Prisão em flagrante

Publicado em: 09/08/2012 | Acessos: 178 |
PRISÃO EM FLAGRANTE

            Daniele Rodrigues do Nascimento – estudante de Direito

 

Conforme conceitua Aury Lopes Júnior (2008, p. 64) a prisão em flagrante é uma medida pré cautelar, de natureza pessoal, cuja precariedade vem marcada pela possibilidade de ser adotada por particulares ou autoridade policial, e que somente está justificada pela brevidade de sua duração e o imperioso dever de análise judicial em 24 horas, onde cumprirá ao juiz analisar sua legalidade e decidir sobre a manutenção da prisão (agora como preventiva) ou não. Está disciplinada nos artigos 301 a 310 do Código de Processo Penal.

Prevista na Constituição Federal, esta modalidade dispensa ordem judicial, cabendo quando o agente: está cometendo a infração penal; acaba de cometê-la; é perseguido, logo após, pela autoridade, pelo ofendido ou por qualquer pessoa, em situação que faça presumir ser autor da infração ou é encontrado, logo depois, com instrumentos, armas, objetos ou papéis que façam presumir ser ele autor da infração ( Art 302, CPP).

É possível a prisão em flagrante de quem esteja cometendo crime ou contravenção. É cabível também em crimes de ação penal privada, dependendo, para a lavratura do auto de prisão em flagrante do requerimento do ofendido. Cabe salientar que a prisão em flagrante delito pode ser realizada em qualquer dia e a qualquer hora, e ainda que efetivada em período noturno, não configura atentado contra a inviolabilidade do domicílio.

Qualquer pessoa pode prender quem se encontra em situação de flagrante; os policiais têm o dever de ofício de executar a prisão, é o entendimento do art. 301, CPP.

Há restrições à prisão em flagrante de algumas pessoas, como por exemplo: os diplomatas (imunes à jurisdição brasileira); o menor; os magistrados e membros do Ministério Público; membros do Congresso Nacional; advogados; o Presidente da República.

Capez (2009, p. 271) destaca que nessa fase vigora o princípio do in dubio  pro societate, não podendo o delegado de polícia embrenhar-se em questões  doutrinárias de alta indagação, sob pena de antecipar indevidamente a  fase  judicial  de apreciação de provas; permanecendo  a dúvida ou diante de fatos aparentemente criminosos, deverá ser formalizada a prisão em flagrante.

A lavratura do auto de prisão em flagrante seguirá as seguintes etapas:

1. Oitiva do condutor (geralmente é quem efetuou a prisão em flagrante), pessoa pública ou privada que conduziu o preso à presença da autoridade policial;

2. Oitiva das testemunhas, presenciais ou não, sem qualquer limitação máxima ou mínima, colhendo-se suas assinaturas (art. 304, CPP).

3. Não havendo testemunha presencial deverão assinar o termo pelo menos duas pessoas (testemunhas de apresentação ou indiretas) que tenham presenciado  a apresentação  do  preso  à  autoridade, e após  cada  oitiva,  serão colhidas suas assinaturas (art. 304, § 2º, do CPP).

4. Oitiva da vítima. Cumpre destacar que nas oitivas todos serão inquiridos separadamente, devendo ser zelado a incomunicabilidade entre condutor, vítima e testemunhas.

5. Interrogatório do suspeito acerca dos fatos que lhe estão sendo imputados, assegurando o direito ao silêncio e o direito de ser assistido por advogado, conforme preceitua o art. 5º, LXIII, da CF/1988.

6. As assinaturas serão colhidas após cada depoimento, se alguém não souber assinar outra pessoa assinará a rogo, após lido na presença de ambos, nos termos do art. 216, CPP.

7. Indiciamento.

8. Recolhimento à prisão, exceto no caso de prestar fiança ou livrar-se solto.

9. Entrega da nota de culpa, ou no prazo de 24 horas esta será entregue ao preso, mediante recibo, assinada pela autoridade, com o motivo da prisão, o nome do condutor e o das testemunhas (art. 306, § 2º,CPP, com a redação dada pela Lei nº12.403/2011).

10. Comunicação da prisão, nos termos dos arts. 306, CPP, e 5º, LXII, da CF/1988, com a redação dada ao art. 306 do CPP pela Lei nº12.403/2011, a prática  de também comunicar ao Ministério Público a prisão de alguém agora é exigência legal.

  REFERÊNCIAS

LOPES JR., Aury.  Direito Processual Penal e sua Conformidade Constitucional. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2008.

CAPEZ, Fernando. Curso de Processo Penal. 16. ed. rev. e atual. São Paulo: Saraiva, 2009.

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 0 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/direito-artigos/prisao-em-flagrante-6114374.html

    Palavras-chave do artigo:

    prisao

    ,

    flagrante

    ,

    artigos 301 a 310 codigo de processo penal

    Comentar sobre o artigo

    Alessandra Palladino

    Este trabalho tem por finalidade apresentar as principais características do Direito Penal Garantista, objetivando despertar o raciocino crítico sobre o sistema processual repressor, principalmente no que diz respeito às prisões cautelares, especialmente a prisão em flagrante, chamando a atenção basicamente para as irregularidades e a necessidade de verdadeiras mudanças à luz do modelo Garantista, visto não como a necessidade de se programar a “luta contra o crime”, para assegurar a “ordem social”, mas como um legítimo instrumento a serviço de um direito penal democrático e, acima de tudo, a serviço dos direitos fundamentais do cidadão. Neste estudo utilizou-se o método dedutivo, fundado em pesquisas bibliográficas, envolvendo livros especializados, artigos publicados em revistas e na internet, bem como pesquisa documental baseada em decisões de Tribunais.

    Por: Alessandra Palladinol Direitol 27/07/2009 lAcessos: 7,745 lComentário: 1

    O objetivo desse trabalho é mostrar de que formas é feita a sonegação e crimes contra a previdência, que infelismente muitas vezes ficam impunes.

    Por: ana claudial Direito> Legislaçãol 07/06/2011 lAcessos: 1,036

    Este artigo acadêmico tem por grande objetivo esclarecer as duvidas referentes ao polêmico artigo 1.790 do Código Civil. Desta maneira, vários argumentos serão expostos para que haja total compreensão do texto que traz o artigo, diante a concorrência na União Estável.

    Por: Henrique Tirintan Amoriml Direitol 30/10/2014

    Trata-se de uma resenha sobre o documentário Ouro Azul - Guerras Mundial das Águas, que mostra a briga dos países para conseguir água, a exploração de empresas na extração da água para comercialização, o custo da água em outros países.

    Por: Sue Hellen Maidanal Direitol 27/10/2014

    Trata-se de uma resenha crítica sobre o livro Estação Carandiru, escrito por Dráuzio Varella.

    Por: Sue Hellen Maidanal Direitol 27/10/2014

    Sabe qual a diferença entre insolvência e falência? Leia o artigo e saiba mais!

    Por: Sayuri Matsuol Direitol 27/10/2014

    Com o término da faculdade, a dúvida entre advocacia privada e concursos se faz muito presente. Mas qual caminho a seguir? Saiba mais!

    Por: Sayuri Matsuol Direitol 22/10/2014

    Trata-se de um artigo que pretende fornecer breves apontamentos acerca da Escola da Exegese. No início do Século XIX, surgiu a Escola da Exegese em meio ao caos político e social da França revolucionária.

    Por: JOSÉ CARLOS MAIA SALIBA IIl Direitol 21/10/2014

    Sabe o que é advocacia administrativa? Advocacia administrativa é um crime previsto por lei. Saiba mais!

    Por: Sayuri Matsuol Direitol 13/10/2014

    O artigo em questão trata do direito que a mulher gestante tem de receber alimentos do pai ou do suposto pai da criança. Será falado das possibilidades e das provas para receber os alimentos.

    Por: Janainal Direitol 13/10/2014
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast