O povo gosta de sangue

Publicado em: 14/02/2012 |Comentário: 0 | Acessos: 52 |

Quando vemos o quanto o IBOPE sobe com as matérias relacionadas às carnificinas, nos perguntamos por que ainda há tanta contradição entre aquilo que diz a população e aquilo que ela permite ter como parte de sua vida.

Nestes casos violentos, o movimento da população é sempre de expansão da comunicação e da mídia, numa exaustiva exploração. Freud, estaria certo, somos selvagens primitivos, que só podemos ter convivência social pelo aprendizado e internalização de estruturas simbólicas, conquistadas pela "castração" (num querer dizer, você não pode tudo).

Na exploração midiática dos massacres, vemos emanar este primitivismo, que é nosso, está aqui, em nós, em algum lugar. Esta energia que impulsiona um interesse não é visto somente quando falamos de casos violento ou de massacres, num entendimento de que quanto mais sangue melhor.

Seja pelo interesse nos fatos exclusivos de crimes chocantes, onde os pedaços da carne alheia fazem o desejo pulsional se movimentar, seja na necessidade canibalesca de se aproximar, tocar, abraçar ídolos, artistas ou famosos em geral, seja no prazer visceral (e inconsciente - só para não se culpabilizar) com a visualização de casos sangrentos. E quem muda o canal da tv? Ou desconsidera um e-mail exclusivo de vítimas esquartejadas  por acidentes ou assassinatos?

Muitos famosos andam com seguranças, simplesmente por que o "amor" mata. Se não fosse esse esquema seria como carne jogada aos leões. Por "amor", por fanatismo, seja lá pelo nome que for, um famoso pode ser morto sufocado ou dilacerado pelos seus fãs, ou mesmo por repórteres e paparazis. E ainda, haveria discussão sobre quem ficou com a parte mais especial. É o sangue que nos corre nas veias que nos mantém vivos e, como canibais, visuais ou táteis, é pelo sangue do outro que eu mostro que há sangue correndo em mim. 

Este é o primitivismo que apresentamos, mesmo sem saber ou sem querer, a todo momento na vida, naquilo que escolhemos para assistir na tv ou na internet, ou lermos nos jornais e revistas. 

Como animais famintos assistimos e nos interessamos pelos detalhes mais sórdidos e mórbidos. E, ainda, que se negue, há sempre um querer saber. Daí a exploração de programas e videos que revelam a degradação de corpos: acidentes nas ruas, tiros à queima roupa, o corpo encontrado sem algumas partes...  E se a tv não mostra tudo, com certeza, alguém vai encontrar na íntegra as cenas na internet, e irá distribuir e terá milhões de acesso.

 

Isto é próprio do ser - apesar de existirem teorias que dizem o contrário. Mas é no ser que está esta faísca de carnificina, de violência. Cada um de nós traz consigo este impulso que nunca será completamente extinto e sempre tentará encontrar meios de se manifestar. 

Pela educação, pelo aprendizado, pela internalização de símbolos conduzimos esta faísca quando se torna chama. Contudo, quanto menor for a oferta de elementos desviantes, maior será a emanação do impulso de forma primitiva (não social). 

Para a Psicanálise, isto significa a queda do simbólico. Ou seja, não estamos mais sabendo usar elementos simbólicos para nos expressarmos. E quando digo expressão, não é somente no sentido de agir, mas é no sentido de indicativo de direção. Tudo o que escolhemos: roupas, comportamentos, palavras, diz algo sobre nós. 

Portanto, utilizar-se de mecanismos simbólicos é permitir que não haja represamento de maneira tal que quando for descarregado não seja de forma drástica, impulsiva, agressiva, violenta, destrutiva.  

Não precisamos assassinar ninguém para expressar nosso prazer no sangue alheio. O fato de ver, ou mesmo de participar através de manifestações afetivas, já nos conduzem a pensar no quão ainda é primitivo nosso modo de expressão pulsional.

Por isso, há necessidade do simbólico, da linguagem. Para viver em sociedade é preciso ter formas de manifestação afetiva, seja de amor, ódio ou indignação que não exale somente a degradação do ser ou a negatividade que se dirige para a destruição da sociedade.

Mas longe de me afastar do início do texto, retomo o ser primitivo, que insiste em aparecer, principalmente numa estrutura sem Lei. Ou numa sociedade sem normas, valores, regras, delimitadores e condutores.

Ainda que os idealistas acreditem que há possibilidade de ser autônomo, dono de sua própria regra, não será possível cegar-se à necessidade atual de leis e normas para regerem a vida social. Assim como, não há como negar que nosso prazer incide naquilo que há de mais primitivo no ser, como se nos restaurasse às formas originárias.

Elizandra Souza Psicanalista
Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 1 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/cotidiano-artigos/o-povo-gosta-de-sangue-5660286.html

    Palavras-chave do artigo:

    violencia

    ,

    prazer

    ,

    limite

    Comentar sobre o artigo

    leone pereira de souza

    O objetivo deste trabalho foi investigar os saberes docentes e discentes sobre drogas, violência no âmbito escolar e sua influência no processo educacional, em uma Escola Estadual no Município de Boa Vista/RR/Brasil, conscientizando assim os alunos e demais segmentos da comunidade escolar. Tenta-se responder a seguinte problemática: De que forma o professor aborda esta temática em sala de aula? e com qual frequência o faz? A pesquisa tem cunho quali-quantitativa, utilizando o método Hermenêutico

    Por: leone pereira de souzal Educaçãol 17/02/2010 lAcessos: 2,131 lComentário: 1

    O desafio colocado aos seres vivos em tempos de padrões sustentáveis de produção e consumo empurra o sistema educacional e os meios de controle social para um possível abismo: os limites do planeta sem uma gestão consciente e um compartilhamento racional de seus riscos poderá ampliar os padrões de todas as espécies de violência.

    Por: Gianno Nepomucenol Direito> Doutrinal 07/06/2013 lAcessos: 29
    NÚCCIA GAIGHER MAGALHÃES

    O presente trabalho pretende então expor pontos observados em estudo sobre uso de drogas e a violência na adolescência, apresentando definições e características marcantes desta complexa fase do desenvolvimento humano, relacionando com a temática em foco. Este trabalho foi desenvolvido pela equipe de graduandos no 5º período do curso de Psicologia pela Faculdade Pitágoras, sob a orientação da Professora Mestre Ana Carolina Zeferino.

    Por: NÚCCIA GAIGHER MAGALHÃESl Psicologia&Auto-Ajudal 27/06/2009 lAcessos: 5,402 lComentário: 2

    Embora a violência seja enquadrada como física (e nesse caso incluímos também a violência sexual) e/ou verbal, podemos dizer que ela opera também no espaço do implícito, do não-dito, da negligência e da omissão e que, ficam melhor evidenciados quando tratamos, por exemplo, de pessoas deficientes. Para este segmento da população mecanismos violentos tais como: a segregação e o preconceito, a exclusão social, a estigmatização, a omissão e a negligência podem ser ainda mais prejudiciais.

    Por: Thiago de Almeidal Psicologia&Auto-Ajudal 23/01/2009 lAcessos: 1,447 lComentário: 1

    O objetivo deste artigo é abordar introdutoriamente uma lacuna apresentada em artigos anteriores, abordando "algumas variáveis" empregadas pela Inquisição para definir o que era "bruxaria" no âmbito da sexualidade.

    Por: Géssica Hellmannl Educação> Ciêncial 23/03/2008 lAcessos: 1,820 lComentário: 1
    Elmis santos

    Numa sociedade cada vez mais capitalista, onde se ganha muito e gasto em dobro para tratar das doenças adquiridas durante o trabalho, o unico remédio para os males do homem moderno, pode ser o conhecimento, como coadjuvante no processo de desenvolvimento humano e promoção da vida de todos. Faça sua parte!

    Por: Elmis santosl Psicologia&Auto-Ajuda> Redução de Stressl 19/09/2012 lAcessos: 49
    Marco Bueno

    Apenas um pensamento que nos faz refletir quais são os limites da pedagogia.

    Por: Marco Buenol Educação> Ensino Superiorl 13/07/2012 lAcessos: 184
    Prof. JV de Miranda Leão Neto

    Se é difícil explicar o domínio completo das consciências pela fome de poder e fama das lideranças políticas, como entender atitude equivalente em instituições religiosas com a missão contrária?

    Por: Prof. JV de Miranda Leão Netol Notícias & Sociedadel 25/05/2011 lAcessos: 58
    Betinha Cordeiro Fernandes (Elizabeth)

    O artigo aborda a repetição de comportamentos por gerações da mesma família, pelo viés da transmissão psíquica. Destaca os mecanismos positivos e negativos dos processos identificatórios e projetivos, que tanto podem estruturar o indivíduo quanto concorrer para a psicopatologia vincular - de casais, entre pais e filhos, sendo as raízes de muitos comportamentos violentos familiares, que atravessam os muros ou cortinas dos lares.

    Por: Betinha Cordeiro Fernandes (Elizabeth)l Educação> Ensino Superiorl 24/07/2009 lAcessos: 1,587
    Angelo Epifanio

    Muitas pessoas perguntam sobre as formas, abrangência e funcionamento dos reajustes nos planos de saúde. Tais dúvidas atormentam os usuários, principalmente quando estes são surpreendidos com reajustes inesperados e aparentemente abusivos, praticados pelas operadoras ou seguradoras.

    Por: Angelo Epifaniol Notícias & Sociedade> Cotidianol 31/03/2014

    Pimenta Caiena em cápsula, pimenta Caiena em flocos e Pimenta Caiena em pó. Várias formas de você degustar uma pimenta e ainda fortalecendo sua saúde.

    Por: Bombay Herbs & Spicesl Notícias & Sociedade> Cotidianol 28/03/2014

    Em São Paulo existem mais de 40 mil corretores de imóveis e eles contribuem e muito para o transito caótico da cidade, assim um vereador criou um projeto para que esses profissionais possam usar as faixas especiais para o transporte coletivo, já que os mesmos quase não são usados pelos ônibus

    Por: icuritibal Notícias & Sociedade> Cotidianol 18/03/2014

    Trabalho de pesquisa Psicobiosocial em que o autor expõe e analisa o comportamento da maioria da população brasileira, diante dos mais graves e importantes problemas e dilemas nacionais.

    Por: CARLEIAL. Bernardino Mendonçal Notícias & Sociedade> Cotidianol 14/03/2014

    Surpreendentes testemunhos, de um final dia de trabalho, da quotidiana sociedade, nos podem interromper diários rituais, uma leitura, por exemplo.

    Por: Asantixl Notícias & Sociedade> Cotidianol 13/03/2014

    Comemora-se o dia do consumidor em 15 de março. Desde 1985, a data tem reconhecimento internacional, sendo uma diretriz das Nações Unidas. Esse dia nos convida a uma reflexão sobre os direitos fundamentais do consumidor no cenário jurídico nacional.

    Por: Central Pressl Notícias & Sociedade> Cotidianol 10/03/2014
    José Luiz Mendes Gomes

    NOSSA BELA BELO MONTE (José Luiz Mendes Gomes) Ela é a maior obra de infraestrutura do país e produzirá energia suficiente para abastecer 40% do consumo residencial de todo o Brasil. É um empreendimento contemplado no Plano de Aceleração do Crescimento (PAC) nos governos Lula e Dilma e vai garantir o aumento na oferta de energia e consequentemente maior segurança ao Sistema Interligado Nacional

    Por: José Luiz Mendes Gomesl Notícias & Sociedade> Cotidianol 08/03/2014

    Todos os anos, milhares de brasileiros precisam fazer a declaração do Imposto de Renda (IR) à Receita Federal. Mas o que muitos não sabem é que podem doar uma parcela para entidades e abater a doação do total do IR devido.

    Por: Central Pressl Notícias & Sociedade> Cotidianol 07/03/2014
    Elizandra Souza

    O mundo contemporâneo foi construído pelas discussões sobre as minorias e suas necessidades de inserção na sociedade. Todo o discurso de abertura social e cultural para melhor conhecer e compreender o outro, diferente, gerou grandes desenvolvimentos na comunicação e na interação entre as sociedades.

    Por: Elizandra Souzal Notícias & Sociedade> Cotidianol 24/10/2013 lAcessos: 18
    Elizandra Souza

    Guerras, lutas, mortes, bombas, ataques eram e continuam sendo os termos e ações que consolidam a irracionalidade de determinados grupos políticos e religiosos que se enfrentam por não aceitarem suas diferenças.

    Por: Elizandra Souzal Notícias & Sociedade> Cotidianol 01/04/2013 lAcessos: 19
    Elizandra Souza

    O tempo passa e a adolescência continua concentrando suas forças nas dúvidas sobre quem ser, o que fazer, como viver.

    Por: Elizandra Souzal Notícias & Sociedade> Cotidianol 08/02/2013 lAcessos: 26
    Elizandra Souza

    Jerusalém é realmente uma cidade que nos põe a refletir, mas o sentido desta reflexão é sempre algo extremamente subjetivo. Na minha visão, a importância de Jerusalém, para além do sagrado, está na questão do poder. A Terra Santa é a representação do que o poder, ou a crença nele, faz com uma pessoa, um povo, uma cidade ou uma cultura. O poder que influencia tanto aquele que acredita que o tem como aquele que sofre sua força.

    Por: Elizandra Souzal Notícias & Sociedade> Cotidianol 08/02/2013 lAcessos: 31
    Elizandra Souza

    Antigamente, as escolhas, os comportamentos, os conceitos eram bem mais definidos e menos flexíveis. Hoje, com o advento da tecnologia e da comunicação, que avassalam na pós-modernidade, todos os conceitos, comportamentos etc são mais instáveis, volúveis, ou seja, a transformação é constante. Algo que é hoje, amanhã pode já não ser.

    Por: Elizandra Souzal Negócios> Gestãol 21/09/2012 lAcessos: 75
    Elizandra Souza

    Ainda que não consigamos entender a complexidade dos atos criminosos e violentos, aceitar a simples justificativa patológica do distúrbio mental ou psicológico já não é possível, pois cada vez mais, nos são revelados casos escabrosos realizados por sujeitos comuns. Sim, eles têm vida ‘normal'! Trabalham, estudam, casam-se, têm filhos, e mesmo assim, podem cometer crimes altamente perversos e bárbaros.

    Por: Elizandra Souzal Notícias & Sociedade> Cotidianol 09/06/2012 lAcessos: 111
    Elizandra Souza

    O movimento de apoio ao uso das bicicletas na cidade de São Paulo é mais uma forma de desvio da responsabilidade pública em oferecer um transporte público decente. Como uma cidade com tantos veículos se torna refém das bicicletas?

    Por: Elizandra Souzal Notícias & Sociedade> Cotidianol 16/05/2012 lAcessos: 54
    Elizandra Souza

    A vitimização acaba quando nos deparamos com a realidade, pois, longe de sermos todas "madres Teresas" somos também pessoas que matam, que roubam, que traem, que manipulam, que traficam, que maltratam, que agridem e isto não é culpa dos homens. Também não podemos dizer que é, simplesmente, por influências deles, pois se fosse desta forma, estaríamos nos colocando como objeto do prazer maléfico do homem, e enquanto objetos, não haveria do que reclamar, pois objeto não tem vontade própria.

    Por: Elizandra Souzal Notícias & Sociedade> Cotidianol 08/03/2012 lAcessos: 53
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast