Posse pela teoria de savigny

Publicado em: 06/06/2011 |Comentário: 0 | Acessos: 695 |

pedro josé felipe 5º semestre Direito UNAERP

 

A POSSE PELA TEORIA DE SAVIGNY 

 

Friedrich Von Savigny, aos 24 anos em 1893, quando era reconstruída a dogmática da posse no direito romano, publicou a sua obra clássica, sobre o assunto intitulado Tratado da posse (Das Reche des  Besitzes), afirmando que a posse gerava direitos exclusivos, autônomos, constituindo assim o ius possession: que era a única teoria com núcleo próprio dos direitos possessórios.

 

SAVIGNY foi o primórdio dos tempos modernos em tratar o assunto, sobre a posse.

 

O mundo inteiro passou a adotar a teoria de SAVIGNY à época.

 

IHERING, que foi aluno de SAVIGNY, na faculdade de direito em Berlim, mesmo sendo divergente em vários pontos da teoria do professor e dando inicio a outra teoria denominada objetiva, relatou que SAVIGNY foi "à pedra angular da ciência do direito".

 

Para SAVIGNY, a posse somente era constituída com a conjunção de dois elementos, quais sejam: o elemento subjetivo (animus – vontade de ser dono) e o elemento objetivo (corpus – retenção física da coisa, com o poder de dispor e defender das agressões de quem quer que seja). Não é apenas a convicção de ser dono, e sim, vontade de ser dono, e poder exercer o direito de proprietário (animus domini ou animus rem sibi habendi).

 

O elemento corpus, constitui o elemento material, que é poder físico sobre a coisa, tendo que se unir com o animus, que traduz a intenção de exercer sobre a coisa o direito de propriedade, pois, se faltar o animus, ou seja, faltar intenção, vontade, de ser dono não se caracterizara posse, e sim a detenção, que é posse natural e não jurídica.

 

 Na teoria de SAVIGNY se fosse separado os dois elementos que constituiria a posse chegaria a seguinte conclusão:

 

Somente o elemento exterior, chamado corpus, caracteriza a detenção, como por exemplo: o caseiro de uma fazenda, ele tem a posse da coisa, mais já mais terá a propriedade, segundo disposição legal, pois ele está lá por ordens, subordinado ao dono, sendo assim não poderá exercer o direito de propriedade. Outro exemplo: o locatário, ele tem a poder físico sobre a coisa, mas não tem o direito de proteção direta do bem. Se vier a ser turbado o detentor, não terá legitimidade para invocar a proteção possessória. Para que invoque tal proteção terá que procurar quem conferiu – lhe a detenção.       

 

Somente o elemento interior, chamado animus, não gera repercussão no mundo do direito, e sim apenas fenômeno de natureza psíquica.

 

Com o passar do tempo os conceitos de corpus e animus sofreram mutação dentro da teoria subjetiva.

 

O corpus que era apenas o contato físico com a coisa, contato esse, que era direto e permanente da posse com a coisa possuída. Passou a ser entendido na mera possibilidade de exercer esse contato, sempre tendo a coisa a sua disposição.

 

O animus que era estrito apenas ao domínio da coisa, estendendo – se, também aos direitos reais para depois chegar até a possibilidade de posse sobre coisas incorpóreas.  

 

A teoria de SAVIGNY perdeu sustentáculo, pois o direito moderno não poderia deixar de proteger a posse dos locatários, arrendatários e usufrutuários, que tem a coisa juridicamente fundada, sem ter a intenção de ser dono, portanto devem ter a faculdade de ajuizar as medidas competentes enquanto exercem a posse.

 

Para IHERING a recusa da posse nestes casos poderia causar injustiça, e cita o exemplo: "aquele que arrebatou a posse de uma coisa, como verbi gratia, o ladrão, o bandido, e aquele que conseguiu pela violência a posse de um imóvel, obtêm a proteção jurídica contra quem não tem melhor posse, enquanto aquele que a ela chegou de uma maneira justa não tem esta proteção: está no que diz respeito a relação possessória, destituído de todo e qualquer direito, não só quanto a terceiro, como em face daquele para com o qual ele se obrigou a devolver a coisa no termo do arrendamento ou locação".           

 

SAVIGNY buscou uma solução, criando uma terceira categoria além da posse e da mera detenção, que ficou denominada, posse derivada.

 

A posse derivada reconhecia a transferência dos direitos possessórios, e negava apenas o direito de propriedade. Aplicava – se ao credor pignoratício, ao precarista e ao depositário de coisa litigiosa, para que eles conservassem as coisas que encontravam – se em suas responsabilidades. 

 

A posse derivada enfraqueceu mais ainda a teoria de SAVIGNI, que entrou em divergência com a sua própria teoria – que não admitia posse sem animus. Na posse derivada admitia a posse sem o elemento animus.

 

Tanto para SAVIGNY como para IHERING, o animus e o corpus constituía a posse, porém, a conceituação das duas teorias eram diferentes.

 

Para a teoria objetiva de IHERING, é no elemento corpus, que se encontra o animus, portanto para essa teoria denomina objetiva é necessário apenas o elemento corpus, pois o animus se incorpora no corpus.

 

Até 1916 o Brasil adotava a teoria de SAVIGNY, passando a partir dai a adotar a teoria de IHERING até os dias de hoje.

 

 

Bibliografias:

 

Gonçalves, Carlos Roberto – direito civil brasileiro, vol. 5 – direito das coisas, 6ª edição, editora: saraiva, são Paulo, 2011.   

 

Pereira, caio Mário da silva – instituições de direito civil, vol.IV – direitos reais.

Atualizador: filho, Carlos Edson do rêgo monteiro, 19ª edição editora: forense, rio de janeiro, 2007.

 

Diniz, Maria helena – curso de direito civil brasileiro vol. 4 – direito das coisas.

22ª edição, editora saraiva são Paulo, 2007.

 

Monteiro, Washington de barros – curso de direito civil, vol. 3, direito das coisas.

Atualizado por Maluf, Carlos Alberto dabus, 37ª edição, editora saraiva, são Paulo 2003.      

 

 

 

 

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 1 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/direito-artigos/posse-pela-teoria-de-savigny-4868992.html

    Palavras-chave do artigo:

    teoria subjetiva de savigny

    Comentar sobre o artigo

    Teoria Objetivista de Ihering Para Ihering a posse necessita constituir-se de apenas um elemento, o Corpus. Com o elemento corpus presente já bastava para se configurar a posse, garantindo a relação entre o proprietário e a coisa. Nesta teoria não é preciso demonstrar o animus como na teoria subjetivista de Savigny, pois o animus para Ihering está englobado juntamente com o corpus, ou seja, basta o agente dispor fisicamente da coisa para ter a intenção de ser dono.

    Por: Hugo Therensel Direito> Jurisprudêncial 10/06/2011 lAcessos: 680

    A teoria objetiva foi fundamentada com base no direito germanico. Para Ihering o corpus é o único elemento da posse, ou seja, a relação exterior entre proprietario e coisa. O elemento material da posse é a conduta externa da pessoa que não necessita do animus que representa a vontade de proceder do proprietário.

    Por: thiago freitasl Direito> Doutrinal 11/06/2011 lAcessos: 114

    O direito brasileiro adotou a teoria unitária, pela qual a pluralidade reside nos sujeitos, e não nos vínculos firmados; além disso, o trabalho enfoca as codificações que prestigiam a teoria dualista, com as suas vantagens e desvantagens de acordo com o campo de aplicação próprio.

    Por: Jorge Ulisses e S. F. Limal Direito> Doutrinal 09/06/2013 lAcessos: 96
    Gisele Leite

    Artigo de cunho didático que explica os principais temas da teoria geral das obrigações.

    Por: Gisele Leitel Direito> Doutrinal 14/02/2010 lAcessos: 3,136

    A posse é um dos assuntos mais controvertidos na doutrina civilista. Um dos pontos ainda não sedimentados em relação à posse é o reconhecimento de sua função social, assunto este abordado no presente trabalho. Para tamanha pretensão, não se pode prescindir da ligação da posse (autônoma ou causal) com o direito de propriedade, ligação essa que promove o entendimento de que a função social reconhecida em relação à propriedade deve ser também feita em relação à posse.

    Por: MARIANAl Direitol 06/01/2015 lAcessos: 17
    EVILAZIO RIBEIRO

    e acordo com o art. 1225, são direitos reais: • A propriedade • A superfície • As servidões • O usufruto • O uso • A habitação • O direito do promitente comprador do imóvel • O penhor • A hipoteca • A anticrese Estes foram enumerados em numerus clausus, pois os direitos reais só podem ser criados por lei. No entanto, a esta relação deve ser acrescentada A POSSE (art. 1196), que é a exteriorização do domínio: Art. 1.196. Considera-se possuidor todo aquele que tem de fato o exercício, pleno ou não

    Por: EVILAZIO RIBEIROl Direito> Legislaçãol 28/02/2011 lAcessos: 5,050

    Este artigo foi elaborado para enfrentar exame da OAB/RS . Não esta completa , faltando as Ações Possessorias . Que estou preparando , pois não se pode estudar as ações possessorias , sem ter noções preliminares , como a diferença de posse , de detenção , posse direta , indireta , boa -fé , má - fé ....

    Por: LARA LIMA GIUDICEl Direito> Jurisprudêncial 15/10/2008 lAcessos: 39,470

    Este artigo tem por objetivo analisar a questão da responsabilidade penal das pessoas jurídicas, introduzida no ordenamento jurídico pela CR/88 e pela Lei nº 9.605/98 – Lei dos Crimes Ambientais, no âmbito dos crimes econômicos.

    Por: André Xavier Ferreira Pintol Direito> Legislaçãol 24/04/2012 lAcessos: 361

    Breve panorama sobre o instituto do contrato, sua evolução frente ao modelo social vigente e sua relação com o Direito.

    Por: Rafael Gondim D`Halvor Sollbergl Direito> Doutrinal 01/09/2008 lAcessos: 1,135
    Giovanna Santos

    Encontrado em 1967 um importante relatório contendo detalhes sobre um terrível genocídio contra povos indígenas resultam em dizimação de tribos inteiras.

    Por: Giovanna Santosl Direitol 25/02/2015

    Objetivando-se um melhor entendimento da possibilidade de ocorrência deste fenômeno no meio comercial mundial, buscou-se realizar um estudo detalhado sobre a origem do crédito, sua evolução histórica e conceito, as principais espécies de títulos de crédito, características, e princípios fundamentais. Evidenciou-se ainda um foco nos estudos sobre o art. 889 do CC 2002 que instituiu a possibilidade de emissão de títulos de crédito a partir de caracteres criados em computador ou meio equivalente.

    Por: Francisco José Jácome de Melol Direitol 19/02/2015 lAcessos: 11

    No cenário atual diversos protestos, manifestações puderam ser vistos nas ruas, inicialmente contra o aumento das passagens de ônibus, mas, todos sabem que um conjunto de fatores desencadeou esse protesto em que parte da pauta das manifestações é um resultado das políticas do governo na ultima década.

    Por: Gleidson Mateus de Melol Direitol 16/02/2015
    Natal Moro Frigi Frigi

    A indicada contribuição fora instituída pela Lei Complementar nº 110/2001, art. 1º, com a finalidade de remunerar os expurgos inflacionários dos Planos Collor e Verão, onde a multa sobre o saldo acumulado do FGTS que era de 40% passou a ser de 50%, todavia, o trabalhador continua recebendo os mesmo valor, pois o aumento (10%) ficaria para a União Federal com o objeto de  remunerar as correção indicadas.

    Por: Natal Moro Frigi Frigil Direitol 14/02/2015

    Eventualmente, verifica-se a necessidade de se obter determinados documentos ou até mesmo informações nos órgãos públicos, contudo, na grande maioria dos casos a tentativa é frustrada em virtude de tanta burocracia. Ocorre que, o acesso a essas informações é direito constitucional do cidadão e o presente artigo se presta, justamente, a conferir mecanismos para que esse garantia seja cumprida.

    Por: Fábio Silva Andradel Direitol 28/01/2015 lAcessos: 21

    O presente artigo visa fornecer subsídios e elementos suficientes para que os proprietários revendedores de combustíveis possam reverter as multas aplicadas pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis - ANP apenas com uma pequena mudança na rotina de seus estabelecimentos.

    Por: Fábio Silva Andradel Direitol 28/01/2015 lAcessos: 16

    Diante do exposto, é possível observar que a adequação das peculiaridades técnicas do meio envolvido às normas jurídicas proporcionará maior confiança na contratação virtual e contribuirá para a evolução das relações contratuais.

    Por: Natália Paz de Lyral Direitol 14/01/2015 lAcessos: 17

    Trata-se, pois, imprescindível a adoção de sistemas de criptografia que garantam a autenticidade, integridade, tempestividade e perenidade do documento. Desta forma, os contratos eletrônicos terão eficácia probatória contra terceiros. No caso de dúvida quanto à autenticidade e integridade, o contrato não será considerado inválido ou inexistente, mas poderá vir a ser comprovado em juízo por qualquer meio de prova admitido.

    Por: Natália Paz de Lyral Direitol 14/01/2015 lAcessos: 15
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast