Pacto Antenupcial

Publicado em: 04/12/2009 |Comentário: 0 | Acessos: 1,112 |

Não são raras as indagações acerca dos Regimes de Bens entre os cônjuges, principalmente no que tange o Pacto Antenupcial, figura esta que é desconhecida de grande parte da população.

 O Regime de bens, nos dizeres do doutrinador Carlos Roberto Gonçalves, nada mais é do que um conjunto de regras que disciplina as relações econômicas dos cônjuges, quer entre si, quer no tocante a terceiros, durante o casamento. Regula especialmente o domínio e a administração de ambos ou de cada um sobre os bens anteriores e os adquiridos na constância da união conjugal.

 Inicialmente insta salientar que no Direito Brasileiro existem quatro espécies de Regimes de Bens, a saber:

 

a)                Regime de Comunhão Parcial;

b)               Regime de comunhão Universal;

c)                Regime de Participação Final nos Aquestos;

d)               Regime de Separação de Bens

 

Os contraentes devem adotar um desses regimes ou então utilizar-se de normas próprias de cada um criando um regime misto.

 Consoante o civilista Carlos Roberto Gonçalves, “a escolha do regime de bens é feita no pacto antenupcial. Se este não foi feito, ou for nulo ou ineficaz, vigorará, quanto aos bens entre os cônjuges, o regime da comunhão parcial (CC, art. 1.640, caput), por isso chamado também de regime legal ou supletivo, tendo em vista que a lei supre o silêncio das partes”

O ilustre civilista continua nos dando uma precisa definição de pacto antenupcial:

 “Pacto antenupcial é um contrato solene e condicional, por meio do qual os nubentes dispõe sobre o regime de bens que vigorará entre ambos, após o casamento. Solene, porque será nulo se não for feito por escritura pública. Não é possível convencionar o regime matrimonial mediante simples instrumento particular ou no termo do casamento, pois o instrumento público é exigido ad solemnitatem. E condicional, porque só terá eficácia se o casamento se realizar (si nuptiae fuerint secutae). Caducará, sem necessidade de qualquer intervenção judicial, se um dos nubentes vier a falecer ou contrair matrimônio com outra pessoa”.

Após a explanação acima, é possível notar que, conforme o artigo 1653 do Código Civil, o Pacto Antenupcial será considerado nulo se não for feito mediante escritura pública (condição essencial para sua idealização). Por óbvio, necessário que o casamento também se concretize, sem o qual o Pacto perderá seu objeto.

Por outro lado, a elaboração do Pacto Nupcial fica restrita aos ditames da lei, consoante o artigo 1655 do CC, in verbis:

 É nula a convenção ou cláusula dela que contravenha disposição absoluta de lei.

 Por fim, para haver eficácia plena em face de terceiros, necessário a sua publicidade que é feita através de registro em livro especial, pelo Oficial de Registro de Imóveis do domicílio dos cônjuges (artigo 1657 do Código Civil).

  

BIBLIOGRAFIA

 

GONÇALVES, Carlos Roberto. Direito Civil Brasileiro – VI volume – Direito de Família. Editora Saraiva. São Paulo, 2.009, 6ª edição.

 

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 0 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/direito-artigos/pacto-antenupcial-1538800.html

    Palavras-chave do artigo:

    antenupcial direito de familia

    Comentar sobre o artigo

    Um trabalho, que nos mostra a finalidade do casamento, seus principios, a sua evoluçao histórica e seus varios conceitos

    Por: Guilherme Galãol Direitol 04/12/2009 lAcessos: 3,352
    Fábio Araújo de Holanda Souza

    Este trabalho insurge aspectos introdutórios e gerais do Direito de Família com o fito de tornar a leitura desta temática consubstancial aos princípios arraigados na Constituição não obstante suas peculiaridades culturais e eternas evoluções conceituais inerentes aos paradigmas que surge consoante a dinâmica social.

    Por: Fábio Araújo de Holanda Souzal Direito> Doutrinal 18/04/2011 lAcessos: 3,810
    EVILAZIO RIBEIRO

    A mulher viúva pode casar-se com o cunhado, irmão de seu marido pré-morto, mas não poderá casar-se com o sogro, PORQUE a morte extingue o vínculo de afinidade na linha colateral, mas não o extingue na linha reta.

    Por: EVILAZIO RIBEIROl Literatura> Crônicasl 30/11/2010 lAcessos: 4,893

    Faz-se mister salientar que este artigo abordará o regime da comunhão parcial de bens existente no Ordenamento Jurídico Brasileiro, sendo verificado suas principais características, bem como seus efeitos no tocante ao patrimônio de cada contraente após a celebração da casamento, isso sem prejuízo dos esclarecimentos no que tange ao "festejado" pacto antenupcial.

    Por: Fabiano Farran Leal de Queirozl Direito> Doutrinal 09/06/2011 lAcessos: 887
    Tatiane Fernandes

    Tudo sobre o pacto antenupcial, legislação vigente, doutrinas mais aceitas, ínformações sobre jurisprudência recentes.

    Por: Tatiane Fernandesl Direitol 20/06/2011 lAcessos: 780

    O direito sucessório é parte do direito que regula a distribuição dos bens da pessoa que falece, sendo que os beneficiados desta lei são os sucessores. Neste estudo, pretende-se descrever os direitos sucessórios dos companheiros, quando este torna-se o único herdeiro a suceder a totalidade dos bens, sejam esses bens adquiridos de forma onerosa na vigência da União Estável, sejam bens particulares.

    Por: GISELE ELISE BLUMEl Direito> Doutrinal 29/07/2014

    Todo indivíduo que casa ganha regras que são impostas de cunho pessoal, há também as regras patrimoniais, mas estas não são impostas ao indivíduo, podem ser escolhidas, este é o sistema ao qual o Brasil se filia. Mas há Estados que impõe também as regras patrimoniais, p.ex., Argentina. São os grupos de REGRAS PATRIMONIAIS = REGIMES DOTAL COMUNHÃO UNIVERSAL DE BENS COMUNHÃO PARCIAL DE BENS SEPARAÇÃO DE BENS COMUNHÃO FINAL DE AQUESTOS

    Por: Caio rassil Direitol 19/06/2010 lAcessos: 579

    O maior de sessenta anos é, como qualquer cidadão, pessoa de direito e deveres e deveria ter a liberdade, como qualquer outro cidadão, de escolher o regime de bens de seu casamento. Tal imposição consatnte no artigo 1641, inciso II presume, equivocadamente, a incapacidade do idoso a partir dos sessenta anos e, não somente fere a Constituição Brasileira, como ainda é ineficaz quanto à proteção dos bens jurídicos que se supostamente busca tutelar.

    Por: Daniella R. de Andrade Rosasl Direito> Doutrinal 06/06/2010 lAcessos: 873 lComentário: 1
    José Carlos Gomes

    Regime de bens do casamento.1. Introdução; 2. Conceito de regime de bens; 3. Regimes de bens existentes no Brasil; 4. Escolha ou instituição de um regime de bens; 5. Alteração do regime de bens; 6. Princípios dos regimes de bens; 7. Regimes de bens previstos no Código Civil; 8. Bibliografia.

    Por: José Carlos Gomesl Direito> Doutrinal 17/06/2010 lAcessos: 4,824

    Este artigo acadêmico tem por grande objetivo esclarecer as duvidas referentes ao polêmico artigo 1.790 do Código Civil. Desta maneira, vários argumentos serão expostos para que haja total compreensão do texto que traz o artigo, diante a concorrência na União Estável.

    Por: Henrique Tirintan Amoriml Direitol 30/10/2014

    Trata-se de uma resenha sobre o documentário Ouro Azul - Guerras Mundial das Águas, que mostra a briga dos países para conseguir água, a exploração de empresas na extração da água para comercialização, o custo da água em outros países.

    Por: Sue Hellen Maidanal Direitol 27/10/2014

    Trata-se de uma resenha crítica sobre o livro Estação Carandiru, escrito por Dráuzio Varella.

    Por: Sue Hellen Maidanal Direitol 27/10/2014

    Sabe qual a diferença entre insolvência e falência? Leia o artigo e saiba mais!

    Por: Sayuri Matsuol Direitol 27/10/2014

    Com o término da faculdade, a dúvida entre advocacia privada e concursos se faz muito presente. Mas qual caminho a seguir? Saiba mais!

    Por: Sayuri Matsuol Direitol 22/10/2014

    Trata-se de um artigo que pretende fornecer breves apontamentos acerca da Escola da Exegese. No início do Século XIX, surgiu a Escola da Exegese em meio ao caos político e social da França revolucionária.

    Por: JOSÉ CARLOS MAIA SALIBA IIl Direitol 21/10/2014

    Sabe o que é advocacia administrativa? Advocacia administrativa é um crime previsto por lei. Saiba mais!

    Por: Sayuri Matsuol Direitol 13/10/2014

    O artigo em questão trata do direito que a mulher gestante tem de receber alimentos do pai ou do suposto pai da criança. Será falado das possibilidades e das provas para receber os alimentos.

    Por: Janainal Direitol 13/10/2014

    Aspectos relevantes sobre a aposentadoria especial.

    Por: Nicholas Pereira Carvalhol Direitol 13/12/2010 lAcessos: 239

    Peculiaridades acerca do Testamento na forma pública.

    Por: Nicholas Pereira Carvalhol Direito> Doutrinal 13/06/2010 lAcessos: 1,424
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast