Partilha Amigável no Processo Sucessório

Publicado em: 22/06/2010 |Comentário: 0 | Acessos: 5,791 |

PARTILHA AMIGÁVEL NO PROCESSO SUCESSÓRIO

 

 

É legalmente possível a partilha, de forma amigável, dos bens que compõem a herança, sendo requisitos para tal ato que os herdeiros sejam maiores e capazes.

Sengundo Nelson Nery Júnior e Rosa Maria Andrade Nery, em seu Código Civil comentado, ao comentar o artigo 1.196, preleciona que "a partilha é negócio jurídico transacional e exige, para sua validade, os requisitos do negócio jurídico".

A partilha amigável pode ser levada a efeito por intermédio de Escritura Pública e instrumento particular submetido a posterior homologação judicial (uma espécie de chancela do Poder Judiciário).

Havendo testamento, ainda assim há que se falar em partilha amigável, porém, mister o ajuizamento de processo judicial de arrolamento (artigo 1031, do Diploma Processual Civil), com a participação (custus legis) do Ministério Público (artigo 82, inciso II, do mesmo codex).

Com o advento da Lei nº 11.441/2.007 manifestamente possível a partilha realizada extrajudicialmente e, frise-se, sem a intervenção do Poder Judiciário (por meio da homologação) – CPC, artigo 982 -, bastando que todos os herdeiros sejam maiores e capazes (concordando com a partilha, obviamente) e, ainda, que todas as partes estejam assistidas por um advogado.

Não se deve esquecer da quitação dos tributos relativos aos bens dos espólio e suas rendas, prova necessária para se obter a homologação da partilha. Aqui, não estamos diante do imposto de transmissão da herança (famoso ITCMD – Imposto de Transmissão Causa Mortis e Doação), já que tal imposto é requisito para expedição do formal de partilha (CPC, artigos 1.026 e 1.034, § 2º).

Nada impede que os herdeiros, em processo judicial solene, superados eventuais conflitos que ensejaram o ajuizamento do feito, realizarem partilha amigável, bastando apresentar a partilha a fim de que seja tomada por termo nos autos (inventário e arrolamento) e, após isso, será realizada a homologação pelo magistrado, pondo fim à pendenga judicial; vale dizer, há, ainda, a hipótese de ser por intermédio de petição dirigida ao Juízo.

Em se tratando de partilha extrajudicial, não há que se falar em intervenção do juiz por meio da homologação, já que a escritura pública é realizada por tabelião que tem fé-pública, restando prescindível a chancela judicial, frisando-se, sempre, que as partes, ao optarem por esta modalidade de partilha, devem estar devidamente acompanhadas de advogado (CPC, artigo 982, parágrafo único).

Aqui, estamos diante de inventário extrajudicial e, em havendo processo judicial em trâmite e as partes optarem pela modalidade extrajuudicial (que, frise-se, possui trâmite infinitamente mais rápido do que o judicial), basta requererem a extinção do feito judicial, juntado, para tanto, a cópia do ato notarial.

Por fim, insta salientar que pode haver partilha amigável levando-se em conta os tributos da propriedade (verbi gratia, usufruto e nua-propriedade). Isto se dá porque a partilha amigável, por ser ato negocial entre as partes envolvidas, não está adstrita ao princípio igualitário absoluto.

Nesta linha de raciocínio, perfeitamente cabível que a nua-propriedade fique a pertencer a um herdeiro, enquanto que o usufruto pertença a outro herdeiro, uma espécie de "desmembramento" dos tributos da propriedade, conforme acima aludido.

 

 

Bibliografia:

 

NERY JÚNIOR, Nelson; NERY, Rosa Maria de Andrade. Código Civil Comentado, 4ª ed. São Paulo: RT, 2006.

 

DIAS, Maria Berenice. Manual das Sucessões. São Paulo: ed. Revista dos Tribunais, 2008.

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 1 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/direito-artigos/partilha-amigavel-no-processo-sucessorio-2704025.html

    Palavras-chave do artigo:

    partilha

    Comentar sobre o artigo

    Com a abertura da sucessão, os bens deixados pelo “de cujus” tornam-se herança que é transmitida imediatamente para os sucessores legítimos e testamentários, é o chamado PRINCÍPIO DA SAISINE. Porém o acervo do “de cujus” constitui uma universalidade de bens que precisam ser identificados e especificados para que se possa fazer a divisão entre os herdeiros. Para que essa individualização aconteça é preciso todo um procedimento, é o chamado INVENTÁRIO. Dentro do inventário pode ou não ocorrer a partilha, que poderá ser feita de forma judicial ou extrajudicial. O presente trabalho tem por objetivo definir e estudar tais procedimentos.

    Por: Ana Cláudia Fereira Santosl Direitol 02/12/2009 lAcessos: 14,516
    Adriano Martins Pinheiro

    Este artigo abordará o tema de inventário, partilha e herança, bem como explicará seus procedimentos e abordará os interesses dos herdeiros, inventariantes e credores, dentre outros. Além disso, procuramos esclarecer o significado de cada termo usados no processo, e que, por vezes, é desconhecido daqueles que não estão habituados com a linguagem jurídica. Assim, serão esclarecidos temas, quanto à documentos, dívidas, divisão de bens, prazos e outros aspectos processuais.

    Por: Adriano Martins Pinheirol Direito> Doutrinal 11/07/2009 lAcessos: 2,659 lComentário: 1

    Um breve relato sobre a função do Formal de Partilha

    Por: Melina Vieira Morellil Direitol 03/12/2009 lAcessos: 37,510 lComentário: 3
    Alberto Matos

    Em que consiste a alegria da vida? Em possuir coisas? Um patrimônio? Em recuperar coisas perdidas? A alegria da vida está centralizada em minha pessoa ou no serviço que posso desempenhar para o outro? O que é a alegria da partilha? Qual a verdadeira alegria da vida? Como compreender a alegria vivencial? Estas e outras respostas você achará neste artigo!

    Por: Alberto Matosl Religião & Esoterismo> Evangelhol 29/05/2009 lAcessos: 2,896 lComentário: 2
    Claudio Bezerra de Menezes

    O artigo tem como propósito refletir sobre a grandeza da partilha do lucro na Economia de Mercado em prol do Bem Estar Social.

    Por: Claudio Bezerra de Menezesl Direito> Doutrinal 13/09/2014 lAcessos: 20

    O que é e como se paga o ITBI ? (Imposto Sobre Transmissão de Bens Imóveis) O ITBI é um imposto de competência municipal, ou seja comente o Município tem competência para instituí-lo. Isso decorre do artigo 156,II da Constituição Federal e é devido pelo contribuinte gerado toda a vez que se há compra e venda de imóvel. Assim, que deve ser recolhido segundo normas da prefeitura local no momento da compra e venda do imovel. Consulte a prefeitura local para informações pormenorizadas relativa ao

    Por: wolney corretor de imoveisl Negócios> Negócio de Casal 29/07/2010 lAcessos: 5,928
    Juliana Gentilini David

    Esse trabalho tem como propósito demonstrar três maneiras de se adquirir o direito a sucessão que são: Herança, Legado e Partilha.

    Por: Juliana Gentilini Davidl Direito> Doutrinal 10/11/2010 lAcessos: 8,901
    jacques veloso

    A maior parte dos conflitos entre casais ocorre na definição do período de convivência e na comprovação do esforço comum para aquisição do patrimônio

    Por: jacques velosol Direito> Legislaçãol 14/11/2012 lAcessos: 1,020

    Pré-candidato à presidência da República, o presidente do PSDB e senador Aécio Neves criticou nesta terça-feira, em discurso na tribuna do Senado: o resultado do leilão do campo de Libra, do pré-sal; o modelo de partilha adotado pelo governo Dilma Rousseff e apontou supostas ingerências políticas na Petrobras. Em tom de ironia, o tucano ainda saudou a entrada da presidente Dilma e dos petistas no "mundo das privatizações".

    Por: LeituraDiarial Notícias & Sociedade> Polítical 23/10/2013 lAcessos: 37

    Diante do exposto, é possível observar que a adequação das peculiaridades técnicas do meio envolvido às normas jurídicas proporcionará maior confiança na contratação virtual e contribuirá para a evolução das relações contratuais.

    Por: Natália Paz de Lyral Direitol 14/01/2015

    Trata-se, pois, imprescindível a adoção de sistemas de criptografia que garantam a autenticidade, integridade, tempestividade e perenidade do documento. Desta forma, os contratos eletrônicos terão eficácia probatória contra terceiros. No caso de dúvida quanto à autenticidade e integridade, o contrato não será considerado inválido ou inexistente, mas poderá vir a ser comprovado em juízo por qualquer meio de prova admitido.

    Por: Natália Paz de Lyral Direitol 14/01/2015

    A expansão da Internet com propósitos comerciais, impulsionou o desenvolvimento do comércio eletrônico mediante a utilização de contratos eletrônicos. Entretanto, a vulnerabilidade desse novo ambiente de onde são celebrados os contratos eletrônicos gera insegurança entre as partes contratantes.

    Por: Natália Paz de Lyral Direitol 14/01/2015

    A discussão com relação a redução da maioridade penal causa polêmica em alguns setores da sociedade brasileira. Na nossa lei a responsabilidade penal é definida a partir dos dezoito anos de idade. Os que defendem a redução da maioridade penal objetivam considerar penalmente responsáveis os adolescentes menores de dezoito anos, pois consideram que seria essa a solução para a criminalidade.

    Por: Claudia Maria Werner Polidol Direitol 08/01/2015

    A posse é um dos assuntos mais controvertidos na doutrina civilista. Um dos pontos ainda não sedimentados em relação à posse é o reconhecimento de sua função social, assunto este abordado no presente trabalho. Para tamanha pretensão, não se pode prescindir da ligação da posse (autônoma ou causal) com o direito de propriedade, ligação essa que promove o entendimento de que a função social reconhecida em relação à propriedade deve ser também feita em relação à posse.

    Por: MARIANAl Direitol 06/01/2015

    O Direito Penal Econômico é uma matéria jurídica que visa coibir ou punir as condutas ilícitas com um conjunto de regras que tem o escopo de sancionar, com penas próprias, no âmbito das relações econômicas, as ofensas ou perigo aos bens ou interesses juridicamente relevantes. Essa ciência coaduna, perfeitamente, com a corrupção existente no alto escalão da sociedade brasileira, perfazendo com que haja uma diminuição nessa prática prejudicial para os rumos da nação.

    Por: JOSÉ CARLOS MAIA SALIBA IIl Direitol 17/12/2014 lAcessos: 14

    Trata-se do processo informal de modificação da Constituição Federal, a mutação constitucional. Tema que se encontra em evidência, especialmente em decorrência da morosidade do Senado Federal em editar a resolução disciplinada pelo art. 52, X, da CF/1988.

    Por: Josildo Muniz de Oliveiral Direitol 15/12/2014 lAcessos: 21

    Insolvência civil é a situação na qual uma pessoa física contrai uma determinada dívida sem estar devidamente respaldada pelo potencial financeiro de seus bens móveis e imóveis.

    Por: Sayuri Matsuol Direitol 12/12/2014

    A aposentadoria consiste em ato personalíssimo do beneficiário, não se admitindo, sobre ele, transação ou até mesmo transferência a terceiros; porém, neste trilho, é de rigor anotar que o quanto acima deduzido não impede que haja renúncia quanto a este direito por parte do beneficiário...

    Por: Pedro Ribeiro Bonamichil Direitol 15/12/2010 lAcessos: 652

    junto ao ordenamento jurídico brasileiro, precisamente no Código Civil de 2002, temos a previsão de 06 (seis) hipóteses de dissolução da Sociedade Limitada, quais sejam: a) Unipessoalidade; b) Irrealizibalidade do objeto social; c) Decurso do prazo determinado de duração; d) Extinção da autorização do funcionamento; e) Falência; f) Vontades dos sócios.

    Por: Pedro Ribeiro Bonamichil Direitol 14/12/2010 lAcessos: 820
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast