Posse pela teoria de savigny

Publicado em: 06/06/2011 |Comentário: 0 | Acessos: 717 |

pedro josé felipe 5º semestre Direito UNAERP

 

A POSSE PELA TEORIA DE SAVIGNY 

 

Friedrich Von Savigny, aos 24 anos em 1893, quando era reconstruída a dogmática da posse no direito romano, publicou a sua obra clássica, sobre o assunto intitulado Tratado da posse (Das Reche des  Besitzes), afirmando que a posse gerava direitos exclusivos, autônomos, constituindo assim o ius possession: que era a única teoria com núcleo próprio dos direitos possessórios.

 

SAVIGNY foi o primórdio dos tempos modernos em tratar o assunto, sobre a posse.

 

O mundo inteiro passou a adotar a teoria de SAVIGNY à época.

 

IHERING, que foi aluno de SAVIGNY, na faculdade de direito em Berlim, mesmo sendo divergente em vários pontos da teoria do professor e dando inicio a outra teoria denominada objetiva, relatou que SAVIGNY foi "à pedra angular da ciência do direito".

 

Para SAVIGNY, a posse somente era constituída com a conjunção de dois elementos, quais sejam: o elemento subjetivo (animus – vontade de ser dono) e o elemento objetivo (corpus – retenção física da coisa, com o poder de dispor e defender das agressões de quem quer que seja). Não é apenas a convicção de ser dono, e sim, vontade de ser dono, e poder exercer o direito de proprietário (animus domini ou animus rem sibi habendi).

 

O elemento corpus, constitui o elemento material, que é poder físico sobre a coisa, tendo que se unir com o animus, que traduz a intenção de exercer sobre a coisa o direito de propriedade, pois, se faltar o animus, ou seja, faltar intenção, vontade, de ser dono não se caracterizara posse, e sim a detenção, que é posse natural e não jurídica.

 

 Na teoria de SAVIGNY se fosse separado os dois elementos que constituiria a posse chegaria a seguinte conclusão:

 

Somente o elemento exterior, chamado corpus, caracteriza a detenção, como por exemplo: o caseiro de uma fazenda, ele tem a posse da coisa, mais já mais terá a propriedade, segundo disposição legal, pois ele está lá por ordens, subordinado ao dono, sendo assim não poderá exercer o direito de propriedade. Outro exemplo: o locatário, ele tem a poder físico sobre a coisa, mas não tem o direito de proteção direta do bem. Se vier a ser turbado o detentor, não terá legitimidade para invocar a proteção possessória. Para que invoque tal proteção terá que procurar quem conferiu – lhe a detenção.       

 

Somente o elemento interior, chamado animus, não gera repercussão no mundo do direito, e sim apenas fenômeno de natureza psíquica.

 

Com o passar do tempo os conceitos de corpus e animus sofreram mutação dentro da teoria subjetiva.

 

O corpus que era apenas o contato físico com a coisa, contato esse, que era direto e permanente da posse com a coisa possuída. Passou a ser entendido na mera possibilidade de exercer esse contato, sempre tendo a coisa a sua disposição.

 

O animus que era estrito apenas ao domínio da coisa, estendendo – se, também aos direitos reais para depois chegar até a possibilidade de posse sobre coisas incorpóreas.  

 

A teoria de SAVIGNY perdeu sustentáculo, pois o direito moderno não poderia deixar de proteger a posse dos locatários, arrendatários e usufrutuários, que tem a coisa juridicamente fundada, sem ter a intenção de ser dono, portanto devem ter a faculdade de ajuizar as medidas competentes enquanto exercem a posse.

 

Para IHERING a recusa da posse nestes casos poderia causar injustiça, e cita o exemplo: "aquele que arrebatou a posse de uma coisa, como verbi gratia, o ladrão, o bandido, e aquele que conseguiu pela violência a posse de um imóvel, obtêm a proteção jurídica contra quem não tem melhor posse, enquanto aquele que a ela chegou de uma maneira justa não tem esta proteção: está no que diz respeito a relação possessória, destituído de todo e qualquer direito, não só quanto a terceiro, como em face daquele para com o qual ele se obrigou a devolver a coisa no termo do arrendamento ou locação".           

 

SAVIGNY buscou uma solução, criando uma terceira categoria além da posse e da mera detenção, que ficou denominada, posse derivada.

 

A posse derivada reconhecia a transferência dos direitos possessórios, e negava apenas o direito de propriedade. Aplicava – se ao credor pignoratício, ao precarista e ao depositário de coisa litigiosa, para que eles conservassem as coisas que encontravam – se em suas responsabilidades. 

 

A posse derivada enfraqueceu mais ainda a teoria de SAVIGNI, que entrou em divergência com a sua própria teoria – que não admitia posse sem animus. Na posse derivada admitia a posse sem o elemento animus.

 

Tanto para SAVIGNY como para IHERING, o animus e o corpus constituía a posse, porém, a conceituação das duas teorias eram diferentes.

 

Para a teoria objetiva de IHERING, é no elemento corpus, que se encontra o animus, portanto para essa teoria denomina objetiva é necessário apenas o elemento corpus, pois o animus se incorpora no corpus.

 

Até 1916 o Brasil adotava a teoria de SAVIGNY, passando a partir dai a adotar a teoria de IHERING até os dias de hoje.

 

 

Bibliografias:

 

Gonçalves, Carlos Roberto – direito civil brasileiro, vol. 5 – direito das coisas, 6ª edição, editora: saraiva, são Paulo, 2011.   

 

Pereira, caio Mário da silva – instituições de direito civil, vol.IV – direitos reais.

Atualizador: filho, Carlos Edson do rêgo monteiro, 19ª edição editora: forense, rio de janeiro, 2007.

 

Diniz, Maria helena – curso de direito civil brasileiro vol. 4 – direito das coisas.

22ª edição, editora saraiva são Paulo, 2007.

 

Monteiro, Washington de barros – curso de direito civil, vol. 3, direito das coisas.

Atualizado por Maluf, Carlos Alberto dabus, 37ª edição, editora saraiva, são Paulo 2003.      

 

 

 

 

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 1 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/direito-artigos/posse-pela-teoria-de-savigny-4868992.html

    Palavras-chave do artigo:

    teoria subjetiva de savigny

    Comentar sobre o artigo

    Teoria Objetivista de Ihering Para Ihering a posse necessita constituir-se de apenas um elemento, o Corpus. Com o elemento corpus presente já bastava para se configurar a posse, garantindo a relação entre o proprietário e a coisa. Nesta teoria não é preciso demonstrar o animus como na teoria subjetivista de Savigny, pois o animus para Ihering está englobado juntamente com o corpus, ou seja, basta o agente dispor fisicamente da coisa para ter a intenção de ser dono.

    Por: Hugo Therensel Direito> Jurisprudêncial 10/06/2011 lAcessos: 700

    A teoria objetiva foi fundamentada com base no direito germanico. Para Ihering o corpus é o único elemento da posse, ou seja, a relação exterior entre proprietario e coisa. O elemento material da posse é a conduta externa da pessoa que não necessita do animus que representa a vontade de proceder do proprietário.

    Por: thiago freitasl Direito> Doutrinal 11/06/2011 lAcessos: 119

    O direito brasileiro adotou a teoria unitária, pela qual a pluralidade reside nos sujeitos, e não nos vínculos firmados; além disso, o trabalho enfoca as codificações que prestigiam a teoria dualista, com as suas vantagens e desvantagens de acordo com o campo de aplicação próprio.

    Por: Jorge Ulisses e S. F. Limal Direito> Doutrinal 09/06/2013 lAcessos: 120
    Gisele Leite

    Artigo de cunho didático que explica os principais temas da teoria geral das obrigações.

    Por: Gisele Leitel Direito> Doutrinal 14/02/2010 lAcessos: 3,152

    A posse é um dos assuntos mais controvertidos na doutrina civilista. Um dos pontos ainda não sedimentados em relação à posse é o reconhecimento de sua função social, assunto este abordado no presente trabalho. Para tamanha pretensão, não se pode prescindir da ligação da posse (autônoma ou causal) com o direito de propriedade, ligação essa que promove o entendimento de que a função social reconhecida em relação à propriedade deve ser também feita em relação à posse.

    Por: MARIANAl Direitol 06/01/2015 lAcessos: 37
    EVILAZIO RIBEIRO

    e acordo com o art. 1225, são direitos reais: • A propriedade • A superfície • As servidões • O usufruto • O uso • A habitação • O direito do promitente comprador do imóvel • O penhor • A hipoteca • A anticrese Estes foram enumerados em numerus clausus, pois os direitos reais só podem ser criados por lei. No entanto, a esta relação deve ser acrescentada A POSSE (art. 1196), que é a exteriorização do domínio: Art. 1.196. Considera-se possuidor todo aquele que tem de fato o exercício, pleno ou não

    Por: EVILAZIO RIBEIROl Direito> Legislaçãol 28/02/2011 lAcessos: 5,210

    Este artigo foi elaborado para enfrentar exame da OAB/RS . Não esta completa , faltando as Ações Possessorias . Que estou preparando , pois não se pode estudar as ações possessorias , sem ter noções preliminares , como a diferença de posse , de detenção , posse direta , indireta , boa -fé , má - fé ....

    Por: LARA LIMA GIUDICEl Direito> Jurisprudêncial 15/10/2008 lAcessos: 39,519

    Este artigo tem por objetivo analisar a questão da responsabilidade penal das pessoas jurídicas, introduzida no ordenamento jurídico pela CR/88 e pela Lei nº 9.605/98 – Lei dos Crimes Ambientais, no âmbito dos crimes econômicos.

    Por: André Xavier Ferreira Pintol Direito> Legislaçãol 24/04/2012 lAcessos: 372

    Breve panorama sobre o instituto do contrato, sua evolução frente ao modelo social vigente e sua relação com o Direito.

    Por: Rafael Gondim D`Halvor Sollbergl Direito> Doutrinal 01/09/2008 lAcessos: 1,139

    Os abusos contra o consumidor em nosso país tem crescido muito nos últimos anos, e com esse problema cada vez mais evidente além dos muito resultados interessantes para o consumidor que corajosamente resolve reivindicar o respeito à sua moral, nossos tribunais tem finalmente começado a reconhecer a importância da reparação financeira da ofensa moral.

    Por: Bento Jr Advogadosl Direitol 10/04/2015

    Os bancos e financeiras estão informando através de um Cadastro Ilegal, o SCR – Sistema de Informação de Crédito do Banco Central do Brasil (Sisbacen).

    Por: Bento Jr Advogadosl Direitol 07/04/2015

    E eis que a novela do caso Cesare Battisti, que se acreditava terminada, acaba de ganhar um novo capítulo. Poupado da sua extradição para a Itália em 2010 por decisão do governo brasileiro, o italiano se vê agora confrontado com possibilidade de ser deportado, como determinou a recente decisão da juíza federal titular da 20a Vara do Distrito Federal. O italiano chegou a ser preso nesta quinta-feira para fins de deportação mas foi solto algumas horas depois, diante da concessão de habeas corpus p

    Por: Central Pressl Direitol 06/04/2015

    Existe um modalidade de buscar dinheiro sem precisar recorrer a bancos e demais instituições financeiras, pouco conhecido mas em franca expansão o investidor em empreendimentos, aporta valores na modalidade conhecida com Capital Empreendedor ou Capital de Risco, Venture Capital.

    Por: Bento Jr Advogadosl Direitol 02/04/2015 lAcessos: 15

    A Lei 11.441/07 facilitou a vida do cidadão e desburocratizou o procedimento de inventário ao permitir a realização desse ato em cartório, por meio de escritura pública, de forma rápida, simples e segura. Atenção: Mesmo que a pessoa tenha falecido antes da Lei 11.441/07, também é possível fazer o inventário por escritura pública, se preenchidos os requisitos da lei. http://www.valerioadvogados.com.br/noticia/inventario-extrajudicial.html

    Por: Valério Advogadosl Direitol 31/03/2015 lAcessos: 11

    A 5ª turma do TST deu provimento ao recurso do trabalhador em face do tratamento isonômico.

    Por: Bento Jr Advogadosl Direitol 31/03/2015

    No Brasil, a questão da defesa dos direitos do consumidor começou a ser discutida no início dos anos 70, com a criação das primeiras associações civis e entidades governamentais voltadas para esse fim (Ex: Conselho de Defesa do Consumidor – CONDECON, Associação de Proteção ao Consumidor – APC, etc.). Mas foi somente em 1988, com a promulgação da Constituição Federal, que estabeleceu como dever do Estado promover a defesa do consumidor e um prazo para a elaboração de um Código para esse fim.

    Por: Tiago Morlinl Direitol 27/03/2015 lAcessos: 24

    O presente estudo traz uma abordagem acerca do instituto de inquérito policial, sendo ele procedimento administrativo que busca apurar autoria e materialidade de infração penal. Trata-se de pesquisa qualitativa, realizada por meio de método dedutivo e de procedimento técnico bibliográfico e documental.Busca-se inserir o inquérito policial no condão constitucional analisando este instituto à luz dos princípios do contraditório e da ampla defesa, garantidos pela Constituição Federal de 1988. Adema

    Por: Jussana Gabrieli Machadol Direitol 25/03/2015 lAcessos: 36
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast