Triste Carta A Papai Noel

Publicado em: 19/12/2009 |Comentário: 2 | Acessos: 453 |

Papai Noel,

Escrevo esta carta com esperança de ser lido novamente daqui a alguns anos, pelos meus netos Pedro, Maria Clara, Isabella e João Enrique, os quais chegaram a este Mundo agora muito recentemente; e ainda estão aprendendo as letras.

Todavia, espero que aí por volta de 2030, a geração dos meus netos possa avaliar se, enfim, triunfou a estupidez humana, ou se conseguimos, pelo menos, manter viva a esperança.

Ando angustiado porque tenho um entendimento de que, neste início de Milênio, não estamos atravessando apenas mais um momento de turbulência. Estamos dentro do olho do furacão.

A história contemporânea nos levou ao término da onda industrial, à drástica diminuição do Estado, à universalização da sociedade da informação (dominada pelo grande capital financeiro internacional), ao crescimento extraordinário dos fundos de previdência e aos lucros astronômicos das grandes instituições financeiras, fenômeno que fez explodir o estoque de recursos financeiros disponíveis, dos quais uma boa parte tem se destinado a perigosas especulações de curtíssimo prazo.

E, pior que tudo, o crédito aparentemente fácil resultou no endividamente generalizado das famílias, uma bomba (bolha) de efeito retardado que vai explodir na cara dos mais pobres.

Falo do "capital volátil". Um dinheiro sem pátria, ganancioso, sem coração, que quer ganhar muito e, se possível, muito rapidamente.

Algumas fontes chegam a estimá-lo em mais de 30 trilhões de dólares. Com um poder diabólico.

Nada deste dinheiro é investido para melhorar a qualidade de vida, não há interesse em acabar com a fome, nem preservar o meio ambiente do nosso planeta, nem desenvolver qualquer economia, além de ser incontrolável. É a especulação pura e simples.

Além disso, Papai Noel, é preciso não esquecer a virulência da política externa da (por enquanto) maior potência do planeta, agora estimulada pela "vitória" das forças mais conservadoras no Congresso dos EUA.

Para manter os lucros do complexo industrial-militar, e para conquistar reservas estratégicas; já estão preparando também a invasão de outras nações, quiçá uma guerra entre as duas Coréias.

Relembro: para depor Saddam Hussein, Bush mentiu e sacrificou, além das vidas de milhares de iraquianos (mártires, na visão árabe); desrespeitou a ONU, a OTAN (aliança militar ocidental), a coalizão antiterror; comprometeu a imagem dos EUA diante do mundo; destruiu monumentos e milhares de relíquias do berço da civilização e a própria noção de que a humanidade progride, ou deveria estar evoluindo.

Bush inaugurou a barbárie contemporânea. E o elegante Barack Obama, agora Prêmio Nobel da Paz, "salvou" o sistema financeiro, e vai mantendo o dedo no gatilho.

Aparentemente, o mundo caminha, perigosamente, sob uma estúpida hegemonia, no médio prazo, para a barbárie de alta tecnologia.

Será o início do indesejado triunfo da estupidez humana? Será que a imbecilidade das massas populares (da patuléia) realmente não tem limites?

Desconfio que as conseqüências desta globalização imperialista serão desastrosas, pois o que se vê é a concentração de riquezas, ao lado do crescimento da miséria, da exclusão social, e da violência urbana.

Papai Noel, na estação futuro, Pedro, Maria Clara, Isabella e João Enrique poderão tirar a limpo se valeu a pena este avô haver sonhado com a Estrela da Manhã; ou se a estupidez humana triunfou.

Por favor, não me culpe por não gostar mais da sua imagem de bom velhinho. Saiba o senhor que torço e vibro para que, com os pés bem firmes no chão, toda a geração dos meus netos possa ter os olhos, o coração e a mente nas estrelas. Sou um otimista incurável, apesar de você, sua alienação e seu consumismo.

Ingenuamente, talvez, como queria Agostinho (354 a 430 d.C), eu persisto com a Esperança, ao lado de suas duas filhas lindas: a Indignação e a Coragem de continuar lutando por um mundo melhor.

E que Pedro, Maria Clara, Isabella e João Enrique possam encontrar motivos para continuar gostando de sua pessoa.

Eu, de minha parte, não consigo mais gostar do senhor. Mudei, porque o mundo mudou, e mudou também o Natal.

Se quiser ainda me encontrar, procure-me no olhar triste das crianças de rua.

Opinião política por Rinaldo Barros

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 1 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/cronicas-artigos/triste-carta-a-papai-noel-1602226.html

    Palavras-chave do artigo:

    historia capital volatil complexo industrial militar estupidez humana

    Comentar sobre o artigo

    RINALDO BARROS

    Desconfio que as conseqüências desta globalização imperialista serão desastrosas, pois o que se vê é a concentração de riquezas, ao lado do crescimento da miséria, da exclusão social, e da violência urbana. Papai Noel, na estação futuro, Pedro, Maria Clara, Isabella e João Enrique poderão tirar a limpo se valeu a pena este avô haver sonhado com a Estrela da Manhã; ou se a estupidez humana triunfou.

    Por: RINALDO BARROSl Literatura> Crônicasl 23/12/2010 lAcessos: 1,740
    RINALDO BARROS

    Escrevo esta carta com esperança de ser lido novamente daqui a alguns anos, por vocês, meus netos (Maria Clara, Pedro, Isabella, João e Lucas), os quais chegaram a este Mundo agora recentemente; e pouco ainda sabem dos mistérios da vida neste lindo planeta azul. Todavia, espero que aí por volta de 2030, a geração dos meus netos possa avaliar se, enfim, triunfou a estupidez humana, ou se conseguimos, pelo menos, manter viva a esperança. Prestem atenção!

    Por: RINALDO BARROSl Notícias & Sociedade> Polítical 05/05/2013 lAcessos: 12

    O Brasil vem passando por momentos difíceis e apenas algumas investigações foram feitas e com poucas prisões, no entanto os brasileiros almejam descobrir onde estão navegando os peixes grandes, que engolem toda a riqueza brasileira em forma de corrupção. Promessas prometidas em campanhas política são apenas promessas, pois não saem do papel e, em número considerável se transformam em pesadelos assustadores.

    Por: Antonio Paiva Rodriguesl Literatura> Crônicasl 24/03/2015

    Um homem se baseia sempre na experiência do outro para chegar as suas conclusões. O homem jamais chegará a um denominador comum, visto que as inter-relações humanas são grandiosas. O homem ensina a outro homem e esse deixa o seu legado para ser analisado a posteriori. Assim se faz a história da humanidade. Como o homem ainda é um ser imperfeito suas opiniões sobre a complexidade dos mundos e a Divindade não passam de meras especulações.

    Por: Antonio Paiva Rodriguesl Literatura> Crônicasl 23/03/2015

    Conservar a razão no afeto é uma ação que enleva o espírito humano, e pode beneficiá-lo com ações divinas e enobrecedoras, mesmo sendo imperfeito, o ser hominal está à procura da perfeição, enfrentando todas as pedras de tropeços que encontra pela frente. Quantas são dolorosas estas pedras e sua malignidade nos levam a pensamentos destrutivos e inaceitáveis.

    Por: Antonio Paiva Rodriguesl Literatura> Crônicasl 21/03/2015

    A vampiragem é uma palavra desconhecida nos dicionários, no entanto, ela é uma técnica que acompanhada a história dos homens. Desde os tempos mais primórdios a Vampiragem vem sendo usada e a aperfeiçoada pelos maiores pegadores. Aos olhos de um leigo a Vampiragem pode ser simplificada como um mero beijo no pescoço. Mas simplificações como essa só estimulam a regressão cultural da humanidade

    Por: Antonio Paiva Rodriguesl Literatura> Crônicasl 19/03/2015
    Manu Nascimento

    O que andamos fazendo em nossas vidas para nos tornamos exemplos para os outros? Como exigir retidão do outro se não somos assim em nossas vidas?

    Por: Manu Nascimentol Literatura> Crônicasl 17/03/2015

    A situação é tão tensa que alguns parlamentares já chegaram às vias de fato. Uma vergonha com certeza. O ministro Aloísio Mercadante é o alvo dos peemedebistas, aliás, com as investigações do Ministério Público e da Polícia Federal tem político que não dorme mais à noite, pois sente pesadelos demais.

    Por: Antonio Paiva Rodriguesl Literatura> Crônicasl 13/03/2015

    O rebaixamento da Petrobras, a falta de convicção nas medidas econômicas e o desentendimento na política são três faces de um mesmo mal: a perda de credibilidade. A palavra credibilidade tem derivação do latim escolástico e se refere à qualidade do que é crível, que por sua vez quer dizer que se pode crer, acreditável, na verdade a crise é de confiança.

    Por: Antonio Paiva Rodriguesl Literatura> Crônicasl 12/03/2015

    No cenário político tudo acontece, desde as medidas benéficas para a população, até a malfadada corrupção. A mídia é a repassadora das boas e das malfadadas e deletérias situações por que passa o governo brasileiro. O senador Tasso Jereissati que quase aniquilou com o funcionalismo público em suas três gestões como governador do estado do Ceará, agora fala sobre a crise no governo Dilma. "Impeachment não é a saída", declara Tasso. No rol político do senador em alusão só quem tem voz ...

    Por: Antonio Paiva Rodriguesl Literatura> Crônicasl 08/03/2015
    RINALDO BARROS

    Quem observa o patropi, fica deveras embaraçado. Acrescentemos a crise econômica (inflação, crescimento zero do PIB, juros e carga tributária nas alturas) com crescimento do desemprego e da insatisfação popular em todos os níveis. Some-se a isso ainda a perda da governabilidade, o descrédito nas instituições e nos partidos políticos, e o tsunami de corrupção que assola o patropi, para vir à tona a pergunta que não quer calar: quem está governando o Brasil?

    Por: RINALDO BARROSl Notícias & Sociedade> Polítical 19/03/2015
    RINALDO BARROS

    O que unifica e orienta todas essas propostas é a disposição de reorganizar a economia de mercado em proveito da maioria trabalhadora. Hora de reconstruí-la, não apenas de contrabalançar suas desigualdades por meio de transferências sociais. Chega de bolsas e cotas!

    Por: RINALDO BARROSl Notícias & Sociedade> Polítical 05/03/2015
    RINALDO BARROS

    Estamos deixando de ser cidadãos para sermos apenas consumidores. Portanto, mais do que nunca, há a necessidade que a escola, a família e a mídia atuem na formação ética e de personalidade das crianças e adolescentes, incentivando-os a manterem projetos solidários que tenham como principal perspectiva o trato com respeito, responsável e solidário nas suas relações interpessoais.

    Por: RINALDO BARROSl Notícias & Sociedade> Polítical 23/02/2015
    RINALDO BARROS

    Os brasileiros vivemos a ressaca de uma eleição vencida à base de muita mentira, promessas frustradas e uma prática de governo diametralmente oposta à discurseira da campanha eleitoral. O corte de benefícios sociais, o aumento de impostos e das tarifas de água e luz, o racionamento, os apagões, a alta dos juros e da inflação, e a elevação do desemprego apenas começaram.

    Por: RINALDO BARROSl Notícias & Sociedade> Polítical 11/02/2015
    RINALDO BARROS

    O medo, combinado com a sensação de ausência de um poder público capaz de prover segurança coletiva e com a impotência dos cidadãos frente à criminalidade; estimula a adoção de estratégias individuais para diminuir o risco. Vivemos, num clima do "salve-se quem puder", com muito medo. O medo da violência torna-se, desse modo, endêmico, banalizando a vida e tornando o ato de viver apenas um instrumento de segurança privada.

    Por: RINALDO BARROSl Notícias & Sociedade> Polítical 18/01/2015 lAcessos: 15
    RINALDO BARROS

    Em verdade, a humanidade encontra-se numa encruzilhada do labirinto, entre a Ganância (o deus mercado) e a (falta de) Solidariedade. Entre o vendilhão Papai Noel e o salvador Jesus Cristo. Sem querer provocar, pergunto: por que não homenagear o aniversariante, Jesus? Ou devo substituir a palavra do Cristo: "amar o lucro como a si mesmo"?

    Por: RINALDO BARROSl Notícias & Sociedade> Polítical 22/12/2014 lAcessos: 15
    RINALDO BARROS

    O que fica dessa decisão do mais alto tribunal do país, é a afirmação de que a tortura, praticada - sem controle - numa fase difícil de nossa História contemporânea, teve a ressalva de crime político, razão pela qual os praticantes da tortura também foram anistiados. Relembre-se que, em 1979, o governo militar queria Anistia apenas para os agentes públicos. As esquerdas é que mobilizaram o povo e, nas ruas, lutaram pela "Anistia ampla, geral e irrestrita". Foi uma conquista do povo brasileiro.

    Por: RINALDO BARROSl Notícias & Sociedade> Polítical 18/12/2014 lAcessos: 14
    RINALDO BARROS

    Sabemos que a crise não é meramente conjuntural, abala a estrutura do sistema. Neste sentido, (re) atualiza-se o pensamento marxiano "o limite do capital é o próprio capital". Ou seja, está provado que a voracidade da ganância não pode ser deixada sem controles públicos, sob pena de transformar-se numa tormenta, na qual o risco de sucumbir ameaça a todos.

    Por: RINALDO BARROSl Notícias & Sociedade> Polítical 04/12/2014 lAcessos: 17

    Comments on this article

    0
    lucas 10/10/2010
    : MEU NOME E LUCAS oi querido papae noel pesso rompas PODE SE USADAS EU NAO LIGO PORQUE EU SOU POBRE. EU TENHO12 ANOS SOMOS 5 PESSOA AQUI EM CASA minha duas irma uma de 11 anos e a outra de 3 aninho SE VC NAO PODE MIDA AS roupas eu vou ficar TRISTE SE VC NAO PUDE MIM DA ROUPA MADA PELOMESNOS MATERIAIS DE ESCOLA PARA MINHA IRMA E EU TE AGRADESO DE CORAวAO moro no fundo de uma casa ENDEREวO AVENIDA DUQUES DE CAIXIAS. QUADRA 138,LOTE 27 SETOR GARAVELO CEP 74930490 APARECIDA DE GOIยNIA ESTOU ESCREVEDO NO PC DA MINHA TIA MAIS NA VERACIDADE ELA NAO E MINHA TIA EU QUE CHAMO ELA ASSIM COFINHO NO SENHOR
    0
    lucas 08/10/2010
    MEU NOME E LUCAS oi querido papae noel pesso rompas PODE SE USADAS EU NAO LIGO PORQUE EU SOU POBRE. EU TENHO12 ANOS SOMOS 5 PESSOA AQUI EM CASA minha duas irma uma de 11 anos e a outra de 3 aninho SE VC NAO PODE MIDA AS roupas eu vou ficar TRISTE SE VC NAO PUDE MIM DA ROUPA MADA PELOMESNOS MATERIAIS DE ESCOLA PARA MINHA IRMA E EU TE AGRADESO DE CORAÇAO moro no fundo de uma casa ENDEREÇO AVENIDA DUQUES DE CAIXIAS. QUADRA 138,LOTE 27 SETOR GARAVELO CEP 74930490 APARECIDA DE GOIÂNIA ESTOU ESCREVEDO NO PC DA MINHA TIA MAIS NA VERACIDADE ELA NAO E MINHA TIA EU QUE CHAMO ELA ASSIM COFINHO NO SENHOR
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast