A banalização da vida

25/08/2010 • Por • 2,071 Acessos

Atualmente, questões envolvendo a política e, principalmente, a violência cada vez mais crescente, vêm sendo abordadas em diversos âmbitos que apontam para o destino sem rumo em que o país se encontra.

Recentemente dois casos foram expostos a mídia, causando indignação. Em um deles uma mãe americana admitiu ter sufocado os próprios filhos e como se não bastasse, o xerife responsável alegou que ela deve ter assassinado às crianças porque era desempregada e vivia sob a pressão de sua mãe, que dizia que a mesma não sabia tomar conta dos filhos. 

Outro exemplo é o do funcionário do metrô que matou um homem, porque ele havia esbarrado em seu carro.

Situações como dinheiro, drogas, rompimento de relações, ou até mesmo simples atitudes como uma discussão vêm causando crimes muitas vezes brutais e freqüentes. As pessoas não estão valorizando a vida do ser humano, e estão recorrendo à uma medida sem volta, tirar a vida de alguém.

Diante destes acontecimentos se pergunta o que há de errado e de quem é a culpa. Infelizmente não se tem uma resposta satisfatória, talvez falte educação, bom senso, amor e Deus no coração, ou então, talvez a administração do País esteja sendo feita de forma errônea, afinal, o Brasil envergonha a todos diante de tamanha impunidade e das freqüentes falhas na Justiça.

Não que um motivo justifique o ato de matar, mas crimes que acontecem sem se quer uma explicação tem de serem vistos de forma espantosa nos dias de hoje.

Segundo especialistas, existe uma tendência a este tipo de comportamento perante o crime, por conta da pressão psicológica que as pessoas têm, como o desemprego, a vida nos grandes centros e o fato de mortes serem comum a todo o momento. Há até, inclusive, aceitação da forte incidência de pessoas que são mortas por esquartejamento, o que antigamente era algo inusitado, e hoje se tornou constante nos noticiários.

Portanto, a violência pode ser normal aos nossos olhos, mas pelo contrário, pois o fato de aceitarmos que matar e roubar são coisas naturais gera uma atitude anormal, porque não são os crimes que estão sendo banalizados, é a vida, e ter plena consciência do problema já é um grande passo para provocar mudanças que nos façam chegar á um futuro melhor.

 

Perfil do Autor

Priscila Gatto

Sou estudante de jornalismo pela Faculdade Paulus de Tecnologia e Comunicação, repórter e auxiliar de redação