Riscos do silicone nos seios

26/02/2013 • Por • 4,603 Acessos

O desejo de quase toda mulher na atualidade é ter seios fartos. Muitas mulheres buscam a cirurgia nos seios para torná-los maiores, mais atraentes e mais bonitos, mas o implante de silicone nos seios, assim como toda e qualquer cirurgia, apresenta riscos. Veja os riscos que os especialistas apresentam:

Rejeição da prótese: a rejeição ocorre quando há a formação de uma membrana em volta do silicone. Em casos graves, pode haver deformação. 

Rompimento da prótese: a prótese estoura em aproximadamente 10% dos casos. Caso isso ocorra, a viscosidade do silicone impede que se espalhe pelo organismo e o gel acaba retido na prótese.

Abertura da incisão cirúrgica: em alguns casos, pode ocorrer a abertura da ferida operatória. O problema está relacionado ao surgimento de infecção, falha na alimentação e tensão exagerada sobre a ferida (como, por exemplo, excesso de esforço ou falta de repouso).

Flacidez e estrias: caso a qualidade da pele na região dos seios esteja afetada (mamas caídas ou com muitas estrias), pode surgir flacidez após a cirurgia.

Alteração da sensibilidade: falta ou o excesso de sensibilidade na região da cirurgia.

Infecção: com a assepsia correta e o uso preventivo de antibióticos, as chances de infecção após a cirurgia são muito pequenas. Em casos mais graves, como edema, febre, vermelhidão, pode haver necessidade de retirar a prótese.

Inchaço e dor: a dor após o implante de silicone é inevitável, principalmente se a colocação do silicone for submuscular. Este método é indicado para mulheres que têm pouco tecido glandular e são muito magras. Também é recomendado em casos de risco de doença da mama, pois facilita o exame de biópsia.