Órgãos De Proteção Ao Crédito

Publicado em: 09/04/2009 |Comentário: 3 | Acessos: 35,802 |

Os órgãos de proteção ao crédito, como SERASA e SCPC, exercem importante função social e econômica, em benefício de todo o mercado, na medida em que funcionam como obstáculos da possibilidade de contratar, principalmente a prazo, para pessoas já em falta com suas obrigações.

Apesar dos benefícios trazidos com existência desses órgãos, é indispensável muita cautela na gestão dos respectivos bancos de dados, e isso tanto pelas instituições gestoras, quanto pelos fornecedores de produtos e serviços, que efetivamente indicam seus consumidores como maus pagadores.

Com efeito, existem regras que devem ser seguidas, a fim de garantir não só a ampla defesa dos consumidores, mas também seu nome, fama e honra no seio social, direitos personalíssimos que se refletem materialmente em crédito, instrumento essencial na luta pela sobrevivência.

Uma dessas regras, e talvez a mais importante delas, existente como norma de ordem pública, no Código de Defesa do Consumidor, é a que determina, aos órgãos de proteção, que antes de tornar pública a inscrição de um nome, no banco de dados, notifiquem por escrito o consumidor (art. 43, §2º).

Tal notificação serve não apenas para que o indivíduo pague o débito, evitando a publicidade indesejável da inscrição, mas também para que possa exercer seu direito de defesa, inclusive judicialmente, caso a inscrição a ser realizada não condiga com a verdade, e isso antes da mesma vir a público.

Nessa ordem de idéias, se a existência desses órgãos é uma necessidade moderna, o poder inerente à criação e manutenção, dos bancos de dados, deve ser utilizado dentro dos padrões legalmente exigíveis, de modo que as informações contidas sejam objetivas, corretas, claras e, sobretudo, verdadeiras, não causando prejuízo indevido aos consumidores.

É inadmissível, sob pena de responsabilidade civil, acarretando a devida indenização, que não seja oportunizado ao consumidor o seu direito ao conhecimento prévio da inscrição, que só pode ser levada a público, caso não haja qualquer manifestação, ou quando essa não condisser com a verdade.

Caso o consumidor tenha sofrido esse injusto gravame, sem oportunidade de se defender, ou pagar, antes da efetivação da publicidade, além de se recomendar a denúncia imediata do fato ao PROCON, deve buscar, inclusive judicialmente, a baixa imediata de seu nome do banco de dados, bem como a indenização por ofensa à sua honra e dignidade.

 

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 2 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/direito-artigos/orgaos-de-protecao-ao-credito-858485.html

    Palavras-chave do artigo:

    serasa

    ,

    scpc

    ,

    inscricao

    Comentar sobre o artigo

    RODRIGO BRUM SILVA

    Trata da disciplina de permanência do nome da pessoa nos bancos de dados de maus pagadores.

    Por: RODRIGO BRUM SILVAl Direito> Doutrinal 20/03/2010 lAcessos: 356
    Luciano Manini

    As ferramentas Score Crédito do SPC e Concentre Scoring do Serasa são utilizadas pelas referidas empresas para gerar pontuação de crédito de 0 a 1000, a consumidores cadastrados, com base em uma análise estatística que representa a probabilidade do proponente de crédito tornar-se inadimplente no mercado em um período de 12 meses.

    Por: Luciano Maninil Direito> Jurisprudêncial 23/09/2013 lAcessos: 69

    Atlantico Fundo de Investimento (Cobrança Indevida) Objetivamos orientar o consumidor, sobre seus direitos perante a cobrança indevida da Atlantico Fundo de Investimento que se encontra notificando diversos consumidores em todo o país a fim de efetuar pagamentos de créditos a ela pertencentes, adquiridos de terceiros. Por que a Atlântico Fundo de Investimento está realizando cobrança de forma indevida ?

    Por: Adriano Ramosl Direito> Legislaçãol 01/02/2012 lAcessos: 1,057

    Com base no ordenamento jurídico compreendido no Código Civil de 2002, através do artigo 1888 e seguintes, o testamento marítimo é feito de forma especial, sendo utilizado em situações de emergência: em viagem, a bordo de navio mercantil, pode testar perante o comandante, na presença de duas testemunhas, por forma que corresponda ao testamento público ou ao testamento cerrado.

    Por: sherika nonatol Direitol 16/11/2014

    O presente trabalho trata da possibilidade de reconhecimento jurídico das entidades familiares que surgiram após a Constituição Federal de 1988.

    Por: Jaianel Direitol 15/11/2014

    Quando uma empresa entra em falência, isto é, não possui mais formas ou bens de pagar suas dívidas a seus credores, ela entrará em estado de falência decretado pela justiça.

    Por: Sayuri Matsuol Direitol 14/11/2014

    Embora não seja um tema muito explorado, há leis que asseguram o direito de pessoas idosas à alimentação. O idoso tem esse direito resguardado pela Constituição e pelo Estatuto do Idoso, e ele poderá exigir esse encargo dos seus parentes. Contudo, se os familiares não tiverem condições de tomar essa responsabilidade, o Estado assumirá para si a obrigação alimentar o idoso, como esta previsto em lei.

    Por: Camila Ferreira Rossetil Direitol 14/11/2014
    Caroline Ferreira

    No ordenamento jurídico trabalhista o funcionário, em regra, é protegido por se tratar da parte hipossuficiente da relação. No caso de acidentes de trabalho existem uma série de medidas imediatas que resguardam os direitos do acidentado, mas existem também controvérsias sobre como deve ser tratado o acidente de trajeto. O presente artigo tem como objetivo a análise das teorias acerca da responsabilidade civil do empregador por acidente do trabalho de trajeto ("in itinere").

    Por: Caroline Ferreiral Direitol 13/11/2014 lAcessos: 11

    Com o rompimento dos laços afetivos e, consequentemente, do vínculo conjugal, muitas vezes pode ocorrer um desequilíbrio socioeconômico. Com o intuito de restabelecer o equilíbrio financeiro e social, surgem os alimentos compensatórios.

    Por: Débora Stimamigliol Direitol 13/11/2014
    KELI PAVI

    A caracterização da visita íntima como direito fundamental do preso Sendo um dos problemas mais discutidos hoje no direito penitenciário, a visita íntima ou conjugal ainda não está regulamentada em lei, o que não significa que ela deve ser restringida, pois esse direito se apoia principalmente no princípio constitucional da dignidade da pessoa humana e dos direitos fundamentais.

    Por: KELI PAVIl Direitol 12/11/2014

    O presente trabalho é um estudo criterioso acerca da lei de alienação parental. Resumidamente, ocorre alienação parental quando um dos genitores incute na mente do filho ideias depreciativas a respeito do outro genitor, aproveitando-se da dificuldade acerca da percepção da realidade, buscando turbar a formação da percepção social da criança ou do adolescente. A lei de alienação parental foi instituída pela Lei nº 12.318/2010. Contudo, anteriormente ao seu advento, a alienação parental já era rec

    Por: Ana Paula Kapplerl Direitol 11/11/2014 lAcessos: 19
    RODRIGO BRUM SILVA

    Trata da de aspectos básicos sobre a existência de relação de consumo na prática médica, bem como sobre aspectos gerais de responsabilidade civil.

    Por: RODRIGO BRUM SILVAl Direito> Doutrinal 21/07/2010 lAcessos: 93
    RODRIGO BRUM SILVA

    Trata do direito de arrependimento, conforme art. 49, do Código de Defesa do Consumidor

    Por: RODRIGO BRUM SILVAl Direito> Doutrinal 05/05/2010 lAcessos: 488
    RODRIGO BRUM SILVA

    Sobre a ilegalidade da taxa para abertura de crédito.

    Por: RODRIGO BRUM SILVAl Direito> Doutrinal 20/03/2010 lAcessos: 4,153 lComentário: 4
    RODRIGO BRUM SILVA

    Trata da ilegalidade e abusividade da cobrança de tarifa para emissão de cobrança.

    Por: RODRIGO BRUM SILVAl Direito> Doutrinal 20/03/2010 lAcessos: 558
    RODRIGO BRUM SILVA

    Trata da disciplina de permanência do nome da pessoa nos bancos de dados de maus pagadores.

    Por: RODRIGO BRUM SILVAl Direito> Doutrinal 20/03/2010 lAcessos: 356
    RODRIGO BRUM SILVA

    Trata da disciplina atual da capitalização de juros.

    Por: RODRIGO BRUM SILVAl Direito> Doutrinal 20/03/2010 lAcessos: 1,318
    RODRIGO BRUM SILVA

    Trata da disciplina jurídica do Orçamento à luz do Código de Defesa do Consumidor

    Por: RODRIGO BRUM SILVAl Direito> Doutrinal 20/03/2010 lAcessos: 817
    RODRIGO BRUM SILVA

    Trata dos principais direitos do consumidor no Sistema Único de Saúde (SUS)

    Por: RODRIGO BRUM SILVAl Direitol 22/04/2009 lAcessos: 9,044

    Comments on this article

    1
    monica 26/10/2010
    gostaria de saber tds as minha dividas que esta sem pagar e limpar meu nome oq eu devo fazer pra tira meu nome do orgao de proteção ao credito
    3
    DALCY DE DEUS CARDOSO DE SOUZA 18/10/2010
    PRESTACAOES A TRASADAS
    0
    roberto teixeira de araujo 26/09/2009
    TIVE UM CHEQUE FALSIFICADO POR PROFISSIONAIS DO CRIME, CHEQUE ESTE QUE CHEGOU ATÉ SER DESCONTADO DE MINHA CONTA, SENDO DEPOIS RESSARCIDO.

    PREOCUPADO, COM O GRAU DE SOFISTICAÇÃO DOS FALSÁRIOS NA CERTEZA DE QUE SERIAM FALSIFICADOS OUTROS CHEQUES, CPFS E CARTEIRAS DE IDENTIDADES, DE MIM E MINHA ESPOSA, POIS ESTAS INFORMAÇÕES CONSTAM DO CHEQUE FALSIFICADO,COMO TAMBÉM DO PROVÁVEL PREJUÍ
    ZO AOS LOJISTAS E COMERCIO EM GERAL DO RIO DE JANEIRO, APÓS O REGISTRO DA OCORRÊNCIA NA DELEGACIA, COMPARECI AO SPC(NACIONAL) E REGIONAL,BEM COMO O SERASA. PASMEM NÃO CONSEGUI REGISTRAR A OCORRÊNCIA NOS TRES ÓRGÃOS CITADOS PORQUE ELES SÓ REGISTRARIAM SE O CPF E IFP FOSSEM ROUBADOS, MAS COMO APENAS CONSTAM DO CHEQUE FALSO, NADA PODEM FAZER. ABSURDO, TENHO CERTEZA DE QUE O MEU CPF E DA MINHA ESPOSA DARÃO GRANDES PREJUIZOS AO COMÉRCIO, NÃO TENHO A MENOR DÚVIDA.

    FICAMOS À DISPOSIÇÂO DE UMA MENTE SUPERIOR PARA, QUE POSSAM ALERTAR O COMERCIO DE QUE AQUELES DOCUMENTOS SERÃO USADOS COM CERTEZA, APESAR DE NÃO SEREM ROUBADOS. GRATO ROBERTO TEIXEIRA DE ARAUJO E TANIA SERRA DE ARAUJO TELS 31830704 E 94997176.

    PS: ESTOU ENVIANDO CÓPIA DESTE PARA A CNTC
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast