A aposentadoria do pedreiro

Publicado em: 27/12/2010 |Comentário: 0 | Acessos: 239 |

Dentre meus amigos ararenses eu tenho um que faço questão de destacar, pela sua honestidade, profissionalismo e desprendimento, embora seja simplesmente um pedreiro humilde, mas que considero de grande valor como ser humano – ele é o meu amigo e colaborador Aparecido, a quem rendo aqui minha consideração.

Aproveitando-me deste gancho, lembrei-me do pedreiro João, que era um profissional  mão-cheia, sendo muito requisitado até por engenheiros, para esclarecerem dúvidas práticas sobre o andamento das obras. Como ele trabalhava há muitos anos, sempre na mesma empresa construtora, a sua função como mestre de obras era muito bem remunerada, pois a sua presença garantia ao patrão a certeza de que tudo estava sendo feito na mais perfeita ordem, sem riscos ou preocupações maiores, e sempre dentro dos prazos estipulados pelos cronogramas. A parceria patrão/empregado era muito amistosa, onde o chefe nutria respeito ao subordinado, ao mesmo tempo em que este mantinha um forte laço fraterno com seu patrão, por essa razão, toda vez em que João demonstrava desejos de se aposentar, o seu superior aumentava-lhe o salário e solicitava que tivesse um pouco mais de paciência, até que ele encontrasse alguém que estivesse à altura de substituí-lo. Chegou, então, um dia em que o João decidiu em definitivo que iria se aposentar mesmo, até contra a vontade de tudo e de todos, assim declarando ao patrão que ele iria parar de trabalhar, a partir daquele mesmo dia, e fim de papo.

O empresário, ao se convencer de que o pedreiro estava realmente determinado em seus propósitos de se afastar, fez-lhe uma proposta irrecusável – garantiu-lhe que, se ele aceitasse prestar apenas mais um serviço, que realmente seria o último da sua carreira dentro da empresa, ele iria pagar-lhe o dobro do salário e ainda com a promessa de uma polpuda recompensa, logo após o término da obra. Com isso, João, mesmo contrariado, não teve coragem de recusar a oferta, porém, no seu íntimo, começou a nascer uma certa revolta contra esse novo encargo, já que ele estava sendo "castrado" em seus objetivos de vida, mais uma vez. Não deu outra, ele resolveu então agir de forma atabalhoada, tratando de acelerar essa nova obra a toque de caixa, pouco se incomodando com a qualidade do trabalho e com a boa aplicação do material, pois a sua preocupação principal era a de terminar tudo aquilo o mais cedo possível, mesmo contrariando o cronograma e as medidas de segurança requeridas pela estrutura da construção, ainda mais que o chefe tinha plena confiança em seu trabalho, a ponto de deixar de lado quaisquer formas de inspeções periódicas.

No momento em que deu por terminada sua última missão, João imediatamente foi à procura do dono da empresa, já ansioso de passar-lhe as chaves do imóvel e a receber o prometido abono e a esperada liberdade, rumo à tão "justa" aposentadoria. Foi quando ele ficou totalmente aparvalhado com a atitude do empresário – este simplesmente devolveu-lhe a chave da casa, declarando que ela própria era a recompensa que havia sido oferecida pelo seu derradeiro trabalho!

Realmente, no momento em que o incentivo à autopromoção ou a ganhos maiores futuros deixou de existir, o pedreiro "relaxou a sua guarda" e tratou de agir como qualquer irresponsável com o bem-estar do próximo, de forma leviana, deixando com o futuro proprietário do imóvel os possíveis problemas de infiltração de água, rachaduras nas paredes, desnivelamento do piso ou das paredes, emperramento das portas ou janelas, entupimento de canos, goteiras, descascamento de pintura, descolamento de azulejos e demais "pepinos", além do desconforto da escassez de tomadas e de pontos de luz. Acontece que esse "mico" passou diretamente para seus próprios ombros e ele mesmo ficou impotente para consertar a sua atitude extremamente egoísta – nada mais a fazer, a não ser assumir o resultado da sua pequenez de espírito.

É por isso que o mundo está como está, pois são pouquíssimas as pessoas altruístas, que se propõem a fazer algo pela felicidade do próximo, porque o número daqueles que fazem qualquer coisa por conveniência, mesmo à custa da infelicidade de muita gente, é assustador e deprimente.

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 0 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/cronicas-artigos/a-aposentadoria-do-pedreiro-3926193.html

    Palavras-chave do artigo:

    mao de obra

    ,

    aposentadoria

    ,

    pedreiro

    Comentar sobre o artigo

    Sendo o estágio uma forma rápida de inserção na unidade empregadora e inexistindo quaisquer encargos trabalhistas desta relação, o que ocorre muitas vezes na realidade é um desvirtuamento do fim primeiro – o aprendizado – e o uso do estagiário para atividades não condizentes com os currículos escolares. A descaracterização do contrato de estágio e a criação do vínculo de emprego são os temas do presente estudo.

    Por: Eduardo Antônio Kremer Martinsl Direito> Doutrinal 15/09/2008 lAcessos: 2,530 lComentário: 2
    Escritorcampos

    Caro leitor, o tempo passou, e você pode ser mais jovem, ou mais velho do que este escrevente, pouco importa ao tempo, ele vem ao longo dele mesmo, ajustando a hu­manidade em sua própria natureza.

    Por: Escritorcamposl Literatura> Crônicasl 06/05/2010 lAcessos: 329 lComentário: 1

    Carta a Dona Dilma Rousseff, mui digna Presidenta do Brasil e candidata a reeleição, pedindo que suspenda a propaganda "Ai, Minas Gerais, quem conhece o Aécio não vota jamais..."

    Por: Osorio de Vasconcellosl Literatura> Crônicasl 17/10/2014

    Quando nos referimos à política, devemos fazer um paralelo, uma comparação entre duas palavras, política e politicagem. São sinonímias contraditas e que refletem diferenciais hercúleos, do que seja a verdade em sua plenitude. Sabemos, de antemão, que existe uma variedade enorme de políticas, desde a comercial, passando pela familiar e indo até a política monetária. Política é ciência, é arte, é a ciência dos fenômenos referentes ao Estado (ciência política).

    Por: Antonio Paiva Rodriguesl Literatura> Crônicasl 15/10/2014

    As eleições presidenciais de 2014 correm o risco de ser decididas com a ajuda de técnicas hipnóticas.

    Por: Osorio de Vasconcellosl Literatura> Crônicasl 13/10/2014

    À gangorra em cima dos políticos deverá contrapor-se a gangorra embaixo do eleitor. Caso contrário, o Estado deixará de ser laico.

    Por: Osorio de Vasconcellosl Literatura> Crônicasl 12/10/2014

    Dizem os políticos: saúde será prioridade em meu governo. Sim, é possível, exceto em relação às doenças.

    Por: Osorio de Vasconcellosl Literatura> Crônicasl 02/10/2014

    O espectro da corrupção visto como garantia de um futuro promissor, alegre e feliz. O drama da atualidade às vésperas das eleições presidenciais.

    Por: Osorio de Vasconcellosl Literatura> Crônicasl 26/09/2014

    Segundo Hammed (por Francisco do Espírito Santo Neto) a rigor, família é uma instituição social que compreende indivíduos ligados entre si por laços consanguíneos. A formação do grupo familiar tem como finalidade a educação, implicando, porém, outros fatores como amor, atenção, compreensão, coerência e, sobretudo, respeito à individualidade de cada componente do instinto doméstico. Uma expressão belíssima, esclarecedora, no entanto, vem se deformando nos dias atuais.

    Por: Antonio Paiva Rodriguesl Literatura> Crônicasl 25/09/2014
    João Henrique Bento

    Viver não parece algo tão complicado. Parece-me que a dificuldade está em encontrar a harmonia perfeita do fantástico movimento do existir naturalmente. Enfrento a grande dificuldade da existência, deparo-me com a enormidade da vida e penso: "nada sou!". O pensamento é um impulso para descortinar os mistérios da vida. É uma forma de aperceber-se nesse movimento complexo, dinâmico e envolvente. Estou decidido, quero pensar e viver. Assim sigo os tortuosos caminhos da existência humana.

    Por: João Henrique Bentol Literatura> Crônicasl 25/09/2014
    Moacyr de Lima e Silva

    Muito se fala sobre o amor, mas pouco se explica sobre sua verdadeira consistência e importância profunda para a continuidade da vida neste planeta.

    Por: Moacyr de Lima e Silval Notícias & Sociedade> Cotidianol 04/05/2012 lAcessos: 45
    Moacyr de Lima e Silva

    Vamos fazer considerações sobre o óbvio? Pois é, por que então as pessoas complicam tanto o que deveria ser muito simples? Acredito que seja por preguiça de ler, de pensar e de agir.

    Por: Moacyr de Lima e Silval Notícias & Sociedade> Polítical 29/03/2012 lAcessos: 46
    Moacyr de Lima e Silva

    Aqui vamos encontrar um caso verídico que demonstra, com detalhes, do que a mente humana é capaz, simplesmente para tentar encobrir atitudes mórbidas, insanas e autodestrutivas.

    Por: Moacyr de Lima e Silval Notícias & Sociedade> Cotidianol 28/02/2012 lAcessos: 47
    Moacyr de Lima e Silva

    Apesar do título pessimista, infelizmente ele espelha muito do que está acontecendo com a vivência humana neste planeta tão maltratado e espoliado.

    Por: Moacyr de Lima e Silval Notícias & Sociedade> Polítical 01/02/2012 lAcessos: 78
    Moacyr de Lima e Silva

    Acredito existirem ainda pessoas que têm alguns momentos de reflexão, principalmente após passarem por situações de perigo de morte, e então começam a se perguntar: "De onde viemos e aonde estamos indo?" "Afinal, descendemos de Adão e Eva ou da evolução do macaco?" "Qual o objetivo da vida?" . . .

    Por: Moacyr de Lima e Silval Literatura> Crônicasl 19/01/2012 lAcessos: 44
    Moacyr de Lima e Silva

    Parece pouco provável que as pessoas que são sorteadas na mega-sena possam vir a ter sérios problemas, trazidos pelo dinheiro ganho. Pois é, isso é muito mais real do que muitos imaginam. O caminho que poderia criar uma qualidade de vida tranquila, pode transformar a nossa vivência em desastres ou infelicidades; é por desconhecer essa verdade que milhões de pessoas continuam correndo atrás da "sorte".

    Por: Moacyr de Lima e Silval Literatura> Crônicasl 06/01/2012 lAcessos: 118
    Moacyr de Lima e Silva

    Por que será que, com a aproximação de um novo ano, nossas esperanças de realizações e de sucesso se renovam e se multiplicam, como se nossas vidas devessem ser avaliadas somente a cada período de 365 dias? Vamos analisar?

    Por: Moacyr de Lima e Silval Notícias & Sociedade> Meio Ambientel 12/12/2011 lAcessos: 44
    Moacyr de Lima e Silva

    Infelizmente a apatia e o desinteresse da população com relação aos acontecimentos que estão abalando o mundo, tanto no que tange à violência, quanto à doença e aos problemas econômico-financeiros, estão alimentando o recrudescimento da queda da dignidade humana. Isto é muito triste.

    Por: Moacyr de Lima e Silval Literatura> Crônicasl 22/11/2011 lAcessos: 53
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast