O Primeiro Reinado Do Brasil

Publicado em: 14/04/2009 | Acessos: 19,492 |

O PRIMEIRO REINADO DO BRASIL

Falar em império brasileiro, sempre nos deixa com uma pulga atrás da orelha. Será que a história do Brasil, que nos foi repassada é verdadeira, ou carece de novos esclarecimentos. O Império no Brasil vai de 1822 a 1889, e o primeiro compreende o período de 1822 a 1831, nove anos apenas, o mesmo tempo em que durou o Período Regencial. No primeiro reinado se destacaram as Políticas Internas e Externas. A sociedade brasileira não teve mudanças significativas nem mesmo na economia, visto que a Independência política foi mais um arranjo entre D. Pedro I e as classes poderosas e dominantes da época. Faltava capital e predominava o sistema rural, escravagista e exportador, mas não existia uma interação maior entre os mercados externos e em consequência predominou o colonial. Existia a classe privilegiada com as de hoje, a aristocracia e os mais pobres, entre eles: brancos, pobres e mestiços viviam na miséria constante e não direito ao voto. A política no Brasil pelo que se vê sempre foi uma madrasta para os menos aquinhoados.

Os movimentos populares em prol da independência eram uma constante e torciam com um governo forte que exterminasse o poder dos aristocratas. A monarquia era uma forma ideal para os ricos que lhes dava o privilégio, enquanto os mais pobres queriam a Independência, para sair da escravidão, da marginalização e sem nenhuma participação política. A Independência Política do Brasil causou grandes rebuços na armada de militares e nos comerciantes portugueses que aqui viviam em diversas províncias. Maranhão, Piauí, Grão Pará, Bahia e até na Cisplatina, hoje o Uruguai. Queria que todas as províncias aqui enumeradas ficassem fieis a Portugal. Houve a revolta, mas o Brasil não dispunha de exército estruturado e foi se arrumar com os mercenários estrangeiros com ajuda da população nordestina. Saliente-se que o Nordeste do Brasil já estava em luta contra Portugal pelas pretensões recolonizadoras do país de além mar, fato ocorrido antes de sete de setembro de 1822. Havia sempre uma repressão das classes dominantes, pois não admitiam lutas entre as classes menos favorecidas, pois o poder para eles era tudo.

O Brasil deve a sua unidade política, territorial em sua magnitude ao desempenho armado das tropas oficiais, ao desempenho armado das camadas populares, à ajuda dos mercenários em especial aos ingleses. O Brasil para ter reconhecida sua soberania havia a necessidade do reconhecimento internacional e suas políticas, econômicas e culturais fortalecidas. Não foi de imediato, inclusive pelos países sulamericanos, visto que todos eram republicanos e o Brasil não. A província Cisplatina também era um entrave para o reconhecimento. Outros países mais ricos adiavam o reconhecimento para obter proveito próprio, era o caso dos estados Unidos da América. Só entre 1824 e 1825 a independência passou a ser reconhecida internacionalmente. Estados unidos, Inglaterra e Portugal e para oficializar o reconhecimento, Portugal exigiu dois milhões de libras esterlinas e o título de D. João VI usar o título de Imperador Honorário do Brasil. A Inglaterra tinha grande interesse no Brasil e exigiu a renovação por mais quinze anos, com o Tratado de Comércio e Navegação, firmado em 1810.

A Inglaterra teria grandes benefícios entre eles, o alfandegário e o imposto que pagava nas alfândegas era de apenas 15%, os outros países pagavam 24%. Só assim o Brasil conseguia a Independência Política, embora continuasse dependendo do capital internacional que acontece até os dias de hoje. Uma Assembléia Constituinte estava no nascedouro e esperanças de se firmar a primeira Constituição Brasileira. D.Pedro queria uma constituinte digna para o país e para ele. Em 1823 foi apresentado um projeto de Constituição pelos deputados. Limitava os poderes do imperador, pois o Poder Executivo ficaria subordinado ao Legislativo e o imperador não podia dissolver a Câmara dos Deputados, e nem ser o chefe supremo das forças militares do Brasil. A Constituinte Monárquica dissolveu a anterior foi nomeado um Conselho de Estado com dez homens, escolhidos pelo imperador para elaborar a Constituição e que foi outorgada em 25 de março de 1824.

Que situação complicada essa do Brasil. Tinha que ser Monárquica centralista e hereditária e as determinações vindas do Rio de Janeiro teriam que ser obedecidas, o poder passava de pai para filho. Composta de quatro poderes: Executivo, Legislativo, Judiciário, Moderador. O Moderador dava plenos poderes ao imperador. O voto censitário surgiu nesta Constituição e se baseava na renda do cidadão e o analfabeto podia votar se tivesse uma renda anual de 100 mil réis. Para se candidatar a deputado uma renda mínima de 400 mil réis e senador 800 mil réis, assim só os ricos poderiam se candidatar, mas que dilema My God. O Nordeste rege e vem a Confederação do Equador, em Pernambuco no ano de 1824. Foi nessa situação triste que surgiu o Frei Caneca que pregava a rebelião. Cipriano Barata foi outro que se notabilizou pelas lutas em defesa dos mais carentes. A união de todas as províncias do Nordeste foi à proclamação da república federativa, com liberdade e autonomia, segundo escreveu Francisco de Assis Silva em seu livro História do Brasil – Império e República.

Vejam como o Nordeste teve uma participação fundamental na liberdade do povo brasileiro. A Confederação do Equador seria composta dos estados do Pernambuco, Paraíba, Rio Grande do Norte e Ceará. Muitas coisas aconteceram: os latifúndios, a reação popular e a abdicação d Dom Pedro I em sete de abril de 1831, a guerra Cisplatina que durou três anos, em 1828 a Inglaterra estava interessada no livre comércio no Rio do Prata, pressionou o Brasil a conceder a independência Cisplatina que passou a se chamar Uruguai. Vários membros da família monárquica estiveram no Brasil, em 1830 era assassinado o jornalista Líbero Badaró, em 13 de março surge a Noite das Garrafadas onde portugueses atacavam brasileiros, em 19 de março de 1831 é criado o Ministério dos Brasileiros que durou apenas 15 dias.

Veio o Ministério dos Marqueses com a demissão do Ministério dos Brasileiros por Dom Pedro I, e em sete de abril ele abdicou ao trono brasileiro em favor de seu filho Pedro de Alcântara, com apenas cinco anos de idade. Dom Pedro I volta a Portugal e com isso a aristocracia brasileira se fortalecia e começava novo período o Regencial. Todas essas nuanças fariam a história do Brasil no Primeiro reinado brasileiro. Muito conturbado e que merece um estudo mais apurado pelos brasilianos aficionados pela história da Nação brasileira.

ANTONIO PAIVA RODRIGUES-MEMBRO DA ACI E DA ALOMERCE

Avaliar artigo
4
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 16 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/cronicas-artigos/o-primeiro-reinado-do-brasil-865970.html

    Palavras-chave do artigo:

    lutas pobreza trocas

    Comentar sobre o artigo

    Bruno Lima Rocha

    A sexta feira dia 08 de abril, marca o início do calendário de mobilizações de cunho mais massivos convocadas pelo sindicato estadual de trabalhadores em educação, o Cpers. Longe de ser uma instância super lotada, a assembléia teve participação de meio ginásio Gigantinho, o que implica ao redor de 10 mil pessoas. Quase sempre, estas ocasiões concentram a posta restante da esquerda mais à esquerda no Rio Grande do Sul...

    Por: Bruno Lima Rochal Notícias & Sociedade> Polítical 18/04/2011 lAcessos: 142

    O texto é um texto focado na militância social, e serviu de base para debates no III Seminário Livre pela Saúde

    Por: Vinícius Ximenes Muricy da Rochal Saúde e Bem Estarl 14/11/2009 lAcessos: 432

    Esse artigo objetiva analisar o romance realista/naturalista O primo Basílio de Eça de Queirós a partir da luta de classes, com a finalidade de mostrar que o autor propõe uma leitura sociológica do romance na medida em que se percebe a presença de dominadores e dominados, bem como o conflito entre eles.

    Por: Elinea Souza Nascimento da Silval Literatural 04/06/2009 lAcessos: 6,015 lComentário: 1
    Keila Soares de Quadros

    Resumo: O presente artigo visa estudar um famoso romance do Realismo português, tendo como ponto de partida á análise das características realistas presentes na obra, bem como o estudo das lutas entre as classes sociais (opressor e oprimido).

    Por: Keila Soares de Quadrosl Literatural 05/02/2010 lAcessos: 2,493

    Brasileirismo é a sinonímia que caracteriza o brasileiro e o País. É a expressão ou maneira de dizer peculiar aos brasileiros. Modismo próprio da linguagem e sentimento de amor ao Brasil. Brasiliana é a coleção de estudos, livros, e publicações acerca do Brasil. Democracia é a forma de governo na qual o poder emana do povo. O que se fala muito em nosso País é sobre Direitos Humanos, e o que seria?

    Por: Antonio Paiva Rodriguesl Literatura> Crônicasl 17/08/2013 lAcessos: 23
    Edson Salgueiro

    Usando a criatividade e o poder psíquico ampliamos nosso campo mental de atuação. Não existe distância nem tempo para as ondas de pensamentos. A mente está sempre em ação, é dinâmica. O que atraimos é em consequência do que vibramos. No universo tudo obedece uma constante troca energética. Emitimos e recebemos.

    Por: Edson Salgueirol Psicologia&Auto-Ajuda> Auto-Ajudal 06/08/2010 lAcessos: 338
    RINALDO BARROS

    Nessa pobreza espiritual generalizada, ao eleitorado resta a alternativa de escolher entre nomes de pessoas, sem saber ao certo o que cada candidatura significa em termos de propostas. Por isso mesmo, ninguém deve estranhar o desencanto da nossa juventude pela dimensão política da vida. Há realmente pouco sinal de vida inteligente no planeta da política brasileira.

    Por: RINALDO BARROSl Literatura> Crônicasl 28/09/2010 lAcessos: 35
    RINALDO BARROS

    Preocupa-me bastante a crise generalizada da ausência de idéias e de projetos políticos. Ensinou-nos o Arcebispo honorário de Natal, Dom Nivaldo Monte, que "a verdadeira fome não é de alimentos físicos, mas grave mesmo é a fome espiritual". Ou seja, a pior miséria não é a material, mas a de conhecimento, a do espírito.

    Por: RINALDO BARROSl Literatura> Crônicasl 26/03/2010 lAcessos: 109
    Elizeu Vieira Moreira

    ...reflete filosoficamente e sociologicamente sobre a necessidade de mudanças na gestão do espaço e da espacialidade urbanos, tendo em vista, o atual estado de crise social e ambiental vivenciada nas cidades, notadamente, naquelas cuja infraestrutura de provimento das necessidades está intimamente relacionada ao processo de estratificação social provocado pelo sociometabolismo do capital...

    Por: Elizeu Vieira Moreiral Educação> Ciêncial 27/09/2011 lAcessos: 505

    Carta a Dona Dilma Rousseff, mui digna Presidenta do Brasil e candidata a reeleição, pedindo que suspenda a propaganda "Ai, Minas Gerais, quem conhece o Aécio não vota jamais..."

    Por: Osorio de Vasconcellosl Literatura> Crônicasl 17/10/2014

    Quando nos referimos à política, devemos fazer um paralelo, uma comparação entre duas palavras, política e politicagem. São sinonímias contraditas e que refletem diferenciais hercúleos, do que seja a verdade em sua plenitude. Sabemos, de antemão, que existe uma variedade enorme de políticas, desde a comercial, passando pela familiar e indo até a política monetária. Política é ciência, é arte, é a ciência dos fenômenos referentes ao Estado (ciência política).

    Por: Antonio Paiva Rodriguesl Literatura> Crônicasl 15/10/2014

    As eleições presidenciais de 2014 correm o risco de ser decididas com a ajuda de técnicas hipnóticas.

    Por: Osorio de Vasconcellosl Literatura> Crônicasl 13/10/2014

    À gangorra em cima dos políticos deverá contrapor-se a gangorra embaixo do eleitor. Caso contrário, o Estado deixará de ser laico.

    Por: Osorio de Vasconcellosl Literatura> Crônicasl 12/10/2014

    Dizem os políticos: saúde será prioridade em meu governo. Sim, é possível, exceto em relação às doenças.

    Por: Osorio de Vasconcellosl Literatura> Crônicasl 02/10/2014

    O espectro da corrupção visto como garantia de um futuro promissor, alegre e feliz. O drama da atualidade às vésperas das eleições presidenciais.

    Por: Osorio de Vasconcellosl Literatura> Crônicasl 26/09/2014

    Segundo Hammed (por Francisco do Espírito Santo Neto) a rigor, família é uma instituição social que compreende indivíduos ligados entre si por laços consanguíneos. A formação do grupo familiar tem como finalidade a educação, implicando, porém, outros fatores como amor, atenção, compreensão, coerência e, sobretudo, respeito à individualidade de cada componente do instinto doméstico. Uma expressão belíssima, esclarecedora, no entanto, vem se deformando nos dias atuais.

    Por: Antonio Paiva Rodriguesl Literatura> Crônicasl 25/09/2014
    João Henrique Bento

    Viver não parece algo tão complicado. Parece-me que a dificuldade está em encontrar a harmonia perfeita do fantástico movimento do existir naturalmente. Enfrento a grande dificuldade da existência, deparo-me com a enormidade da vida e penso: "nada sou!". O pensamento é um impulso para descortinar os mistérios da vida. É uma forma de aperceber-se nesse movimento complexo, dinâmico e envolvente. Estou decidido, quero pensar e viver. Assim sigo os tortuosos caminhos da existência humana.

    Por: João Henrique Bentol Literatura> Crônicasl 25/09/2014

    Assenta tua cabeça no meu ombro, descansa e relembra os momentos felizes que passamos. Esta assertiva faz parte da nossa vida, de nossos sentimentos e do rol de realizações, que planejamos para o futuro. Muitas vezes rememoramos com pensamentos diluidores, com ações um pouco cavilosas, sem descortinar a harmonia do concerto, que traçamos para o teatro da nossa existência. Deter, impedir de avançar nossos momentos de amor, não são medidas contributivas para a felicidade que reina em nossos coraçõ

    Por: Antonio Paiva Rodriguesl Literatura> Poesial 20/10/2014

    Quando nos referimos à política, devemos fazer um paralelo, uma comparação entre duas palavras, política e politicagem. São sinonímias contraditas e que refletem diferenciais hercúleos, do que seja a verdade em sua plenitude. Sabemos, de antemão, que existe uma variedade enorme de políticas, desde a comercial, passando pela familiar e indo até a política monetária. Política é ciência, é arte, é a ciência dos fenômenos referentes ao Estado (ciência política).

    Por: Antonio Paiva Rodriguesl Literatura> Crônicasl 15/10/2014

    A política brasileira além de ferver virou um inferno. Um inferno com muitos diabos que não têm medo da cruz. Deus, o nosso Pai morreu e Jesus não estão mais em seus corações. A caridade, a fraternidade e os bons princípios não foram sublimados, e sim exterminados juntamente com a ética. No coração do brasileiro só resta esperança, as forças já estão combalidas, vítimas de uma politicagem escarnecida. O encanto do Brasil antigo evaporou-se diante das aberrações e das corrupções eleitorais.

    Por: Antonio Paiva Rodriguesl Literatural 13/10/2014

    A felicidade imanta o meu ser, entro em êxtase vibracional, no entanto, meu ego se altera para todo mundo ver, o meu corpo se altera meio descomunal. Quando um grande amor amadurece, os tremores constantemente se alternam o corpo não resiste e a rosa não floresce, o íntimo se refina e, os desejos jornadeiam. O imã do amor me aconchega delicioso, o carinho e o afago do meu amor se transformam, a minha amada transborda em carinho astucioso e uma entrega sem pudor nos delicia e ...

    Por: Antonio Paiva Rodriguesl Literatura> Poesial 08/10/2014

    Podemos afirmar que, muitas vezes, a verdade é mais interessante que a ficção. O Ciclo Cósmico pela qual a humanidade vem passando, ou pelo desenvolvimento intelectual do hominal, leva a um interesse maior pela vida do Grande Mestre, ou Grande Redentor, Jesus do que em qualquer outro período desde o início de cristianismo. Nunca na história humana, Cristo foi tão estudado, pesquisado por estudantes de psicologia, misticismo, metafísicas e ocultismo com sentido minucioso e analítico. Nesse estudo

    Por: Antonio Paiva Rodriguesl Religião & Esoterismo> Religiãol 07/10/2014

    A brisa suave nos acaricia e o sol envolto pelo arco-íris, encanta-nos no pingente solar. Buscamos a todo instante a incessante diretriz, altaneira e rediviva. Somos humanos imperfeitos, mas através do amor e do perdão, procuramos alcançar vencendo todos os obstáculos, entre suores, perfumes, barulho, pedras de tropeços, o que mais almejamos o dom de amar. O amor na feição extrema vive em seu próprio lugar e não encontra problema difícil de suportar.

    Por: Antonio Paiva Rodriguesl Literatura> Poesial 06/10/2014

    Pensei nas pessoas sofredoras e fui orando para as entidades protetoras. Vi no semblante de uma criança solitária, a fome que a consumia. Imantei o amor em prol de um pequeno ser. Vi no sol da primavera seus momentos bons e ruins, mas não almejamos sofrimentos, principalmente para os seres indefesos e inocentes. Como diria Cornélio Pires, sempre noto com reserva as dores que vêm do herdeiro; não sei se o choro é de mágoa ou de briga por dinheiro.

    Por: Antonio Paiva Rodriguesl Literatural 03/10/2014

    Segundo Hammed (por Francisco do Espírito Santo Neto) a rigor, família é uma instituição social que compreende indivíduos ligados entre si por laços consanguíneos. A formação do grupo familiar tem como finalidade a educação, implicando, porém, outros fatores como amor, atenção, compreensão, coerência e, sobretudo, respeito à individualidade de cada componente do instinto doméstico. Uma expressão belíssima, esclarecedora, no entanto, vem se deformando nos dias atuais.

    Por: Antonio Paiva Rodriguesl Literatura> Crônicasl 25/09/2014
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast