EXTINÇÃO, SUSPENSÃO E PERDA DO PODER FAMILIAR

Publicado em: 15/06/2010 |Comentário: 0 | Acessos: 8,767 |

NOME: André Gilioli Garcia   CÓDIGO: 784 357   ETAPA: 7ª   SALA: 29 B

PERÍODO: Noturno 1º SEMESTRE / 2010  –  UNAERP

 

EXTINÇÃO, SUSPENSÃO E PERDA DO PODER FAMILIAR

 

O termo Poder Familiar advém de uma evolução jurídica acerca do Pátrio Poder, visto que é instituto voltado aos interesses e proteção do menor, a ser exercido pelo pai e pela mãe. Essa  evolução  da  sociedade  efetivamente  culminou  com  a  Constituição  de 1988 que consagrou a igualdade entre os cônjuges(art. 5º, caput, I, e art. 226, 5º da CF).

Podemos conceituar Poder Familiar como sendo complexo de direitos e deveres quanto à pessoa e bens do filho, exercidos pelos pais na mais estreita colaboração, e em igualdade de condições. O poder familiar, concebido como múnus, não é mais o âmbito de competência delegada ou reconhecida pelo Estado para exercício de poder. Assim, a cada dever do filho corresponde um direito do pai ou da mãe; a cada dever do pai ou da mãe corresponde um direito do filho(art. 1634 do CC).

O poder familiar é indisponível, no sentido de que o pai não pode abrir mão dele; é indivisível, quando se trata de pais separados, dividem-se as incumbências não seu exercício; é imprescritível, pois dele não decai o direito dos genitores pelo fato de deixarem de exercitá-lo, somente podem perdê-lo os pais na forma da lei. Em princípio, o Poder Familiar deveria perdurar por todo o tempo de menoridade dos filhos, ininterruptamente, mas pode-se afirmar que existem situações em que essa duração pode ser antecipada, cabendo o propósito de distinguir a sua cessação por meio natural, e a suspensão ou a extinção do poder familiar, por ato jurisdicional.

A suspensão(art. 1637 do CC) impede, temporariamente, o exercício do poder familiar. São três as hipóteses de suspensão do poder familiar dos pais, a saber: a) descumprimento dos "deveres a eles (pais) inerentes"; b) ruína dos bens dos filhos; c) condenação em virtude de crime cuja pena exceda a dois anos de prisão. As duas primeiras hipóteses caracterizam abuso do poder familiar. A suspensão pode ser sempre revista, quando superados os fatores que a provocaram. No interesse dos filhos e da convivência familiar, apenas deve ser adotada pelo juiz quando outra medida não possa produzir o efeito desejado, no interesse da segurança do menor e de seus haveres.

A extinção(art. 1635 do CC) é a interrupção definitiva do poder familiar, são hipóteses exclusivas: a) morte dos pais ou do filho; b) emancipação do filho; c) maioridade do filho; d) adoção do filho, por terceiros; e) perda em virtude de decisão judicial.

A morte de um dos pais faz concentrar, no sobrevivente, o poder familiar. A emancipação dá-se por concessão dos pais, mediante instrumento público, dispensando-se homologação judicial, se o filho contar mais de 16 anos. Dentre essas causas de cessação do poder familiar, devemos analisar o instituto da adoção, vez que esta, além de extinguir o pater famílias dos genitores carnais, transfere-o ao adotante, de maneira irrevogável e definitiva.

Nos pedidos de adoção, o procedimento contraditório, é indispensável ainda que haja anuência expressa dos genitores do menor, a teor do que prescreve o art. 169 do ECA. Para outra corrente, sustentada pelo Tribunal de Justiça de São Paulo, o procedimento contraditório de destituição do poder familiar é escuso em duas situações, a saber: quando houver concordância dos genitores ou quando existir pedido de adoção. Há, ainda, uma terceira linha de raciocínio, segundo a qual a própria adoção traz como conseqüência a extinção do pátrio poder, dispensando-se, portanto, o procedimento contraditório, com arrimo no art. 392, IV, do CC (atual art. 1.635, IV, do NCC).

A extinção do poder familiar exige comprovação de um fato grave ou mesmo de uma falha reiterada dos pais quanto aos seus deveres de atenção e cuidado dos filhos. Só a partir disso é que se está autorizado a por em prática medida tão contundente e relevante como é a destituição do poder familiar.

A perda por decisão judicial(art. 1638 do CC), por sua vez, depende da configuração das seguintes hipóteses: a) castigo imoderado do filho; b) abandono do filho; c) prática de atos contrários à moral e aos bons costumes; d) reiteração de faltas aos deveres inerentes ao poder familiar. A quarta hipótese não existia no Código anterior. Por sua gravidade, a perda do poder familiar somente deve ser decidida quando o fato que a ensejar for de tal magnitude que ponha em perigo permanente a segurança e a dignidade do filho.

 Quanto ao castigo imoderado, por sua relevância, merece ser destacado abaixo. A moral e os bons costumes são aferidos objetivamente, segundo standards valorativos predominantes na comunidade, no tempo e no espaço, incluindo as condutas que o Direito considera ilícitas.

Não podem prevalecer os juízos de valor subjetivos do juiz, pois constituiriam abuso de autoridade. Em qualquer circunstância, o supremo valor é o melhor interesse do menor, não podendo a perda do poder familiar orientar-se, exclusivamente, no sentido de pena ao pai faltoso.

A suspensão do poder familiar deve ser preferida à perda, quando houver possibilidade de recomposição ulterior dos laços de afetividade. Como resquício do antigo pátrio poder, persiste na doutrina e na legislação a tolerância ao que se denomina castigo "moderado" dos filhos.

O novo Código, ao incluir a vedação ao castigo imoderado, admite implicitamente o castigo moderado. O castigo pode ser físico ou psíquico ou de privação de situações de prazer.

Mas sob o ponto de vista estritamente constitucional não há fundamento jurídico para o castigo físico ou psíquico, ainda que "moderado", pois não deixa de consistir violência à integridade física do filho, que é direito fundamental inviolável da pessoa humana, também oponível aos pais.

O artigo 227 da Constituição determina que é dever da família colocar o filho (criança ou adolescente) a salvo de toda violência. Portanto, na dimensão do tradicional pátrio poder era concebível o poder de castigar fisicamente o filho; na dimensão do poder familiar fundado nos princípios constitucionais, máxime o da dignidade da pessoa humana, não há como admiti-lo.

O poder disciplinar, contido na autoridade parental, não inclui, portanto, a aplicação de castigos que violem a integridade do filho.

 

CONSIDERAÇÕES FINAIS

Deste modo, conclui-se que o poder familiar é uma instituição importantíssima no Direito de Família onde os pais tem suas obrigações e direitos perante os filhos, devendo elas serem respeitadas sob pena dos pais perderem o poder familiar que possuem sobre seus filhos. Ou  seja,  as  hipóteses  estão especificadas e bem delineadas na legislação, sendo possível a atuação dos órgãos responsáveis para  a  proteção  das  crianças  e  adolescentes  em  qualquer  situação  de  risco, negligência e maus tratos, de acordo com o Estatuto da Criança e Adolescente.

FONTES PESQUISADAS

DINIZ, Maria Helena. Curso de direito de família. 23ª ed. São Paulo: Saraiva, 2008.

 

MONTEIRO, Washington de Barros. Curso de direito civil. Direito de Família. 38ª ed. São Paulo Saraiva, 2007.

 

ANOTAÇÕES, apontamentos em sala de aulas: UNAERP 2010.

 

 

 
Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 1 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/direito-artigos/extincao-suspensao-e-perda-do-poder-familiar-2642339.html

    Palavras-chave do artigo:

    extincao

    ,

    suspensao e perda do poder familiar

    Comentar sobre o artigo

    Paulo Vitor Urbano dos Santos

    A convivência familiar é um direito da criança. A família é responsável pela proteção e formação da criança, mas nem sempre esses direitos são observados, a criança ou menor pode ser vítima de negligência, exploração, violência ou crueldade, nesses casos o Estado passa a ser responsável pela proteção da criança ou adolescente e o Poder Judiciário pode inclusive, a depender do caso, destituir os genitores do Poder Familiar.

    Por: Paulo Vitor Urbano dos Santosl Direito> Legislaçãol 03/10/2014
    matheus henrique

    O poder familiar é um direito e um dever dos pais para com os filhos, foi criado para poder estabelecer uma relaçao melhor entre pais e filhos, tanto quanto a pessoa do filho, quanto aos bens do filho, e havendo o descumprimento dessas obrigaçoes para com os filhos, pode haver a extinçao, suspensao ate mesmo a perda do poder familiar.

    Por: matheus henriquel Direito> Doutrinal 22/06/2010 lAcessos: 1,858

    Artigo jurídico com o intuito de descrever resumidamente como se dão as três formas de se perder o poder familiar, sendo a suspensão, a perda e a extinção deste, observando suas particularidades. Matéria do Art. 1.634 ao 1.638 do Código Civil Brasileiro de 2002.

    Por: Fernando Jorge Roselino Netol Direito> Jurisprudêncial 11/06/2011 lAcessos: 892
    Gabriela Valério Fernandes

    Este Trabalho tem como objetivo esclarecer algumas duvidas sobre o poder familiar com relação a pessoa dos filhos, enfoca a questão histórica do Poder familiar e suas causas de perda.

    Por: Gabriela Valério Fernandesl Direitol 27/11/2012 lAcessos: 97

    O artigo trata do conceito, características, titularidade para o exercício do Poder Familiar, além de trazer o conteúdo do mesmo, bem como as causas de extinção e suspensão do Poder Familiar.

    Por: Elisa Frigatol Educação> Ensino Superiorl 01/06/2011 lAcessos: 4,068

    O poder familiar, antigo "pátrio poder". Definido como "um conjunto de direitos e obrigações, quanto à pessoa do filho menor não emancipado, exercido, em igualdade de condições, por ambos os pais, para que possam desempenhar os encargos que a norma jurídica lhes impõe, tendo em vista o interesse e a proteção do filho." Sua importância e principais características.

    Por: Juliana Castejonl Direito> Doutrinal 07/06/2011 lAcessos: 569

    Em toda relação entre pais e filhos existe o poder familiar, que trata-se de uma vinculação de direitos e obrigações recíprocas que existente até que o filho complete sua maioridade. Porém, além da maioridade, existem outras hipóteses dos pais perderem o poder familiar, e é o que estudaremos nesse artigo.

    Por: Renatal Direitol 03/12/2009 lAcessos: 1,834

    O presente artigo acadêmico tem por objeto a análise do Poder Familiar, conhecido anteriormente como Pátrio Poder. Serão abordadas suas causas de suspensão, destituição e extinção. Serão tratados também os institutos da tutela e curatela.

    Por: Tiago Cordeirol Direitol 06/06/2011 lAcessos: 2,460
    ALDINEI RODRIGUES MACENA

    A lei 9.009/1995 instituiu os Juizados especiais e trouxe ao cenário do direito penal institutos inovadores que visam a humanização das penas e a economia e celeridade processual. Estes institutos são a composição civil, que quando aceita acarreta a indenização da vítima e consequente extinção da punibilidade; a transação penal que acarreta em uma sentença homologatória de acordo entre o réu e o Parquet, no qual o Ministério Público deixa de oferecer a denúncia desde que o réu se comprometa a cu

    Por: ALDINEI RODRIGUES MACENAl Direito> Doutrinal 13/04/2011 lAcessos: 4,196

    Sabe o que é advocacia administrativa? Advocacia administrativa é um crime previsto por lei. Saiba mais!

    Por: Sayuri Matsuol Direitol 13/10/2014

    O artigo em questão trata do direito que a mulher gestante tem de receber alimentos do pai ou do suposto pai da criança. Será falado das possibilidades e das provas para receber os alimentos.

    Por: Janainal Direitol 13/10/2014

    Objetiva-se averiguar o bloco econômico do Mercosul, fundado por meio do Tratado de Assunção de 1991, desde o seu contexto histórico até os moldes atuais, abordando a estrutura e o funcionamento de seus órgãos bem assim a proteção aos direitos sociais e econômicos e os mecanismos de solução de controvérsias, no âmbito do bloco econômico.

    Por: Cristiane Sampaio Diogol Direitol 10/10/2014

    Descubra o que é insolvência civil, suas modalidades e como entrar em situação de insolvência.

    Por: Sayuri Matsuol Direitol 25/09/2014

    Este trabalho teve como finalidade de estudar a evolução dos direitos dos empregados domésticos e a EC nº 72/2013.

    Por: Cristiane Costa Cotegypel Direitol 20/09/2014

    Estudo sobre o instituto da Barriga de Aluguel como prática frequente em vários países com o objetivo de averiguar como o direito brasileiro e o direito comparado solucionam os conflitos decorrentes dessa prática, bem como demonstrar algumas questões éticas que surgem nos conflitos dela decorrentes, principalmente quanto ao aspecto oneroso que, por muitas vezes, está presente nesse tipo de relação. Busca entender, ainda, o papel da bioética e do biodireito nesses conflitos.

    Por: Marília Oliveira Martinsl Direitol 17/09/2014 lAcessos: 46

    Escritórios de advocacia são como qualquer empresa de qualquer setor: devem ser organizados para poder funcionar da melhor maneira possível e só fluir, gerando bons frutos disso e, é claro, lucro para os associados que exercem sua advocacia no local.

    Por: Sayuri Matsuol Direitol 16/09/2014 lAcessos: 16

    Para fazer parte da advocacia brasileira, isto é, ser um advogado e poder exercer sua função um indivíduo deve possuir bacharel em Direito e ter conseguido aprovação no Exame de Ordem e ser regularmente inscrito na OAB, a Ordem dos Advogados do Brasil.

    Por: Sayuri Matsuol Direitol 08/09/2014

    A seguridade é financiada por toda a sociedade, de forma direta e indireta, nos termos da lei, mediante recursos provenientes dos orçamentos da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios

    Por: André Garcial Direito> Direito Tributáriol 19/09/2011 lAcessos: 1,404

    A regra da guarda compartilhada é altamente positiva, sendo o problema do litígio entre os genitores do menor absolutamente contornável através da prévia prática da mediação interdisciplinar, evitando a disputa pelo abuso do poder familiar unilateral.

    Por: André Garcial Direito> Doutrinal 01/06/2011 lAcessos: 641
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast