Principio Da Legalidade

Publicado em: 10/12/2009 |Comentário: 0 | Acessos: 1,152 |

Principio da Legalidade

Art. 5º, XXXIX CF - não há crime sem lei anterior que o defina, nem pena sem prévia cominação legal;

Principio da Legalidade = P. da Anterioridade + P. da Reserva legal. (Adotada pelo Código Penal)

Conceito – Principio da Legalidade constitui uma real limitação ao poder Estatal de interferir na esfera de liberdades individuais.

Origem – 1ª Corrente – Diz que vem do Direito Romano.

2ª Corrente – Diz que se originou da carta do João Sem Terra de 1215.

3ª Corrente - Prevalece que teve sua origem no iluminismo sendo recepcionada pela revolução Francesa. (corrente que prevalece na Doutrina)

Fundamentos:

1) Político – O Poder Punitivo não pode ser arbitrário. A exigência de vinculação do poder executivo e Poder Judiciário as leis formuladas de forma abstrata.

2) Democrático – Respeito a divisão de poderes ou de separação das funções. O Parlamento representante do povo deve ser o responsável pela criação de crimes.

3) Jurídico – Lei prévia e clara produz importante efeito intimidatório.

v O Art. 1º do CP, não abrange apenas crime, mas também é subsidiária a infração penal, portanto abrange as infrações penais.

Art. 1º - Não há crime sem lei anterior que o defina. Não há pena sem prévia cominação legal

ü    O Art. 1º do CP, abrange Medida de Segurança?

1ª Corrente – Não abrange Medida de Segurança, pois esta não tem finalidade punitiva e sim curativa.

2ª Corrente – Abrange Medida de Segurança, pois também é espécie de Sanção Legal. Esta segunda corrente é a que prevalece na doutrina.

v O Art. 3º do CPM respeita a reserva legal, mas ignora o Principio da Anterioridade.

Art. 3º As medidas de segurança regem-se pela lei vigente ao tempo da sentença, prevalecendo, entretanto, se diversa, a lei vigente ao tempo da execução.

Para que o principio da Legalidade seja uma garantia, ela simplifica que:

1) “Não há crime sem Lei” – Essa “Lei” é em sentido estrito.

ü    Medida Provisória pode criar crime?

Não, pois é ato do Executivo com força normativa, mas não é lei em sentido estrito.

ü    Medida Provisória pode versar sobre matéria Penal?

1ª Corrente – Medida Provisória não pode versar sobre matéria penal, nem incriminadora, nem não incriminadora. (É majoritária)

Art. 62. Em caso de relevância e urgência, o Presidente da República poderá adotar medidas provisórias, com força de lei, devendo submetê-las de imediato ao Congresso Nacional.

§ 1º É vedada a edição de medidas provisórias sobre matéria:

I – relativa a:

b) direito penal, processual penal e processual civil;

2ª Corrente – Não é possível Medida Provisória incriminadora, mas a não incriminadora é possível. (LFG – Minoritária)

v O STF, no RE 254818/PR, discutindo os efeitos benéficos da MP 157/97 (que permitiu o parcelamento dos débitos Tributário e Previdenciários, com efeito extintivo da punibilidade), proclamou sua admissibilidade em favor do réu.

ü    Resoluções da CNJ, do CNINP ou do TSE podem criar crime?

Não, pois não são leis em sentido estrito.

ü    Lei Delegada pode criar crime?

O Art. 68, §1º, II, CF, veda lei delegada versando sobre direitos individuais, portanto não pode criar crime.

Art. 68. As leis delegadas serão elaboradas pelo Presidente da República, que deverá solicitar a delegação ao Congresso Nacional.

§ 1º - Não serão objeto de delegação os atos de competência exclusiva do Congresso Nacional, os de competência privativa da Câmara dos Deputados ou do Senado Federal, a matéria reservada à lei complementar, nem a legislação sobre:

II - nacionalidade, cidadania, direitos individuais, políticos e eleitorais;

2) Lei (estrito) e tem que ser anterior aos fatos que busca incriminar. ( Principio da Anterioridade)

A retroatividade benéfica se admite, mas a maléfica não.

3) Lei (estrita), Irretroativa e tem que ser escrita.

Busca-se evitar os costumes incriminadores, evitar o costume criar lei.

4) Tem que ser lei no seu sentido estrito.

Busca-se evitar Analogia incriminadora, evitar que analogia crie crime.

5) Lei Certa.

A lei tem que ser de fácil entendimento, buscando-se evitar a ambiguidade (principio da Taxatividade ou da Determinação)

Ex: Art. 20 da Lei 7170/83 Lei de segurança Nacional, quando o artigo usa a expessão “Atos de Terrorismo” ela não diz o que é, ou quais são os “Atos de Terrorismo”, por isso ela não é clara.

Art. 20 - Devastar, saquear, extorquir, roubar, seqüestrar, manter em cárcere privado, incendiar, depredar, provocar explosão, praticar atentado pessoal ou atos de terrorismo, por inconformismo político ou para obtenção de fundos destinados à manutenção de organizações políticas clandestinas ou subversivas.

Pena: reclusão, de 3 a 10 anos.

Parágrafo único - Se do fato resulta lesão corporal grave, a pena aumenta-se até o dobro; se resulta morte, aumenta-se até o triplo.

6) Lei necessária.

Busca-se evitar a hipertrofia do direito penal, é desdobramento do principio da intervenção mínima.

v O principio da Legalidade é o pilar do garantismo.

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 0 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/direito-artigos/principio-da-legalidade-1564875.html

    Palavras-chave do artigo:

    crime

    ,

    pena

    ,

    lei

    Comentar sobre o artigo

    Publicada em 2006, a lei 11343/06 "Lei de drogas" trouxe questões controvertidas que podem causar inúmeras interpretações. Aproveitando anotações que fiz durante as aulas do Professor Davi André Costa Silva, um dos melhores penalistas da atualidade, escrevi este artigo na intenção de fornecer um material que contemple os conhecimentos necessários para o entendimento da referida Lei. O texto trata de questões importantes e que freqüentemente são abordadas em concursos e nos Exames de Ordem.

    Por: Marcelo Santin Gonçalvesl Direito> Doutrinal 10/04/2011 lAcessos: 1,599

    Independentemente de cursos, diplomas e títulos, assim como de nacionalidades, credos e posições sociais ou de outros qualificativos, o ser humano consciente, que não pense na prevenção contra a violência e o crime, nem se predisponha, direta ou indiretamente e por todas as maneiras possíveis, a exemplificar em favor da paz pública e privada, é um espírito eticamente enfermo, que precisa de auxílio para curar-se do medo e da insegurança"(Bismael Moraes)

    Por: Joilson José da Silval Direito> Doutrinal 12/06/2009 lAcessos: 4,509
    José VIRGÍLIO Dias de Sousa

    Faz considerações sobre a a Lei 12.015, em especial no que se refere ao crime de Estupro,suas consequencias. Em sua fala sobre as inovações inseridas sobre as nova lei.

    Por: José VIRGÍLIO Dias de Sousal Direito> Legislaçãol 02/01/2010 lAcessos: 3,178

    Este artigo aborda pontos concernentes ao crime passional, no que tange aos componentes que permeiam a seara delituosa e permitem categorizá-lo no intento de analisar o contexto punitivo em decorrência da evolução sóciocultural.

    Por: Danielly Ferlinl Direito> Doutrinal 20/07/2010 lAcessos: 2,965 lComentário: 1

    Para aqueles que estão estudando sobre o assunto, assim como também que estão com dúvidas sobre a advocacia administrativa, este se trata de um assunto bastante abordado, principalmente em concursos públicos.

    Por: Sayuri Matsuol Direitol 02/07/2014
    Leo Alvarenga

    Busca-se analisar a possibilidade de aplicação da causa de diminuição de pena prevista no § 4º, do art. 33, da Lei n. 11.343/2006 em face de crime cometido na égide da Lei n. 6.368/69.

    Por: Leo Alvarengal Direitol 01/03/2010 lAcessos: 60
    Thiago Amorim dos Reis Carvalho

    Considerações sobre a cláusula genérica referente à proibição de concessão de liberdade provisória contida na Lei 11.343/2006 (Lei Antidrogas) e a decisão proferida, em sede de liminar no HC 100831, pelo ministro do STF Ricardo Lewandowski.

    Por: Thiago Amorim dos Reis Carvalhol Direitol 12/10/2009 lAcessos: 143
    ALDINEI RODRIGUES MACENA

    A lei 11.343/2006 instituiu a nova politica nacional sobre drogas, trazendo mudanças importantes para o ordenamento jurídico, principalmente sobre os tipos penais equiparados ao tráfico de drogas, diferenciando o tráfico do uso, de forma que o usuário de drogas, apesar de ainda se considerar que comete no mínimo uma contravenção, recebeu tratamento adequado no artigo 28, uma vez que a sanção imposta na lei para esse tipo penal passou a ter um caráter educativo com finalidade de ressocialização.

    Por: ALDINEI RODRIGUES MACENAl Direito> Doutrinal 17/04/2012 lAcessos: 1,321
    ALDINEI RODRIGUES MACENA

    A lei 9.009/1995 instituiu os Juizados especiais e trouxe ao cenário do direito penal institutos inovadores que visam a humanização das penas e a economia e celeridade processual. Estes institutos são a composição civil, que quando aceita acarreta a indenização da vítima e consequente extinção da punibilidade; a transação penal que acarreta em uma sentença homologatória de acordo entre o réu e o Parquet, no qual o Ministério Público deixa de oferecer a denúncia desde que o réu se comprometa a cu

    Por: ALDINEI RODRIGUES MACENAl Direito> Doutrinal 13/04/2011 lAcessos: 4,279

    Tema muito discutido nos últimos anos em nosso país, espero ter colaborado com o artigo que escrevi.

    Por: Luiz Fernando Bertolil Direito> Legislaçãol 16/01/2014 lAcessos: 92

    Eventualmente, verifica-se a necessidade de se obter determinados documentos ou até mesmo informações nos órgãos públicos, contudo, na grande maioria dos casos a tentativa é frustrada em virtude de tanta burocracia. Ocorre que, o acesso a essas informações é direito constitucional do cidadão e o presente artigo se presta, justamente, a conferir mecanismos para que esse garantia seja cumprida.

    Por: Fábio Silva Andradel Direitol 28/01/2015 lAcessos: 11

    O presente artigo visa fornecer subsídios e elementos suficientes para que os proprietários revendedores de combustíveis possam reverter as multas aplicadas pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis - ANP apenas com uma pequena mudança na rotina de seus estabelecimentos.

    Por: Fábio Silva Andradel Direitol 28/01/2015

    Diante do exposto, é possível observar que a adequação das peculiaridades técnicas do meio envolvido às normas jurídicas proporcionará maior confiança na contratação virtual e contribuirá para a evolução das relações contratuais.

    Por: Natália Paz de Lyral Direitol 14/01/2015 lAcessos: 11

    Trata-se, pois, imprescindível a adoção de sistemas de criptografia que garantam a autenticidade, integridade, tempestividade e perenidade do documento. Desta forma, os contratos eletrônicos terão eficácia probatória contra terceiros. No caso de dúvida quanto à autenticidade e integridade, o contrato não será considerado inválido ou inexistente, mas poderá vir a ser comprovado em juízo por qualquer meio de prova admitido.

    Por: Natália Paz de Lyral Direitol 14/01/2015

    A expansão da Internet com propósitos comerciais, impulsionou o desenvolvimento do comércio eletrônico mediante a utilização de contratos eletrônicos. Entretanto, a vulnerabilidade desse novo ambiente de onde são celebrados os contratos eletrônicos gera insegurança entre as partes contratantes.

    Por: Natália Paz de Lyral Direitol 14/01/2015

    A discussão com relação a redução da maioridade penal causa polêmica em alguns setores da sociedade brasileira. Na nossa lei a responsabilidade penal é definida a partir dos dezoito anos de idade. Os que defendem a redução da maioridade penal objetivam considerar penalmente responsáveis os adolescentes menores de dezoito anos, pois consideram que seria essa a solução para a criminalidade.

    Por: Claudia Maria Werner Polidol Direitol 08/01/2015

    A posse é um dos assuntos mais controvertidos na doutrina civilista. Um dos pontos ainda não sedimentados em relação à posse é o reconhecimento de sua função social, assunto este abordado no presente trabalho. Para tamanha pretensão, não se pode prescindir da ligação da posse (autônoma ou causal) com o direito de propriedade, ligação essa que promove o entendimento de que a função social reconhecida em relação à propriedade deve ser também feita em relação à posse.

    Por: MARIANAl Direitol 06/01/2015

    O Direito Penal Econômico é uma matéria jurídica que visa coibir ou punir as condutas ilícitas com um conjunto de regras que tem o escopo de sancionar, com penas próprias, no âmbito das relações econômicas, as ofensas ou perigo aos bens ou interesses juridicamente relevantes. Essa ciência coaduna, perfeitamente, com a corrupção existente no alto escalão da sociedade brasileira, perfazendo com que haja uma diminuição nessa prática prejudicial para os rumos da nação.

    Por: JOSÉ CARLOS MAIA SALIBA IIl Direitol 17/12/2014 lAcessos: 14

    O tráfico é um crime repudiado no mundo inteiro, seja ele de armas, de drogas, de mulheres. Um ato pelo qual se importa para o país produto ilícito e de forma ilícita.

    Por: Alexis Ronan Campariml Direitol 10/12/2009 lAcessos: 2,885
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast