A Função Social Dos Contratos

Publicado em: 03/03/2008 |Comentário: 0 | Acessos: 55,171 |

O Código Civil, composto de uma parte geral e cinco partes especiais, “estabelece as regras de conduta de todos os seres humanos, mesmo antes de nascer, dada a atenção dispensada aos direitos do nascituro, até depois de sua morte, ao fixar o destino a ser dado aos bens deixados pelo falecido” (1)

Dentro deste Código, também denominado “Constituição do Homem Comum”, encontra-se minuciosamente descrito, inserido no Direito das Obrigações (Livro I da Parte Especial), o instituto do contrato, negócio jurídico definido por Maria Helena Diniz como "o acordo de duas ou mais vontades, na conformidade da ordem jurídica, destinado a estabelecer uma regulamentação de interesses entre as partes, com o escopo de adquirir, modificar ou extinguir relações jurídicas de natureza patrimonial" (2), tendo “uma função econômica, que é, afinal, segundo recente corrente doutrinária, a sua causa"(3) conforme ensinamento de Orlando Gomes.

Sendo a doutrina uníssona em declarar que o poder cogente dos contratos estimula a circulação - e conseqüentemente a criação - da riqueza.

Esses breves parágrafos são necessários para situarmos e conseguirmos compreender a importância das disposições contidas no artigo 421 do Código Civil, pois, até o advento da Constituição Federal de 1988, o princípio individualista imperava em nossa legislação, quando passou a constar em nossa Carta Magna que “a propriedade atenderá a sua função social” (art. 5º, XXIII).

Com a promulgação do Novo Código Civil, Lei n. 10.406, de 10/01/2002, as relações contratuais passaram a se realizar através de um novo prisma, ressaltando princípios como o da boa-fé, equidade e função social dos negócios jurídicos, sendo o art. 421 expresso da seguinte forma:

“Art. 421. A liberdade de contratar será exercida em razão e nos limites da função social do contrato.”

O compromisso expresso no art. 421, do Código Civil, com a função social, importa no reconhecimento de que o contrato não pode mais ser considerado como direito absoluto, devendo estar ligado ao instituto jurídico da igualdade.


“O princípio da função social do contrato possui nítido relacionamento com o princípio da boa fé, que exige que as partes ajam com lealdade e confiança recíprocas, devendo colaborar, mutuamente, na formação e execução do contrato, tudo na mais absoluta probidade.

A função social instrumentaliza-se pelos princípios do equilíbrio contratual e da boa-fé objetiva, ressaltando-se que o princípio do pacta sunt servanda não vigora mais em toda a sua intensidade.
O princípio da função social do contrato revela-nos que o contrato não pode mais ser visto pela ótica meramente individualista, já que possui um sentido social para toda a comunidade.
Considera-se violado o princípio da função social dos contratos quando os efeitos externos do pacto prejudicarem injustamente os interesses da sociedade ou de terceiros não ligados ao contrato firmado” (4).

O art. 421 do Código Civil instituiu um novo requisito de validade dos pactos, subordinando a eficácia das avenças à observância de determinados padrões de probidade, lealdade e sociabilidade, o que sinaliza que não podemos pensar no contrato de modo isolado, mas sim no contexto do ordenamento jurídico em que está inserido, através do qual deve ser assegurado, principalmente, o princípio da igualdade.

O que o princípio imperativo da “função social do contrato” estatui é que este não pode ser transformado em um instrumento para atividades abusivas, causando dano à parte contrária ou a terceiros, uma vez que, nos termos do Art. 187, “também comete ato ilícito o titular de um direito que, ao exercê-lo, excede manifestamente os limites impostos pelo seu fim econômico ou social, pela boa-fé ou pelos bons costumes”.

O art. 421 do Código Civil veio atrelar o princípio da autonomia de vontade ao da socialidade, uma vez que a liberdade de contratar é limitada pela função social do contrato, sendo esse artigo conseqüência dos princípios constitucionais da função social da propriedade e da igualdade, atendendo aos interesses sociais, uma vez que limita o arbítrio dos contratantes, criando condições para o equilíbrio econômico-contratual.

“O novo Código Civil não ficou a margem da indispensável necessidade de integrar o contrato na sociedade, como meio de realizar os fins sociais, pois determinou que a liberdade contratual (...) deve ser exercida em razão e nos limites da função social do contrato” (5)

Tendo uma visão mais prática, o art. 421 do Código Civil alarga a capacidade do juiz para proteger o mais fraco, na contratação, que, por exemplo, possa estar sofrendo pressão econômica ou os efeitos maléficos de clausulas abusivas ou de propaganda enganosa.

“O atendimento a função social pode ser enfocado sob dois aspectos: um individual, relativo aos contratantes, que se valem do contrato para satisfazer seus interesses próprios, e outro, público, que é o interesse da coletividade sobre o contrato. Nessa medida, a função social do contrato somente estará cumprida quando a sua finalidade (distribuição de riquezas) for atingida de forma justa, ou seja, quando o contrato representar uma fonte de equilíbrio social” (5)

Assim, o princípio da sociabilidade adotado pelo novo Código Civil, este em consonância com a Constituição Federal, reflete e demonstrando a prevalência dos valores coletivos sobre os individuais, sem perda, porém, do valor fundamental da pessoa humana.

CITAÇÕES:

(1) Pronunciamento do Prof. Miguel Reale na sessão de 29 de novembro de 2001, como membro da Academia Paulista de Letras – APL;

(2) Diniz, Maria Helena. Curso de Direito Civil Brasileiro - Teoria das Obrigações Contratuais e Extracontratuais. Editora Saraiva, 2006;

(3) Gomes, Orlando. Contratos. Editora Forense, 2007

(4) http://www.notadez.com.br/content/noticias.asp?id=21524 acesso em 19/02/2008;

(5) Bierwagen, Mônica Yoshizato. Princípios e Regras de Interpretação dos Contratos. Editora Saraiva, 2003

Avaliar artigo
5
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 14 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/direito-artigos/a-funcao-social-dos-contratos-349200.html

    Palavras-chave do artigo:

    contrato

    ,

    funcao

    ,

    social

    Comentar sobre o artigo

    Carlos Santiago

    A motivação para escrever este rápido ensaio sobre a função social dos contra-tos veio das discussões do curso Função social do contrato e defesa dos Direi-tos Fundamentais coletivos e difusos decorrentes na turma de mestrado em Direito da UNIMEP. Procuramos discorrer, brevemente, sobre temas que estamos tratando a algum tempo e que no curso tivemos a oportunidade de revisitar.

    Por: Carlos Santiagol Direito> Doutrinal 08/01/2013 lAcessos: 97

    Não há dúvida que o contrato é um dos principais institutos do direito privado. Sabe-se que sua utilização remonta aos períodos arcaicos. No império roma-no, foi sistematizado e organizado, instituindo as bases para a doutrina moder-na; porém somente com o código de Napoleão este adquiriu os contornos atu-ais. Possui a importante missão de harmonizar interesses antagônicos, regu-lando e assegurando as relações individuais, ademais sua importância ultra-passa a individual, pois é fonte de [...]

    Por: leonardo de araújo landiml Direitol 27/02/2010 lAcessos: 2,909 lComentário: 1
    Felipe Lermen Jaeger

    Não se pode esquecer que além da letra fria da lei, a relação contratual é baseada em princípios e deles se abordará. Com a evolução tem-se como grandes princípios norteadores da nova teoria contratual, o da boa-fé objetiva e o da função social do contrato.

    Por: Felipe Lermen Jaegerl Direito> Doutrinal 09/11/2014 lAcessos: 24

    Celebração contratual entre as partes: contratante e contratado e suas finalidades

    Por: Leandrol Direito> Doutrinal 10/06/2010 lAcessos: 167
    Bruna Victório Bindaco

    O presente artigo analisa a Função Social da Empresa, trazendo suas previsões legais e doutrinárias, aplicações no seio da sociedade e benefícios para a nação. A partir deste ficará claro como as empresas são importantes para o desenvolvimento de um estado, vez que é ela que produz aquilo que a população consome, que gera emprego e renda para o povo, e realiza muitas outras ações.

    Por: Bruna Victório Bindacol Direito> Doutrinal 01/02/2013 lAcessos: 94

    O contrato deve cumprir sua função social , a idéia da liberdade de contratar, de que o contrato faz lei entre as partes , do estado liberal e da mínima interferência nas relações contratuais vai contra a função social do contrato e o principio da dignidade da pessoa humana, cerne da nossa constituição. O ‘pacta sunt servanda'' não pode ser interpretado isoladamente mas sim em conjunto com as demais normas e principios que reagem as relações entre as pessoas.

    Por: DINEIA D SZA CSTAl Direito> Legislaçãol 09/07/2012 lAcessos: 90

    A posse é um dos assuntos mais controvertidos na doutrina civilista. Um dos pontos ainda não sedimentados em relação à posse é o reconhecimento de sua função social, assunto este abordado no presente trabalho. Para tamanha pretensão, não se pode prescindir da ligação da posse (autônoma ou causal) com o direito de propriedade, ligação essa que promove o entendimento de que a função social reconhecida em relação à propriedade deve ser também feita em relação à posse.

    Por: MARIANAl Direitol 06/01/2015 lAcessos: 37

    Fonte imediata Lei contrato Fonte mediata declaração unilateral de vontade Ato ilícito Embora nossos códigos possuam regras gerais de contratos, tais regras não se encontram restritas aos contratos, sendo aplicáveis a todo e qualquer negócio jurídico. Desta forma, para todo e qualquer negocio jurídico e não apenas para os contratos aplicam-se as regras sobre capacidade do agente, forma e objeto.

    Por: Camila Ueokal Direito> Doutrinal 05/11/2008 lAcessos: 176,824 lComentário: 1

    Sendo o estágio uma forma rápida de inserção na unidade empregadora e inexistindo quaisquer encargos trabalhistas desta relação, o que ocorre muitas vezes na realidade é um desvirtuamento do fim primeiro – o aprendizado – e o uso do estagiário para atividades não condizentes com os currículos escolares. A descaracterização do contrato de estágio e a criação do vínculo de emprego são os temas do presente estudo.

    Por: Eduardo Antônio Kremer Martinsl Direito> Doutrinal 15/09/2008 lAcessos: 2,588 lComentário: 2

    Os abusos contra o consumidor em nosso país tem crescido muito nos últimos anos, e com esse problema cada vez mais evidente além dos muito resultados interessantes para o consumidor que corajosamente resolve reivindicar o respeito à sua moral, nossos tribunais tem finalmente começado a reconhecer a importância da reparação financeira da ofensa moral.

    Por: Bento Jr Advogadosl Direitol 10/04/2015

    Os bancos e financeiras estão informando através de um Cadastro Ilegal, o SCR – Sistema de Informação de Crédito do Banco Central do Brasil (Sisbacen).

    Por: Bento Jr Advogadosl Direitol 07/04/2015

    E eis que a novela do caso Cesare Battisti, que se acreditava terminada, acaba de ganhar um novo capítulo. Poupado da sua extradição para a Itália em 2010 por decisão do governo brasileiro, o italiano se vê agora confrontado com possibilidade de ser deportado, como determinou a recente decisão da juíza federal titular da 20a Vara do Distrito Federal. O italiano chegou a ser preso nesta quinta-feira para fins de deportação mas foi solto algumas horas depois, diante da concessão de habeas corpus p

    Por: Central Pressl Direitol 06/04/2015

    Existe um modalidade de buscar dinheiro sem precisar recorrer a bancos e demais instituições financeiras, pouco conhecido mas em franca expansão o investidor em empreendimentos, aporta valores na modalidade conhecida com Capital Empreendedor ou Capital de Risco, Venture Capital.

    Por: Bento Jr Advogadosl Direitol 02/04/2015 lAcessos: 15

    A Lei 11.441/07 facilitou a vida do cidadão e desburocratizou o procedimento de inventário ao permitir a realização desse ato em cartório, por meio de escritura pública, de forma rápida, simples e segura. Atenção: Mesmo que a pessoa tenha falecido antes da Lei 11.441/07, também é possível fazer o inventário por escritura pública, se preenchidos os requisitos da lei. http://www.valerioadvogados.com.br/noticia/inventario-extrajudicial.html

    Por: Valério Advogadosl Direitol 31/03/2015 lAcessos: 11

    A 5ª turma do TST deu provimento ao recurso do trabalhador em face do tratamento isonômico.

    Por: Bento Jr Advogadosl Direitol 31/03/2015

    No Brasil, a questão da defesa dos direitos do consumidor começou a ser discutida no início dos anos 70, com a criação das primeiras associações civis e entidades governamentais voltadas para esse fim (Ex: Conselho de Defesa do Consumidor – CONDECON, Associação de Proteção ao Consumidor – APC, etc.). Mas foi somente em 1988, com a promulgação da Constituição Federal, que estabeleceu como dever do Estado promover a defesa do consumidor e um prazo para a elaboração de um Código para esse fim.

    Por: Tiago Morlinl Direitol 27/03/2015 lAcessos: 24

    O presente estudo traz uma abordagem acerca do instituto de inquérito policial, sendo ele procedimento administrativo que busca apurar autoria e materialidade de infração penal. Trata-se de pesquisa qualitativa, realizada por meio de método dedutivo e de procedimento técnico bibliográfico e documental.Busca-se inserir o inquérito policial no condão constitucional analisando este instituto à luz dos princípios do contraditório e da ampla defesa, garantidos pela Constituição Federal de 1988. Adema

    Por: Jussana Gabrieli Machadol Direitol 25/03/2015 lAcessos: 36
    Alessandro Meyer da Fonseca

    O Conselho Nacional de Justiça, em 28/04/2009, decidiu que a destinação de emolumentos judiciais – a famosa “tabela D” – para entidades privadas viola o princípio da isonomia tributária.

    Por: Alessandro Meyer da Fonsecal Direitol 15/07/2009 lAcessos: 604 lComentário: 2
    Alessandro Meyer da Fonseca

    Inadmissível que algumas empresas ainda considerem válido a contratação ante o silêncio dos consumidores. Na verdade isso só ocorre em razão da inércia dos órgãos de defesa do consumidor e a falta de reclamação dos prejudicados, pois essa prática é repudiada pelo nosso CDC.

    Por: Alessandro Meyer da Fonsecal Direito> Doutrinal 10/07/2009 lAcessos: 1,371
    Alessandro Meyer da Fonseca

    O consumidor adquire um produto no supermercado ou em uma loja, paga e ao sair o alarme antifurto dispara indevidamente, sendo o consumidor abordado pelos seguranças do estabelecimento. Esse fato causa o dever do estabelecimento indenizar pelos constrangimentos sofridos? Nem sempre.

    Por: Alessandro Meyer da Fonsecal Direito> Doutrinal 12/03/2009 lAcessos: 3,733 lComentário: 2
    Alessandro Meyer da Fonseca

    Toda e qualquer publicidade de produtos vincula os fornecedores de bens e serviços, podendo o consumidor obrigá-los a cumprir o anunciado sob pena de serem obrigado a fazê-lo e arcarem com multas – da justiça ou do PROCON – ou mesmo perdas e danos, mas a oferta, a propaganda não vincula o anunciante quando claramente está muito abaixo do valor de mercado, quando evidentemente errada.

    Por: Alessandro Meyer da Fonsecal Direito> Doutrinal 23/02/2009 lAcessos: 16,090
    Alessandro Meyer da Fonseca

    O processo judicial digital trouxe grandes vantagens, principalmente, no quesito celeridade processual, mas até o momento deixa de lado um dos mais importantes mandamentos da democracia, o princípio constitucional da publicidade, sem o qual os processos virtuais conduzidos pelos magistrados ficam sem a saudável e necessária fiscalização da população e dos advogados.

    Por: Alessandro Meyer da Fonsecal Direito> Doutrinal 04/02/2009 lAcessos: 2,901 lComentário: 3
    Alessandro Meyer da Fonseca

    O que é má prestação de serviço? Quando ela se caracteriza? Aqui esclareço quando um serviço não é bem prestado, principalmente pelas empresas telefônicas, e sua importância com o advento a Resolução nº 460 da ANATEL (portabilidade numérica), que permite ao cliente mudar de operadora e levar seu número de telefone junto.

    Por: Alessandro Meyer da Fonsecal Direito> Doutrinal 09/01/2009 lAcessos: 1,253
    Alessandro Meyer da Fonseca

    Os fornecedores de produtos e serviços têm a obrigação de indenizar o cliente por qualquer dano ocorrido no estacionamento, não tendo qualquer validade as famosas “plaquinhas” que excluem essa responsabilidade.

    Por: Alessandro Meyer da Fonsecal Direito> Jurisprudêncial 14/10/2008 lAcessos: 49,161 lComentário: 14
    Alessandro Meyer da Fonseca

    Demonstro os argumentos e julgados referentes à nulidade da clausula de fidelidade nos contratos de telefonia, também, referentes à validade desta cláusula e a forma comumente aceita pelos tribunais para se anular tal cláusula, isto é, em caso de má prestação de serviços.

    Por: Alessandro Meyer da Fonsecal Direito> Doutrinal 04/10/2008 lAcessos: 44,531 lComentário: 3
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast