário discutir a função da coordenação pedagógica dentro das escolas, no momento que se tem observado que o papel da coordenação pedagógica não está refletindo a necessária importância que exige a práxis.

Ao discutir o trabalho do coordenador pedagógico, ressalta-se que o mesmo não consegue ser exercido efetivamente na prática, visto que, em sua maioria, esbarra no trabalho administrativo das escolas e na rejeição do professorado em trabalhar em conjunto com a coordenação.

O trabalho pedagógico somente se desenvolve de maneira eficaz se envolver o coletivo, a fim de facilitar o conhecimento dos professores. Revisar e refletir sobre as práticas pedagógicas leva o educador e, conseqüentemente, a escola, a assumirem um papel diferenciado frente ao educando.

Essa pesquisa pretende auxiliar no entendimento de como nossas escolas estão vivenciando a prática do trabalho coletivo e pedagógico no cotidiano escolar.

Quem é o coordenador pedagógico?

A sociedade atual vive um processo de constantes mudanças, tanto no âmbito econômico e político quanto no campo social, ideológico, bem como educacional. A escola, como instituição de ensino e de práticas pedagógicas, enfrenta muitos desafios que comprometem a sua ação frente às exigências que surgem. Assim, os profissionais que nela trabalham precisam estar conscientes de que são agentes partícipes e promotores da mudança na educação.

Historicamente, a coordenador pedagógico era mais conhecido como o supervisor, aquele que tem uma "visão sobre". Segundo Ferreira (2007), a supervisão tem sua origem na administração e faz ser entendida como a gerência de controlar o executado. Desta forma, essa idéia foi absorvida pela educação como medida de controle do processo educacional.

Assim, o supervisor passou a ser conhecido como um especialista policial do professor a serviço da burocracia, um tarefeiro dentro da escola, a serviço do diretor e dos professores. Neste contexto, o papel do supervisor seria observar e condenar os erros do professor e não trabalhar conjuntamente na busca de solucionar os problemas encontrados e possibilitar um ensino de qualidade para a população presente na escola.

Atualmente, percebe-se que as novas teorias da educação já não defendem profissionais com esse perfil centralizador e detentor único do saber. E procuram romper com o paradigma da "super" visão para uma "nova" visão.

Nesse sentido, percebe-se o aparecimento de um novo especialista, o coordenador pedagógico, que é o supervisor com uma nova visão, um profissional que coordena as ações do grupo. Este tem como função específica mediar e favorecer o processo de construção de saberes, numa visão democrática na qual atua como articulador da pedagogia institucional e de sala de aula.

A coordenação pedagógica teve um caráter profundamente controlador e, por isso, ainda se percebe certa desconfiança quanto à atuação desse profissional no interior das escolas. Torna-se necessário que o coordenador pedagógico conquiste a confiança dos educadores para que seja bem sucedido em seu papel.

Esse novo paradigma educacional vê-se contemplado na Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB 9394/96), artigo 64, destacando que a formação de profissionais de educação para administração, planejamento, inspeção, supervisão e orientação educacional, para a educação básica será feita em cursos de graduação em pedagogia ou em nível de pós-graduação, a critério da instituição de ensino, garantida, nesta formação, a base comum nacional.

Nesse sentido, com habilitação específica e com esses novos conhecimentos adquiridos em cursos de pós-graduação, o coordenador pedagógico assume a responsabilidade de direcionar sua ação para atender as especificidades sociais, culturais e políticas da escola contemporânea. Ele deveria fornecer as condições e os meios para uma prática de ensino significativo, favorecendo a reflexão critica na comunidade escolar.

Assim, torna-se necessário ressaltar a importância da presença de um coordenador pedagógico consciente de seu papel, que possa acompanhar o projeto pedagógico da escola, formar professores, além de manter a parceria entre pais, alunos e direção. O coordenador é o mediador da construção e o estabelecimento de relações entre todos os grupos que desempenham o fazer pedagógico, refletindo e construindo ações coletivas.

Para coordenar e direcionar suas ações o coordenador pedagógico precisa estar consciente de que seu trabalho não se dá isoladamente, mas no conjunto, mediante a articulação dos diferentes atores escolares, no sentido da construção do projeto político pedagógico da escola.

Para Freire (1982), o coordenador pedagógico é, primeiramente, um educador e como tal deve estar atento ao caráter pedagógico das relações de aprendizagem no interior da escola. Ele deve levar os professores a ressignificarem suas práticas, resgatando a autonomia sobre o seu trabalho sem, no entanto, se distanciar do trabalho coletivo da escola.

O coordenador pode ser um dos agentes de mudança nas práticas dos professores mediante as articulações externas que realiza. Ele medeia o saber, o saber fazer, o saber ser e saber agir do professor, na busca de uma prática inovadora. Essa tarefa do coordenador é desafiadora, porque conduz a um momento de criação conjunta. Assim, a mediação do coordenador pedagógico implica também em um compromisso com a formação continuada dos professores.

Essa medição pedagógica, de acordo com Orsolon (2003), auxilia o professor na dimensão de sua ação, para que ele perceba quais os relevos atribuídos a cada uma delas, bem como cria condições para questionar a prática do professor disponibilizando recursos para modificá-la com uma proposta curricular inovadora.

André e Vieira (2006) defendem que é preciso relacionar os saberes com o trabalho, mostrar que eles têm origem social, são plurais, evoluem ao longo da carreira e que são saberes humanos sobre humanos. Esses aspectos constituem fios condutores de suas reflexões sobre os saberes docentes. O trabalho do coordenador pedagógico revela grande capacidade de articular diferentes tipos de saberes para solucionar os desafios do cotidiano.

A parceria do coordenador com o professor traduz um processo formativo contínuo, em que a reflexão e os questionamentos do docente quanto a sua prática pedagógica encontram e se confrontam com as teorias invocadas pelo coordenador em uma troca em que ambos se formam e se transformam.

O coordenador pedagógico precisa focar seu olhar nessa relação entre professor e aluno e entender que, às vezes, alguns professores não sabem como se constrói o conhecimento. Torna-se fundamental então que o coordenador aja como professor, ajudando os professores na compreensão de sua práxis educativa. Por isso uma das principais funções da coordenação pedagógica é o processo de Formação Continuada dos docentes.

Segundo Christov (2003) a Formação Continuada é importante, pois os conhecimentos se atualizam a cada instante e é preciso que existam momentos para reflexão sobre a prática docente, oferecendo subsídios para que os professores consigam, por sua vez, facilitar a aprendizagem de seus alunos.

O trabalho da coordenação pedagógica se faz em atender necessidades e prevê ações que possam garantir o bom andamento do processo de ensino e aprendizagem. Esse trabalho pode utilizar recursos como a formação continuada dos professores.

O coordenador pedagógico atua em um espaço de mudança, é visto como agente de transformação, precisa estar atento às brechas da legislação e da prática cotidiana, para atuar, para inovar, para provocar nos professores possíveis inovações e para transformar a escola e modificar as práticas pedagógicas e melhorar os resultados de aprendizagem dos discentes.

Segundo Orsolon (2003), algumas atitudes do coordenador são capazes de desencadear mudanças no professor. São elas:

  • Promover um trabalho de coordenação em conexão com a gestão escolar. Quando os professores percebem essa integração, sentem-se sensibilizados para a mudança, já que o planejamento do trabalho se dá de forma menos compartimentalizada.
  • Realização de trabalho coletivo. A mudança só acontece se todos se unirem em torno de um objetivo único, pois será mais fácil compartilhar concepções e dúvidas, buscando uma construção coletiva.
  • Mediar a competência docente. O coordenador pedagógico deve considerar o saber, as experiências, os interesses e o modo de trabalhar dos professores, criando condições para questionar essas práticas e disponibilizando recursos para auxiliá-los.
  • Desvelar a sincronicidade do professor e torná-la consciente. O coordenador tem que propiciar condições para que o professor análise criticamente os componentes políticos, humano-interacionais e técnicos de sua atuação, para que perceba a necessidade ou não de uma mudança em sua prática.
  • Investir na formação continuada do professor na própria escola. A formação continuada possibilita, no interior da escola, que o professor faça de sua prática objeto de reflexão e pesquisa, transformando-a sob a direção do projeto de transformação da escola.
  • Incentivar práticas curriculares inovadoras. É importante que o coordenador proponha aos professores uma prática inovadora e acompanhe-os na construção e vivência de uma nova forma de ensinar e aprender. No entanto, é preciso que essas práticas sejam compatíveis com as convicções, anseios e modo de agir do professor, pois é preciso que ele acredite na importância dessa inovação para que seu trabalho, de fato, se modifique.
  • Estabelecer parceria com o aluno. O aluno deve ser incluído no processo de planejamento do trabalho docente. Criando oportunidades para que os estudantes participem com opiniões, sugestões e avaliações do processo de planejamento do trabalho docente, o coordenador possibilita que a aprendizagem seja mais significativa para alunos e professor, pois os alunos ajudarão o professor a redirecionar a sua prática.
  • Criar oportunidades para o professor integrar sua pessoa à escola. É necessário que sejam criadas situações para que o docente compartilhe suas experiências, se posicionando de forma integral enquanto pessoa, cidadão e profissional, aprendendo com as relações no interior da escola.
  • Procurar atender às necessidades reveladas pelo desejo do professor. O coordenador precisa estar sintonizado com os contextos sociais, educacionais e o da escola onde o professor atua para que capte essas necessidades e possa atendê-las.
  • Estabelecer parceria de trabalho com o professor. Esse trabalho possibilita tomada de decisões passíveis de serem realizadas pois, se sentindo apoiado, o professor se compromete mais com o seu trabalho, com o aluno e consigo mesmo.
  • Propiciar situações desafiadoras para o professor. As expectativas dos alunos em relação ao curso, uma nova proposta de trabalho ou as ações do coordenador podem provocar uma desinstalação do professor, que irá despertá-lo para um processo de mudança.

Considerando a função formadora, o coordenador precisa programar as ações que viabilizem a formação do grupo para qualificação continuada desses sujeitos. Consequentemente, conduzindo mudanças dentro da sala de aula e na dinâmica da escola, produzindo impacto bastante produtivo e atingindo as necessidades presentes.

Assim, muitos formadores encontram na reflexão da ação momentos riquíssimos para a formação. Isso acontece à medida que professores e coordenadores agem conjuntamente observando, discutindo e planejando, vencendo as dificuldades, expectativas e necessidades, requerendo momentos individuais e coletivos entre os membros do grupo, atingindo aos objetivos desejados.

Considerações finais

A relação entre professor e coordenador à medida que se estreita, ambos crescem em sentido prático e teórico, concebe a confiança, o respeito entre a equipe e favorecem a constituição como pessoas.

Assim, é papel do coordenador favorecer a construção de um ambiente democrático e participativo, onde se incentive a produção do conhecimento por parte da comunidade escolar, promovendo mudanças atitudinais, procedimentais e conceituais.

Apesar das inúmeras responsabilidades desse profissional, já descritas e analisadas aqui, o coordenador pedagógico enfrenta outros conflitos no espaço escolar, tais como tarefas de ordem burocrática, disciplinar, organizacional.

Assumir esse cargo é sinônimo de enfrentamentos e atendimentos diários a pais, funcionários, professores, além da responsabilidade de incentivo a promoção do projeto pedagógico, necessidade de manter a própria formação, independente da instituição e de cursos específicos, correndo o perigo de cair no desânimo e comodismo e fatores de ordem pessoal que podem interferir em sua prática.

Muitas vezes, a escola e o coordenador se questionam quanto à necessidade desse profissional e chegam à conclusão que esse sujeito pode promover significativas mudanças, pois trabalha com formação e informação dos sujeitos. O espaço escolar é dinâmico e a reflexão é fundamental a superação de obstáculos, socialização de experiências e fortalecimento das relações interpessoais.

O coordenador pedagógico é peça fundamental no espaço escolar, pois busca integrar os envolvidos no processo ensino-aprendizagem mantendo as relações interpessoais de maneira saudável, valorizando a formação do professor e a sua, desenvolvendo habilidades para lidar com as diferenças com o objetivo de ajudar efetivamente na construção de uma educação de qualidade.

Referências

BRASIL, Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996.

CHRISTOV, Lúcia Helena da Silva. Educação continuada: função essencial do coordenador pedagógico. In: GUIMARÃES, Ana Archangelo et al. O Coordenador Pedagógico e a Educação Continuada.6 ed. São Paulo: Loyola, 2003.

FERREIRA, Naura Syria Carapeto (Org.) Supervisão Educacional para uma Escola de Qualidade. 6ª.ed.- São Paulo: Cortez, 2007.

FREIRE, Paulo. Educação: Sonho possível. In: Brandão, Carlos Rodrigues (org). O Educador: Vida e Morte. 2ª Ed. Rio de Janeiro: Graal, 1982.

ORSOLON, Luzia Angelina Marino. O coordenador/formador como um dos agentes de transformação da/na escola. In: ALMEIDA, Laurinda Ramalhode; PLACCO, Vera Maria Nigro de Souza (Orgs). O Coordenador Pedagógico e o Espaço de Mudança. São Paulo: Loyola, 2003

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 1 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/ciencia-artigos/o-papel-do-coordenador-pedagogico-da-atualidade-escolar-4621239.html

    Palavras-chave do artigo:

    coordenacao pedagogica

    ,

    trabalho coletivo

    ,

    mudanca

    Comentar sobre o artigo

    Milene Macedo

    O mundo e os seres vivos não são constituídos por substâncias puras, no dia a dia a maioria dos sólidos, líquidos e gases aos quais se conhece são formados por misturas. Essas são constituídas por duas ou mais substâncias, e estão presentes no cotidiano de um laboratório e de indústrias. As misturas podem ser classificadas de diversas maneiras, por exemplo, como heterogêneas ou homogêneas. Muitas vezes os componentes de uma mistura são aplicáveis apenas quando separados.

    Por: Milene Macedol Educação> Ciêncial 15/07/2014

    O artigo que apresentamos abordará a prática docente no ensino da pré-história em nível escolar fundamental. O objetivo de nosso artigo é mostrar como os professores podem trabalhar o conteúdo pré-história na sala de aula. Temos como base de nosso referencial teórico artigos que pesquisamos na rede mundial de computadores, onde os mesmo darão suporte e contribuem bastante com as hipóteses levantadas. Em nossa pesquisa à elaboração de nosso paper utilizamos a revisão de bibliografia, pois esta es

    Por: daniel Rodrigues de limal Educação> Ciêncial 13/07/2014

    A implantação de cotas nas universidades públicas é uma das questões conflituosas da proposta de reforma na educação apresentada pelo MEC. Forma-se que os exames vestibulares são claramente injustos. Tendo em vista, que a maioria dos que ingressam na universidade são componentes da classe média alta que cursaram o ensino médio em instituições particulares. O presente trabalho buscará averiguar a política de cotas. Como esta política é determinante, qual a sua eficácia, se existe alguma lacuna, s

    Por: juniorparentel Educação> Ciêncial 01/07/2014
    Dalila Costa Santos

    Este artigo faz uma abordagem sobre os desafios da inclusão escolar na contemporaneidade, por se tratar de um tema cada vez mais discutido na atualidade, tendo em vista sua grande relevância, já que tem como finalidade a garantia de uma educação igualitária, uma educação inclusiva de fato. A escolha do tema deu-se devido a educação inclusiva ter como desígnio a promoção de práticas pedagógicas que considerem a individualidade dos alunos e seu modo característico de lidar com a aprendizagem.

    Por: Dalila Costa Santosl Educação> Ciêncial 03/06/2014 lAcessos: 43
    Dalila Costa Santos

    Este artigo faz uma abordagem sobre a teoria de Durkheim e a concepção da educação como fato social, por se tratar de um tema de grande relevância, já que tem como ênfase a questão da educação enquanto formadora de indivíduos capazes de se tornarem membros da sociedade. A escolha do tema deu-se devido a educação ter como finalidade a promoção de práticas pedagógicas que trabalhem a individualidade dos alunos, assegurando que possam ser preparados para fazerem parte da sociedade atual.

    Por: Dalila Costa Santosl Educação> Ciêncial 03/06/2014 lAcessos: 35
    Francisco Vila Nova

    O artigo compara o ensino das equações e suas diferentes maneiras de apresentar a resolução das equações do 1º com uma incógnita por parte dos professores de matemática das redes pública e privada do município de João pessoa.

    Por: Francisco Vila Noval Educação> Ciêncial 25/05/2014 lAcessos: 25
    josemir francisco da silva

    O objetivo deste trabalho é de desmistificar e compreender a ausência da higiene com o corpo na Idade Média, abordando algumas questões relevantes a respeito da prática de banho no intuito de levar a compreensão como às pessoas que viveram nesse período e como conviviam com essas questões.

    Por: josemir francisco da silval Educação> Ciêncial 18/05/2014 lAcessos: 40
    josemir francisco da silva

    Esse presente artigo analisar os costumes e tendências generalizadas em uma sociedade refletem um modo de pensar em evidência na época. Por sua vez, o modo de pensar de uma sociedade geralmente surge como reação a uma mentalidade em evidência anteriormente. Esse artigo pretende fazer uma rápida avaliação da mentalidade atual, chamada pós-moderna, como reação a modos de pensar anteriores e como causa de mudanças no comportamento social, profissional e, principalmente, religioso da sociedade

    Por: josemir francisco da silval Educação> Ciêncial 17/05/2014 lAcessos: 12

    Comments on this article

    1
    eslany vanessa 19/06/2011
    Estou fazendo uma pesquisa sobre a importancia do coordenador para as escola, eu achei bem interessante este texto, que traz uma reflexão para os coordenadores que estão fugindo do seu principal eixo educacional, trazer a qualidade para todos que estão inseridos na escola, bem como a formação contínua dos profesores.
    Vemos em alguns estudos que os coordenadores estão mais atarefados em resolver a parte burocratica da escola do que verificar os problemas vivenciados pelos professores.
    são poucos coordenadores que buscam uma ação inovadora dentro da escola.
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast