A Empresa Pode Ser Consumidora?

Publicado em: 20/04/2009 |Comentário: 0 | Acessos: 1,150 |

É muito freqüente, no exercício da advocacia, os profissionais serem consultados por sócios, gerentes e administradores, sobre a possibilidade da empresa utilizar os benefícios do Código de Defesa do Consumidor (CDC), não apenas como fornecedora, mas sim como consumidora.

O interessante, nesses casos, é que a maioria das pessoas fica muito surpresa, quase chocada, ao tomar conhecimento de que a empresa, pessoa jurídica, pode sim, em várias situações, ser considerada uma consumidora, fazendo jus a toda proteção disponível.

Para explicar esse fato, é indispensável verificar que o CDC, como regra geral, para aplicação de seus dispositivos, fixa a necessidade da existência de uma relação jurídica, entre uma pessoa (consumidor) e outra (fornecedor), tendo como objetivo a aquisição ou utilização de produtos ou serviços.

Desta forma, existindo um real consumidor, como se verá a seguir, bem como um verdadeiro fornecedor (pessoa, física ou jurídica, que fornece produtos ou serviços regularmente ao mercado, mediante remuneração), haverá uma relação de consumo, e a aplicação plena do CDC. Do contrário, não existindo consumidor ou fornecedor, as suas normas serão inaplicáveis, tornando a relação dirigida apenas pelo Código Civil ou Comercial.

No entanto, a questão não é tão simples, principalmente para a empresa, pessoa jurídica (tb. para o profissional, pessoa física), pois para ser qualificada como consumidora, não basta somente adquirir ou utilizar bens oferecidos por um fornecedor, visto que é preciso fazê-lo, indiscutivelmente, como destinatário final.

Muito se discutiu, na doutrina e na jurisprudência, sobre essa expressão, inserida no Código justamente para excluir, de seu raio de aplicação, pessoas que não seriam naturalmente vulneráveis no mercado de consumo, e que desmereceriam uma tutela mais benéfica. Hoje, entretanto, o entendimento majoritário caminha no sentido de que o consumidor é o destinatário terminal do consumo, ou seja, aquele que adquire ou utiliza o bem com o objetivo de alcançar sua titularidade final (e não buscando a sua reintrodução no mercado, muito menos sua utilização direta na sua própria atividade econômica).

Nesses termos, por exemplo, uma fábrica de móveis não é consumidora, nos termos do CDC, quando compra madeira, cola, ferramentas e parafusos, de suas fornecedoras, pois tais bens são indispensáveis à continuidade de sua atividade econômica. Entretanto, essa mesma fábrica será consumidora, com todos os benefícios do CDC, quando adquirir uniformes para empregados, bebedouros, papel higiênico, crachás etc, produtos que não têm influência direta, ou utilidade indispensável, em sua atividade empresarial. O mesmo acontecerá com farmácias, supermercados, escritórios, e uma interminável lista de empreendimentos, quando adquirem produtos ou serviços que não tem influência direta em sua atividade econômica.

Assim, finalizando, não há motivo para espanto, pois a empresa pode, perfeitamente, ser consumidora, usando todos os benefícios do CDC, mas desde que não adquira ou utilize, o produto ou o serviço, objetivando: a) a revenda; b) a sua modificação, qualquer que seja, visando a reintrodução do bem mercado; c) a sua utilização direta em seu próprio negócio, na qualidade de insumo direto, pois imprescindível à continuidade da atividade econômica.

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 0 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/direito-artigos/a-empresa-pode-ser-consumidora-876239.html

    Palavras-chave do artigo:

    fornecedor

    ,

    consumidor

    ,

    empresa consumidora

    Comentar sobre o artigo

    Sérgio Henrique S Pereira

    O que você aprenderá sobre seus direitos? 1) Ágio sobre o cartão de crédito 2) Pagamento em cheque 3) Falta de higiene 4) Acidente dentro da autoescola 5) Mau atendimento 6) Prestação de serviço da autoescola 7) Pagamento a prazo 8) Cancelamento de aula 9) Acidente durante a aula 10) Sonegação 11) Inadimplência 12) Quem é consumidor e quem é fornecedor? 13) Quem tem que provar a culpa de um acontecimento? 14) Promoção falsa 15) Ágio no cartão de crédito (...)

    Por: Sérgio Henrique S Pereiral Direito> Doutrinal 18/09/2012 lAcessos: 1,549
    Adriano Celestino R. Barros

    O enfoque é em que hipótese a pessoa jurídica pode ser considerada consumidora. Constata-se que não existe um método preciso na legislação, na doutrina e nem na jurisprudência sobre isso.

    Por: Adriano Celestino R. Barrosl Direitol 28/02/2008 lAcessos: 2,048
    Alessandro Meyer da Fonseca

    Os fornecedores de produtos e serviços têm a obrigação de indenizar o cliente por qualquer dano ocorrido no estacionamento, não tendo qualquer validade as famosas “plaquinhas” que excluem essa responsabilidade.

    Por: Alessandro Meyer da Fonsecal Direito> Jurisprudêncial 14/10/2008 lAcessos: 48,651 lComentário: 14
    Portais Imobiliarios

    Respostas das perguntas frequentes sobre o código de defesa do consumidor nos contratos imobiliários.

    Por: Portais Imobiliariosl Direito> Legislaçãol 26/12/2013 lAcessos: 49
    Henrique Guimarães

    Na multiplicidade de relações que, modernamente, travamos no dia-a-dia em sociedade, é precioso saber discernir quais delas recebem o amparo do Código de Defesa do Consumidor. Principalmente por trazer esta Lei uma gama de direitos especiais e variados instrumentos de proteção de importante impacto econômico e social para a vida dos cidadãos.

    Por: Henrique Guimarãesl Direito> Legislaçãol 17/01/2011 lAcessos: 233
    Jaquelyne França

    As organizações também são consumidoras, elas têm necessidades e desejos, assim como os consumidores individuais, sofrem influências externas e internas. Ma a compra organizacional é tomada com base na racionalidade ou econômica. Engana-se quem pensa que os indivíduos que compõem as empresas é que definem a compra.

    Por: Jaquelyne Françal Marketing e Publicidadel 07/04/2014 lAcessos: 54
    Gisele Leite

    Artigo de cunho didático sobre a responsabilidade civil das diferentes empresas.

    Por: Gisele Leitel Direito> Doutrinal 08/12/2009 lAcessos: 831

    Muito comentada e abordada na atualidade, a Responsabilidade Social (RS) é um tema relativamente recente que passou a ganhar força e reconhecimento no Brasil por volta de 1990, como conseqüência ao elevado número de organizações não governamentais que se instalaram no país. Até então, as empresas procuravam manter seus negócios em sigilo absoluto pois agregavam aos mesmos uma única função: obter lucratividade. Conforme o tempo passou, porém, fatores de ordem social fizeram com que a sociedade passasse a exigir uma postura mais correta das mesmas, o que contribuiu com a criação de empresas mais transparentes e o aumento da prática da RS. A partir de pesquisa bibliográfica, o presente artigo explora o tema de forma a abordar seu conceito e apontar os benefícios que proporciona a empresas e sociedade.

    Por: Aline Bruzamarellol Negócios> Administraçãol 02/04/2009 lAcessos: 2,716
    Adriano Celestino R. Barros

    O presente artigo discorre sobre outra interpretação à posição atual de o porquê não se pode pagar estacionamento nos Shopping Centers.

    Por: Adriano Celestino R. Barrosl Direitol 28/02/2008 lAcessos: 8,558 lComentário: 1

    Eventualmente, verifica-se a necessidade de se obter determinados documentos ou até mesmo informações nos órgãos públicos, contudo, na grande maioria dos casos a tentativa é frustrada em virtude de tanta burocracia. Ocorre que, o acesso a essas informações é direito constitucional do cidadão e o presente artigo se presta, justamente, a conferir mecanismos para que esse garantia seja cumprida.

    Por: Fábio Silva Andradel Direitol 28/01/2015 lAcessos: 12

    O presente artigo visa fornecer subsídios e elementos suficientes para que os proprietários revendedores de combustíveis possam reverter as multas aplicadas pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis - ANP apenas com uma pequena mudança na rotina de seus estabelecimentos.

    Por: Fábio Silva Andradel Direitol 28/01/2015

    Diante do exposto, é possível observar que a adequação das peculiaridades técnicas do meio envolvido às normas jurídicas proporcionará maior confiança na contratação virtual e contribuirá para a evolução das relações contratuais.

    Por: Natália Paz de Lyral Direitol 14/01/2015 lAcessos: 11

    Trata-se, pois, imprescindível a adoção de sistemas de criptografia que garantam a autenticidade, integridade, tempestividade e perenidade do documento. Desta forma, os contratos eletrônicos terão eficácia probatória contra terceiros. No caso de dúvida quanto à autenticidade e integridade, o contrato não será considerado inválido ou inexistente, mas poderá vir a ser comprovado em juízo por qualquer meio de prova admitido.

    Por: Natália Paz de Lyral Direitol 14/01/2015

    A expansão da Internet com propósitos comerciais, impulsionou o desenvolvimento do comércio eletrônico mediante a utilização de contratos eletrônicos. Entretanto, a vulnerabilidade desse novo ambiente de onde são celebrados os contratos eletrônicos gera insegurança entre as partes contratantes.

    Por: Natália Paz de Lyral Direitol 14/01/2015

    A discussão com relação a redução da maioridade penal causa polêmica em alguns setores da sociedade brasileira. Na nossa lei a responsabilidade penal é definida a partir dos dezoito anos de idade. Os que defendem a redução da maioridade penal objetivam considerar penalmente responsáveis os adolescentes menores de dezoito anos, pois consideram que seria essa a solução para a criminalidade.

    Por: Claudia Maria Werner Polidol Direitol 08/01/2015

    A posse é um dos assuntos mais controvertidos na doutrina civilista. Um dos pontos ainda não sedimentados em relação à posse é o reconhecimento de sua função social, assunto este abordado no presente trabalho. Para tamanha pretensão, não se pode prescindir da ligação da posse (autônoma ou causal) com o direito de propriedade, ligação essa que promove o entendimento de que a função social reconhecida em relação à propriedade deve ser também feita em relação à posse.

    Por: MARIANAl Direitol 06/01/2015

    O Direito Penal Econômico é uma matéria jurídica que visa coibir ou punir as condutas ilícitas com um conjunto de regras que tem o escopo de sancionar, com penas próprias, no âmbito das relações econômicas, as ofensas ou perigo aos bens ou interesses juridicamente relevantes. Essa ciência coaduna, perfeitamente, com a corrupção existente no alto escalão da sociedade brasileira, perfazendo com que haja uma diminuição nessa prática prejudicial para os rumos da nação.

    Por: JOSÉ CARLOS MAIA SALIBA IIl Direitol 17/12/2014 lAcessos: 14
    RODRIGO BRUM SILVA

    Trata da de aspectos básicos sobre a existência de relação de consumo na prática médica, bem como sobre aspectos gerais de responsabilidade civil.

    Por: RODRIGO BRUM SILVAl Direito> Doutrinal 21/07/2010 lAcessos: 94
    RODRIGO BRUM SILVA

    Trata do direito de arrependimento, conforme art. 49, do Código de Defesa do Consumidor

    Por: RODRIGO BRUM SILVAl Direito> Doutrinal 05/05/2010 lAcessos: 492
    RODRIGO BRUM SILVA

    Sobre a ilegalidade da taxa para abertura de crédito.

    Por: RODRIGO BRUM SILVAl Direito> Doutrinal 20/03/2010 lAcessos: 4,180 lComentário: 4
    RODRIGO BRUM SILVA

    Trata da ilegalidade e abusividade da cobrança de tarifa para emissão de cobrança.

    Por: RODRIGO BRUM SILVAl Direito> Doutrinal 20/03/2010 lAcessos: 564
    RODRIGO BRUM SILVA

    Trata da disciplina de permanência do nome da pessoa nos bancos de dados de maus pagadores.

    Por: RODRIGO BRUM SILVAl Direito> Doutrinal 20/03/2010 lAcessos: 361
    RODRIGO BRUM SILVA

    Trata da disciplina atual da capitalização de juros.

    Por: RODRIGO BRUM SILVAl Direito> Doutrinal 20/03/2010 lAcessos: 1,326
    RODRIGO BRUM SILVA

    Trata da disciplina jurídica do Orçamento à luz do Código de Defesa do Consumidor

    Por: RODRIGO BRUM SILVAl Direito> Doutrinal 20/03/2010 lAcessos: 827
    RODRIGO BRUM SILVA

    Trata dos principais direitos do consumidor no Sistema Único de Saúde (SUS)

    Por: RODRIGO BRUM SILVAl Direitol 22/04/2009 lAcessos: 9,058
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast