Pacto Antenupcial

Publicado em: 04/12/2009 |Comentário: 0 | Acessos: 1,127 |

Não são raras as indagações acerca dos Regimes de Bens entre os cônjuges, principalmente no que tange o Pacto Antenupcial, figura esta que é desconhecida de grande parte da população.

 O Regime de bens, nos dizeres do doutrinador Carlos Roberto Gonçalves, nada mais é do que um conjunto de regras que disciplina as relações econômicas dos cônjuges, quer entre si, quer no tocante a terceiros, durante o casamento. Regula especialmente o domínio e a administração de ambos ou de cada um sobre os bens anteriores e os adquiridos na constância da união conjugal.

 Inicialmente insta salientar que no Direito Brasileiro existem quatro espécies de Regimes de Bens, a saber:

 

a)                Regime de Comunhão Parcial;

b)               Regime de comunhão Universal;

c)                Regime de Participação Final nos Aquestos;

d)               Regime de Separação de Bens

 

Os contraentes devem adotar um desses regimes ou então utilizar-se de normas próprias de cada um criando um regime misto.

 Consoante o civilista Carlos Roberto Gonçalves, “a escolha do regime de bens é feita no pacto antenupcial. Se este não foi feito, ou for nulo ou ineficaz, vigorará, quanto aos bens entre os cônjuges, o regime da comunhão parcial (CC, art. 1.640, caput), por isso chamado também de regime legal ou supletivo, tendo em vista que a lei supre o silêncio das partes”

O ilustre civilista continua nos dando uma precisa definição de pacto antenupcial:

 “Pacto antenupcial é um contrato solene e condicional, por meio do qual os nubentes dispõe sobre o regime de bens que vigorará entre ambos, após o casamento. Solene, porque será nulo se não for feito por escritura pública. Não é possível convencionar o regime matrimonial mediante simples instrumento particular ou no termo do casamento, pois o instrumento público é exigido ad solemnitatem. E condicional, porque só terá eficácia se o casamento se realizar (si nuptiae fuerint secutae). Caducará, sem necessidade de qualquer intervenção judicial, se um dos nubentes vier a falecer ou contrair matrimônio com outra pessoa”.

Após a explanação acima, é possível notar que, conforme o artigo 1653 do Código Civil, o Pacto Antenupcial será considerado nulo se não for feito mediante escritura pública (condição essencial para sua idealização). Por óbvio, necessário que o casamento também se concretize, sem o qual o Pacto perderá seu objeto.

Por outro lado, a elaboração do Pacto Nupcial fica restrita aos ditames da lei, consoante o artigo 1655 do CC, in verbis:

 É nula a convenção ou cláusula dela que contravenha disposição absoluta de lei.

 Por fim, para haver eficácia plena em face de terceiros, necessário a sua publicidade que é feita através de registro em livro especial, pelo Oficial de Registro de Imóveis do domicílio dos cônjuges (artigo 1657 do Código Civil).

  

BIBLIOGRAFIA

 

GONÇALVES, Carlos Roberto. Direito Civil Brasileiro – VI volume – Direito de Família. Editora Saraiva. São Paulo, 2.009, 6ª edição.

 

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 0 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/direito-artigos/pacto-antenupcial-1538800.html

    Palavras-chave do artigo:

    antenupcial direito de familia

    Comentar sobre o artigo

    Um trabalho, que nos mostra a finalidade do casamento, seus principios, a sua evoluçao histórica e seus varios conceitos

    Por: Guilherme Galãol Direitol 04/12/2009 lAcessos: 3,393
    Fábio Araújo de Holanda Souza

    Este trabalho insurge aspectos introdutórios e gerais do Direito de Família com o fito de tornar a leitura desta temática consubstancial aos princípios arraigados na Constituição não obstante suas peculiaridades culturais e eternas evoluções conceituais inerentes aos paradigmas que surge consoante a dinâmica social.

    Por: Fábio Araújo de Holanda Souzal Direito> Doutrinal 18/04/2011 lAcessos: 3,925
    EVILAZIO RIBEIRO

    A mulher viúva pode casar-se com o cunhado, irmão de seu marido pré-morto, mas não poderá casar-se com o sogro, PORQUE a morte extingue o vínculo de afinidade na linha colateral, mas não o extingue na linha reta.

    Por: EVILAZIO RIBEIROl Literatura> Crônicasl 30/11/2010 lAcessos: 5,099

    Faz-se mister salientar que este artigo abordará o regime da comunhão parcial de bens existente no Ordenamento Jurídico Brasileiro, sendo verificado suas principais características, bem como seus efeitos no tocante ao patrimônio de cada contraente após a celebração da casamento, isso sem prejuízo dos esclarecimentos no que tange ao "festejado" pacto antenupcial.

    Por: Fabiano Farran Leal de Queirozl Direito> Doutrinal 09/06/2011 lAcessos: 916
    Tatiane Fernandes

    Tudo sobre o pacto antenupcial, legislação vigente, doutrinas mais aceitas, ínformações sobre jurisprudência recentes.

    Por: Tatiane Fernandesl Direitol 20/06/2011 lAcessos: 827

    O direito sucessório é parte do direito que regula a distribuição dos bens da pessoa que falece, sendo que os beneficiados desta lei são os sucessores. Neste estudo, pretende-se descrever os direitos sucessórios dos companheiros, quando este torna-se o único herdeiro a suceder a totalidade dos bens, sejam esses bens adquiridos de forma onerosa na vigência da União Estável, sejam bens particulares.

    Por: GISELE ELISE BLUMEl Direito> Doutrinal 29/07/2014 lAcessos: 18
    Vanessa Silva Garcia

    O presente artigo estabelece como é escolhido entre os nubentes a forma do regime matrimonial, e como funciona na partilha de bens, e a mudança que ocorreu entre o Código de 1916 e o atual Código Civil de 2002.

    Por: Vanessa Silva Garcial Direitol 26/11/2014 lAcessos: 13

    Todo indivíduo que casa ganha regras que são impostas de cunho pessoal, há também as regras patrimoniais, mas estas não são impostas ao indivíduo, podem ser escolhidas, este é o sistema ao qual o Brasil se filia. Mas há Estados que impõe também as regras patrimoniais, p.ex., Argentina. São os grupos de REGRAS PATRIMONIAIS = REGIMES DOTAL COMUNHÃO UNIVERSAL DE BENS COMUNHÃO PARCIAL DE BENS SEPARAÇÃO DE BENS COMUNHÃO FINAL DE AQUESTOS

    Por: Caio rassil Direitol 19/06/2010 lAcessos: 590

    O maior de sessenta anos é, como qualquer cidadão, pessoa de direito e deveres e deveria ter a liberdade, como qualquer outro cidadão, de escolher o regime de bens de seu casamento. Tal imposição consatnte no artigo 1641, inciso II presume, equivocadamente, a incapacidade do idoso a partir dos sessenta anos e, não somente fere a Constituição Brasileira, como ainda é ineficaz quanto à proteção dos bens jurídicos que se supostamente busca tutelar.

    Por: Daniella R. de Andrade Rosasl Direito> Doutrinal 06/06/2010 lAcessos: 880 lComentário: 1

    Diante do exposto, é possível observar que a adequação das peculiaridades técnicas do meio envolvido às normas jurídicas proporcionará maior confiança na contratação virtual e contribuirá para a evolução das relações contratuais.

    Por: Natália Paz de Lyral Direitol 14/01/2015

    Trata-se, pois, imprescindível a adoção de sistemas de criptografia que garantam a autenticidade, integridade, tempestividade e perenidade do documento. Desta forma, os contratos eletrônicos terão eficácia probatória contra terceiros. No caso de dúvida quanto à autenticidade e integridade, o contrato não será considerado inválido ou inexistente, mas poderá vir a ser comprovado em juízo por qualquer meio de prova admitido.

    Por: Natália Paz de Lyral Direitol 14/01/2015

    A expansão da Internet com propósitos comerciais, impulsionou o desenvolvimento do comércio eletrônico mediante a utilização de contratos eletrônicos. Entretanto, a vulnerabilidade desse novo ambiente de onde são celebrados os contratos eletrônicos gera insegurança entre as partes contratantes.

    Por: Natália Paz de Lyral Direitol 14/01/2015

    A discussão com relação a redução da maioridade penal causa polêmica em alguns setores da sociedade brasileira. Na nossa lei a responsabilidade penal é definida a partir dos dezoito anos de idade. Os que defendem a redução da maioridade penal objetivam considerar penalmente responsáveis os adolescentes menores de dezoito anos, pois consideram que seria essa a solução para a criminalidade.

    Por: Claudia Maria Werner Polidol Direitol 08/01/2015

    A posse é um dos assuntos mais controvertidos na doutrina civilista. Um dos pontos ainda não sedimentados em relação à posse é o reconhecimento de sua função social, assunto este abordado no presente trabalho. Para tamanha pretensão, não se pode prescindir da ligação da posse (autônoma ou causal) com o direito de propriedade, ligação essa que promove o entendimento de que a função social reconhecida em relação à propriedade deve ser também feita em relação à posse.

    Por: MARIANAl Direitol 06/01/2015

    O Direito Penal Econômico é uma matéria jurídica que visa coibir ou punir as condutas ilícitas com um conjunto de regras que tem o escopo de sancionar, com penas próprias, no âmbito das relações econômicas, as ofensas ou perigo aos bens ou interesses juridicamente relevantes. Essa ciência coaduna, perfeitamente, com a corrupção existente no alto escalão da sociedade brasileira, perfazendo com que haja uma diminuição nessa prática prejudicial para os rumos da nação.

    Por: JOSÉ CARLOS MAIA SALIBA IIl Direitol 17/12/2014 lAcessos: 14

    Trata-se do processo informal de modificação da Constituição Federal, a mutação constitucional. Tema que se encontra em evidência, especialmente em decorrência da morosidade do Senado Federal em editar a resolução disciplinada pelo art. 52, X, da CF/1988.

    Por: Josildo Muniz de Oliveiral Direitol 15/12/2014 lAcessos: 20

    Insolvência civil é a situação na qual uma pessoa física contrai uma determinada dívida sem estar devidamente respaldada pelo potencial financeiro de seus bens móveis e imóveis.

    Por: Sayuri Matsuol Direitol 12/12/2014

    Aspectos relevantes sobre a aposentadoria especial.

    Por: Nicholas Pereira Carvalhol Direitol 13/12/2010 lAcessos: 245

    Peculiaridades acerca do Testamento na forma pública.

    Por: Nicholas Pereira Carvalhol Direito> Doutrinal 13/06/2010 lAcessos: 1,458
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast