Dissolução do casamento e da sociedade conjugal

Publicado em: 17/06/2010 |Comentário: 0 | Acessos: 5,696 |

O casamento válido só se dissolve definitivamente por duas formas: pela morte de um dos cônjuges e pelo divórcio.

A sociedade conjugal, por sua vez, além da morte e do divórcio, também se dissolve por meio da separação judicial e pela nulidade ou anulação do casamento.

Sendo que ambos produzem efeitos pessoais tanto em relação aos separados e divorciados como também aos filhos advindos da união conjugal.

Separação Judicial

Somente extingue a sociedade conjugal, sem dissolver o vínculo conjugal, ela produz os seguintes alguns efeitos, se não vejamos: põe fim aos deveres da fidelidade recíproca e da vida em comum no domicílio conjugal, bem como ao regime matrimonial de bens adotados pelos cônjuges. Persistem, porém, alguns deveres como mútua assistência, sustento, guarda e educação dos filhos, respeito e consideração mútuos.

O pedido de separação judicial cabe apenas aos cônjuges, porém no caso de incapacidade, eles podem ser representados  pelo curador, pelo ascendente ou pelo irmão.

A separação judicial poderá ser consensual ou litigiosa.

Separação Consensual

A separação consensual somente poderá ser requerida por ambos os cônjuges após o prazo de 1 (um) ano de casamento, este pedido deve obedecer às regras previstas nos artigos 1.120 a 1.124 do Código de Processo Civil, sendo assinado por ambos.

O pedido de separação deverá ser homologado pelo juiz, sendo que este poderá recusar a homologação se entender que o acordo não preserva os interesses de um dos cônjuges  ou dos filhos.

Em 2007 entrou em vigor a Lei 11.441, que inseriu o artigo 1.124-A ao Código de Processo Civil, que passou a ser possível a separação consensual e o divórcio consensual por meio de escritura pública, independentemente de homologação judicial, desde que não haja filhos menores ou incapazes e que observados os requisitos legais.             Esta escritura pública deverá se lavrada em qualquer tabelionato de notes, os separandos poderão acordar sobre a partilha dos bens, sobre os alimentos e sobre a manutenção do nome, esta escritura deverá ser averbada no cartório de registro civil e no registro de imóveis, caso tenha havido a partilha.

Somente poderá ser lavrada a escritura pública se as partes estiverem assistidas por advogado comum ou advogados de cada um deles.

Separação Litigiosa

A separação litigiosa prevê 3 (três) modalidades, sendo a separação sanção, a separação falência e a separação remédio.

Salienta por oportuno, que seja qual for a causa da separação e o modo como esta se faça, é lícito aos cônjuges restabelecer, a todo tempo, a sociedade conjugal, por ato regular em juízo, a reconciliação, porém, em nada prejudicará os direitos de terceiros, adquiridos antes ou durante o estado de separado, qualquer seja o regime de bens.

Separação Sanção

É fundada numa causa subjetiva, no comportamento culposo dos cônjuges e está prevista no caput do artigo 1.572, assim, qualquer dos cônjuges poderá requerer a separação imputando ao outro uma conduta que implique em grave violação de um dos deveres conjugais que torne insuportável a vida em comum, sendo esses motivos previstos no artigo 1.573, quais sejam: o adultério, a tentativa de morte, a sevícia ou injúria grave, o abandono voluntário do lar conjugal, durante um ano contínuo, conduta desonrosa.

A separação judicial fundada na culpa tramita pelo rito ordinário e o réu pode ingressar com reconvenção, havendo possibilidade, portanto, de o juiz decretar a separação na culpa de ambos os cônjuges.

Separação falência

É fundada numa causa objetiva, no princípio da ruptura da vida em comum, essa hipótese não é necessário que o cônjuge exponha a razão pela qual está requerendo a separação, bastando demonstrar o fracasso do casamento e a impossibilidade de sua reconstituição, sendo assim exige-se a mera constatação de uma causa objetiva.

A falência do casamento demonstra-se pela separação de fato entre os cônjuges, podendo ser pedida se um dos cônjuges provar a ruptura da vida em comum há mais de 1 (um) ano, sendo demonstrado pelo fato de o casal não mais residir sob o mesmo teto.

Separação remédio

Também é fundada numa causa objetiva, a doença mental de um dos cônjuges, não obstante todas as críticas feitas em razão de ser considerada uma afronta ao princípio da dignidade da pessoa humana, ao dever da mútua assistência e ao companheirismo que deve existir entre os cônjuges.

O cônjuge pode pleitear a separação quando o outro estiver com doença mental grave, manifestada após o casamento, desde que, após um tempo  de 2 (dois) anos, a enfermidade tenha sido reconhecida como de cura improvável.

Divórcio

Assim como a morte, dissolve o vínculo matrimonial, tem previsão constitucional conforme prescreve o artigo 226, § 6º.: "O casamento civil pode ser dissolvido pelo divórcio, após prévia separação judicial por mais de um ano nos casos expressos em lei, ou comprovada separação por mais de dois anos".

O divórcio prevê 2 (duas) modalidades: o divórcio conversão e o divórcio direto.

Divórcio Conversão

A conversão da separação em divórcio pode ser requerida por um ou ambos os cônjuges depois de decorrido pelo menos 1 (um) ano do trânsito em julgado da decisão que homologou a separação judicial ou da decisão que autorizou a separação de corpos, assim o pedido de conversão pode ser pleiteada tanto consensual quanto litigioso.

Divórcio Direto

Baseado no princípio da ruptura da vida em comum, ou seja, no fracasso do casamento, aquele dispositivo constitucional e o artigo 1.580, § 2º., do Código Civil estabelecem que o divórcio poderá ser decretado caso haja prova de que os cônjuges estejam separados de fato por mais de 2 (dois) anos.

Portanto, basta a prova desta causa objetiva, sendo desnecessário que os cônjuges revelem a razão da falência da união matrimonial.

O divórcio direto pode ser consensual, os cônjuges devem observar o mesmo procedimento previsto para a separação consensual, conforme os artigos 1.120 a 1.124 do Código de Processo Civil, devendo, provar por qualquer meio o lapso de 2 (dois) anos, e, pode ser divórcio direto litigioso, observando o procedimento ordinário.

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 1 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/direito-artigos/dissolucao-do-casamento-e-da-sociedade-conjugal-2662982.html

    Palavras-chave do artigo:

    direito de familia

    Comentar sobre o artigo

    Um trabalho, que nos mostra a finalidade do casamento, seus principios, a sua evoluçao histórica e seus varios conceitos

    Por: Guilherme Galãol Direitol 04/12/2009 lAcessos: 3,394

    O presente trabalho trata de detalhar questões pertinentes aos alimentos devidos em Direito de Família.

    Por: Diego Henrique Caniceirol Direito> Doutrinal 06/06/2011 lAcessos: 1,482

    Tendo em vista a atual crise enfrentada pelo Poder Judiciário, faz-se necessária a aplicação de meios alternativos ao processo judicial para a composição de conflitos. A mediação é um instituto que timidamente vem sendo aplicado em nosso país. Sua preocupação com os sujeitos envolvidos no conflito, tornam este instituto uma alternativa muito adequada e pertinente, sobretudo aos conflitos familiares. Portanto, diante da importância do referido tema, introduz-se o assunto com o presente artigo.

    Por: Tatiane Keunecke Brochadol Direito> Doutrinal 30/08/2013 lAcessos: 35
    Fábio Araújo de Holanda Souza

    Este trabalho insurge aspectos introdutórios e gerais do Direito de Família com o fito de tornar a leitura desta temática consubstancial aos princípios arraigados na Constituição não obstante suas peculiaridades culturais e eternas evoluções conceituais inerentes aos paradigmas que surge consoante a dinâmica social.

    Por: Fábio Araújo de Holanda Souzal Direito> Doutrinal 18/04/2011 lAcessos: 3,928

    É impossível entender o Direito de Família em sua totalidade sem uma análise histórico-evolutiva do conceito de "instituição familiar", sobre o qual foram, ao longos dos séculos, sendo agregados valores e costumes que se tornaram a base das sociedades modernas.

    Por: Jordano de Medeirosl Direito> Doutrinal 05/06/2013 lAcessos: 125

    Este artigo se propõe a pontuar a importância da interação da psicanálise com o direito. O psicólogo, envolvido no processo judicial, além de ouvir a parte, faz pontuações visando promover uma reflexão crítica sobre a moral e o pedido judicial. Acredita-se que quando o sujeito reflete sobre a moral, geralmente ele passa a assumir uma postura ativa frente suas escolhas na vida e o que pode ser de grande valia para minimizar o sofrimento dos envolvidos nos conflitos familiares.

    Por: Cláudia Mara Almeida Rabelol Direito> Doutrinal 08/02/2011 lAcessos: 2,129
    Larissa Tâmara

    O que caracteriza o ser humano e o faz dotado de dignidade especial é o fato de nunca poder servir de meio para outro ser humano. As pessoas não existem em função das outras e não podem servir como objeto para outras porque tem sentido em si mesmas. Se a dignidade da pessoa é algo perceptível, coerentemente consagra-se esse estado como um dos alicerces fundamentais da sociedade brasileira (Constituição Federal art. 1º,inc. III).

    Por: Larissa Tâmaral Direito> Jurisprudêncial 20/12/2010 lAcessos: 180

    O tema a ser tratado neste trabalho é, sem dúvida, muito interessante e atual, pois muitas famílias em todo Brasil vivem ou já viveram alguma situação alimentar, pois os alimentos, instituto do direito de família, são de grande valor para o mundo jurídico, tendo em vista que tratam de garantir a sobrevivência digna do necessitado. Dentro dos diversos direitos existentes o presente trabalho visa abordar apenas o direito dos alimentos, sua classificação e pressupostos para realmente ser decretada

    Por: Bruna Katrine Dândalol Direitol 13/06/2011 lAcessos: 470

    Evento ocorrerá nos dias 3 e 4 de dezembro em Búzios

    Por: Daniellel Press Releasel 01/12/2010 lAcessos: 78
    EVILAZIO RIBEIRO

    A mulher viúva pode casar-se com o cunhado, irmão de seu marido pré-morto, mas não poderá casar-se com o sogro, PORQUE a morte extingue o vínculo de afinidade na linha colateral, mas não o extingue na linha reta.

    Por: EVILAZIO RIBEIROl Literatura> Crônicasl 30/11/2010 lAcessos: 5,103

    Eventualmente, verifica-se a necessidade de se obter determinados documentos ou até mesmo informações nos órgãos públicos, contudo, na grande maioria dos casos a tentativa é frustrada em virtude de tanta burocracia. Ocorre que, o acesso a essas informações é direito constitucional do cidadão e o presente artigo se presta, justamente, a conferir mecanismos para que esse garantia seja cumprida.

    Por: Fábio Silva Andradel Direitol 28/01/2015 lAcessos: 11

    O presente artigo visa fornecer subsídios e elementos suficientes para que os proprietários revendedores de combustíveis possam reverter as multas aplicadas pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis - ANP apenas com uma pequena mudança na rotina de seus estabelecimentos.

    Por: Fábio Silva Andradel Direitol 28/01/2015

    Diante do exposto, é possível observar que a adequação das peculiaridades técnicas do meio envolvido às normas jurídicas proporcionará maior confiança na contratação virtual e contribuirá para a evolução das relações contratuais.

    Por: Natália Paz de Lyral Direitol 14/01/2015 lAcessos: 11

    Trata-se, pois, imprescindível a adoção de sistemas de criptografia que garantam a autenticidade, integridade, tempestividade e perenidade do documento. Desta forma, os contratos eletrônicos terão eficácia probatória contra terceiros. No caso de dúvida quanto à autenticidade e integridade, o contrato não será considerado inválido ou inexistente, mas poderá vir a ser comprovado em juízo por qualquer meio de prova admitido.

    Por: Natália Paz de Lyral Direitol 14/01/2015

    A expansão da Internet com propósitos comerciais, impulsionou o desenvolvimento do comércio eletrônico mediante a utilização de contratos eletrônicos. Entretanto, a vulnerabilidade desse novo ambiente de onde são celebrados os contratos eletrônicos gera insegurança entre as partes contratantes.

    Por: Natália Paz de Lyral Direitol 14/01/2015

    A discussão com relação a redução da maioridade penal causa polêmica em alguns setores da sociedade brasileira. Na nossa lei a responsabilidade penal é definida a partir dos dezoito anos de idade. Os que defendem a redução da maioridade penal objetivam considerar penalmente responsáveis os adolescentes menores de dezoito anos, pois consideram que seria essa a solução para a criminalidade.

    Por: Claudia Maria Werner Polidol Direitol 08/01/2015

    A posse é um dos assuntos mais controvertidos na doutrina civilista. Um dos pontos ainda não sedimentados em relação à posse é o reconhecimento de sua função social, assunto este abordado no presente trabalho. Para tamanha pretensão, não se pode prescindir da ligação da posse (autônoma ou causal) com o direito de propriedade, ligação essa que promove o entendimento de que a função social reconhecida em relação à propriedade deve ser também feita em relação à posse.

    Por: MARIANAl Direitol 06/01/2015

    O Direito Penal Econômico é uma matéria jurídica que visa coibir ou punir as condutas ilícitas com um conjunto de regras que tem o escopo de sancionar, com penas próprias, no âmbito das relações econômicas, as ofensas ou perigo aos bens ou interesses juridicamente relevantes. Essa ciência coaduna, perfeitamente, com a corrupção existente no alto escalão da sociedade brasileira, perfazendo com que haja uma diminuição nessa prática prejudicial para os rumos da nação.

    Por: JOSÉ CARLOS MAIA SALIBA IIl Direitol 17/12/2014 lAcessos: 14
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast