O que é Responsabilidade Social?

09/07/2010 • Por • 12,164 Acessos

Hoje vamos falar sobre um tema amplamente discutido atualmente, a Responsabilidade Social. O objetivo é fazer uma reflexão sobre o tema, seus conceitos, sua importância, sua prática.

Acreditando que o aprendizado se dá pela reflexão, troca de experiências e vivências, convido o leitor a debatermos este assunto.

O QUE É RESPONSABILIDADE SOCIAL?

Quando pronunciamos estas duas palavras, automaticamente nos remetemos ao Assistencialismo, à Filantropia, mas será que este tema é tão simplório assim? Certamente que não, é algo mais amplo e o Assistencialismo é somente uma ação possível, que caberá uma reflexão mais específica, em outro momento.

A Responsabilidade Social é um conjunto de conceitos e ações que contribui para fazer um mundo melhor com a participação de todos e isto inclui toda e qualquer atitude que tomemos para que este fim seja alcançado.

É na decisão individual e cotidiana que se fará a efetiva responsabilidade social. Quando assumimos o papel de cidadão, integrante e responsável por esta sociedade, refletidas em atitudes simples, como por exemplo, consumir com consciência, descartar papel no lixo, relacionar-se sem qualquer espécie de discriminação ou preconceito, exercer o voto consciente, cobrar ações de nossos governantes, reelegê-los quando realizarem um trabalho coerente com suas promessas de campanha e necessidades da sociedade ou excluí-los em caso contrário, entre outras atitudes que se enumeradas seriam infindáveis.

A Responsabilidade Social somente existe de fato quando tomamos consciência de que vivemos numa sociedade e que a Lei mais verdadeira do mundo é aquela que diz: "Toda ação é seguida de uma reação", ou seja, toda e qualquer atitude que se tome, terá alguma conseqüência para mim e/ou para o outro (s). Podendo ser positiva ou não, tudo dependerá da ação inicial, intenção e energia despendida.

Ser responsável socialmente é ter a ciência de que, se gastarmos água em demasia, colaboramos para sua escassez e seus reflexos que, embora não sentidos neste momento trarão conseqüências desastrosas e irreversíveis ao planeta e ao futuro de nossas gerações.

Se gastarmos energia desnecessariamente, haverá maior possibilidade de um colapso energético e suas conseqüências podem ser desde o fato de ficarmos sem luz até o de vidas em hospitais serem ceifadas pela sua falta.

Se excluirmos as pessoas pelas suas diferenças, seja de cor, credo, sexo, orientação sexual, limitações, ideologias, poder aquisitivo, criando-se feudos, diminuímos a possibilidade de oportunidades para estes grupos e geramos um problema social e cultural que poderá acarretar em um mal maior para a sociedade como um todo.

Se tivéssemos uma maior consciência do todo e agíssemos pelo coletivo, talvez não precisássemos de tanto programas sociais, pois teríamos uma sociedade mais equilibrada.

Ocorre que vivemos num mundo cada vez mais imediatista e individualista, cujo ser humano perde o senso comum e passa a enxergar o mundo de uma maneira míope e limitada, almejando resultados pessoais. Espera-se mudanças em curto prazo, acreditando que vale mais a pena ter ganhos ou vantagens pessoais do que pensar a longo prazo e/ou no âmbito coletivo.

Todas estas ações, se revistas, refletiriam de alguma forma numa sociedade mais justa e responsável socialmente, porém o que mais encontramos é o discurso diferente da prática, pois há uma consciência sobre estes males e todos concordam que algo deve ser feito, mas depositam a responsabilidade da ação e da mudança no outro, no externo, se eximindo de qualquer culpa pelos fatos.

Quantas vezes nos contradizemos, julgamos o outro, nossos políticos, as autoridades pelo que fazem e pelo que não fazem e esquecemos de olhar no espelho, de agir no dia a dia? Esquecemos que quando apontamos o dedo para o outro, há mais três nos apontando?

Reclamamos de mensalões, sanguessugas, de malas e cuecas, mas esquecemos de perguntar. O que estamos fazendo de efetivo para compor uma sociedade melhor?

A Responsabilidade Social nunca se esgota, pois sempre há algo a se fazer, ela é cultural, individual e corporativa. A ética é a sua base e se expressa através dos princípios e valores adotados por cada um de nós, sendo importante seguir uma linha de coerência entre ação e discurso, assumindo o papel de cada indivíduo, como cidadão, na construção de uma sociedade livre, justa e solidária, em que cada um tem uma responsabilidade social com a sua comunidade.

(*) Este texto poderá ser usado em outros veículos desde que se mantenha a autoria e a forma de contato. O tema deste artigo poderá ser adaptado para projetos in-company de palestras e/ou treinamentos. Para solicitá-lo acesse www.trainingpeople.com.br

Perfil do Autor

Luciano Amato

Pós-graduado em Psicologia Organizacional pela UMESP e Graduado em Psicologia pela UNIMARCO. Atua desde 1990 na área de Recursos Humanos, e...