Dano Moral

Publicado em: 17/04/2009 |Comentário: 0 | Acessos: 28,583 |

DANO MORAL

 

CONCEITO

Dano Moral é um dano não material, ou seja, aquele dano que não atinge o patrimonio da pessoa, ele atinge o sentimento a sensação dolorosa causada no intimo da pessoa, por exemplo algo que deperte na pessoa a vergonha, a ira, o ódio, trata-se de uma dor fisica ou moral, em geral uma dolorosa sensação provada pela pessoa.

Danos Morais seriam exemplificadamente, aqueles decorrentes das ofensas ao decoro, às crenças intimas, aos sentimentos afetivos, a honra, a correção estética, a vida, a integridade corporal, a paz interior de cada pessoa.

Perceba que o dano moral pode causar tambem o dano patrimonial, como por exemplo as despesas com tratamento psicológicos ou a perda do emprego em razão de danos morais causados a pessoa.

Como bem sabemos o individuo é titular de direitos integrantes de sua personalidade, é o que determina a CF em seu artigo 5º, V e X, ao estabelecer serem invioláveis a intimidade, a vida privada, a honra e a imagem das pessoas, assegurando o direito a indenização pelo dano material ou moral decorrente de sua violação.

Veja que a ressarcibilidade dos danos morais é muito antiga, no Direito Romano quando alguém ficava privado de um objecto era permitido reclamar, além do seu valor patrimonial, o respectivo valor de afeição, cuja privação representava um inegável dano moral e que seria fixado pelo juiz.

FUNDAMENTO PARA A REPARAÇÃO DO DANO

Ja nos tempos mais antigos uma pessoa para se ressarcir da injuria (procedimento grave - injuria atrox, procedimento de pouca valia - injuria levis), por exemplo, propunha ação pretoriana denominada injuriarum aestimatória pela qual se podia reclamar uma reparaçã, consistente, sempre, em uma soma em dinheiro, prudentemente arbitrada pelo juiz. (Ex. aquele que chamasse de maneira insinuante, na via pública, uma donzela).

Varios países consagraram o instituto do dano moral em seus códigos, podemos citar os Códigos da Prússia e da Saxônia, o alemão etc., no Brasil o conceito germânico foi incorporado no Código Criminal de 1830, no capitulo IV "DA SATISFAÇÃO", artigo 21: "O delinquente satisfará o dano que causar com o delito".

DIFICULDADES NA REPARAÇÃO DOS DANOS MORAIS

A maior dificuldade é a cumulação da reparação do dano moral com o material:

Sendo que hoje é pacifico o entendimento, inclusive por súmula do STJ, de serem cumuláveis indenizações por dano material e moral oriundos do mesmo fato. O debate maior, hoje, é em torno da cumulação do dano estético e moral.

DOS VALORES DA INDENIZAÇÃO 

Este tema é abrangido por muitas dificuldades tanto pelo operador do direito como para as vitimas de danos morais, veja que a Lei de Imprensa e o Código de Telecomunicações previam, respectivamente, um sistema de tarifação para os danos causados, ou seja, era estipulado o valor de até 100 salários mínimos em caso de dano, sendo reincidente o valor era dobrado.

Tendo a Constituição Federal consagrado a reparação do dano moral, tem-se entendido nao mais existir limites para o ressarcimento. No entanto pernancece a dúvida na hora da fixação do quantum, dificuldade esta que nao paira nos danos materiais.

Seria possível através do arbitrio de determinado valor recompor sentimentos, insuscetíveis, por sua natureza de reconstituição?.

A indenização busca dar meios ao lesado para aliviar sua mágoa e sentimentos agravados, servindo tambem de pena para o autor.

Nas palavras de PEDRO LESSA, na Ap. Cível n.º3.585 (Revista Forense 27/202):

"Não indenizar o dano moral é deixar sem sanção um direito, ou uma série de direitos. A indenização, por menor e mais insuficiente que seja, é a única sanção para os casos em que se perdem ou se têm lesados a honra, a liberdade, a amizade, a afeição e outros bens morais, mais valiosos que os econômicos".

CONCLUSÕES  

Pode-se concluir que a Constituição de 1988 consagrou a reparação dos danos morais desprovida de limitação.

Na falta de parametros para fixar o quantum. devem os Tribunais, em atenção àquelas finalidades, arbitrar dentro de principios razoáveis e critérios de proporcionalidade, levando em consideração as condições do ofensor e do ofendido.

  

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 3 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/direito-artigos/dano-moral-871492.html

    Palavras-chave do artigo:

    dano moral

    ,

    fixacao dos valores da indenizacao hugo leonardo ribeiro

    ,

    advogado

    Comentar sobre o artigo

    Diante do exposto, é possível observar que a adequação das peculiaridades técnicas do meio envolvido às normas jurídicas proporcionará maior confiança na contratação virtual e contribuirá para a evolução das relações contratuais.

    Por: Natália Paz de Lyral Direitol 14/01/2015

    Trata-se, pois, imprescindível a adoção de sistemas de criptografia que garantam a autenticidade, integridade, tempestividade e perenidade do documento. Desta forma, os contratos eletrônicos terão eficácia probatória contra terceiros. No caso de dúvida quanto à autenticidade e integridade, o contrato não será considerado inválido ou inexistente, mas poderá vir a ser comprovado em juízo por qualquer meio de prova admitido.

    Por: Natália Paz de Lyral Direitol 14/01/2015

    A expansão da Internet com propósitos comerciais, impulsionou o desenvolvimento do comércio eletrônico mediante a utilização de contratos eletrônicos. Entretanto, a vulnerabilidade desse novo ambiente de onde são celebrados os contratos eletrônicos gera insegurança entre as partes contratantes.

    Por: Natália Paz de Lyral Direitol 14/01/2015

    A discussão com relação a redução da maioridade penal causa polêmica em alguns setores da sociedade brasileira. Na nossa lei a responsabilidade penal é definida a partir dos dezoito anos de idade. Os que defendem a redução da maioridade penal objetivam considerar penalmente responsáveis os adolescentes menores de dezoito anos, pois consideram que seria essa a solução para a criminalidade.

    Por: Claudia Maria Werner Polidol Direitol 08/01/2015

    A posse é um dos assuntos mais controvertidos na doutrina civilista. Um dos pontos ainda não sedimentados em relação à posse é o reconhecimento de sua função social, assunto este abordado no presente trabalho. Para tamanha pretensão, não se pode prescindir da ligação da posse (autônoma ou causal) com o direito de propriedade, ligação essa que promove o entendimento de que a função social reconhecida em relação à propriedade deve ser também feita em relação à posse.

    Por: MARIANAl Direitol 06/01/2015

    O Direito Penal Econômico é uma matéria jurídica que visa coibir ou punir as condutas ilícitas com um conjunto de regras que tem o escopo de sancionar, com penas próprias, no âmbito das relações econômicas, as ofensas ou perigo aos bens ou interesses juridicamente relevantes. Essa ciência coaduna, perfeitamente, com a corrupção existente no alto escalão da sociedade brasileira, perfazendo com que haja uma diminuição nessa prática prejudicial para os rumos da nação.

    Por: JOSÉ CARLOS MAIA SALIBA IIl Direitol 17/12/2014 lAcessos: 14

    Trata-se do processo informal de modificação da Constituição Federal, a mutação constitucional. Tema que se encontra em evidência, especialmente em decorrência da morosidade do Senado Federal em editar a resolução disciplinada pelo art. 52, X, da CF/1988.

    Por: Josildo Muniz de Oliveiral Direitol 15/12/2014 lAcessos: 21

    Insolvência civil é a situação na qual uma pessoa física contrai uma determinada dívida sem estar devidamente respaldada pelo potencial financeiro de seus bens móveis e imóveis.

    Por: Sayuri Matsuol Direitol 12/12/2014
    Dr. HUGO LEONARDO RIBEIRO

    LOCAÇÃO DE IMÓVEL MOBILIADO BOM NEGÓCIO, A COPA DO MUNDO NO BRASIL TRARÁ NOVAS OPORTUNIDADES APROVEITE O MOMENTO

    Por: Dr. HUGO LEONARDO RIBEIROl Finanças> Investimentosl 20/09/2011 lAcessos: 212
    Dr. HUGO LEONARDO RIBEIRO

    PLANO DE SAÚDE, PAGAMENTO DO MEDICAMENTO XELODA, XELODA, QUIMIOTERAPIA XELODA, QUIMIOTERAPIA, HUGO LEONARDO RIBEIRO, TRATAMENTO XELODA, LIMINAR XELODA

    Por: Dr. HUGO LEONARDO RIBEIROl Direito> Doutrinal 15/09/2010 lAcessos: 519
    Dr. HUGO LEONARDO RIBEIRO

    Direitos dos portadores de câncer, medidas judiciais, medidas administrativas, através de um advogado você poderá fazer valer os seus direitos.

    Por: Dr. HUGO LEONARDO RIBEIROl Direito> Doutrinal 17/08/2010 lAcessos: 1,158 lComentário: 1
    Dr. HUGO LEONARDO RIBEIRO

    Plano de saúde nega autorização para tratamento de cancer, medida judicial garante em menos de 3 horas que o usuário do plano de saúde realize o tratamento sob pena de multa diária de R$ 1.000,00 por dia de atraso.

    Por: Dr. HUGO LEONARDO RIBEIROl Direito> Jurisprudêncial 17/08/2010 lAcessos: 5,006 lComentário: 2
    Dr. HUGO LEONARDO RIBEIRO

    Fechamento de varanda uma questão polemica que deve ser enfrentada a luz da legislação vigente.

    Por: Dr. HUGO LEONARDO RIBEIROl Direito> Doutrinal 04/08/2010 lAcessos: 1,067
    Dr. HUGO LEONARDO RIBEIRO

    HOJE O DIVÓRCIO NAO É MAIS UM BICHO DE SETE CABEÇAS

    Por: Dr. HUGO LEONARDO RIBEIROl Lar e Família> Divórciol 15/01/2010 lAcessos: 948
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast