Prisão em flagrante

Publicado em: 09/08/2012 | Acessos: 184 |
PRISÃO EM FLAGRANTE

            Daniele Rodrigues do Nascimento – estudante de Direito

 

Conforme conceitua Aury Lopes Júnior (2008, p. 64) a prisão em flagrante é uma medida pré cautelar, de natureza pessoal, cuja precariedade vem marcada pela possibilidade de ser adotada por particulares ou autoridade policial, e que somente está justificada pela brevidade de sua duração e o imperioso dever de análise judicial em 24 horas, onde cumprirá ao juiz analisar sua legalidade e decidir sobre a manutenção da prisão (agora como preventiva) ou não. Está disciplinada nos artigos 301 a 310 do Código de Processo Penal.

Prevista na Constituição Federal, esta modalidade dispensa ordem judicial, cabendo quando o agente: está cometendo a infração penal; acaba de cometê-la; é perseguido, logo após, pela autoridade, pelo ofendido ou por qualquer pessoa, em situação que faça presumir ser autor da infração ou é encontrado, logo depois, com instrumentos, armas, objetos ou papéis que façam presumir ser ele autor da infração ( Art 302, CPP).

É possível a prisão em flagrante de quem esteja cometendo crime ou contravenção. É cabível também em crimes de ação penal privada, dependendo, para a lavratura do auto de prisão em flagrante do requerimento do ofendido. Cabe salientar que a prisão em flagrante delito pode ser realizada em qualquer dia e a qualquer hora, e ainda que efetivada em período noturno, não configura atentado contra a inviolabilidade do domicílio.

Qualquer pessoa pode prender quem se encontra em situação de flagrante; os policiais têm o dever de ofício de executar a prisão, é o entendimento do art. 301, CPP.

Há restrições à prisão em flagrante de algumas pessoas, como por exemplo: os diplomatas (imunes à jurisdição brasileira); o menor; os magistrados e membros do Ministério Público; membros do Congresso Nacional; advogados; o Presidente da República.

Capez (2009, p. 271) destaca que nessa fase vigora o princípio do in dubio  pro societate, não podendo o delegado de polícia embrenhar-se em questões  doutrinárias de alta indagação, sob pena de antecipar indevidamente a  fase  judicial  de apreciação de provas; permanecendo  a dúvida ou diante de fatos aparentemente criminosos, deverá ser formalizada a prisão em flagrante.

A lavratura do auto de prisão em flagrante seguirá as seguintes etapas:

1. Oitiva do condutor (geralmente é quem efetuou a prisão em flagrante), pessoa pública ou privada que conduziu o preso à presença da autoridade policial;

2. Oitiva das testemunhas, presenciais ou não, sem qualquer limitação máxima ou mínima, colhendo-se suas assinaturas (art. 304, CPP).

3. Não havendo testemunha presencial deverão assinar o termo pelo menos duas pessoas (testemunhas de apresentação ou indiretas) que tenham presenciado  a apresentação  do  preso  à  autoridade, e após  cada  oitiva,  serão colhidas suas assinaturas (art. 304, § 2º, do CPP).

4. Oitiva da vítima. Cumpre destacar que nas oitivas todos serão inquiridos separadamente, devendo ser zelado a incomunicabilidade entre condutor, vítima e testemunhas.

5. Interrogatório do suspeito acerca dos fatos que lhe estão sendo imputados, assegurando o direito ao silêncio e o direito de ser assistido por advogado, conforme preceitua o art. 5º, LXIII, da CF/1988.

6. As assinaturas serão colhidas após cada depoimento, se alguém não souber assinar outra pessoa assinará a rogo, após lido na presença de ambos, nos termos do art. 216, CPP.

7. Indiciamento.

8. Recolhimento à prisão, exceto no caso de prestar fiança ou livrar-se solto.

9. Entrega da nota de culpa, ou no prazo de 24 horas esta será entregue ao preso, mediante recibo, assinada pela autoridade, com o motivo da prisão, o nome do condutor e o das testemunhas (art. 306, § 2º,CPP, com a redação dada pela Lei nº12.403/2011).

10. Comunicação da prisão, nos termos dos arts. 306, CPP, e 5º, LXII, da CF/1988, com a redação dada ao art. 306 do CPP pela Lei nº12.403/2011, a prática  de também comunicar ao Ministério Público a prisão de alguém agora é exigência legal.

  REFERÊNCIAS

LOPES JR., Aury.  Direito Processual Penal e sua Conformidade Constitucional. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2008.

CAPEZ, Fernando. Curso de Processo Penal. 16. ed. rev. e atual. São Paulo: Saraiva, 2009.

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 0 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/direito-artigos/prisao-em-flagrante-6114374.html

    Palavras-chave do artigo:

    prisao

    ,

    flagrante

    ,

    artigos 301 a 310 codigo de processo penal

    Comentar sobre o artigo

    Alessandra Palladino

    Este trabalho tem por finalidade apresentar as principais características do Direito Penal Garantista, objetivando despertar o raciocino crítico sobre o sistema processual repressor, principalmente no que diz respeito às prisões cautelares, especialmente a prisão em flagrante, chamando a atenção basicamente para as irregularidades e a necessidade de verdadeiras mudanças à luz do modelo Garantista, visto não como a necessidade de se programar a “luta contra o crime”, para assegurar a “ordem social”, mas como um legítimo instrumento a serviço de um direito penal democrático e, acima de tudo, a serviço dos direitos fundamentais do cidadão. Neste estudo utilizou-se o método dedutivo, fundado em pesquisas bibliográficas, envolvendo livros especializados, artigos publicados em revistas e na internet, bem como pesquisa documental baseada em decisões de Tribunais.

    Por: Alessandra Palladinol Direitol 27/07/2009 lAcessos: 7,749 lComentário: 1

    O objetivo desse trabalho é mostrar de que formas é feita a sonegação e crimes contra a previdência, que infelismente muitas vezes ficam impunes.

    Por: ana claudial Direito> Legislaçãol 07/06/2011 lAcessos: 1,041

    Com base no ordenamento jurídico compreendido no Código Civil de 2002, através do artigo 1888 e seguintes, o testamento marítimo é feito de forma especial, sendo utilizado em situações de emergência: em viagem, a bordo de navio mercantil, pode testar perante o comandante, na presença de duas testemunhas, por forma que corresponda ao testamento público ou ao testamento cerrado.

    Por: sherika nonatol Direitol 16/11/2014

    O presente trabalho trata da possibilidade de reconhecimento jurídico das entidades familiares que surgiram após a Constituição Federal de 1988.

    Por: Jaianel Direitol 15/11/2014

    Quando uma empresa entra em falência, isto é, não possui mais formas ou bens de pagar suas dívidas a seus credores, ela entrará em estado de falência decretado pela justiça.

    Por: Sayuri Matsuol Direitol 14/11/2014

    Embora não seja um tema muito explorado, há leis que asseguram o direito de pessoas idosas à alimentação. O idoso tem esse direito resguardado pela Constituição e pelo Estatuto do Idoso, e ele poderá exigir esse encargo dos seus parentes. Contudo, se os familiares não tiverem condições de tomar essa responsabilidade, o Estado assumirá para si a obrigação alimentar o idoso, como esta previsto em lei.

    Por: Camila Ferreira Rossetil Direitol 14/11/2014
    Caroline Ferreira

    No ordenamento jurídico trabalhista o funcionário, em regra, é protegido por se tratar da parte hipossuficiente da relação. No caso de acidentes de trabalho existem uma série de medidas imediatas que resguardam os direitos do acidentado, mas existem também controvérsias sobre como deve ser tratado o acidente de trajeto. O presente artigo tem como objetivo a análise das teorias acerca da responsabilidade civil do empregador por acidente do trabalho de trajeto ("in itinere").

    Por: Caroline Ferreiral Direitol 13/11/2014 lAcessos: 11

    Com o rompimento dos laços afetivos e, consequentemente, do vínculo conjugal, muitas vezes pode ocorrer um desequilíbrio socioeconômico. Com o intuito de restabelecer o equilíbrio financeiro e social, surgem os alimentos compensatórios.

    Por: Débora Stimamigliol Direitol 13/11/2014
    KELI PAVI

    A caracterização da visita íntima como direito fundamental do preso Sendo um dos problemas mais discutidos hoje no direito penitenciário, a visita íntima ou conjugal ainda não está regulamentada em lei, o que não significa que ela deve ser restringida, pois esse direito se apoia principalmente no princípio constitucional da dignidade da pessoa humana e dos direitos fundamentais.

    Por: KELI PAVIl Direitol 12/11/2014

    O presente trabalho é um estudo criterioso acerca da lei de alienação parental. Resumidamente, ocorre alienação parental quando um dos genitores incute na mente do filho ideias depreciativas a respeito do outro genitor, aproveitando-se da dificuldade acerca da percepção da realidade, buscando turbar a formação da percepção social da criança ou do adolescente. A lei de alienação parental foi instituída pela Lei nº 12.318/2010. Contudo, anteriormente ao seu advento, a alienação parental já era rec

    Por: Ana Paula Kapplerl Direitol 11/11/2014 lAcessos: 17
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast