Nova Constituição E Leis Anteriores

Publicado em: 18/12/2009 |Comentário: 0 | Acessos: 863 |

Com o advento de uma nova Constituição, o que acontece com as normas que foram elaboradas na vigência da Constituição anterior? Serão revogadas? Serão reeditadas? Perderão a validade?

De acordo com Pedro Lenza, “Estamos diante de um dos temas mais fascinantes do direito, qual seja, o do direito intertemporal lato sensu, vale dizer, a relação do direito com o passado, presente e futuro”. (Pedro Lenza, Direito Constitucional Esquematizado, pág. 122).

Trata-se de uma importantíssima ferramenta de paz social - pela qual, evidencia-se, o respeito ao direito adquirido. Protege o cidadão de um possível abuso por parte dos governantes.

Sendo assim, consoante Pontes de Miranda, “a irretroatividade defende o povo; a retroatividade expõe-no à prepotência” (Comentários à Constituição de 1967, com a EC n. 1, de 1969).

 

RECEPÇÃO

 

As normas infraconstitucionais, elaboradas antes do advento da nova Constituição, farão parte do novo ordenamento jurídico?

Todas as normas infraconstitucionais que forem compatíveis com a nova Constituição serão recepcionadas. A contrario sensu, caso sejam incompatíveis, serão revogadas por ausência de recepção.

Portanto, nos casos de normas infraconstitucionais produzidas antes do advento da nova Constituição e que sejam incompatíveis com a mesma, não há que se falar em inconstitucionalidade; apenas, como visto, em revogação por ausência de recepção.

 

INCONSTITUCIONALIDADE SUPERVENIENTE

 

Conforme previsto no art. 102, I, a, da CF/88 – o Supremo Tribunal Federal (STF), não admite a teoria da inconstitucionalidade superveniente de ato normativo elaborado antes do advento da nova Constituição. Fala-se, apenas, caso sejam compatíveis, em recepção; ou, caso incompatíveis, revogação por ausência de recepção.

Para melhor ilustração, segue jurisprudência do STF, para sedimentar o que foi relatado:

“EMENTA: Ação direta de inconstitucionalidade – Impugnação de ato estatal editado anteriormente à vigência da CF/88 – Inconstitucionalidade superveniente – Inocorrência – Hipótese de revogação do ato hierarquicamente inferior por ausência de recepção - Impossibilidade de instauração do controle normativo abstrato – Ação direta não conhecida. A ação direta de inconstitucionalidade não se revela instrumento juridicamente idôneo ao exame da legitimidade constitucional de atos normativos do poder público que tenham sido editados em momento anterior ao da vigência da Constituição sob cuja égide foi instaurado o controle normativo abstrato. A fiscalização concentrada de Constitucionalidade supõe a necessária existência de uma relação de contemporaneidade entre o ato estatal impugnado e a carta política sob cujo domínio normativo veio ele a ser editado. O entendimento de que leis pré-constitucionais não se predispõem, vigente uma nova constituição, à tutela jurisdicional de Constitucionalidade in abstracto – orientação jurisprudencial já consagrada no regime anterior (RTJ 95/980 – 95/993 – 99/544) – foi reafirmado por essa Corte, em recentes pronunciamentos, na perspectiva da Carta Federal de 1988. A incompatibilidade vertical superveniente de atos do Poder Público, em face de um novo ordenamento constitucional, traduz hipótese de pura e simples revogação dessas espécies jurídicas, posto que lhe são hierarquicamente inferiores. O exame da revogação de leis ou atos normativos do Poder Público constitui matéria absolutamente estranha à função jurídico-processual da ação direta de inconstitucionalidade” (ADIQO-7/DF, rel. Min. Celso de Mello, DJ, 04.09.1992, p. 14087, Ement. V. 01674-01, p. 1 – original sem grifos).

Assim sendo e, de acordo com o STF, vigora o princípio da contemporaneidade; isto é, uma lei só é constitucional caso obedeça aos preceitos legais da Constituição sob a qual ela foi produzida.

 

Uma lei que fere o processo legislativo previsto na Constituição sob cuja regência foi editada, mas que, até o advento da nova Constituição, nunca fora objeto de controle de constitucionalidade, poderá ser recebida pela nova Constituição se com ela for compatível?

 

Segundo parte da doutrina, como a lei não foi declarada inconstitucional na vigência do antigo ordenamento jurídico e, sendo compatível, do ponto de vista material, com a nova Constituição, teoricamente, ela poderia ser recebida pelo novo ordenamento jurídico.

Todavia, como se verificou do princípio da contemporaneidade, o controle de constitucionalidade só será realizado em atos normativos, infraconstitucionais, elaborados sob a égide da nova Constituição. Portanto não há que se falar em compatibilidade se o ato normativo foi elaborado antes da nova Constituição. Ademais, a lei que pretende ser recebida deverá ser compatível tanto formal quanto materialmente com a antiga Constituição. Vício ab origine - congênito, nulifica a lei.

Desse modo, a lei anterior, sendo inconstitucional, ainda que não tenha sofrido o devido controle na época, não poderá ser recebida pela nova Constituição, sendo necessário, para tal, obedecer aos seguintes requisitos:

  1. Estar em vigor com o advento da nova Constituição;
  2. Não ser inconstitucional durante a vigência da antiga Constituição;
  3. Compatibilidade formal e material com a antiga Constituição;
  4. Compatibilidade material com a nova Constituição (uma lei pode ter sido editada como ordinária e ser recebida como complementar).

a) É possível, ainda, uma mudança de competência; ou seja, matéria que, antes era de competência da União, passe a ser de competência dos Estados-membros.

b) Também é possível a recepção de parte da lei (um artigo, um parágrafo etc.).

 

REPRISTINAÇÃO

 

“Vejamos a situação: uma norma produzida na vigência da CF/46 não é recepcionada pela de 1967, pois incompatível com ela. Promulgada a CF/88, verifica-se que aquela lei, produzida na vigência da CF/46 (que fora revogada – não recepcionada – pela de 1967), em tese poderia ser recepcionada pela CF/88, visto que totalmente compatível com ela. Nessa situação, poderia aquela lei, produzida durante a CF/46, voltar a produzir efeitos? Ou seja, repristinaria? Como regra geral, o Brasil adotou a impossibilidade do fenômeno da repristinação, salvo se a nova ordem jurídica expressamente assim pronunciar”. (Pedro Lenza, Direito Constitucional Esquematizado, pág. 125).

Como ilustração, vejamos o entendimento do STF sobre o assunto:

“EMENTA: Agravo regimental – Não tem razão o agravante. A recepção de lei ordinária como lei complementar pela Constituição posterior a ela só ocorre com relação aos seus dispositivos em vigor quando da promulgação desta, não havendo que pretender-se a ocorrência de efeito repristinatório, porque o nosso sistema jurídico, salvo disposição em contrário, não admite repristinação (artigo 2.º, § 3.º, da Lei de Introdução ao Código Civil). Agravo a que se nega provimento” (AGRAG 235.800/RS, rel. Min. Moreira Alves, DJ, 25.06.1999, P.16, Ement. V. 01956-13, p. 2660, 1ª Turma – original sem grifos).

 

DESCONSTITUCIONALIZAÇÃO

 

Trata-se da recepção - pela nova Constituição - das normas da Constituição anterior, que são compatíveis com o novo ordenamento jurídico; agora, porém, com o status de norma infraconstitucional. Todavia, no Brasil, como regra geral, o fenômeno da desconstitucionalização não é verificado, salvo, se a nova Constituição, expressamente, assim o requerer.

 

RECEPÇÃO MATERIAL DE NORMAS CONSTITUCIONAIS

 

Conforme doutrina do Professor Jorge Miranda: “a da persistência de normas constitucionais anteriores que guardam, se bem que título secundário, a antiga qualidade de normas constitucionais”. Desse modo, esclarece o conspícuo professor: ‘a par das normas que são direta expressão da nova idéia de Direito e que ficam sendo o núcleo da Constituição formal, perduram, então, por referência a elas, outras normas constitucionais’ (cf. Manual de Direito Constitucional, Coimbra, Coimbra Ed., 1988, t. II, p. 240)”.

A título de exemplo, interessante ressaltar o art. 34, caput, e seu § 1.º, do ADCT da CF/88, que garantem, expressamente, como norma Constitucional no novo ordenamento jurídico, a continuidade de artigos da Constituição anterior.

Contudo, pela própria natureza do Poder Constituinte Originário, que é a de criar um novo Estado, isto é, romper de vez com o antigo ordenamento jurídico, a recepção material só será admitida se assim determinar, expressamente, a nova Constituição; caso contrário, as normas anteriores serão revogadas.

 

Referências

LENZA, Pedro. Direito Constitucional esquematizado, 13 ed. rev., atual. e ampl..ed. Saraiva, 2009.

 

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 1 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/direito-artigos/nova-constituicao-e-leis-anteriores-1599085.html

    Palavras-chave do artigo:

    constituicao

    ,

    leis anteriores

    Comentar sobre o artigo

    ALDINEI RODRIGUES MACENA

    A lei 11.343/2006 instituiu a nova politica nacional sobre drogas, trazendo mudanças importantes para o ordenamento jurídico, principalmente sobre os tipos penais equiparados ao tráfico de drogas, diferenciando o tráfico do uso, de forma que o usuário de drogas, apesar de ainda se considerar que comete no mínimo uma contravenção, recebeu tratamento adequado no artigo 28, uma vez que a sanção imposta na lei para esse tipo penal passou a ter um caráter educativo com finalidade de ressocialização.

    Por: ALDINEI RODRIGUES MACENAl Direito> Doutrinal 17/04/2012 lAcessos: 1,182
    Fernando Rubin

    Ciente da necessidade da preclusão para o processo, procura-se abordar, a partir de uma perspectiva constitucional, em que medida se pode admitir sua aplicação minorada/mitigada, especialmente diante do direito à produção de prova.

    Por: Fernando Rubinl Direito> Doutrinal 15/08/2011 lAcessos: 233

    Em junho de 2005, entrava em vigor, depois de longos 11 anos de tramitação no Congresso Nacional, a Lei nº. 11.101, a chamada “nova” Lei de Recuperação de Empresas e Falências. Substituindo os dispositivos de um decreto-lei promulgado há 60 anos, ela nascia com a missão de estimular a recuperação de empresas possibilitando a reorganização de empresas em crise, enquanto se mostrassem viáveis, beneficiando não apenas seus titulares como também a sociedade em geral.

    Por: ARIELE APARECIDA PERESl Direitol 28/09/2009 lAcessos: 14,268 lComentário: 1

    Este artigo tem como objetivo expor as condições precárias do sistema prisional brasileiro, como também a superlotação que atualmente é alarmante. A falta de iniciativas governamentais, de políticas públicas contribuem para este sistema está totalmente de encontro com a finalidade da pena, a ressocialização do infrator. E que a Constituição Federal não está sendo acatada, pois seus princípios não são obedecidos e os direitos do preso não são respeitados.

    Por: ana caroline calheirosl Direito> Doutrinal 18/04/2010 lAcessos: 1,899 lComentário: 1

    O ICMS é um imposto regressivo tanto na arrecadação quanto na distribuição às Prefeituras pelos Estados. Mas a Lei Robin Hood tenta fazê-lo mais distributivista, embora ainda com muita timidez. O governo de Minas tenta agora, a partir de janeiro de 2011 um novo processo de redistribuição mais justo do ICMS. Veja a análise.

    Por: Daniel Miranda Soaresl Notícias & Sociedade> Desigualdades Sociaisl 17/01/2011 lAcessos: 877

    Trabalho que se destina a destacar os pontos principais para viabilizar ação de repetição de indébito em face da Resolução do Senado Federal nº 13, de 07 de março de 2006, que declarou inconstitucional os artigos 7º, incisos I e II e 27 da Lei 6.989 com redação dada pela 10.921 e 10.805 do Município de São Paulo que instituía progressividade no IPTU

    Por: Rafael Franceschini Leitel Direito> Direito Tributáriol 14/12/2008 lAcessos: 2,141 lComentário: 1
    Eduardo Veronese da Silva

    A NOVA LEI DE DROGAS TROUXE INOVAÇÕES JURÍDICAS ACERCA DO USUÁRIO E DEPENDENTES DE DROGAS, COMO TAMBÉM SOBRE A FIGURA DO TRAFICANTE. PODE-SE DESTACAR COMO SENDO UMA MUDANÇA PRINCIPAL, A DISTINÇÃO ENTRE AS FIGURAS DELITIVAS DESSES INFRATORES. OS USUÁRIOS E DEPENDENTES NAO MAIS ESTÃO SUJEITOS A PENA PRIVATIVA DE LIBERDADE (RECLUSÃO, DETENÇÃO E PRISÃO SIMPLES). QUANTO AOS TRAFICANTES, AS SANÇÕES SÃO MAIS RIGOROSAS, INCLUSIVE COM AUMENTO SIGNIFICATIVO NO VALOR DOS DIAS-MULTA.

    Por: Eduardo Veronese da Silval Direito> Legislaçãol 26/09/2011 lAcessos: 649

    O Governo Federal publicou nesta quarta-feira (14), no Diário Oficial, a mudança na lei do divórcio. A emenda constitucional dá nova redação ao parágrafo 6º do artigo 226 da Constituição Federal, que dispõe sobre a dissolubilidade do casamento civil pelo divórcio, acabando com o requisito de prévia separação judicial por mais de 1 (um) ano ou de comprovada separação de fato por mais de 2 (dois) anos. As regras entraram em vigor nesta quarta-feira (14) e só valem para casais sem filhos menores

    Por: DIARINl Notícias & Sociedade> Cotidianol 19/07/2010 lAcessos: 1,216 lComentário: 1

    O presente trabalho tem como escopo tecer comentários a cerca das inovações trazidas pela Lei Complementar nº 135/2010 (Lei do Ficha Limpa), bem como debater as principais teses que permearam a celeuma jurídica jurisprudencial que culminou no controle concentrado de constitucionalidade afirmativo exercido pelo STF diante provocação das ADI 4578, ADC 29 e ADC 30. Igualmente, busca enfrentar as novas hipóteses sob os principais aspectos de harmonização com o texto da carta constitucional de 1988.

    Por: Fernando Quevem Cardoso Moural Direitol 20/04/2012 lAcessos: 537

    Entenda como funciona a advocacia administrativa, quais suas aplicações e como ela funciona.

    Por: Sayuri Matsuol Direitol 28/03/2014

    Saiba quais são os hábitos que um bom advogado deve ter para ser bem sucedido e por que.

    Por: Sayuri Matsuol Direitol 28/03/2014 lAcessos: 11

    Conheça melhor o processo de recuperação judicial, como ele funciona, quais suas funções e porque ele deve ser feito.

    Por: Sayuri Matsuol Direitol 28/03/2014
    Luciano Manini

    Nos últimos anos o número de processos envolvendo pedidos de indenização por danos morais vem aumentando de maneira exponencial.

    Por: Luciano Maninil Direitol 24/03/2014
    Raddatz Advocacia

    Os consumidores que optam pela compra de apartamento na planta devem estar atentos com as cláusulas contratuais, vez que o sonho da casa própria muitas vezes acaba se tornando um verdadeiro pesadelo.

    Por: Raddatz Advocacial Direitol 20/03/2014

    Entenda melhor sobre a advocacia, quais suas funções e para que ela serve e onde ela é utilizada.

    Por: Sayuri Matsuol Direitol 19/03/2014

    Saiba para que serve a advocacia e quando é a melhor hora para usá-la.

    Por: Sayuri Matsuol Direitol 24/02/2014
    Luciano Manini

    O ambiente virtual já não é mais tão confuso para a Lei. Desde a explosão das redes sociais no Brasil, primeiramente com o Orkut, que a Justiça vem recebendo pedidos de indenização por dano moral, motivados por atos considerados ilícitos, como a calúnia, a difamação e a injúria, reveladas por meio de ofensas.

    Por: Luciano Maninil Direitol 24/02/2014
    André Reis

    Este material foi produzido a partir da leitura do Curso de Direito de Trabalho, de Luciano Martinez, editora Saraiva. Tem como objetivo principal auxiliar o leitor na compreensão da referida obra; por esse motivo, foi elaborado de modo esquematizado, identificando e selecionando as ideias principais, agrupando-as de forma concisa e objetiva.

    Por: André Reisl Direito> Doutrinal 05/10/2011 lAcessos: 358
    André Reis

    Este trabalho traz um estudo da matéria educação em todas as Constituições brasileiras considerando o cenário social, econômico e político de cada período. A finalidade deste artigo é proporcionar um entendimento de como o assunto se desenvolveu até culminar na atual Constituição - cuja temática educacional é tratada como direito fundamental e incluída no rol de direitos sociais.

    Por: André Reisl Direito> Doutrinal 18/01/2011 lAcessos: 1,335
    André Reis

    Este trabalho traz, de forma concisa e objetiva, algumas considerações sobre a jurisdição no Estado liberal e no Estado constitucional. Além de articular sobre a função do magistrado – antes um aplicador da letra da lei e, atualmente, um intérprete que leva em consideração, além da legislação vigente, princípios constitucionais e realidades sociais.

    Por: André Reisl Direitol 14/09/2010 lAcessos: 520
    André Reis

    Este trabalho traz esclarecimentos sobre a importância da cidadania, alteridade, tolerância e pluralismo. Fundamentos indissossiáveis a todo e qualquer país que deseje, de fato, instituir um Estado Democrático de Direito.

    Por: André Reisl Direito> Doutrinal 12/06/2010 lAcessos: 1,634
    André Reis

    Este trabalho traz esclarecimentos acerca das correntes filosóficas do Direito - jusnaturalismo, positivismo e pós-positivismo.

    Por: André Reisl Direito> Doutrinal 28/05/2010 lAcessos: 6,564
    André Reis

    Constituição de 1988: finalmente, a temática da educação recebe a relevância de que necessita, sendo tratada como direito fundamental e incluída no rol de direitos sociais.

    Por: André Reisl Direito> Doutrinal 11/05/2010 lAcessos: 5,657
    André Reis

    O artigo traz esclarecimentos acerca o Princípio do Devido Processo Legal, como: conceito, evolução histórica etc. Igualmente, informa sobre alguns corolários a esse princípio: Princípio do contraditório e ampla defesa; Duplo grau de jurisdição; Princípio da Publicidade, do Juiz Natural e Assistência jurídica integral e gratuita.

    Por: André Reisl Direito> Doutrinal 27/03/2010 lAcessos: 1,582
    André Reis

    Este trabalho traz esclarecimentos acerca do Princípio da demanda - que é igualmente conhecido como, Princípio da ação ou da iniciativa das partes. Como este é fundamental à prestação jurisdicional e indispensável à imparcialidade.

    Por: André Reisl Direito> Doutrinal 20/03/2010 lAcessos: 5,330
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast