O Que É O Machismo E Feminismo?

15/09/2010 • Por • 2,913 Acessos

     O machismo ele reduz o outro a nada, a um objeto, um ser sem vida, sem desejos nem direitos. Um movimento em que realmente os homens acreditam que são seres superiores e conseqüentemente com direitos superiores a qualquer outro. Esse tipo de crença não se diferencia do nazismo, por exemplo, em que acreditavam que os arianos eram uma raça superior a qualquer outra.

    Quando se fala sobre o feminismo, algumas pessoas não sabem nem do que se trata fazem referência a um movimento da mesma natureza que o machismo só que a favor das mulheres, o nome do movimento do sexo feminino que teria a mesma natureza seria o femismo. Já o feminismo é um movimento em prol das mulheres, nunca com a intenção de vigar-se ou de fazer o mesmo que fizeram as elas ou fazem. Esse tipo de afirmação é mais uma tentativa de alguns homens machistas depreciarem o movimento, teve época em que levantaram a hipótese de que todas essas mulheres eram homossexuais, no intuito de que as outras mulheres não aderissem ao movimento para não serem taxadas como tal.

    Feminismo é um movimento, que lutou e luta para que todas as mulheres tivessem ou tenham os mesmos direitos que os homens, sem tirar deles nenhum direito já adquirido e inerente de qualquer ser humano, o de votar, estudar, ser uma profissional, de ir e vir, concorrer de igual para igual e que vença o melhor na profissão aos quais escolheram independente de gênero. O direito de fazer sexo ou não a hora que necessitam ou desejam sem que isso os homens as definam como qualquer, sejam depreciadas ou nomeadas como prostitutas, pois esse seria um nome para definir ambos os sexos, apenas aos que vendessem o corpo em troca de dinheiro, somente essas pessoas é que podem ser definidas dessa maneira.

    O machista tem um distúrbio psicológico, causado pelo inconsciente, um desejo de depreciar a outra pessoa, de dizer que ela é inferior, que ela não pode se comportar da mesma maneira que ele, nem ganhar dinheiro tanto quanto ou mais que ele, crescer profissionalmente, todo esse desenvolvimento dela se torna uma coisa insuportável para ele e isso é tratável. Comecem a vê-las com outros olhos, como seres humanos, sem olhar de qual sexo faz parte, passaram a ver que as pessoas têm personalidades diferentes e que independentes de sexo. Existem pessoas com personalidades predispostas a serem lideres, outras a trabalharem e servirem outrem. Se for um homem ou uma mulher isso não vem ao caso.

Geralmente as mulheres resolvidas sexualmente e que são resolvidas também no âmbito pessoal, emocional e profissional, procuram homens que sabem enxergá-las e respeitá-las como seres humanos, com direito a tudo que a vida dispõe. Se algum homem demonstrar que pensa diferente, pode ser apenas através de uma brincadeira desagradável, elas saberão que faz parte do inconsciente dele falando mais alto.

    Segundo Flávio Gikovate, psicólogo. O trabalho dele está mais voltado à sexualidade masculina. Acredita que no inicio, ambos vivíamos como nômades. Tínhamos liberdade e escolhas. Éramos como os animais, os abrigos não era sempre o mesmo, saíamos em busca de sobrevivência para nós e nossos filhos. Similar aos dias de hoje, como também cuidamos dos nossos filhos, na maioria das vezes sozinhas. Ambos se dedicavam as mesmas funções, sendo que as mulheres ficavam alimentando seu filho até que ele fosse capaz de sobreviver sozinho. Elas tinham a liberdade de ficar com quantos homens sentissem vontade. Como os animais fazem, portanto é impossível que essa mulher fosse delicada ou sensível.

    Com certeza elas não se incomodavam com as investidas deles, portanto elas não precisavam de proteção, sabiam sobreviver sem em todos os aspectos. Os homens por sua vez sentiam-se em desvantagem, pois queriam o aconchego de uma mulher, mas elas tinham a liberdade de ficarem com qualquer homem quando quisesse e quando não, tinham a independência e ao contrario deles, elas ainda tinham a companhia dos filhos. Por causa disso eles decidiram inventar a união com uma mulher para que tivessem o aconchego da mulher amada, mas propuseram-lhes todo o conforto e fidelidade a elas, sem que para isso elas precisassem sair atrás do seu sustento nem dos filhos.

    Entretanto não cumpriram o que lhes fora prometido. Ao passar dos tempos não se sabia mais a origem dessa proposta, eles trataram de propagar varias idéias, depois de ter tido o poder sobre elas e não havia mais lembrança do que elas eram capazes. Elas não sabiam como sair daquela vida ao qual eles as proporcionavam e elas não podiam questionar.

    Nessa altura o casamento já era alimentado de regras acordados por ambos, mas depois de um tempo seguida apenas por elas. E como essas regras eram ensinadas aos filhos, não havia lembrança se eram erradas ou certas. Na nossa fase selvagem não tínhamos dependência de nada. Do ponto de vista sentimental eles eram muito mais dependentes e ainda são mais do que as mulheres. Por isso a necessidade de propagar o medo e a repressão sexual das mulheres por todos esses anos. Não só a repressão sexual, como também a intelectual e profissional, mas o que deu inicio a tudo isso foi à liberdade sexual que elas tinham, deixando-os atônitos ao vê-las com outros homens, tanto quanto eles ficavam outras mulheres.

    Analisem que até hoje a maioria dos homens têm dificuldades de viverem sozinhos, sempre têm que estar acompanhados, mesmo sem gostarem, eles casam. Mas ainda sim permanecem espalhando a mentira, de que são as mulheres que sentem mais necessidade do casamento, podemos comprovar que em países aos quais as mulheres são mais independentes, eles é que estão mais preocupados em encontrar uma mulher que queira se casar e ter filhos. Têm sentimentos de posse com relação às mulheres, enquanto que elas não podem ter o mesmo sentimento.

    Essa idéia de que as mulheres estão sozinhas por que não têm homem o suficiente é uma mentira. As mulheres escolhem muito, principalmente as independentes e liberais sexualmente. Pois essas mulheres que estão sozinhas, são por que não quiseram ficar com nenhum dos homens que estariam interessados nelas. Elas não se casam apenas para terem um marido, como eles fazem. Na maioria das vezes, eles só saem de um casamento após terem encontrado outra para colocarem no lugar.

     Então se partimos do principio de que éramos selvagens e fortes por causa dos esforços físicos, auto-suficientes e fomos domesticadas, como os animais, portanto uns se adaptam e outros não. Contudo se um animal fica muito tempo fora da selva, pode ser difícil a readaptação dele. Imagine um animal que nasce fora dessa selva, sem ter sido treinado para sobreviver como se estivesse numa, então isso se torna bem mais difícil. Portanto algumas mulheres se sentiam fora do seu habitat, sabiam no seu intimo que poderiam ter muito mais do que lhes era oferecido. Perceberam que abriram mão de algo muito valioso, a liberdade, em prol de um acordo não cumprido pelos homens.

    Deram um poder a eles ao qual não souberam usá-lo, pois abusaram, humilharam-nas, dessa maneira fora da selva e presa não tinham nem sabiam como se defenderem a altura. As mais selvagens se rebelaram a prisão dada a elas, foram em busca de defesa. Leis as quais lhes dessem suporte, haja vista que não faziam mais parte de uma vida selvagem, uma vez constituída uma sociedade, teriam que aprender a sobreviver nela. Direitos aos quais elas sabiam que tinham, embora lhes dissessem ao contrário. Alguns ainda tentam fazer com muitas mulheres acreditem que elas não têm direito e infelizmente algumas acreditam neles.

 

Perfil do Autor

Lydhia Perez

Sou uma pessoa interessada em assuntos diversos.