Pacto Antenupcial atual

Publicado em: 20/06/2011 |Comentário: 0 | Acessos: 816 |

                                                   

INTRODUÇÃO E CONCEITO

            Também denominado de convenção matrimonial ou pacto dotal, constitui na livre escolha dos nubentes sobre o regime matrimonial de bens que adotarão. Na união estável também existe essa liberdade de escolha, através do pacto institucional. De forma sucinta é um contrato solene, realizado antes do Casamento onde os nubentes decidiram pelo regime de bens que versará durante o casamento. 

            Quanto ao conteúdo regido por ele, há divergência entre os doutrinadores, por exemplo, para Orlando Gomes o pacto deve reger unicamente sobre o regime de bens adotado, já para Zeno Veloso além da escolha do regime o pacto pode trazer outras questões como reconhecimento de filhos, doação e outros. A verdade é que desde que não contrariem regras cogentes, atenda aos requisitos legais e não exista norma proibitiva, não há motivo para se desconsiderar outros atos negociais existentes ali e a eventualidade de uma clausula nula não provoca a nulidade do pacto.

            O pacto é faculdade dos nubentes, não é obrigatório e atualmente não é frequente o seu uso. A natureza de contrato do pacto antenupcial já foi bastante discutida, hoje, porém ficou clara, pois advém da vontade das partes e é permitida a mutação do regime escolhido. É negócio jurídico bilateral e sujeito a condição suspensiva, já que depende de acontecimento futuro e incerto, o casamento. Em se tratando de negócio jurídico acessório a invalidade do principal (casamento) implica a perda do pacto. Pode ser realizado por intermédio de procurador, desde que este tenha poderes específicos e o regime já deve ter sido escolhido ou as cláusulas que farão parte do pacto.

            Duas hipóteses tornam desnecessário o pacto antenupcial, se a escolha for o regime de comunhão parcial, pois é o regime legal dispositivo, ou seja, na falta do pacto, é este o regime que vigorará ou no caso de se obrigatório o regime de separação de bens, que por ser imposição legal, não há permissão de escolha.

            No sistema nacional é permitida a escolha de uma fórmula singular, de acordo com os interesses dos nubentes, além é claro da escolha do regime, melhor dizendo, o pacto versaria sobre um estatuto misto. O limite se estende até que não fraude a lei ou prejudique terceiros, se ocorrer, será invalida tal norma contratual.

            Como o próprio nome diz, o pacto deve ser feito antes da celebração do casamento e até a mesma ocasião pode ser alterado livremente de acordo com as exigências previstas em lei, após a celebração a alteração dependerá de homologação do juiz de direito. Tais alterações ou desistência do pacto devem ser procedidas pelo casal, se feitas unilateralmente serão insubsistentes. Em caso de erro material no registro de casamento, a retificação deve ser pedida pelo casal e fica a cargo da vara de registros públicos.

 

LEGALIDADE

            A previsão legal encontra-se no Código Civil em seus artigos 1653 a 1657 e 1537.

            O pacto celebrado por instrumento particular é considerado nulo pela legislação, a solenidade é imprescindível para a validade do ato negocial, ou seja, a escritura pública é essencial. Isso se explica pela importância do que foi pactuado e dos reflexos causados no mundo negocial, a final não é de interesse exclusivo dos nubentes o regime de bens escolhido, envolve também os filhos e terceiros que com eles se relacionaram financeiramente. A caducidade do pacto ocorre apenas com a morte de uma das partes ou o seu casamento com terceiro e a validade somente tem início com o casamento, como já dito.

            A capacidade para a realização do pacto é a mesma exigida para o casamento, portanto devem as partes ter no mínimo dezoito anos e se tiverem entre dezesseis e dezoito poderão realizar desde que assistidos pela pessoa a quem compete a realização do casamento.

            Com já explicado anteriormente o pacto pode conter cláusula própria, porém a mesma não poderá ser contrária à regra cogente, se for o caso a cláusula será considerada nula, podendo ainda a nulidade abranger todo o pacto antenupcial.Vimos que é indispensável a formalização do ato mediante escritura pública para se verificar a validade, além da verificação da condição suspensiva, o casamento, para ter validade entre os próprios nubentes.

             Portanto para valer perante terceiros será necessário o seu registro pelo oficial do Registro de Imóveis em livro especial, conforme determinação do artigo 1657 do Código Civil, e em casos de alterações deverá ser feita a averbação sob a consequência de valer o anterior em relação a terceiros. Quanto ao local, será o de domicílio dos cônjuges e não onde se encontram os imóveis constantes no pacto. Essa exigência é essencial à segurança jurídica de terceiros que se praticam negócios jurídicos.

 

 

 

 

FONTES DE PESQUISA

Nader, Paulo – Curso de Direito Civil_Direito de Família, Vol. 5 – 5ª edição, Editora Forense.

Venosa, Silvio de Salvo – Direito Civil_Direito de Família – 11ª edição, Editora Atlas.

Bittar, Carlos Alberto – Direito de Família – 2ª edição, Editora Forense Universitária.

Gonçalves, Carlos Roberto – Direito Civil Brasileiro_Direito de Família, Vol. 6 – Editora Saraiva.

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 0 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/direito-artigos/pacto-antenupcial-atual-4930352.html

    Palavras-chave do artigo:

    pacto

    Comentar sobre o artigo

    O Sistema Único de Saúde (SUS), dentro de suas funções: regular, fiscalizar, controlar e executar ações e serviços de saúde, há quase duas décadas ainda perpassa por transformações estruturais e organizacionais na tentativa de superar as situações-problemas, garantindo saúde a todo e qualquer cidadão brasileiro. Neste recorte, trabalha-se quanto a nova proposição governamental no campo da saúde,evidenciando o papel da auditoria do SUS neste contexto,destacando perspectivas e desafios.

    Por: Catiane Peronl Saúde e Bem Estarl 02/09/2009 lAcessos: 2,879 lComentário: 1

    Tem esse trabalho o objetivo de esclarecer o que são os pactos parassociais e como ele pode ser usado no intuído de preservar a empresa familiar, tendo em vista os vários problemas existentes para se dar continuidade as empresas a partir de sua segunda geração. Veremos o conceito de pacto parassocial e onde o mesmo é utilizado, analisaremos as partes do contrato e os requisistos necessários para que a parte faça parte desse contrato.

    Por: Davi Reisl Direito> Doutrinal 17/07/2012 lAcessos: 343

    O presente trabalho visa correlatar artigos que tem como função a proteção do nome, tendo assim o Direito de Personalidade ( Lei 10.406/02, Cap. II, art. 11 ao 21, CC ), juntamente com o disposto no art. 18 da Convenção Americana sobre Direitos Humanos Pacto de San José dispondo que: "Toda pessoa tem direito a um prenome e aos nomes de seus pais ou ao de um destes. A lei deve regular a forma de assegurar a todos esse direito, mediante nomes fictícios, se for necessário".

    Por: Rodrigo Siqueira Ponciano Luizl Direito> Doutrinal 23/11/2012 lAcessos: 72
    Marcelo dos Santos Rodrigues

    No cenário evangélico brasileiro se faz necessário uma releitura de todo conteúdo do Pacto de Lausanne. Suas influências servem de base para despertar na liderança e no povo a genuína natureza e missão da Igreja. A consolidação doutrinária estabelecida pelo Pacto, foi de suma importância no meio evangélico ou evangelical, esta consolidação dividiu-se em: o propósito de Deus; a autoridade e o poder da Bíblia; a unicidade e a universalidade de Cristo e o retorno de Cristo.

    Por: Marcelo dos Santos Rodriguesl Religião & Esoterismo> Religiãol 17/06/2011 lAcessos: 1,727 lComentário: 2
    Bruno Lima Rocha

    A alegria do analista é quando os conceitos empregados ganham materialidade. No caso, o chamado Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social (CDES), tanto o nacional como o recém criado no Rio Grande, materializa a idéia de pacto social e fornece elemento para esta crítica por esquerda.

    Por: Bruno Lima Rochal Notícias & Sociedade> Polítical 24/02/2011 lAcessos: 52
    Washington Luis Batista Barbosa

    O presente trabalho tem por objetivo principal analisar os impactos da edição da Lei Complementar 123, principalmente no que diz respeito à constitucionalidade do seu artigo 41 que atribui à Procuradoria Geral da Fazenda a competência para inscrever em dívida ativa e cobrar os créditos tributários do chamado SIMPLES Nacional.

    Por: Washington Luis Batista Barbosal Direitol 04/06/2009 lAcessos: 291
    Giselle Galvão

    Pré-lançamento do Livro O Pacto de Aaron pela Editora Chiado juntamente com a E.I.E. Caminhos da Tradição. O Livro que está previsto para chegar ao Brasil em Fevereiro de 2013 já está bombando nas redes sociais, os leitores já estão pedindo para reservar o seu exemplar, este livro promete um grande sucesso. A história é instigante e já tem comentário de jornalistas consceituados como Mario Chimanovitch da folha de São Paulo apontando o livro como uma pequena "obra prima", vale a pena conferir!

    Por: Giselle Galvãol Literatura> Ficçãol 04/01/2013 lAcessos: 56
    Natanael S.Soares

    Façamos no presente PACTO pela preservação ao Meio Ambiente, assim evitamos no futuro IMPACTO com consequencias trágicas e irreversiveis aos seres vivos/humanos.

    Por: Natanael S.Soaresl Notícias & Sociedade> Meio Ambientel 16/02/2011 lAcessos: 124
    Giselle Galvão

    Lançamento simultâneo Brasil x Portugal do Livro O Pacto de Aaron, pela Editora Chiado. Mario Chimanovitch - renomado jornalista da revista Isto é, atualmente trabalhando na Folha de São Paulo, amigo pessoal da autora do livro: Giselle Galvão, leu em primeira mão o manuscrito do livro e fez o seu comentário que está na contracapa do livro.

    Por: Giselle Galvãol Literatura> Ficçãol 04/01/2013 lAcessos: 45

    O Direito Penal Econômico é uma matéria jurídica que visa coibir ou punir as condutas ilícitas com um conjunto de regras que tem o escopo de sancionar, com penas próprias, no âmbito das relações econômicas, as ofensas ou perigo aos bens ou interesses juridicamente relevantes. Essa ciência coaduna, perfeitamente, com a corrupção existente no alto escalão da sociedade brasileira, perfazendo com que haja uma diminuição nessa prática prejudicial para os rumos da nação.

    Por: JOSÉ CARLOS MAIA SALIBA IIl Direitol 17/12/2014

    Trata-se do processo informal de modificação da Constituição Federal, a mutação constitucional. Tema que se encontra em evidência, especialmente em decorrência da morosidade do Senado Federal em editar a resolução disciplinada pelo art. 52, X, da CF/1988.

    Por: Josildo Muniz de Oliveiral Direitol 15/12/2014

    Insolvência civil é a situação na qual uma pessoa física contrai uma determinada dívida sem estar devidamente respaldada pelo potencial financeiro de seus bens móveis e imóveis.

    Por: Sayuri Matsuol Direitol 12/12/2014

    O artigo 321 descrito acima, presente no Código Penal Brasileiro, se refere ao ato da advocacia administrativa, hoje considerado crime no território brasileiro. A advocacia administrativa ocorre quando um funcionário público realiza tarefas e se move em favor para e de interesses terceiros dentro da administração pública.

    Por: Sayuri Matsuol Direitol 08/12/2014

    Revogação do testamento total ou parcial. Código Civil do Artigo 1.969 `a 1.975. Testamento como vimos é um negocio jurídico.

    Por: Clibas Clementil Direitol 07/12/2014

    Os direitos fundamentais nas relações de trabalho têm especial importância configurada na desigualdade das partes envolvidas na relação de emprego, razão pela qual se faz necessária a horizontalização dos direitos fundamentais, como forma de limitação dos poderes do empregador sobre o trabalhador, parte hipossuficiente.

    Por: Alessandro Freitas Ribeirol Direitol 03/12/2014 lAcessos: 11

    Este artigo irá abordar acerca das formas especiais de testamento (marítimo, aeronáutico e militar), bem como as suas principais peculiaridades, ressaltando que estes não são de livre escolha do homem e só são possíveis diante a existência de circunstâncias e situações excepcionais, as quais serão avaliadas ao longo deste trabalho.

    Por: Maria Eduarda M. de O. Reisl Direitol 03/12/2014 lAcessos: 13

    O presente artigo tem o objetivo principal de apresentar apontamentos acerca da redução da imputabilidade penal no Brasil. Primeiramente, traz uma análise histórica dos diferentes tratamentos dado a imputabilidade penal ao longo dos anos pelo ordenamento jurídico pátrio. Na sequência analisa-se o Estatuto da criança e do adolescente, bem como as medidas socioeducativas aplicadas aos menores infratores, visto como sujeitos em peculiar estágio de desenvolvimento.

    Por: ivaneidel Direitol 02/12/2014
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast