INVENTÁRIO

Publicado em: 15/12/2010 |Comentário: 1 | Acessos: 13,686 |

                                                     

                                                         

                                     INVENTÁRIO

 

1.       Conceito

         "Desde assinatura do compromisso até a homologação da partilha, a administração da herança será exercida pelo inventariante", é o que preceitua o artigo 1991 do Código Civil, no capítulo "Do Inventário".

           O inventário é o meio pelo qual, através de um processo judicial, relaciona, descreve, avalia e liquida os bens que pertenciam ao de cujus, para partilhá-los aos seus sucessores. Neste processo irá apurar todo o patrimônio que pertencia ao morto, cobrará as dívidas ativas e pagará as passivas. Avaliará os bens, pagará os legados e imposto causa mortis, finalizando com a partilha.

            É certo que o sistema adotado pelo Brasil para a transmissão dos bens do morto é o da SAISINE, isto é, a transmissão dos bens é realizada de forma automática aos herdeiros, sejam eles legítimos ou testamentários (CC art. 1.784).  Contudo, esta forma de transmissão do espólio, apesar de dar aos herdeiros propriedade e posse, não lhes entrega o título. Portanto, quando de uma possível alienação dos bens imóveis, os mesmos serão obrigados a abrir o inventário, pagando então, uma multa pela não abertura no prazo estipulado pela lei, qual seja, 60 dias após a morte do de cujus.  Deste modo, é de suma importância que seja feito o inventário, a fim de que relacione, descreva e avalie os bens da herança, resolvam as dívidas passivas e ativas, paguem-se os legados e o imposto causa mortis, e procedam com a partilha e registro da mesma.  

            O inventário e a partilha poderão ser realizados mediante escritura pública, quando todos forem capazes e concordes, no entanto, se houver testamento ou interessado incapaz, deverá ser por via judicial, de caráter contencioso, devendo ser instaurado no último domicilio do autor da herança. São os interessados o cônjuge supérstite (ou o companheiro), herdeiros, sucessores por testamento (herdeiros e legatários), contemplados em codicilos, o Ministério Público (quando houver testamento, incapazes, ausentes ou Fundação), o testamenteiro, Fazenda Pública, credores bem como outrem que possa ter algum direito em relação aos bens.

 

2.       Abertura do Inventário

          O artigo 1.796 do Código Civil prevê o prazo de abertura do inventário, já o artigo 983 do código de Processo Penal, estipula o prazo de abertura e encerramento do mesmo: "o processo de inventário e partilha deve ser aberto dentro de 60 (sessenta) dias a contar da abertura da sucessão, ultimando-se nos 12 (doze) meses subseqüentes, podendo o juiz prorrogar tais prazos, de ofício ou a requerimento da parte".    

 

3.      Nomeação do inventariante

        O inventariante é aquele nomeado pelo juiz, ao qual deverá administrar a representar ativa e passivamente a herança.

         A nomeação é realizada de acordo com o artigo 990 do Código de Processo Civil, onde é estabelecida uma ordem não absoluta. Só poderá ser inventariante os capazes. A ordem de preferência é estabelecida da seguinte maneira:

- Em primeiro lugar encontra-se o cônjuge sobrevivente (se ao tempo da morte do de cujos os mesmos convivessem e ainda se teriam casado no regime de comunhão universal ou parcial de bens), ou a companheira (comprovada a união estável).

- Na falta do primeiro inciso, nomeado será o herdeiro que se achar na posse a administração dos bens da herança.

- Não preenchido nenhum dos dois requisitos acima citados, assumirá a inventariança qualquer herdeiro legítimo e testamentário.      

- Testamenteiro. A este será conferido desde que não tenha herdeiros necessários, ou se os mesmos estiverem impossibilitados ou não puderem exercer a posse e a administração da herança. Só terá preferência em relação aos colaterais.    

- Em quinto lugar, esta o inventariante judicial. "se houver", isto é, o mencionado cargo tem de existir na organização judiciária local. Tal figura esta em desuso.

- Por último, e não havendo o inventariante judicial, o juiz nomeará pessoa estranha idônea, que não representará ativa e passivamente a herança, mais exercerá todas as funções inerentes a inventariança.

 

4.      Do Processamento

         É indispensável para a abertura do inventário a certidão de óbito do de cujus e procuração outorgada ao advogado para assinar a petição. O inventariante prestará o compromisso, e em vinte dias as primeiras declarações. Depois de reduzidas a termos as primeiras declarações, prosseguirá com a citação dos interessados, quais sejam, o cônjuge, herdeiros, legatários, Fazenda Pública, Ministério Público (se tiver herdeiro incapaz ou ausente) e testamenteiro (também se tiver). Terão o prazo de 10 (dez) dias para manifestarem sobre as declarações (CPC, art.1000). Não necessitará as citações se os interessados já estiverem representados nos autos. E uma vez não impugnada a qualidade de herdeiro nesta oportunidade, os interessados não poderão mais fazê-lo.

         A segunda fase seguirá com a avaliação dos bens inventariados, que servirá de base de cálculo do imposto de transmissão causa mortis e logo a partilha de bens.

         Do ponto de vista fiscal, esta avaliação poderá ser dispensada quando já presente a prova do valor dos bens cadastrados pelo Poder Público municipal para fins de cobrança do IPTU (valor venal) ou pelo INCRA (imóveis rurais), ainda que os herdeiros sejam capazes e a Fazenda Pública aceite os valores imputados nas primeiras declarações.

         Aceito o laudo, lavrar-se-á o termo de últimas declarações. Momento oportuno para que tragam para o processo os bens esquecidos. Após declaração feita pelo inventariante de que não existem mais bens por inventariar, ou por algum herdeiro de que não os possui, as partes a partir daí, poderão argüir a sonegação de bens. Logo após, realizará o cálculo do imposto. O inventário será homologado por sentença, as guias serão expedidas para o devido pagamento e assim o encerrará, partindo para o próximo passo, a partilha. Depois da concessão do prazo às partes para o pedido de quinhão, o juiz proferirá o despacho de deliberação da partilha, sendo o mesmo irrecorrível. Apenas será cabível recurso de apelação contra sentença da partilha.

           

5.     Do Arrolamento Sumário

        O inventário e a partilha são divididos em duas ações. São elas a própria ação de inventário e a ação de arrolamento. Esta última é um inventário de forma simplificada, e somente permitida quando todos os herdeiros forem capazes e concordarem em fazer as partilha de forma amigável através de escritura pública, que valerá por si só como título válido para o registro imobiliário. O procedimento será necessariamente judicial quando sobrevier testamento.

         Na petição constará a nomeação do inventariante por eles indicados, o rol dos herdeiros, descrição dos bens. Não aprecia questões relativas ao imposto causa mortis. Podendo o fisco cobrar quaisquer diferenças, dispensando, no entanto, a citação da Fazenda, que em função da homologação de plano de partilha, não intervém no arrolamento sumário. E só ocorrerá a expedição do formal de partilha e do alvará quando do pagamento dos impostos devidos à Fazenda Pública Estadual.

         No arrolamento sumário não lavra os termos das declarações iniciais e o da partilha. E o inventariante não é obrigado a prestar compromisso nos autos. Conforme preceitua o artigo 1.033 do Código de Processo Civil, não procederá à avaliação dos bens do espólio para qualquer finalidade. Porém, no artigo 1.035 do mesmo ordenamento jurídico exige a avaliação caso haja credores do espólio com direito ao pagamento da divida e devido a isso, impugnarem. A reserva então será feita mediante a avaliação.

        Depois de homologada pelo juiz, e decorrido o prazo para recurso, o formal de partilha ou a carta de adjudicação (quando houver um único herdeiro) será expedida.

 

6.     Do arrolamento Comum

        Este tipo de arrolamento ocorrerá quando o valor dos bens do espólio não exceder a duas mil Obrigações Reajustáveis do Tesouro Nacional (OTNs), correspondentes a 13.840 BTN (Bônus do Tesouro Nacional). Extinto os referidos índices, a atualização passou a ser realizada pela TR (Taxa Referencial).

         Este tipo de arrolamento ainda é uma forma de inventário simplificado, mas mais específico, isto é, apenas quando se tratar de bens com pequeno valor. A diferença do arrolamento sumário para o comum, é que no primeiro, a condição para que ocorra é que as partes sejam capazes e haja consenso entre elas. Já no arrolamento comum, esta condição não é verificada, bastando que o valor seja baixo, não ultrapassando o já mencionado, sendo, portanto, obrigatória sua adoção.    

         O inventariante nomeado apresentará suas declarações já com as estimativas do valor dos bens e plano de partilha. Procederá a citação dos herdeiros não representados. Uma vez impugnados o valor dos bens, realizará a avaliação. Depois de apresentado o laudo, o juiz deliberará sobre a partilha.

         O plano de partilha ou esboço deverá conter os orçamentos e folhas de pagamento a cada parte, bem como todos os dados para realização do registro, com relação aos imóveis, e evitar eventuais problemas com aditamentos ou retificações. A partilha será realizada dividindo igualmente os quinhões se possível. Do contrário os mesmo restarão indivisos, partilhando em partes iguais, na proporção de cada quinhão.

        É ressalvada a Fazenda a cobrança, via administrativa, de eventual diferença. Uma vez quitado os tributos relativos aos bens do espólio e as suas rendas, o juiz prosseguirá com o julgamento da partilha, logo após, o imposto causa mortis será recolhido, e o formal ou carta de adjudicação será expedido.   

 

 

Bibliografia:

GONÇALVES, Carlos Roberto. Direito civil brasileiro, volume 7: direito das sucessões - 4ª.ed -São Paulo: Saraiva, 2010.

MONTEIRO, washington de barros. Inventários, arrolamentos e partilhas. 5ª. ed, São Paulo: Editora de Direito.

VENOSA, Sílvio de Salvo. Direito Civil: Direito das Sucessões. São Paulo: Editora Atlas - 3ª ed.

 

Bruna Costa Vilela.

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 1 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/direito-artigos/inventario-3854455.html

    Palavras-chave do artigo:

    inventario

    Comentar sobre o artigo

    trata-se de dissertação a respeito dos Requisitos para realização do Inventário Extrajudicial, bem como do respectivo procedimento à luz da Lei 11.441/2007 que altera os artigos 982 e 983 do Código de Processo Civil, bem como da regulamentação estabelecida pelo CNJ na Resolução 35/07.

    Por: Caio Alexandre Rosseto de Araujol Direito> Legislaçãol 04/12/2009 lAcessos: 8,642 lComentário: 1

    Com a abertura da sucessão, os bens deixados pelo “de cujus” tornam-se herança que é transmitida imediatamente para os sucessores legítimos e testamentários, é o chamado PRINCÍPIO DA SAISINE. Porém o acervo do “de cujus” constitui uma universalidade de bens que precisam ser identificados e especificados para que se possa fazer a divisão entre os herdeiros. Para que essa individualização aconteça é preciso todo um procedimento, é o chamado INVENTÁRIO. Dentro do inventário pode ou não ocorrer a partilha, que poderá ser feita de forma judicial ou extrajudicial. O presente trabalho tem por objetivo definir e estudar tais procedimentos.

    Por: Ana Cláudia Fereira Santosl Direitol 02/12/2009 lAcessos: 14,447
    Adriano Martins Pinheiro

    Este artigo abordará o tema de inventário, partilha e herança, bem como explicará seus procedimentos e abordará os interesses dos herdeiros, inventariantes e credores, dentre outros. Além disso, procuramos esclarecer o significado de cada termo usados no processo, e que, por vezes, é desconhecido daqueles que não estão habituados com a linguagem jurídica. Assim, serão esclarecidos temas, quanto à documentos, dívidas, divisão de bens, prazos e outros aspectos processuais.

    Por: Adriano Martins Pinheirol Direito> Doutrinal 11/07/2009 lAcessos: 2,643 lComentário: 1

    Dentre as inovações legislativas criadas nos últimos anos, encontra-se a Lei Federal nº 11.441, de 04 de janeiro de 2007, que tornou possível a feitura de inventários em cartório de notas, procedimento mais conhecido como inventário extrajudicial, que se faz através de Escritura Pública de Inventário.

    Por: Carrillo Advogadosl Direito> Doutrinal 21/01/2011 lAcessos: 1,581

    Considerações acerca do Inventário Administrativo - Reforma da Lei nº 11.441/07

    Por: lygia ananiasl Direitol 05/11/2009 lAcessos: 5,440 lComentário: 2
    Andrea

    Software inventário ajuda a empresa a realizar a contagem dos itens em estoque através dos coletores dos dados. Estes equipamentos executam a leitura dos códigos de barras dos produtos. Essa tarefa tem seu tempo reduzido e é mais confiável, pois com a identificação dos produtos a porcentagem dos erros na contagem diminui.

    Por: Andreal Tecnologia> Softwarel 10/04/2013 lAcessos: 54

    ...é muito mais rápido, o que é mais interessante para os herdeiros, bem como não sobrecarrega ainda mais o judiciário.

    Por: Ariane Desirée de F.L.Lacerdal Direitol 04/12/2009 lAcessos: 3,156

    A mensuração do consumo de cada uma das atividades desenvolvidas durante o planejamento, estruturação, realização e desmobilização de eventos serve para a elaboração de um inventário de emissão de CO2. Representa ação capaz de contribuir com a minimização do Efeito Estufa. Porém, nem sempre as ações indicadas como mitigadoras do CO2 emitido nos eventos são colocadas em prática, porque dependem de políticas institucionais, de tomadas de decisão estratégicas.

    Por: Evandro Brandão Barbosal Educação> Ciêncial 21/04/2011 lAcessos: 308

    Geralmente, vemos que o Direito e o procedimento legislativo não acompanham a evolução da sociedade. Contudo, a Lei 11.441/2007 surgiu para fazer exceção a esta regra. Referida Lei criou a possibilidade de se processar o inventário em âmbito administrativo e, ao final, ter o registro da partilha efetuado por escritura pública, procedimento célere e menos oneroso do que o judicial.

    Por: Rosangela Teixeiral Direito> Legislaçãol 31/08/2013 lAcessos: 81

    Com base no ordenamento jurídico compreendido no Código Civil de 2002, através do artigo 1888 e seguintes, o testamento marítimo é feito de forma especial, sendo utilizado em situações de emergência: em viagem, a bordo de navio mercantil, pode testar perante o comandante, na presença de duas testemunhas, por forma que corresponda ao testamento público ou ao testamento cerrado.

    Por: sherika nonatol Direitol 16/11/2014

    O presente trabalho trata da possibilidade de reconhecimento jurídico das entidades familiares que surgiram após a Constituição Federal de 1988.

    Por: Jaianel Direitol 15/11/2014

    Quando uma empresa entra em falência, isto é, não possui mais formas ou bens de pagar suas dívidas a seus credores, ela entrará em estado de falência decretado pela justiça.

    Por: Sayuri Matsuol Direitol 14/11/2014

    Embora não seja um tema muito explorado, há leis que asseguram o direito de pessoas idosas à alimentação. O idoso tem esse direito resguardado pela Constituição e pelo Estatuto do Idoso, e ele poderá exigir esse encargo dos seus parentes. Contudo, se os familiares não tiverem condições de tomar essa responsabilidade, o Estado assumirá para si a obrigação alimentar o idoso, como esta previsto em lei.

    Por: Camila Ferreira Rossetil Direitol 14/11/2014
    Caroline Ferreira

    No ordenamento jurídico trabalhista o funcionário, em regra, é protegido por se tratar da parte hipossuficiente da relação. No caso de acidentes de trabalho existem uma série de medidas imediatas que resguardam os direitos do acidentado, mas existem também controvérsias sobre como deve ser tratado o acidente de trajeto. O presente artigo tem como objetivo a análise das teorias acerca da responsabilidade civil do empregador por acidente do trabalho de trajeto ("in itinere").

    Por: Caroline Ferreiral Direitol 13/11/2014 lAcessos: 11

    Com o rompimento dos laços afetivos e, consequentemente, do vínculo conjugal, muitas vezes pode ocorrer um desequilíbrio socioeconômico. Com o intuito de restabelecer o equilíbrio financeiro e social, surgem os alimentos compensatórios.

    Por: Débora Stimamigliol Direitol 13/11/2014
    KELI PAVI

    A caracterização da visita íntima como direito fundamental do preso Sendo um dos problemas mais discutidos hoje no direito penitenciário, a visita íntima ou conjugal ainda não está regulamentada em lei, o que não significa que ela deve ser restringida, pois esse direito se apoia principalmente no princípio constitucional da dignidade da pessoa humana e dos direitos fundamentais.

    Por: KELI PAVIl Direitol 12/11/2014

    O presente trabalho é um estudo criterioso acerca da lei de alienação parental. Resumidamente, ocorre alienação parental quando um dos genitores incute na mente do filho ideias depreciativas a respeito do outro genitor, aproveitando-se da dificuldade acerca da percepção da realidade, buscando turbar a formação da percepção social da criança ou do adolescente. A lei de alienação parental foi instituída pela Lei nº 12.318/2010. Contudo, anteriormente ao seu advento, a alienação parental já era rec

    Por: Ana Paula Kapplerl Direitol 11/11/2014 lAcessos: 19

    O presente artigo discorre sobre os tipos e formas de contribuição que os contribuintes pagam a previdência social, da qual são estabelecidos de acordo com cada tipo de segurado quais sejam, os empregados, empregados domésticos, avulsos, facultativos, individuais e especiais, mas cuja finalidade é a mesma, uma vez segurado, poder contar com os direitos relativos à saúde, à previdência e à assistência social, e, por conseguinte, ter o mínimo de garantia a uma vida digna.

    Por: Bruna Costa Vilelal Direitol 14/06/2011 lAcessos: 169

    Comments on this article

    5
    valquiria leão rodrigues 16/02/2011
    bom dia minha tia é falecida mas continuou com o sobrenome do ex marido ele tera direito a partilha de um casa cujo filho dela é herdeiro ?
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast