A Empresa Pode Ser Consumidora?

Publicado em: 20/04/2009 |Comentário: 0 | Acessos: 1,159 |

É muito freqüente, no exercício da advocacia, os profissionais serem consultados por sócios, gerentes e administradores, sobre a possibilidade da empresa utilizar os benefícios do Código de Defesa do Consumidor (CDC), não apenas como fornecedora, mas sim como consumidora.

O interessante, nesses casos, é que a maioria das pessoas fica muito surpresa, quase chocada, ao tomar conhecimento de que a empresa, pessoa jurídica, pode sim, em várias situações, ser considerada uma consumidora, fazendo jus a toda proteção disponível.

Para explicar esse fato, é indispensável verificar que o CDC, como regra geral, para aplicação de seus dispositivos, fixa a necessidade da existência de uma relação jurídica, entre uma pessoa (consumidor) e outra (fornecedor), tendo como objetivo a aquisição ou utilização de produtos ou serviços.

Desta forma, existindo um real consumidor, como se verá a seguir, bem como um verdadeiro fornecedor (pessoa, física ou jurídica, que fornece produtos ou serviços regularmente ao mercado, mediante remuneração), haverá uma relação de consumo, e a aplicação plena do CDC. Do contrário, não existindo consumidor ou fornecedor, as suas normas serão inaplicáveis, tornando a relação dirigida apenas pelo Código Civil ou Comercial.

No entanto, a questão não é tão simples, principalmente para a empresa, pessoa jurídica (tb. para o profissional, pessoa física), pois para ser qualificada como consumidora, não basta somente adquirir ou utilizar bens oferecidos por um fornecedor, visto que é preciso fazê-lo, indiscutivelmente, como destinatário final.

Muito se discutiu, na doutrina e na jurisprudência, sobre essa expressão, inserida no Código justamente para excluir, de seu raio de aplicação, pessoas que não seriam naturalmente vulneráveis no mercado de consumo, e que desmereceriam uma tutela mais benéfica. Hoje, entretanto, o entendimento majoritário caminha no sentido de que o consumidor é o destinatário terminal do consumo, ou seja, aquele que adquire ou utiliza o bem com o objetivo de alcançar sua titularidade final (e não buscando a sua reintrodução no mercado, muito menos sua utilização direta na sua própria atividade econômica).

Nesses termos, por exemplo, uma fábrica de móveis não é consumidora, nos termos do CDC, quando compra madeira, cola, ferramentas e parafusos, de suas fornecedoras, pois tais bens são indispensáveis à continuidade de sua atividade econômica. Entretanto, essa mesma fábrica será consumidora, com todos os benefícios do CDC, quando adquirir uniformes para empregados, bebedouros, papel higiênico, crachás etc, produtos que não têm influência direta, ou utilidade indispensável, em sua atividade empresarial. O mesmo acontecerá com farmácias, supermercados, escritórios, e uma interminável lista de empreendimentos, quando adquirem produtos ou serviços que não tem influência direta em sua atividade econômica.

Assim, finalizando, não há motivo para espanto, pois a empresa pode, perfeitamente, ser consumidora, usando todos os benefícios do CDC, mas desde que não adquira ou utilize, o produto ou o serviço, objetivando: a) a revenda; b) a sua modificação, qualquer que seja, visando a reintrodução do bem mercado; c) a sua utilização direta em seu próprio negócio, na qualidade de insumo direto, pois imprescindível à continuidade da atividade econômica.

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 0 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/direito-artigos/a-empresa-pode-ser-consumidora-876239.html

    Palavras-chave do artigo:

    fornecedor

    ,

    consumidor

    ,

    empresa consumidora

    Comentar sobre o artigo

    Sérgio Henrique S Pereira

    O que você aprenderá sobre seus direitos? 1) Ágio sobre o cartão de crédito 2) Pagamento em cheque 3) Falta de higiene 4) Acidente dentro da autoescola 5) Mau atendimento 6) Prestação de serviço da autoescola 7) Pagamento a prazo 8) Cancelamento de aula 9) Acidente durante a aula 10) Sonegação 11) Inadimplência 12) Quem é consumidor e quem é fornecedor? 13) Quem tem que provar a culpa de um acontecimento? 14) Promoção falsa 15) Ágio no cartão de crédito (...)

    Por: Sérgio Henrique S Pereiral Direito> Doutrinal 18/09/2012 lAcessos: 1,676
    Adriano Celestino R. Barros

    O enfoque é em que hipótese a pessoa jurídica pode ser considerada consumidora. Constata-se que não existe um método preciso na legislação, na doutrina e nem na jurisprudência sobre isso.

    Por: Adriano Celestino R. Barrosl Direitol 28/02/2008 lAcessos: 2,054
    Alessandro Meyer da Fonseca

    Os fornecedores de produtos e serviços têm a obrigação de indenizar o cliente por qualquer dano ocorrido no estacionamento, não tendo qualquer validade as famosas “plaquinhas” que excluem essa responsabilidade.

    Por: Alessandro Meyer da Fonsecal Direito> Jurisprudêncial 14/10/2008 lAcessos: 49,024 lComentário: 14
    Portais Imobiliarios

    Respostas das perguntas frequentes sobre o código de defesa do consumidor nos contratos imobiliários.

    Por: Portais Imobiliariosl Direito> Legislaçãol 26/12/2013 lAcessos: 51
    Henrique Guimarães

    Na multiplicidade de relações que, modernamente, travamos no dia-a-dia em sociedade, é precioso saber discernir quais delas recebem o amparo do Código de Defesa do Consumidor. Principalmente por trazer esta Lei uma gama de direitos especiais e variados instrumentos de proteção de importante impacto econômico e social para a vida dos cidadãos.

    Por: Henrique Guimarãesl Direito> Legislaçãol 17/01/2011 lAcessos: 237
    Jaquelyne França

    As organizações também são consumidoras, elas têm necessidades e desejos, assim como os consumidores individuais, sofrem influências externas e internas. Ma a compra organizacional é tomada com base na racionalidade ou econômica. Engana-se quem pensa que os indivíduos que compõem as empresas é que definem a compra.

    Por: Jaquelyne Françal Marketing e Publicidadel 07/04/2014 lAcessos: 58
    Gisele Leite

    Artigo de cunho didático sobre a responsabilidade civil das diferentes empresas.

    Por: Gisele Leitel Direito> Doutrinal 08/12/2009 lAcessos: 834

    Muito comentada e abordada na atualidade, a Responsabilidade Social (RS) é um tema relativamente recente que passou a ganhar força e reconhecimento no Brasil por volta de 1990, como conseqüência ao elevado número de organizações não governamentais que se instalaram no país. Até então, as empresas procuravam manter seus negócios em sigilo absoluto pois agregavam aos mesmos uma única função: obter lucratividade. Conforme o tempo passou, porém, fatores de ordem social fizeram com que a sociedade passasse a exigir uma postura mais correta das mesmas, o que contribuiu com a criação de empresas mais transparentes e o aumento da prática da RS. A partir de pesquisa bibliográfica, o presente artigo explora o tema de forma a abordar seu conceito e apontar os benefícios que proporciona a empresas e sociedade.

    Por: Aline Bruzamarellol Negócios> Administraçãol 02/04/2009 lAcessos: 2,721

    O mercado de luxo na atualidade, além de estabelecer o marketing de um produto, procura focalizar-se na percepção do consumidor, nos seus desejos, anseios e no modo como influenciam no dia-a-dia deles. Dessa forma, algumas marcas de luxo tem se posicionado como luxo sustentável, aquele que não deixa de ser inacessível e desejado, mas ao mesmo tempo ecologicamente correto. O presente estudo procura analisar o mercado de luxo e seu desempenho no mercado brasileiro; algumas atitudes que as marcas S

    Por: Giovana Peixotol Marketing e Publicidade> Marketing Internacionall 25/06/2010 lAcessos: 3,997

    No Brasil, a questão da defesa dos direitos do consumidor começou a ser discutida no início dos anos 70, com a criação das primeiras associações civis e entidades governamentais voltadas para esse fim (Ex: Conselho de Defesa do Consumidor – CONDECON, Associação de Proteção ao Consumidor – APC, etc.). Mas foi somente em 1988, com a promulgação da Constituição Federal, que estabeleceu como dever do Estado promover a defesa do consumidor e um prazo para a elaboração de um Código para esse fim.

    Por: Tiago Morlinl Direitol 27/03/2015 lAcessos: 16

    O presente estudo traz uma abordagem acerca do instituto de inquérito policial, sendo ele procedimento administrativo que busca apurar autoria e materialidade de infração penal. Trata-se de pesquisa qualitativa, realizada por meio de método dedutivo e de procedimento técnico bibliográfico e documental.Busca-se inserir o inquérito policial no condão constitucional analisando este instituto à luz dos princípios do contraditório e da ampla defesa, garantidos pela Constituição Federal de 1988. Adema

    Por: Jussana Gabrieli Machadol Direitol 25/03/2015 lAcessos: 13

    Vamos aproveitar este momento para explicar que os contratos de seguros de veículos tem que pagar pelos seguintes danos: * DANOS CORPORAIS * DANOS MORAIS * DANOS MATERIAIS OU PATRIMONIAIS

    Por: Bento Jr Advogadosl Direitol 23/03/2015

    Abordagem do surgimento e internacionalização dos Direitos Humanos e sua importância, a Declaração Universal como sistema global de proteção dos Direitos Humanos e demais convenções, incorporação no sistema Brasileiro e suas divergências sobre os tratados internacionais de Direitos Humanos, a Convenção sobre a eliminação de todas as formas de descriminação contra a mulher e sua fundamentação na igualdade.

    Por: RENATO PORTELA E VASCONCELOSl Direitol 04/03/2015 lAcessos: 13
    Giovanna Santos

    Encontrado em 1967 um importante relatório contendo detalhes sobre um terrível genocídio contra povos indígenas resultam em dizimação de tribos inteiras.

    Por: Giovanna Santosl Direitol 25/02/2015

    Objetivando-se um melhor entendimento da possibilidade de ocorrência deste fenômeno no meio comercial mundial, buscou-se realizar um estudo detalhado sobre a origem do crédito, sua evolução histórica e conceito, as principais espécies de títulos de crédito, características, e princípios fundamentais. Evidenciou-se ainda um foco nos estudos sobre o art. 889 do CC 2002 que instituiu a possibilidade de emissão de títulos de crédito a partir de caracteres criados em computador ou meio equivalente.

    Por: Francisco José Jácome de Melol Direitol 19/02/2015 lAcessos: 30

    No cenário atual diversos protestos, manifestações puderam ser vistos nas ruas, inicialmente contra o aumento das passagens de ônibus, mas, todos sabem que um conjunto de fatores desencadeou esse protesto em que parte da pauta das manifestações é um resultado das políticas do governo na ultima década.

    Por: Gleidson Mateus de Melol Direitol 16/02/2015 lAcessos: 23
    Natal Moro Frigi Frigi

    A indicada contribuição fora instituída pela Lei Complementar nº 110/2001, art. 1º, com a finalidade de remunerar os expurgos inflacionários dos Planos Collor e Verão, onde a multa sobre o saldo acumulado do FGTS que era de 40% passou a ser de 50%, todavia, o trabalhador continua recebendo os mesmo valor, pois o aumento (10%) ficaria para a União Federal com o objeto de  remunerar as correção indicadas.

    Por: Natal Moro Frigi Frigil Direitol 14/02/2015 lAcessos: 11
    RODRIGO BRUM SILVA

    Trata da de aspectos básicos sobre a existência de relação de consumo na prática médica, bem como sobre aspectos gerais de responsabilidade civil.

    Por: RODRIGO BRUM SILVAl Direito> Doutrinal 21/07/2010 lAcessos: 97
    RODRIGO BRUM SILVA

    Trata do direito de arrependimento, conforme art. 49, do Código de Defesa do Consumidor

    Por: RODRIGO BRUM SILVAl Direito> Doutrinal 05/05/2010 lAcessos: 496
    RODRIGO BRUM SILVA

    Sobre a ilegalidade da taxa para abertura de crédito.

    Por: RODRIGO BRUM SILVAl Direito> Doutrinal 20/03/2010 lAcessos: 4,202 lComentário: 4
    RODRIGO BRUM SILVA

    Trata da ilegalidade e abusividade da cobrança de tarifa para emissão de cobrança.

    Por: RODRIGO BRUM SILVAl Direito> Doutrinal 20/03/2010 lAcessos: 567
    RODRIGO BRUM SILVA

    Trata da disciplina de permanência do nome da pessoa nos bancos de dados de maus pagadores.

    Por: RODRIGO BRUM SILVAl Direito> Doutrinal 20/03/2010 lAcessos: 370
    RODRIGO BRUM SILVA

    Trata da disciplina atual da capitalização de juros.

    Por: RODRIGO BRUM SILVAl Direito> Doutrinal 20/03/2010 lAcessos: 1,334
    RODRIGO BRUM SILVA

    Trata da disciplina jurídica do Orçamento à luz do Código de Defesa do Consumidor

    Por: RODRIGO BRUM SILVAl Direito> Doutrinal 20/03/2010 lAcessos: 835
    RODRIGO BRUM SILVA

    Trata dos principais direitos do consumidor no Sistema Único de Saúde (SUS)

    Por: RODRIGO BRUM SILVAl Direitol 22/04/2009 lAcessos: 9,087
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast