PETIÇÃO DE HERANÇA

Publicado em: 14/12/2010 |Comentário: 0 | Acessos: 4,514 |

PETIÇÃO DE HERANÇA

 

Introdução

Quando da abertura da sucessão, ocorre a imediata transferência de bens aos herdeiros (artigo 1.784 do Código Civil). É o princípio de sausine. No entanto, existe a possibilidade de a herança cair em mãos de quem não detém a condição de herdeiro, não excluindo, com isso, o direito sucessório de quem é verdadeiramente herdeiro.

O verdadeiro sucessor pode ter sido preterido, por exemplo, porque não era conhecido, porque não se encontrou testamento ou este veio a ser anulado, ou por se tratar de filho não reconhecido.

Em casos como esses, cabe ao sucessor prejudicado demonstrar a sua qualidade, para obter do possuidor a restituição do que a ele compete.

A saída é a via judicial, através da ação de petição de herança, conhecida como petitio hereditatis, que se constitui a proteção específica da qualidade de sucessor, para ser reconhecido como tal e obter, em consequência, a restituição da herança, no todo ou em parte, de quem a possua, na qualidade de herdeiro, ou mesmo sem título. E o que dispõe o artigo 1.824 do Código Civil: "O herdeiro pode, em ação de petição de herança, demandar o reconhecimento de seu direito sucessório, para obter a restituição da herança, ou de parte dela, contra quem, na qualidade de herdeiro, ou mesmo sem título, a possua".

Assim, "a petição de herança é a ação pela qual o herdeiro procura o reconhecimento judicial de sua qualidade, com vistas a recuperar todo ou parte do patrimônio sucessório, indevidamente em poder de outrem" (GONÇALVES, 2010, p. 143).

Alerta Carlos Roberto Gonçalves (2010, p. 142) que nem sempre a omissão do nome do herdeiro nas primeiras declarações ou no curso do inventário justifica o ajuizamento de uma ação, pois, conforme dispõe o artigo 1.001 do Código de Processo Civil, "aquele que se julgar preterido poderá demandar a sua admissão no inventário, requerendo-o antes da partilha". Nesse caso, o juiz, após ouvir as partes no prazo de 10 (dez) dias, decidirá. Se não acolher o pedido, remeterá o requerente para os meios ordinários, mandando reservar, em poder do inventariante, o quinhão do herdeiro excluído até que se decida o litígio.

Segundo o citado autor, o que o artigo 1.001 do estatuto processual proíbe é a reabertura de procedimento de inventário já encerrado, para que se examine a habilitação de herdeiro preterido, uma vez que até a partilha, qualquer interessado tem legitimidade para requerer o seu ingresso no inventário, não, contudo, depois de realizada.

Depois de encerrado o inventário, somente através de ação de petição de herança é que alguém pode pretender sua parte no patrimônio hereditário.

"Mesmo antes da abertura do inventário ou da partilha, o herdeiro pode pedir a reserva de bens enquanto tramita a ação de conhecimento em que busca reconhecer sua qualidade de sucessor. Depois de ultimado o inventário, a ação é a de petição de herança" (DIAS, 2008, p. 592).

Admite-se a cumulação de ações, desde que compatíveis os pedidos e adequado o rito processual. Frequentemente, cumula-se a petição de herança com a ação de investigação de paternidade ou com a declaratória da condição de companheiro.

A ação de petição de herança não se confunde com a ação reivindicatória, apesar de ambas terem a mesma causa de pedir: o direito sucessório do autor sobre bens que estão na posse indevida de outrem. O que as distingue é que a petição de herança tem caráter universal, ou seja, com ela o autor visa a uma universalidade:  o patrimônio deixado pelo de cujus. Por sua vez, a reivindicatória é uma ação singular ou particular que pretende bens específicos, tendo por objeto coisas individualizadas.

Como bem ensina Maria Berenice Dias:

 

A ação reivindicatória é movida contra pessoa estranha à sucessão, em tudo igual à ação que seria proposta pelo autor da herança se vivo fosse. Na ação de petição de herança, é buscado o reconhecimento da qualidade de herdeiro e, sucessivamente, a restituição da herança. Assim, quando está em jogo a qualidade de herdeiro do autor, a ação é sempre de petição de herança. De outro lado, quando não se discute a condição de herdeiro entre autor e réu, a ação é a reivindicatória. (DIAS, 2008, p. 597).

 

Natureza jurídica

Muito se discute sobre a natureza jurídica da petição de herança.

Para alguns autores, trata-se de ação pessoal, ação de estado, destinando-se ao reconhecimento da qualidade sucessória de quem a intenta e visando, precipuamente, à positivação de um status. Para outros, cuida-se de ação real, uma vez que a herança é considerada bem imóvel (artigo 80, inciso II, do Código Civil), sendo uma universalidade de bens. Para uma terceira corrente, tal ação possui natureza mista, porque se destina, num primeiro plano, à apuração do título hereditário, exibindo índole eminentemente pessoal; e, num segundo, à reivindicação universal do patrimônio, de natureza real.

De acordo com Orlando Gomes (2006, p. 260), "a petitio hereditatis é uma ação especial, cuja singularidade provém da natureza particular do seu objeto". È uma ação de quem pretende ver reconhecido o seu direito sucessório e, também, para obter a restituição de todos os bens da herança, ou de parte deles, por via de consequência. Teria, desse modo, caráter misto pela duplicidade de seu objeto, por inseparáveis os propósitos de reconhecimento da qualidade hereditária (fim declaratório) e da restituição dos bens (caráter condenatório).

Segundo Carlos Roberto Gonçalves (2010, p.143), é necessário esclarecer o alcance do primeiro objeto da referida ação, isto é, o reconhecimento do direito sucessório, em razão de ordem de vocação hereditária ou de disposição testamentária.

Segundo a lição de Orlando Gomes,

 

A ação de estado é premissa da petição de herança, quando o título de herdeiro depende da prova de parentesco, como acontece em relação ao filho ilegítimo não reconhecido. Certificada a qualidade de parente sucessível, não implica, entretanto, investidura na de herdeiro, assim entendido o que deveria ter sido chamado. Atestada, porém, a qualidade sucessória, positiva-se o direito à herança, legitimando-se o pedido de restituição dos bens hereditários.

Em relação ao afastamento de herdeiro testamentário, a anulação em ação proposta pelo herdeiro legal também constitui premissa da petitio hereditatis, se, em conseqüência, lhe cabe recolher a herança, Em suma, ingressa em juízo para que se lhe reconheça o título de herdeiro com que se apresentava o possuidor dos bens hereditários.

Provada a qualidade sucessória, a recuperação da herança, no todo ou em parte, é natural e necessário corolário. (GOMES, 2006, p. 261, destaques no original).

 

Para Carlos Roberto Gonçalves (2010, p. 144), a petição de herança não tem o caráter de ação de estado, embora tenha duplo objeto - reconhecimento do direito sucessório e a restituição dos bens hereditários-, pois o primeiro é premissa do segundo, sendo este que, prática e especialmente, o herdeiro pretende atingir, cuja carga é condenatória

Predomina na doutrina o entendimento de que a ação de petição de herança é ação real, tendo, pois, natureza condenatória.

 

Legitimidade

Cabe a quem se afirma herdeiro e busca esse título, pretendendo que lhe pertença exclusivamente a herança, ou parte dela, valer-se da ação de petição de herança.

Dispõe de legitimidade ativa qualquer herdeiro, tanto legítimo quanto testamentário, assim como os cessionários e os adquirentes de bens hereditários. O herdeiro testamentário, seu substituto ou o fideicomissário têm legitimidade para a demanda.

Ocorrendo o falecimento do herdeiro preterido antes ou depois da abertura da sucessão, havendo direito de representação, os sucessores ode, propor a ação.

De acordo com Maria Berenice Dias (2008, p. 594), o herdeiro resultante das técnicas de reprodução assistida post mortem pode fazer uso da ação petitória para o reconhecimento de seu direito à herança.

Se não reconhecida a união estável pelos herdeiros em sede de inventário, o companheiro sobrevivente dispõe de legitimidade para a propositura da ação de reconhecimento da união, cumulada com a ação de petição de herança.

A ação também pode ser proposta por um herdeiro contra um coerdeiro que recebeu mais do que tinha direito.

A herança é um todo unitário de propriedade indivisível e regula-se pelas normas do condomínio (artigo 1.791 do Código Civil). Promovida a ação por somente um dos coerdeiros, a todos aproveita (artigo 1.825 do Código Civil). Qualquer dos coerdeiros pode demandar a restituição de todos os bens, ainda que seja o único a acionar o terceiro estranho à sucessão.

Em qualquer caso, compete ao autor a prova de seu título e qualidade.

Legitimado passivamente é o possuidor dos bens hereditários, com o título de herdeiro ou outra qualificação, ou mesmo sem título. Nesse rol, encontra-se o herdeiro aparente, ou seja, aquele que se encontra na posse de bens hereditários como se titular da fosse.

Cumulada a petição de herança com investigação de paternidade, constarão como demandados todos os herdeiros do falecido (e não o espólio), além do possuidor dos bens hereditários, formando um litisconsórcio passivo necessário, em razão da natureza da relação jurídica (artigo 47 do Código de Processo Civil), ainda que os herdeiros tenham renunciado à herança ou optado por sua cessão.

Herdeiro aparente

Quem está na posse dos bens da herança como se fosse herdeiro aparenta condição que não tem, aparecendo aos olhos de todos como titular definitivo dos direitos, ações e obrigações transmitidos. É o herdeiro aparente, assim considerado, por se encontrar na posse de bens hereditários, como se fosse o legítimo titular do direito à herança, assumindo, pública e notoriamente, essa condição.

O herdeiro aparente é reputado herdeiro legítimo, por força de erro comum ou geral, ou seja, é aquele que, não sendo titular dos direitos sucessórios, é tido como legítimo proprietário da herança, em consequência de erro invencível e comum; nunca foi herdeiro pela essência, mas foi pela aparência.

O resultado da ação de petição de herança contra o herdeiro aparente vai depender da natureza de sua posse, se de boa ou de má-fé.

Efeitos da sentença

 

Reconhecida a qualidade hereditária do autor da petição de herança, o efeito natural e principal é a transmissão da titularidade do patrimônio deixado em seu favor. A procedência do pedido da inicial, decretada em sentença transitada em julgado, gera o reconhecimento da ineficácia da partilha em relação ao autor da ação, dispensada sua anulação, bastando o simples pedido de retificação da partilha realizada anteriormente.

Os efeitos produzidos pela sentença são distintos em relação ao herdeiro aparente ou ao simples possuidor e em relação ao terceiro adquirente.

Em relação ao herdeiro aparente, sendo ele possuidor, sua responsabilidade rege-se pelas regras da posse, que pode ser de boa ou má-fé (artigo 1.826 combinado com os artigos 1.214 a 1.222, todos do Código Civil).

Assim, o herdeiro aparente, condenado na petição de herança, tem de restituir os bens com todos os seus acessórios. Responderá, ainda, por perdas e danos, bem como pelos frutos que tiver colhido, ressalvado o direito de retenção, se estiver de boa-fé. Faz jus ao ressarcimento das benfeitorias necessárias, ainda que de má-fé; das úteis, se estiver de boa-fé; e quanto às voluptuárias, somente no caso de boa-fé, poderá retirá-las, se puder fazê-lo sem danificar a coisa (artigos 1.219 e 1.220 do Código Civil).

É de boa-fé a posse se o herdeiro aparente a houver adquirido na convicção de ser o verdadeiro herdeiro (artigo 1.201 do Código Civil). É importante a crença do possuidor de se encontrar em uma situação legítima, pois se ignora a existência de vício na aquisição da posse (como a existência de parente que o precede na ordem de vocação hereditária ou se supõe válido testamento absolutamente nulo), ela é de boa-fé; se o vício é do seu conhecimento, a posse é de má-fé. Após a citação, o herdeiro aparente fica constituído em mora e se transforma em possuidor de má-fé (artigo 1.826, parágrafo único do Código Civil e 219 do Código de Processo Civil).

Quanto ao terceiro adquirente, deve-se verificar se a alienação que lhe foi feita pelo herdeiro aparente é válida ou não. Será considerado válido o negócio se alienados os bens a título oneroso a terceiro adquirente de boa-fé (artigo 1.827, parágrafo único, do Código Civil). Se o terceiro adquiriu de má-fé, o ato é ineficaz, competindo-lhe, por conseguinte, restituir os bens. Em relação aos bens recebidos a título gratuito, independe se o donatário estava de boa ou má-fé: cabe a restituição do bem. Em resumo: são eficazes as aquisições de boa-fé, por título oneroso, e ineficazes as de má-fé por esse mesmo título, bem coo as feitas a título gratuito.

 

Prescrição

 

Há muito o Supremo Tribunal Federal sumulou o entendimento de que a petição de herança é prescritível, através da Súmula 149, que dispõe: "É imprescritível a ação de investigação de paternidade, mas não o é a de petição de herança". Como não há previsão expressa, o prazo é o de 10 (dez) anos (artigo 205 do Código Civil).

O termo inicial do lapso prescricional e a data de abertura da sucessão. Todavia, se a legitimação depender do prévio reconhecimento da paternidade, será a data em que o direito puder ser exercido, ou seja, o momento em que for reconhecida a paternidade, e não o da abertura da sucessão. Nesse sentido, decidiu a 3ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo, na Apelação Cível 134.291.4/4-00-Ribeirão Preto, de relatoria do Desembargador Ênio Zuliani. (GONÇALVES, 2010, p. 154).

 

Referências bibliográficas

 

DIAS, Maria Berenice. Manual das sucessões. 1ª ed., 3ª tir., São Paulo: Revista dos Tribunais, 2008.

 

GOMES, Orlando. Sucessões. 13ª ed. rev. e aumentada por Mario Roberto Carvalho de Faria, Rio de Janeiro: Forense, 2006.

 

GONÇALVES, Carlos Roberto. Direito civil brasileiro, volume 7: direito das sucessões. 4ª ed., São Paulo: Saraiva, 2010.

 

AUTOR: LEONARDO POMPOLO DA COSTA - ALUNO DE DIREITO DA FACULDADE LAUDO DE CAMARGO - UNAERP - RIBEIRÃO PRETO

 

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 1 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/direito-artigos/peticao-de-heranca-3844738.html

    Palavras-chave do artigo:

    peticao de heranca

    Comentar sobre o artigo

    É a herança que esta a espera e a procura de herdeiros. Isso ocorre por ter alguém falecido e não tento a quem a reclame.

    Por: DIEGO DE SOUZA PIMENTAl Direito> Doutrinal 20/06/2010 lAcessos: 411
    Adriana Wanderley

    O presente artigo irá tratar da reprodução humana, mais precisamente a fertilização "in vitro" diante das questões de ordem jurídica concernentes aos direitos sucessórios, tema repleto de grande polêmica, visto que existem dogmas de conduta ética, moral e religiosa encontrando assim, uma infinidade de preceitos que atravessaram os séculos e que perdura até os dias atuais. Com o surgimento de novos conceitos, as relações entre as pessoas, as novas descobertas e novos obstáculos aumentam sem dúvid

    Por: Adriana Wanderleyl Direito> Doutrinal 03/09/2011 lAcessos: 1,928
    Júlia Tresoldi

    Trata-se de análise da Relativização da Coisa Julgada na visão da doutrina e da jurisprudência do STF e STJ, salientando casos em que ela é admitida.

    Por: Júlia Tresoldil Direito> Doutrinal 21/10/2013 lAcessos: 65
    Marcelo Matias da Silva

    O Presente Artigo tem como objetivo abordar os direitos do nascituro portador de anencefalia, trazendo questionamentos importantes quanto ao começo e o fim da vida sob a ótica do Código Civil brasileiro e da Constituição da Republica Federativa do Brasil de 1988, usando como parâmetro a Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (APDF 54/STF) em tramitação no Supremo Tribunal Federal.

    Por: Marcelo Matias da Silval Direito> Doutrinal 30/11/2010 lAcessos: 3,373

    O inventário é uma ação judicial, na qual após atender a alguns procedimentos e requisitos estipulados pelo Código de Processo Civil, resulta na partilha dos bens deixados pelo "de cujus" ao seus sucessores. sendo esta sua principal finalidade. O inventário é dividido em duas acões, a de inventário, propriamente dita, e a de arrolamento. Analisados mais detalhadamente no referido texto de "INVENTÁRIO".

    Por: Bruna Costa Vilelal Direitol 15/12/2010 lAcessos: 13,469 lComentário: 1
    Mathias Gonzalez

    Todos os dias, assistimos pelo noticiário da TV, gravações de imagens de assassinatos brutais e impiedosos, estupros de menores e outros crimes hediondos. A Constituição Brasileira é a favor da PENA DE MORTE só em casos de guerra declarada ou traição de brasileiro à Pátria. Os marginais já declararam guerra a sociedade, aos pais de família, aos contribuintes, às crianças e aos idosos inocentes. Os criminosos estão traindo diariamente a nossa confiança e se apropriando do nosso patrimônio.

    Por: Mathias Gonzalezl Notícias & Sociedade> Cotidianol 01/07/2013 lAcessos: 58

    Este trabalho tem por objetivo a apreensão conceitual e das características da relação alimentar na sistemática do Código Civil e propõe uma breve análise do novo panorama de prestação de alimentos que encontrou previsão legal muito recentemente com a edição da Lei 11.804/08 que disciplina os alimentos gravídicos e a forma como ele será exercido.

    Por: rogeriol Direito> Doutrinal 09/06/2011 lAcessos: 1,717
    ANTONIO GILSON DE OLIVEIRA

    SAIBA COMO A CRISE FINANCEIRA MUNDIAL DE 2008 / 2009 FOI COMBATIDA. QUEM É O AUTOR DA REDUÇÃO DOS JUROS - IMPOSTOS - EMPRESTIMOS AOS MICRO EMPREENDEDORES - CONTROLE FINANCEIRO DOS BANCOS - DA RESPONSABILIDADE E CONTROLE DOS GASTOS

    Por: ANTONIO GILSON DE OLIVEIRAl Direito> Direito Tributáriol 20/01/2010 lAcessos: 174

    AÇÃO DE IMPUGNAÇÃO E SUSPENÇÃO DAS ELEIÇÕES DEVIDO AO EXAGERADO NÚMERO DE "FICHAS SUJAS", CORRUPTOS

    Por: CEUCERTO DELEGACIA DO CONSUMIDORl Direito> Jurisprudêncial 14/12/2009 lAcessos: 141

    Estudo sobre o instituto da Barriga de Aluguel como prática frequente em vários países com o objetivo de averiguar como o direito brasileiro e o direito comparado solucionam os conflitos decorrentes dessa prática, bem como demonstrar algumas questões éticas que surgem nos conflitos dela decorrentes, principalmente quanto ao aspecto oneroso que, por muitas vezes, está presente nesse tipo de relação. Busca entender, ainda, o papel da bioética e do biodireito nesses conflitos.

    Por: Marília Oliveira Martinsl Direitol 17/09/2014

    Escritórios de advocacia são como qualquer empresa de qualquer setor: devem ser organizados para poder funcionar da melhor maneira possível e só fluir, gerando bons frutos disso e, é claro, lucro para os associados que exercem sua advocacia no local.

    Por: Sayuri Matsuol Direitol 16/09/2014

    Para fazer parte da advocacia brasileira, isto é, ser um advogado e poder exercer sua função um indivíduo deve possuir bacharel em Direito e ter conseguido aprovação no Exame de Ordem e ser regularmente inscrito na OAB, a Ordem dos Advogados do Brasil.

    Por: Sayuri Matsuol Direitol 08/09/2014

    No processo existente de Recuperação Extrajudicial podemos contar com um tipo de instituto que propicia o que seria uma nova solução. Através dela os devedores acabam negociando de forma direta com todos os credores, e ainda o Plano de recuperação determinado o que vai para a justiça apenas para que possa ser algo homologado.

    Por: Sayuri Matsuol Direitol 08/09/2014

    Os problemas judiciais podem acontecer em qualquer segmento, como podemos perceber, a justiça influência em praticamente tudo dentro do nosso país, porém em boa parte dos casos, a mesma influência de forma negativa, na maioria das vezes tirando a oportunidade de trabalhadores ou até mesmo de empresários que estavam fazendo seu trabalho dentro da lei, mas que devido a leis mal feitas ou até mesmo pela falta de uma lei correta, acaba paralisando a atuação de uma empresa. O grande problema da paral

    Por: Sayuri Matsuol Direitol 05/09/2014
    RFF Associados

    Em face dos constrangimentos orçamentais existentes foi, recentemente, aprovado em Conselho de Ministros a segunda proposta de alteração à Lei que aprovou o Orçamento de Estado para o ano de 2014.

    Por: RFF Associadosl Direitol 04/09/2014
    RFF Associados

    No passado dia 27 de Agosto de 2014 entrou em vigor a Lei n.º 61/2014, que aprovou o regime especial aplicável aos activos por impostos diferidos. Tal como a denominação indicia, o novo regime aplica-se aos activos por impostos diferidos que tenham resultado da não dedução de gastos e variações patrimoniais negativas com perdas por imparidade em créditos e com benefícios pós-emprego ou a longo prazo de empregados.

    Por: RFF Associadosl Direitol 04/09/2014

    Infelizmente, algo que podemos verificar com uma determinada facilidade nos dias de hoje, é o fato de que há uma grande quantidade de pessoas que podem ser declaradas judicialmente como insolventes, ou seja, que não tem condições de pagar pelas dívidas que realizou no decorrer de sua vida sem que isto influencia ou até mesmo prejudique as suas necessidades básicas. Sendo assim, claro, acaba por ser necessário que esta situação seja solucionada, e principalmente evitada. Então vamos entender agor

    Por: Sayuri Matsuol Direitol 28/08/2014
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast