Existe Diferença Entre Assédio Moral E Dano Moral?

Publicado em: 23/04/2009 |Comentário: 3 | Acessos: 14,147 |

Existe  diferença entre assédio moral e dano moral?

                                    Pelos estudos feitos, constatamos que na verdade, não há ainda  um  posicionamento claro  sobre  essa questão.

                                    O que se observa  é que, na maioria das vezes, ao descrever  uma conduta que, em  tese, configuraria  o dano moral,  a pessoa lesada  imagina  que se trata de  assédio moral.

                                   Todavia, pode –se dizer que, o dano moral é o gênero, do qual o assédio moral é espécie.

                                    Ocorre o dano moral quando há ofensas aos direitos da personalidade  da pessoa, podendo caracterizá-lo a ofensa à honra, à intimidade, à imagem e  à vida privada, conforme consolidado pela  Constituição Federal  de 1988, em seu artigo 5º, incisos V e X.

                                    No dano moral, a pessoa lesada deve provar apenas o fato em si, mostrando a ocorrência de ofensas àqueles direitos, bem como, demonstrar as conseqüências do fato para a sua vida pessoal, bem como, a repercussão do mesmo.

                                    Pode-se dizer, portanto, que  a prova do dano moral está no próprio fato, não se exigindo  que o lesado comprove o prejuízo sofrido.

                                    Por outro lado, o assédio moral  é uma das formas de conduta abusiva, repetitiva e prolongada que viola os direitos personalíssimos da  pessoa, objetivando  eliminá-la da posição  que ocupa no emprego ou danificar o ambiente de trabalho e sem dúvida,  desestabilizando – a   psicologicamente.

                                    Todavia, para se configurar o mesmo, é necessário que a violação seja suficientemente grave e apta a causar dano à saúde  física  e/ou  psicológica da  pessoa, tudo isso, devidamente comprovado, mediante laudo médico.

                                    Dessa forma, constatamos que em muitas das vezes a pessoa pleiteia indenização por assédio moral e na verdade o fato se enquadra na reparação por dano moral.

                                    A razão disso, pode estar no fato  de que, em ambos o indivíduo sofre violação em seus direitos da personalidade e uma vez constatada  esta, terá direito a uma reparação  pelos  danos sofridos.

                                    Por outro lado, a diferença está no fato de que, o assédio moral  exige  conduta abusiva, repetitiva e prolongada  que causa graves danos à saúde física e mental da pessoa o que inclusive, pode ensejar incapacidade  laborativa, desemprego ou mesmo a morte, tudo isso, comprovado mediante o  competente  laudo médico.

                                    Conclui- se que,  a prudência exige que os operadores do direito não enxerguem o assédio moral em condutas isoladas, do tipo: disseminação de boatos relativos ao comportamento e saúde mental do autor, corredor do trote, etc., uma vez que, as mesmas, podem em tese, configurar a ocorrência,  tão somente,  do dano moral.

                                    Diante do exposto, entendemos que os operadores do direito devem verificar os fatos, detidamente, de acordo com as provas e informações  apresentadas pela pessoa lesada, para somente assim, concluírem se em tese,  as condutas  apontadas configurariam assédio moral ou  dano moral, o que sem dúvida evitará a banalização do Instituto.

  

Lucinéia  Aparecida Vieira de Andrade

Advogada em Belo Horizonte- MG
luciné[email protected]

www.vieiradeandradeadvocacia.com.br

 

 

 

 

 

                                  

 

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 1 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/direito-artigos/existe-diferenca-entre-assedio-moral-e-dano-moral-882443.html

    Palavras-chave do artigo:

    diferenca

    ,

    assedio moral

    ,

    dano moral

    Comentar sobre o artigo

    Fred Filho

    Desde quando existe o trabalho, existe o assédio. Mas foi apenas no final dos anos 80 que ele começou a ser estudado e combatido.

    Por: Fred Filhol Direitol 12/01/2014 lAcessos: 32

    O artigo, resultado de pesquisa bibliográfica, destaca o assédio moral no trabalho, a ação do agente ativo e as conseqüências do comportamento sobre o trabalhador, com ênfase para as questões psicológicas de ambos os agentes. Aborda ainda a prática do assédio moral, na qual a vítima se vê por repetidas vezes submetida a situações constrangedoras e humilhantes, isolada e ridicularizada perante terceiros, durante a jornada de trabalho e dentro da própria empresa, gerando sequelas negativas não ape

    Por: Charline Rennerl Direitol 25/11/2009 lAcessos: 3,862
    Antonio de Jesus Trovão

    Um pequeno estudo sobre o assédio moral e suas repercussões no mundo social.

    Por: Antonio de Jesus Trovãol Direito> Doutrinal 01/09/2010 lAcessos: 268
    Robson Zanetti

    Existem certas interrogações que são feitas no direito que são questões complicadíssimas. Esta é uma delas: assédio moral e dano moral são a mesma "coisa"?

    Por: Robson Zanettil Direitol 07/05/2010 lAcessos: 306

    O artigo questiona se o assédio moral e o dano moral pertencem a um mesmo instituto jurídico ou são dois institutos jurídicos diferentes, pois, se forem iguais assédio e damo moral são a mesma coisa e se forem diferentes existem conseqüências diferentes e as condições para sua caracterização também são diferentes.

    Por: Robson Zanettil Notícias & Sociedade> Cotidianol 13/10/2008 lAcessos: 1,840 lComentário: 1
    Armando Terribili Filho

    O assédio moral e o assédio sexual estão presentes em projetos? Afinal, o que é assédio moral? E assédio sexual? Quais são algumas das reflexões sobre este tema?

    Por: Armando Terribili Filhol Negócios> Ger. de Projetosl 20/03/2011 lAcessos: 200

    O que é assédio moral e como as empresas tratam erroneamente o assunto

    Por: Erick Alfredo Erhardtl Direito> Doutrinal 21/05/2010 lAcessos: 1,330
    Nelson B. Sousa

    Alguns Gestores (Gerentes ou Chefes),costumam ainda hoje usar um subordinado que não tenha cumprido as metas estabelecidas ou ordens dadas, como exemplo para ou outros. Chamar a atenção de um na frente de outros e dependendo do uso das palavras e da forma como é interpretada por todos poderá vir a ser caracterizado com assédio moral. Isso causa sérios danos e conflitos internos e poderá chegar aos tribunais causando prejuízos financeiros a organização.

    Por: Nelson B. Sousal Carreira> Recursos Humanosl 19/11/2008 lAcessos: 10,746

    A presente pesquisa foi elaborada tendo por objetivo estudar o fenômeno assédio moral nas relações de trabalho educacional em face de sua relevância na sociedade. Desta forma pretende-se conhecer, analisar e compreender este mal que atinge as instituições de ensino, buscando contribuir para o esclarecimento do fenômeno, como preveni-lo e reprimi-lo.

    Por: Arianal Educação> Ensino Superiorl 02/04/2011 lAcessos: 1,303

    Os abusos contra o consumidor em nosso país tem crescido muito nos últimos anos, e com esse problema cada vez mais evidente além dos muito resultados interessantes para o consumidor que corajosamente resolve reivindicar o respeito à sua moral, nossos tribunais tem finalmente começado a reconhecer a importância da reparação financeira da ofensa moral.

    Por: Bento Jr Advogadosl Direitol 10/04/2015

    Os bancos e financeiras estão informando através de um Cadastro Ilegal, o SCR – Sistema de Informação de Crédito do Banco Central do Brasil (Sisbacen).

    Por: Bento Jr Advogadosl Direitol 07/04/2015

    E eis que a novela do caso Cesare Battisti, que se acreditava terminada, acaba de ganhar um novo capítulo. Poupado da sua extradição para a Itália em 2010 por decisão do governo brasileiro, o italiano se vê agora confrontado com possibilidade de ser deportado, como determinou a recente decisão da juíza federal titular da 20a Vara do Distrito Federal. O italiano chegou a ser preso nesta quinta-feira para fins de deportação mas foi solto algumas horas depois, diante da concessão de habeas corpus p

    Por: Central Pressl Direitol 06/04/2015

    Existe um modalidade de buscar dinheiro sem precisar recorrer a bancos e demais instituições financeiras, pouco conhecido mas em franca expansão o investidor em empreendimentos, aporta valores na modalidade conhecida com Capital Empreendedor ou Capital de Risco, Venture Capital.

    Por: Bento Jr Advogadosl Direitol 02/04/2015 lAcessos: 15

    A Lei 11.441/07 facilitou a vida do cidadão e desburocratizou o procedimento de inventário ao permitir a realização desse ato em cartório, por meio de escritura pública, de forma rápida, simples e segura. Atenção: Mesmo que a pessoa tenha falecido antes da Lei 11.441/07, também é possível fazer o inventário por escritura pública, se preenchidos os requisitos da lei. http://www.valerioadvogados.com.br/noticia/inventario-extrajudicial.html

    Por: Valério Advogadosl Direitol 31/03/2015 lAcessos: 11

    A 5ª turma do TST deu provimento ao recurso do trabalhador em face do tratamento isonômico.

    Por: Bento Jr Advogadosl Direitol 31/03/2015

    No Brasil, a questão da defesa dos direitos do consumidor começou a ser discutida no início dos anos 70, com a criação das primeiras associações civis e entidades governamentais voltadas para esse fim (Ex: Conselho de Defesa do Consumidor – CONDECON, Associação de Proteção ao Consumidor – APC, etc.). Mas foi somente em 1988, com a promulgação da Constituição Federal, que estabeleceu como dever do Estado promover a defesa do consumidor e um prazo para a elaboração de um Código para esse fim.

    Por: Tiago Morlinl Direitol 27/03/2015 lAcessos: 24

    O presente estudo traz uma abordagem acerca do instituto de inquérito policial, sendo ele procedimento administrativo que busca apurar autoria e materialidade de infração penal. Trata-se de pesquisa qualitativa, realizada por meio de método dedutivo e de procedimento técnico bibliográfico e documental.Busca-se inserir o inquérito policial no condão constitucional analisando este instituto à luz dos princípios do contraditório e da ampla defesa, garantidos pela Constituição Federal de 1988. Adema

    Por: Jussana Gabrieli Machadol Direitol 25/03/2015 lAcessos: 33
    Lucinéia A. Vieira de Andrade

    É essencial que as empresas se tornem mais competitivas, conheçam as normas, procedimentos legais e operacionais, necessários e se preparem para estes negócios, pois, o Governo é um consumidor potencial, um enorme cliente, cujas compras governamentais movimentaram entre janeiro a agosto de 2013, R$35,9 bilhões, na aquisição de bens e serviços, dos quais, R$10,5 bilhões(29 %), referem-se às contratações junto às MPE, conforme consta da informação do Comprasnet.

    Por: Lucinéia A. Vieira de Andradel Direitol 08/08/2014 lAcessos: 11
    Lucinéia A. Vieira de Andrade

    Há que se dizer que, após a Constituição Federal de 1988, não há um limite legal para a fixação dos danos morais, o que faz com que os Magistrados em suas decisões, ao apreciarem o caso concreto, com a experiência diária, apliquem a razoabilidade e prudência para estabelecer o valor devido. Certo é que, na fixação do valor, os Magistrados consideraram as condições econômicas e culturais, bem como a posição social do ofensor e da vítima, além de outros, agindo, portanto, com muita cautela. Acontece que, em razão da ausência de parâmetros legais previamente definidos, em relação à quantificação do valor devido pela reparação do dano moral, há entendimento da necessidade de lei definindo essa questão.

    Por: Lucinéia A. Vieira de Andradel Direitol 26/05/2009 lAcessos: 288
    Lucinéia A. Vieira de Andrade

    No Estado Novo o que havia era ditadura, Constituição outorgada, concentração de poderes, e certamente o Poder Judiciário não tinha o destaque que merecia, sobretudo para cumprir o disposto no artigo 5º , XXXV, da atual Constituição Federal de 1988, o que indubitavelmente, foi uma grande perda para a sociedade brasileira.

    Por: Lucinéia A. Vieira de Andradel Direitol 22/04/2009 lAcessos: 2,270
    Lucinéia A. Vieira de Andrade

    Existe legitimidade nas acusações feitas em público contra árbitros de futebol e dirigentes de entidades legalmente constituídas, ao final de um jogo de futebol? Há limites para as palavras usadas para justificar a atuação profissional durante o jogo?

    Por: Lucinéia A. Vieira de Andradel Direitol 22/04/2009 lAcessos: 452

    Comments on this article

    0
    maria de fatima carvalho 06/10/2010
    Na verdade eu queria mesmo era saber se: erros gravissimos de escritas e/ou verbais por exemplo, chegam ser assédio moral? Porque pelos conceitos de assédios morais e interpretação textual passo a perceber que poderá sim ser assédio moral. Desde que por exemplo, uma má escrita, mesmo que involuntária poderá causar transtornos dos mais váriados. Ou estou me equivocando?
    Por favor respondam p/ mim.
    -1
    Claiton 10/08/2010
    Xingamentos, cobranças ofensivas em geral seria um assédio moral e o dano moral seria uma consequência extra trabalho gernado abalopessoal, fora do local do trabalho.
    Abraço Claiton!
    1
    Ademir Gonçalves Rego 30/04/2009
    Obrigado, doutora Lucinéia, estou mesmo precisando aprender um pouco sobre dano moral.
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast