Partilha Amigável no Processo Sucessório

Publicado em: 22/06/2010 |Comentário: 0 | Acessos: 5,720 |

PARTILHA AMIGÁVEL NO PROCESSO SUCESSÓRIO

 

 

É legalmente possível a partilha, de forma amigável, dos bens que compõem a herança, sendo requisitos para tal ato que os herdeiros sejam maiores e capazes.

Sengundo Nelson Nery Júnior e Rosa Maria Andrade Nery, em seu Código Civil comentado, ao comentar o artigo 1.196, preleciona que "a partilha é negócio jurídico transacional e exige, para sua validade, os requisitos do negócio jurídico".

A partilha amigável pode ser levada a efeito por intermédio de Escritura Pública e instrumento particular submetido a posterior homologação judicial (uma espécie de chancela do Poder Judiciário).

Havendo testamento, ainda assim há que se falar em partilha amigável, porém, mister o ajuizamento de processo judicial de arrolamento (artigo 1031, do Diploma Processual Civil), com a participação (custus legis) do Ministério Público (artigo 82, inciso II, do mesmo codex).

Com o advento da Lei nº 11.441/2.007 manifestamente possível a partilha realizada extrajudicialmente e, frise-se, sem a intervenção do Poder Judiciário (por meio da homologação) – CPC, artigo 982 -, bastando que todos os herdeiros sejam maiores e capazes (concordando com a partilha, obviamente) e, ainda, que todas as partes estejam assistidas por um advogado.

Não se deve esquecer da quitação dos tributos relativos aos bens dos espólio e suas rendas, prova necessária para se obter a homologação da partilha. Aqui, não estamos diante do imposto de transmissão da herança (famoso ITCMD – Imposto de Transmissão Causa Mortis e Doação), já que tal imposto é requisito para expedição do formal de partilha (CPC, artigos 1.026 e 1.034, § 2º).

Nada impede que os herdeiros, em processo judicial solene, superados eventuais conflitos que ensejaram o ajuizamento do feito, realizarem partilha amigável, bastando apresentar a partilha a fim de que seja tomada por termo nos autos (inventário e arrolamento) e, após isso, será realizada a homologação pelo magistrado, pondo fim à pendenga judicial; vale dizer, há, ainda, a hipótese de ser por intermédio de petição dirigida ao Juízo.

Em se tratando de partilha extrajudicial, não há que se falar em intervenção do juiz por meio da homologação, já que a escritura pública é realizada por tabelião que tem fé-pública, restando prescindível a chancela judicial, frisando-se, sempre, que as partes, ao optarem por esta modalidade de partilha, devem estar devidamente acompanhadas de advogado (CPC, artigo 982, parágrafo único).

Aqui, estamos diante de inventário extrajudicial e, em havendo processo judicial em trâmite e as partes optarem pela modalidade extrajuudicial (que, frise-se, possui trâmite infinitamente mais rápido do que o judicial), basta requererem a extinção do feito judicial, juntado, para tanto, a cópia do ato notarial.

Por fim, insta salientar que pode haver partilha amigável levando-se em conta os tributos da propriedade (verbi gratia, usufruto e nua-propriedade). Isto se dá porque a partilha amigável, por ser ato negocial entre as partes envolvidas, não está adstrita ao princípio igualitário absoluto.

Nesta linha de raciocínio, perfeitamente cabível que a nua-propriedade fique a pertencer a um herdeiro, enquanto que o usufruto pertença a outro herdeiro, uma espécie de "desmembramento" dos tributos da propriedade, conforme acima aludido.

 

 

Bibliografia:

 

NERY JÚNIOR, Nelson; NERY, Rosa Maria de Andrade. Código Civil Comentado, 4ª ed. São Paulo: RT, 2006.

 

DIAS, Maria Berenice. Manual das Sucessões. São Paulo: ed. Revista dos Tribunais, 2008.

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 1 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/direito-artigos/partilha-amigavel-no-processo-sucessorio-2704025.html

    Palavras-chave do artigo:

    partilha

    Comentar sobre o artigo

    Com a abertura da sucessão, os bens deixados pelo “de cujus” tornam-se herança que é transmitida imediatamente para os sucessores legítimos e testamentários, é o chamado PRINCÍPIO DA SAISINE. Porém o acervo do “de cujus” constitui uma universalidade de bens que precisam ser identificados e especificados para que se possa fazer a divisão entre os herdeiros. Para que essa individualização aconteça é preciso todo um procedimento, é o chamado INVENTÁRIO. Dentro do inventário pode ou não ocorrer a partilha, que poderá ser feita de forma judicial ou extrajudicial. O presente trabalho tem por objetivo definir e estudar tais procedimentos.

    Por: Ana Cláudia Fereira Santosl Direitol 02/12/2009 lAcessos: 14,420
    Adriano Martins Pinheiro

    Este artigo abordará o tema de inventário, partilha e herança, bem como explicará seus procedimentos e abordará os interesses dos herdeiros, inventariantes e credores, dentre outros. Além disso, procuramos esclarecer o significado de cada termo usados no processo, e que, por vezes, é desconhecido daqueles que não estão habituados com a linguagem jurídica. Assim, serão esclarecidos temas, quanto à documentos, dívidas, divisão de bens, prazos e outros aspectos processuais.

    Por: Adriano Martins Pinheirol Direito> Doutrinal 11/07/2009 lAcessos: 2,641 lComentário: 1

    Um breve relato sobre a função do Formal de Partilha

    Por: Melina Vieira Morellil Direitol 03/12/2009 lAcessos: 37,303 lComentário: 3
    Alberto Matos

    Em que consiste a alegria da vida? Em possuir coisas? Um patrimônio? Em recuperar coisas perdidas? A alegria da vida está centralizada em minha pessoa ou no serviço que posso desempenhar para o outro? O que é a alegria da partilha? Qual a verdadeira alegria da vida? Como compreender a alegria vivencial? Estas e outras respostas você achará neste artigo!

    Por: Alberto Matosl Religião & Esoterismo> Evangelhol 29/05/2009 lAcessos: 2,888 lComentário: 2
    Claudio Bezerra de Menezes

    O artigo tem como propósito refletir sobre a grandeza da partilha do lucro na Economia de Mercado em prol do Bem Estar Social.

    Por: Claudio Bezerra de Menezesl Direito> Doutrinal 13/09/2014 lAcessos: 15

    O que é e como se paga o ITBI ? (Imposto Sobre Transmissão de Bens Imóveis) O ITBI é um imposto de competência municipal, ou seja comente o Município tem competência para instituí-lo. Isso decorre do artigo 156,II da Constituição Federal e é devido pelo contribuinte gerado toda a vez que se há compra e venda de imóvel. Assim, que deve ser recolhido segundo normas da prefeitura local no momento da compra e venda do imovel. Consulte a prefeitura local para informações pormenorizadas relativa ao

    Por: wolney corretor de imoveisl Negócios> Negócio de Casal 29/07/2010 lAcessos: 5,911
    Juliana Gentilini David

    Esse trabalho tem como propósito demonstrar três maneiras de se adquirir o direito a sucessão que são: Herança, Legado e Partilha.

    Por: Juliana Gentilini Davidl Direito> Doutrinal 10/11/2010 lAcessos: 8,679
    jacques veloso

    A maior parte dos conflitos entre casais ocorre na definição do período de convivência e na comprovação do esforço comum para aquisição do patrimônio

    Por: jacques velosol Direito> Legislaçãol 14/11/2012 lAcessos: 1,012

    Pré-candidato à presidência da República, o presidente do PSDB e senador Aécio Neves criticou nesta terça-feira, em discurso na tribuna do Senado: o resultado do leilão do campo de Libra, do pré-sal; o modelo de partilha adotado pelo governo Dilma Rousseff e apontou supostas ingerências políticas na Petrobras. Em tom de ironia, o tucano ainda saudou a entrada da presidente Dilma e dos petistas no "mundo das privatizações".

    Por: LeituraDiarial Notícias & Sociedade> Polítical 23/10/2013 lAcessos: 32

    Com base no ordenamento jurídico compreendido no Código Civil de 2002, através do artigo 1888 e seguintes, o testamento marítimo é feito de forma especial, sendo utilizado em situações de emergência: em viagem, a bordo de navio mercantil, pode testar perante o comandante, na presença de duas testemunhas, por forma que corresponda ao testamento público ou ao testamento cerrado.

    Por: sherika nonatol Direitol 16/11/2014

    O presente trabalho trata da possibilidade de reconhecimento jurídico das entidades familiares que surgiram após a Constituição Federal de 1988.

    Por: Jaianel Direitol 15/11/2014

    Quando uma empresa entra em falência, isto é, não possui mais formas ou bens de pagar suas dívidas a seus credores, ela entrará em estado de falência decretado pela justiça.

    Por: Sayuri Matsuol Direitol 14/11/2014

    Embora não seja um tema muito explorado, há leis que asseguram o direito de pessoas idosas à alimentação. O idoso tem esse direito resguardado pela Constituição e pelo Estatuto do Idoso, e ele poderá exigir esse encargo dos seus parentes. Contudo, se os familiares não tiverem condições de tomar essa responsabilidade, o Estado assumirá para si a obrigação alimentar o idoso, como esta previsto em lei.

    Por: Camila Ferreira Rossetil Direitol 14/11/2014
    Caroline Ferreira

    No ordenamento jurídico trabalhista o funcionário, em regra, é protegido por se tratar da parte hipossuficiente da relação. No caso de acidentes de trabalho existem uma série de medidas imediatas que resguardam os direitos do acidentado, mas existem também controvérsias sobre como deve ser tratado o acidente de trajeto. O presente artigo tem como objetivo a análise das teorias acerca da responsabilidade civil do empregador por acidente do trabalho de trajeto ("in itinere").

    Por: Caroline Ferreiral Direitol 13/11/2014

    Com o rompimento dos laços afetivos e, consequentemente, do vínculo conjugal, muitas vezes pode ocorrer um desequilíbrio socioeconômico. Com o intuito de restabelecer o equilíbrio financeiro e social, surgem os alimentos compensatórios.

    Por: Débora Stimamigliol Direitol 13/11/2014
    KELI PAVI

    A caracterização da visita íntima como direito fundamental do preso Sendo um dos problemas mais discutidos hoje no direito penitenciário, a visita íntima ou conjugal ainda não está regulamentada em lei, o que não significa que ela deve ser restringida, pois esse direito se apoia principalmente no princípio constitucional da dignidade da pessoa humana e dos direitos fundamentais.

    Por: KELI PAVIl Direitol 12/11/2014

    O presente trabalho é um estudo criterioso acerca da lei de alienação parental. Resumidamente, ocorre alienação parental quando um dos genitores incute na mente do filho ideias depreciativas a respeito do outro genitor, aproveitando-se da dificuldade acerca da percepção da realidade, buscando turbar a formação da percepção social da criança ou do adolescente. A lei de alienação parental foi instituída pela Lei nº 12.318/2010. Contudo, anteriormente ao seu advento, a alienação parental já era rec

    Por: Ana Paula Kapplerl Direitol 11/11/2014 lAcessos: 11

    A aposentadoria consiste em ato personalíssimo do beneficiário, não se admitindo, sobre ele, transação ou até mesmo transferência a terceiros; porém, neste trilho, é de rigor anotar que o quanto acima deduzido não impede que haja renúncia quanto a este direito por parte do beneficiário...

    Por: Pedro Ribeiro Bonamichil Direitol 15/12/2010 lAcessos: 641

    junto ao ordenamento jurídico brasileiro, precisamente no Código Civil de 2002, temos a previsão de 06 (seis) hipóteses de dissolução da Sociedade Limitada, quais sejam: a) Unipessoalidade; b) Irrealizibalidade do objeto social; c) Decurso do prazo determinado de duração; d) Extinção da autorização do funcionamento; e) Falência; f) Vontades dos sócios.

    Por: Pedro Ribeiro Bonamichil Direitol 14/12/2010 lAcessos: 800
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast