Isenção De Iptu No Município De São Paulo

Publicado em: 07/01/2010 |Comentário: 2 | Acessos: 2,895 |

ISENÇÃO AO PAGAMENTO DO IMPOSTO PREDIAL TERRITORIAL URBANO – IPTU NA CIDADE DE SÃO PAULO.

 

Durante o mês de janeiro de 2010, milhares de proprietários de imóveis situados no perímetro urbano do município de São Paulo receberão o boleto para pagamento do Imposto Predial Territorial Urbano – IPTU.

Trata-se de um imposto municipal criado pela lei 6.989 de 29 de dezembro de 1966 que obriga ao seu pagamento todos aqueles que detenham a propriedade, o domínio útil ou a posse de um bem imóvel construído, localizado dentro do perímetro urbano do município de São Paulo.

A título de imóvel construído, entende-se toda edificação que possibilite a habitação ou o exercício de quaisquer atividades sociais ou comerciais.

Entretanto, muitos proprietários de imóveis que recebem os boletos de IPTU podem requerer junto à Administração Pública (no caso a Prefeitura do Município de São Paulo) isenção do pagamento, pelas razões mais diversas:

A Lei 6.989/1966, em seu artigo 18, prevê isenção ao pagamento do IPTU para os imóveis:

  1. De propriedade de entidades religiosas destinados à prática de qualquer culto;
  2. Pertencentes a governos estrangeiros de países com os quais o Brasil mantenha relações diplomáticas de reciprocidade;
  3. Entidades culturais;
  4. Cooperativas, desde que o local sirva como sede, agência, armazém ou serviço social;
  5. Agremiações esportivas;
  6. Empresas jornalísticas, de rádio-emissão ou televisivas, regularmente estabelecidas no Município e desde que utilizadas para essa finalidade;
  7. Particulares cedidos à União, Estado e Município para fins educacionais por meio de comodato;
  8. Da Companhia Municipal de Transportes Coletivos - CMTC;
  9. Teatros – entidades sem fins lucrativos;
  10. Garagens coletivas.

Entretanto, outras isenções passaram a ser previstas em legislações posteriores, dentre as quais destaco duas: a isenção concedida a aposentados, pensionistas e beneficiários de renda mensal vitalícia; e às vítimas de enchentes.

1.       Aposentados, pensionistas e beneficiários de renda mensal vitalícia:

Essa isenção foi concedida pela Lei Municipal 11.614/1994. Para obter a isenção, é necessário comprovar que o proprietário do imóvel seja aposentado, pensionista ou beneficiário de renda mensal vitalícia paga pelo INSS ou outro órgão que lhe faça às vezes, contudo a renda mensal do proprietário não pode ultrapassar 3 (três) salários mínimos. Frise-se que o que conta para concessão da isenção é a renda pessoal do proprietário e não a renda total da família.

Ademais, é requisito que o proprietário resida no imóvel que pretende ver isento do imposto e que não seja dono de outro imóvel no município de São Paulo.

O requerimento é feito em formulário próprio que pode ser obtido em qualquer subprefeitura, junto a Secretaria Municipal de Finanças no Vale do Anhangabaú nº 206, ou ainda, pelo site da Prefeitura de São Paulo, pelo link:

http://ww2.prefeitura.sp.gov.br/arquivos/secretarias/financas/formularios/Requerimento-Aposentado.pdf

Depois de preenchido o requerimento deverá ser entregue na subprefeitura local acompanhado de cópias dos seguintes documentos:

a)      Holerite referente ao mês de janeiro do ano corrente, comprovando a fonte pagadora do benefício e seu valor (extratos bancários não servem para esta comprovação).

b)      Cópias do RG e CPF do proprietário solicitante, ou carteira de habilitação;

c)       Cópia de comprovante de residência com nome do proprietário e endereço do imóvel legíveis;

d)      Cópia do documento de registro do imóvel ou, na falta deste, cópia do boleto de IPTU ou qualquer outro documento hábil a comprovar a propriedade do imóvel que se pretende isentar do imposto, como instrumento de compra e venda ou escritura pública. Contas de telefone, água ou luz não servem posto que não indicam, necessariamente, o proprietário, podendo estar em nome de locatários.

 A Prefeitura pode, ainda, solicitar por carta que outros documentos sejam apresentados para fins de apuração do pedido de isenção, devendo o proprietário providenciá-los sob pena de indeferimento do pedido.

O requerimento de isenção deve ser solicitado anualmente, posto que a alteração na renda mensal e a venda da propriedade ou o descumprimento de qualquer outro requisito pode ensejar o cancelamento da isenção, que é condicionada ao cumprimento de todos os requisitos simultaneamente.

Importante ressaltar que enquanto não for concedida a isenção cabe ao contribuinte pagar em dia os boletos de IPTU e, se ao final for concedida, este pode requerer junto a Secretaria de Finanças a devolução dos valores que pagou referentes ao ano em que foi concedida a isenção, ou cobrá-los judicialmente.

2.       Vítimas de enchentes.

De acordo com o estabelecido na Lei Municipal 14.493/2007 os proprietários cujos imóveis foram atingidos por enchentes e alagamentos a partir de 1º de outubro de 2006 podem requerer a isenção ou remissão do pagamento do IPTU.

O valor do desconto no IPTU pode chegar a R$ 20.000,00 (vinte mil reais), por imóvel atingido por enchentes e alagamentos, para cada ano em que foi vitimado.

Ressalte-se que o valor descrito não é uma indenização, mas sim, o valor limite do desconto concedido no IPTU. Ademais não há necessidade que seja residência do proprietário vez que se aplica, inclusive, a imóveis comerciais ou alugados; bem como não é necessário que seja o único imóvel.

Assim, se um contribuinte possui 2 ou mais imóveis que sofreram danos físicos, ou nas instalações elétricas, hidráulicas, sofreram com a destruição de alimentos, eletrodomésticos ou móveis com invasão das águas de enchentes e alagamentos, pode requerer o benefício para cada um deles cumulativa e distintamente.

É importante, contudo, esclarecer que a devolução do valor somente se dará no ano posterior ao da ocorrência da enchente, assim, os proprietários que sofreram danos e pagaram o IPTU regularmente em 2009 podem pleitear o benefício em 2010, contudo, as vítimas das enchentes de 2010 somente poderão requerer a devolução do valor de IPTU no início de 2011.

Isso não quer dizer que os proprietários que tiveram seus imóveis danificados durante o ano de 2010 tenham que esperar os 12 meses para tomar as medidas cabíveis contra a Prefeitura do Município de São Paulo. É possível exigir judicialmente da Prefeitura indenização pelos danos materiais vez que a manutenção e conservação da limpeza das vias e galerias é responsabilidade do Poder Público, e no ano seguinte exigir a devolução dos valores pagos a título de IPTU no exercício anterior.

O pedido administrativo de devolução dos valores de IPTU relativos a imóveis danificados por enchentes e alagamentos deve ser feito na subprefeitura do local onde se situa o imóvel, e que detém a lista de imóveis danificados.

Para os pedidos administrativos não é necessário o acompanhamento por advogado, entretanto, caso haja ação judicial de indenização por danos materiais e morais ou ações de naturezas diversas o acompanhamento por advogado é obrigatório.

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 0 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/direito-artigos/isencao-de-iptu-no-municipio-de-sao-paulo-1678211.html

    Palavras-chave do artigo:

    iptu

    ,

    isencao

    ,

    aposentado

    Comentar sobre o artigo

    Welinton dos Santos

    Começa tudo de novo, chega o momento de planejar....

    Por: Welinton dos Santosl Finançasl 13/01/2010 lAcessos: 119

    Descubra o que é insolvência civil, suas modalidades e como entrar em situação de insolvência.

    Por: Sayuri Matsuol Direitol 25/09/2014

    Este trabalho teve como finalidade de estudar a evolução dos direitos dos empregados domésticos e a EC nº 72/2013.

    Por: Cristiane Costa Cotegypel Direitol 20/09/2014

    Estudo sobre o instituto da Barriga de Aluguel como prática frequente em vários países com o objetivo de averiguar como o direito brasileiro e o direito comparado solucionam os conflitos decorrentes dessa prática, bem como demonstrar algumas questões éticas que surgem nos conflitos dela decorrentes, principalmente quanto ao aspecto oneroso que, por muitas vezes, está presente nesse tipo de relação. Busca entender, ainda, o papel da bioética e do biodireito nesses conflitos.

    Por: Marília Oliveira Martinsl Direitol 17/09/2014 lAcessos: 19

    Escritórios de advocacia são como qualquer empresa de qualquer setor: devem ser organizados para poder funcionar da melhor maneira possível e só fluir, gerando bons frutos disso e, é claro, lucro para os associados que exercem sua advocacia no local.

    Por: Sayuri Matsuol Direitol 16/09/2014

    Para fazer parte da advocacia brasileira, isto é, ser um advogado e poder exercer sua função um indivíduo deve possuir bacharel em Direito e ter conseguido aprovação no Exame de Ordem e ser regularmente inscrito na OAB, a Ordem dos Advogados do Brasil.

    Por: Sayuri Matsuol Direitol 08/09/2014

    No processo existente de Recuperação Extrajudicial podemos contar com um tipo de instituto que propicia o que seria uma nova solução. Através dela os devedores acabam negociando de forma direta com todos os credores, e ainda o Plano de recuperação determinado o que vai para a justiça apenas para que possa ser algo homologado.

    Por: Sayuri Matsuol Direitol 08/09/2014 lAcessos: 28

    Os problemas judiciais podem acontecer em qualquer segmento, como podemos perceber, a justiça influência em praticamente tudo dentro do nosso país, porém em boa parte dos casos, a mesma influência de forma negativa, na maioria das vezes tirando a oportunidade de trabalhadores ou até mesmo de empresários que estavam fazendo seu trabalho dentro da lei, mas que devido a leis mal feitas ou até mesmo pela falta de uma lei correta, acaba paralisando a atuação de uma empresa. O grande problema da paral

    Por: Sayuri Matsuol Direitol 05/09/2014 lAcessos: 11
    RFF Associados

    Em face dos constrangimentos orçamentais existentes foi, recentemente, aprovado em Conselho de Ministros a segunda proposta de alteração à Lei que aprovou o Orçamento de Estado para o ano de 2014.

    Por: RFF Associadosl Direitol 04/09/2014

    Neste texto abordamos as principais características, semelhanças e as diferenças entre os contratos de crédito, das modalidades de financiamento, leasing (arrendamento mercantil) e consórcio, no que se refere à aquisição de bens através de parcelamentos intermediados por pessoa jurídica (banco ou administradora de consócio).

    Por: Érika Taucci Magalhãesl Finanças> Créditol 05/03/2013 lAcessos: 72

    Em junho de 2010 passará a vigorar a Resolução 141 da Agência Nacional de Aviação Civil - ANAC, prevendo novos direitos dos passageiros a serem cumpridos pelas companhias aéreas, tais como oferecer informação, inclusive por escrito sempre que solicitados, refeição adequada em caso de atrasos superiores a 2 horas e eventual serviço de hospedagem. Trata-se um acréscimo aos direitos dos consumidores de serviços de companhias aéreas.

    Por: Érika Taucci Magalhãesl Direito> Legislaçãol 20/05/2010 lAcessos: 712 lComentário: 1

    Este artigo busca sanar as principais dúvidas dos advogados militantes em outros Estados que necessitam distribuir cartas precatórias no Estado de São Paulo, em razão da diferença dos valores e forma de recolhimento tanto das custas judiciais quanto das custas de diligências dos oficiais de justiça.

    Por: Érika Taucci Magalhãesl Direitol 04/03/2010 lAcessos: 18,500 lComentário: 3

    Comments on this article

    0
    EZIO MARIANO FERRAZ 14/04/2011
    PEDI ISENCAO DO IPTU ESTE ANO
    E ATE AGORA NAO TENHOO RESPOTA
    E O BOLETO PASSOU VIR EM NOME DA
    MINHA ESPOSA, ELA NAO TEM RENDA
    2
    ANTONIO ALVES PERNAMBUCO DUARTE 25/10/2010
    Preciso saber o que devo fazer para conseguir isencao do meu iptu, visto que todos os patos do meu condominio tem isencao e eu nao tenho, o que devo fazer?
    Meu endereco e na estr do m' boi mirim 2298 bloco 24 apto 4 cep 04905-002.
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast