O Mágico No Bar

Publicado em: 27/08/2009 |Comentário: 0 | Acessos: 451 |

Um mágico sempre me impressionou. Não pelas mágicas que fazia, mas pelo efeito de crença que transmitia. Todos sabiam, digo os adultos, que nada daquilo era real, entretanto eles sempre, no final de cada apresentação, largavam aquela interjeição: owwwww.  Não sei no que acreditavam, talvez no poder da própria ilusão e isso me fascina de verdade. Já com as crianças não tinha nada disso. Éramos, realmente, impressionados com tudo, com a roupa do mágico, com a assistente dele, com os inúmeros lenços que tirava de sua lapela e todos coloridos. Tinha aquela do coelhinho na cartola, esta nos tirava o folego.

                                   Hoje, algumas coisas mudaram um pouco, ainda bem que os circos aboliram aos animais e David Coopperfield apareceu, assim, como num passe de mágica para dar um pouco mais de magia a esta arte, um toque mais moderno e se enquadrar no mundo das novas crianças que estavam chegando. Penso que isso veio, de certa forma, manter o mundo das ilusões funcionando.

                                   Engraçado, isso tudo foi lembrando porque um dia desses vi um mágico e quando o vi  meus olhos saltaram e senti uma alegria indescritível porque ele era um mágico de verdade.

                                   Resolvemos sair à noite, eu e mais duas colegas, aqui em Lisboa e fomos a um bar Irlandês, simplesmente, maravilhoso. Som de primeira qualidade, gente bonita, lugar de fumadores e não fumadores (como dizem aqui) e a melhor cerveja do mundo. Entramos e fomos para um canto esperar que uma mesa esvaziasse. Tivemos sorte, logo sentamos. Mas, antes de sentarmos, ainda no canto, avistei um senhor alto, pele bem clara, que estava curvado diante de uma das mesas lotadas.  Ele mexia com as mãos e tinha algumas cartas. No início fiquei meio confusa, não entendia a existência de um mágico em pleno bar. E comecei a observa-lo.

                                   Incrível, ninguém, nenhum atendente de mesa (como chamam aqui os garçons) pedia que ele se retirasse e o pessoal da mesa trocava olhares e observava com atenção. Bem, fomos, como disse, em seguida para uma mesa e nessa altura já não prestava mais atenção nele. Na verdade, entre uma conversa e outra, não percebi onde ele tinha ido e também me esqueci dele.

                                   Pois bem, sentamos, fizemos nossos pedidos, e de repente olhei pela janela, nossa mesa ficava na beira de uma janela, na verdade um janelão que dava para esplanada (lugar à rua, mas que é seguimento do bar) e esta dava para a beira do Rio Tejo. Todavia era assim: eles lá fora e nós aqui dentro. E quando olho, lá estava ele, na esplanada, em outra mesa, fazendo mil coisas. Então, comecei a observa-lo novamente, agora com mais atenção. Era o mágico que habitava o meu mundo criança.

                                   Elegante, todo de preto, com um lenço vermelho no pescoço e num fraque de dar inveja ao melhor noivo deste mundo. Fui aos detalhes, olhei sapatos, camisa, abotoaduras, lapela, porque pensei, deve ser mais um Russo, brasileiro, português, espanhol, tentando ganhar a vida em Lisboa. E essa gente não cuida muito dos detalhes, pensei comigo, ele deve ter uma falha. Vergonha passei com o meu pensar, porque ele não tinha falha em nada, inclusive a cartola tinha aquela fita acetinada e não estava amassada.  Era impecável.

                                   Não conseguia me concentrar nas mágicas dele, só tinha olhos para sua elegância.

                                   De mãos grandes fazia mágica de mesa em mesa e raramente ganhava algum cêntimo, entretanto sorria em cada mágica feita. Confesso que não entendia e a medida que a noite ia passando, entre uma cerveja, uma conversa, tinha a atenção voltada para nós e para o mágico. Parecia aquela menina dos circos atrás.  Teve uma hora que cheguei a dizer: é um mágico. E isso me emocionou muito, porque quando o reconheci, relembrei toda minha infância. E encantada com aquele mágico passei à noite.

                                   Em um momento qualquer, percebi que ele vinha em direcção, para dentro do bar e não deu outra, meus olhos o cobriram dos pés à cabeça. O senhor deve ter pensado qualquer coisa, menos que estava admirada com sua magia de ser um mágico  em pleno tempo actual.  

                                   E a noite se foi, já era madrugada, nós ali e o mágico encantando olhos nem tanto encantados.

                                   Todavia, foi quando ele ia embora que entendi tudo que se passava com ele e comigo.

                                   Virou-se e foi em direcção a rua, seguir, quem sabe em outros bares, já era tarde e depois de dar uns quinze passos, já um tanto longe das mesas, sem ninguém aplaudir ou chamar, ele vira-se, olha com a cabeça erguida com um olhar no todo e se curva levando a mão esquerda sobre o corpo e a direita acima, num cumprimento mágico a todos, mesmo que não o notassem.

                                   Essa era a função do mágico, fazer o que gostava, mesmo que isso não lhe rendesse nada durante um dia ou uma noite inteira.

                                   Pensamento utópico, porque bem sabemos das coisas práticas do dia a dia, entretanto o que nos faz sonhar é justamente o fato de acreditar que estamos fazendo o que gostamos e isso não custa nada, basta tentar, num passe de mágica, entre o viver e o sonhar, ser feliz.

                                   Bela magia essa arte de viver.

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 0 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/cronicas-artigos/o-magico-no-bar-1167168.html

    Palavras-chave do artigo:

    magico

    ,

    literatura e vida

    Comentar sobre o artigo

    Joice Lima Santana

    O artigo científico propõe-se a apresentar o fruto de pesquisas bibliográficas e de sites informativos referentes ao Massacre da Pedra Bonita, fato verídico que aconteceu no interior de Pernambuco e foi romanceado por diversos autores em épocas diferentes, tal foi o choque social causado pela catástrofe. Para o embasamento teórico foram utilizados conceitos referentes à intertextualidade e a literatura comparada, definições que deram suporte a comparação dos fatos romanceados, quais característ

    Por: Joice Lima Santanal Educaçãol 30/07/2012 lAcessos: 390

    A pesquisa faz uma abordagem autobiográfica, aplicando a literatura infantil na sala de aula. Fundamenta-se em autores como Marisa Lajolo, Lígai Cadermatori e Regina Zilberman. O livro infantil na sala de aula proporciona à criança a educação, o desenvolvimento da imaginação, o incentivo á leitura de forma prazeirosa e a construção da sua identidade.

    Por: Geraldo Francisco dos Santosl Educação> Educação Infantill 22/04/2011 lAcessos: 10,464
    evanilson fernandes ribeiro

    Neste trabalho nos propomos a analisar as personagens masculinas, nas obras A terceira margem do rio de Guimarães Rosa, e Nas águas do tempo de Mia Couto mais precisamente sob a perspectiva do papel do homem na família.

    Por: evanilson fernandes ribeirol Literatura> Ficçãol 07/07/2011 lAcessos: 3,715
    Patricia Cassia Pereira Porto

    As histórias dos nossos tempos, o tempo da casa, da escola, o do tempo da infância, todos eles juntos fazem parte da memória, da nossa passagem pelo mundo e essas memórias, espontâneas ou evocadas, se manifestam de forma simbólica e imaginária. E as reminiscências que afloram desse tempo memorialístico nos aparecem, no campo do visível e do dizível, como um redemoinho de imagens, um labirinto discursivo e imagético que funda a narrativa.

    Por: Patricia Cassia Pereira Portol Educação> Línguasl 23/02/2011 lAcessos: 2,141

    O presente artigo tem como objetivo reconhecer a importância da literatura infantil e incentivar a formação do hábito de leitura na idade em que todos os hábitos se formam, isto é, na infância, é o que este artigo vem propor. Neste sentido, a literatura infantil é um caminho que leva a criança a desenvolver a imaginação, emoções e sentimentos de forma prazerosa e significativa

    Por: Sandra Maria dos Reis Bernardol Educação> Educação Infantill 31/10/2012 lAcessos: 457
    SANDRA VAZ DE LIMA

    Ao ingressar na escola, a criança adquire novas experiências, novos valores, que irão enriquecer o aprendizado já estabelecido e trazido do seu convívio familiar, ou seja, do seu mundo. Já que, cada criança é um ser único com sua bagagem pessoal de vivências.

    Por: SANDRA VAZ DE LIMAl Marketing e Publicidade> Marketing Internacionall 15/02/2010 lAcessos: 5,257 lComentário: 3

    A partir da década de 30 houve uma ampliação e consolidação do romance brasileiro, isto devido ao engajamento político e social de escritores como Graciliano Ramos com a obra Angústia e José Lins do Rego com a obra Menino de Engenho que fizeram um regionalismo, tanto urbano quanto rural, comprometido com o mundo brasileiro, através do documentário e estudo do meio social em que se inserem seus personagens. As duas obras fazem uma viagem pelas paisagens locais enfocando problemas, tipos sociais, a linguagem e os costumes do povo.

    Por: Rosana Pereira de Souzal Literatura> Ficçãol 17/09/2009 lAcessos: 1,552

    O presente artigo tem como finalidade fazer uma breve análise sobre a literatura referente às obras de Sérgio Capparelli, este que ocupa um lugar especial na literatura infanto-juvenil brasileira. Capparelli contribui de forma decisiva para a credibilidade na qualidade dos textos literários destinados à criança e ao adolescente, seus livros exploram o folclore, o humor, as brincadeiras com a sonoridade e muito lirismo, que revelam uma perfeita sintonia com o universo poético infantil e a destina

    Por: Rayane Cristina B. de Almeidal Educação> Educação Infantill 27/05/2012 lAcessos: 1,341

    A criação da palavra surge da necessidade de expressão diante de uma nova realidade, seja na escrita, seja na fala. Tanto a palavra escrita, como a palavra falada e a palavra cantada seguem a uma tradição, que, historicamente, são chamadas de literaturas orais e de literaturas escritas.

    Por: lúcia nobrel Literatural 24/09/2012 lAcessos: 91

    A literatura especializada e a doutrina moderna consagraram a idéia de que a modernidade, partir da obra O Príncipe do florentino Nicolau Maquiavel, teria inaugurado um modelo de organização política até então desconhecida dos antepassados: o Estado. Não se trata de priorizar a discussão em torno de quais são as funções, finalidades ou qual seria o papel que o Estado deveria desempenhar em face das chamadas sociedades complexas. Trata-se de compreender a gênese do conceito e seus desdobramento

    Por: Joilson José da Silval Direito> Doutrinal 12/06/2009 lAcessos: 3,695

    Carta a Dona Dilma Rousseff, mui digna Presidenta do Brasil e candidata a reeleição, pedindo que suspenda a propaganda "Ai, Minas Gerais, quem conhece o Aécio não vota jamais..."

    Por: Osorio de Vasconcellosl Literatura> Crônicasl 17/10/2014

    Quando nos referimos à política, devemos fazer um paralelo, uma comparação entre duas palavras, política e politicagem. São sinonímias contraditas e que refletem diferenciais hercúleos, do que seja a verdade em sua plenitude. Sabemos, de antemão, que existe uma variedade enorme de políticas, desde a comercial, passando pela familiar e indo até a política monetária. Política é ciência, é arte, é a ciência dos fenômenos referentes ao Estado (ciência política).

    Por: Antonio Paiva Rodriguesl Literatura> Crônicasl 15/10/2014

    As eleições presidenciais de 2014 correm o risco de ser decididas com a ajuda de técnicas hipnóticas.

    Por: Osorio de Vasconcellosl Literatura> Crônicasl 13/10/2014

    À gangorra em cima dos políticos deverá contrapor-se a gangorra embaixo do eleitor. Caso contrário, o Estado deixará de ser laico.

    Por: Osorio de Vasconcellosl Literatura> Crônicasl 12/10/2014

    Dizem os políticos: saúde será prioridade em meu governo. Sim, é possível, exceto em relação às doenças.

    Por: Osorio de Vasconcellosl Literatura> Crônicasl 02/10/2014

    O espectro da corrupção visto como garantia de um futuro promissor, alegre e feliz. O drama da atualidade às vésperas das eleições presidenciais.

    Por: Osorio de Vasconcellosl Literatura> Crônicasl 26/09/2014

    Segundo Hammed (por Francisco do Espírito Santo Neto) a rigor, família é uma instituição social que compreende indivíduos ligados entre si por laços consanguíneos. A formação do grupo familiar tem como finalidade a educação, implicando, porém, outros fatores como amor, atenção, compreensão, coerência e, sobretudo, respeito à individualidade de cada componente do instinto doméstico. Uma expressão belíssima, esclarecedora, no entanto, vem se deformando nos dias atuais.

    Por: Antonio Paiva Rodriguesl Literatura> Crônicasl 25/09/2014
    João Henrique Bento

    Viver não parece algo tão complicado. Parece-me que a dificuldade está em encontrar a harmonia perfeita do fantástico movimento do existir naturalmente. Enfrento a grande dificuldade da existência, deparo-me com a enormidade da vida e penso: "nada sou!". O pensamento é um impulso para descortinar os mistérios da vida. É uma forma de aperceber-se nesse movimento complexo, dinâmico e envolvente. Estou decidido, quero pensar e viver. Assim sigo os tortuosos caminhos da existência humana.

    Por: João Henrique Bentol Literatura> Crônicasl 25/09/2014
    Gislaine Becker

    ...Não adianta buscar existências em outras terras ou tentar imaginar que podemos habitar outros planetas. Nossa existência aqui é única e atualmente (ou sempre) estamos de passagem e nunca nos veremos outras vezes, fisicamente falando...

    Por: Gislaine Beckerl Educação> Ensino Superiorl 31/08/2010 lAcessos: 102
    Gislaine Becker

    O Projeto Livro Aberto tem algumas dicas para quando o aluno NÃO lê, são elas:

    Por: Gislaine Beckerl Educação> Ensino Superiorl 06/04/2010 lAcessos: 408
    Gislaine Becker

    Entre muitas das práticas, o Projecto Livro Aberto promove o desenvolvimento global do educando de uma forma lúdica livre, sem deixar de respeitar suas potencialidades, tendo como objetivo principal proporcionar ao educando a capacitação que permita sua participação, enquanto cidadão, nas diversas atividades exigidas pela vida moderna, ou seja, prepará-lo para o exercício da cidadania consciente e democrática, bem como o desenvolvimento da sua construção lingüística.

    Por: Gislaine Beckerl Educação> Ensino Superiorl 29/03/2010 lAcessos: 178
    Gislaine Becker

    O hábito da leitura deve ser começado pelo prazer de ler. Todo leitor deve estar envolvido pelo texto que lê. Logo, comece a desenvolver o hábito da leitura pelas leituras que lhe agrade. Faça do livro um companheiro de viagem. Tenha-o sempre em sua companhia durante o dia. Vários são os momentos livres e que você pode aproveitar para dar continuidade à sua leitura.

    Por: Gislaine Beckerl Educação> Ensino Superiorl 08/03/2010 lAcessos: 1,558
    Gislaine Becker

    A fusão das palavras tecnologia e pedagogia parece-nos formar uma boa dupla diante do mundo globalizado, ou quiçá, formam tal dupla pelo mundo globalizado. As tecnologias aplicadas nas escolas podem ser uma boa ferramenta de estímulos dentro do aprendizado, bem como um atrativo para os aprendizes, uma vez que o aluno do século XXI passa doze horas do seu dia ligado ao computador e muitas dessas horas conectado.

    Por: Gislaine Beckerl Educação> Ensino Superiorl 01/03/2010 lAcessos: 464
    Gislaine Becker

    Entendo também que este grandioso projeto deveria ser lido, entendido e executado por todos os continentes de forma adaptada cada um às suas necessidades, afinal a idéia é de grande serventia humanitária. Dentro do projeto, Guião para os Professores, não somente encontramos conceitos e definições do tipo: pobreza, exclusão social, bem como se trabalhar em sala de aula com estes conceitos e percepções para tentar amenizar e tentar combater.

    Por: Gislaine Beckerl Educação> Ensino Superiorl 15/02/2010 lAcessos: 165
    Gislaine Becker

    Disse, muitas vezes, aos meus alunos que ler era também igual a beijar, nem sempre beijamos bem, mas nem por isso deixamos de beijar, estamos sempre tentando melhorar o nosso beijo. E entre muitos beijos, encontramos os melhores beijos.

    Por: Gislaine Beckerl Educação> Ensino Superiorl 08/02/2010 lAcessos: 465
    Gislaine Becker

    Quiçá, o entendimento à complexidade da Educação esteja na simplicidade do verbo amar. Mas falar de amor parece algo fora de qualquer contexto, quando tal fato é mencionado as pessoas se olham, se “cutucam”, comentam como se isto fosse um fato distante e isolado da convivência do homem.

    Por: Gislaine Beckerl Educação> Ensino Superiorl 01/02/2010 lAcessos: 299
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast