Prisão em flagrante

Publicado em: 09/08/2012 | Acessos: 191 |
PRISÃO EM FLAGRANTE

            Daniele Rodrigues do Nascimento – estudante de Direito

 

Conforme conceitua Aury Lopes Júnior (2008, p. 64) a prisão em flagrante é uma medida pré cautelar, de natureza pessoal, cuja precariedade vem marcada pela possibilidade de ser adotada por particulares ou autoridade policial, e que somente está justificada pela brevidade de sua duração e o imperioso dever de análise judicial em 24 horas, onde cumprirá ao juiz analisar sua legalidade e decidir sobre a manutenção da prisão (agora como preventiva) ou não. Está disciplinada nos artigos 301 a 310 do Código de Processo Penal.

Prevista na Constituição Federal, esta modalidade dispensa ordem judicial, cabendo quando o agente: está cometendo a infração penal; acaba de cometê-la; é perseguido, logo após, pela autoridade, pelo ofendido ou por qualquer pessoa, em situação que faça presumir ser autor da infração ou é encontrado, logo depois, com instrumentos, armas, objetos ou papéis que façam presumir ser ele autor da infração ( Art 302, CPP).

É possível a prisão em flagrante de quem esteja cometendo crime ou contravenção. É cabível também em crimes de ação penal privada, dependendo, para a lavratura do auto de prisão em flagrante do requerimento do ofendido. Cabe salientar que a prisão em flagrante delito pode ser realizada em qualquer dia e a qualquer hora, e ainda que efetivada em período noturno, não configura atentado contra a inviolabilidade do domicílio.

Qualquer pessoa pode prender quem se encontra em situação de flagrante; os policiais têm o dever de ofício de executar a prisão, é o entendimento do art. 301, CPP.

Há restrições à prisão em flagrante de algumas pessoas, como por exemplo: os diplomatas (imunes à jurisdição brasileira); o menor; os magistrados e membros do Ministério Público; membros do Congresso Nacional; advogados; o Presidente da República.

Capez (2009, p. 271) destaca que nessa fase vigora o princípio do in dubio  pro societate, não podendo o delegado de polícia embrenhar-se em questões  doutrinárias de alta indagação, sob pena de antecipar indevidamente a  fase  judicial  de apreciação de provas; permanecendo  a dúvida ou diante de fatos aparentemente criminosos, deverá ser formalizada a prisão em flagrante.

A lavratura do auto de prisão em flagrante seguirá as seguintes etapas:

1. Oitiva do condutor (geralmente é quem efetuou a prisão em flagrante), pessoa pública ou privada que conduziu o preso à presença da autoridade policial;

2. Oitiva das testemunhas, presenciais ou não, sem qualquer limitação máxima ou mínima, colhendo-se suas assinaturas (art. 304, CPP).

3. Não havendo testemunha presencial deverão assinar o termo pelo menos duas pessoas (testemunhas de apresentação ou indiretas) que tenham presenciado  a apresentação  do  preso  à  autoridade, e após  cada  oitiva,  serão colhidas suas assinaturas (art. 304, § 2º, do CPP).

4. Oitiva da vítima. Cumpre destacar que nas oitivas todos serão inquiridos separadamente, devendo ser zelado a incomunicabilidade entre condutor, vítima e testemunhas.

5. Interrogatório do suspeito acerca dos fatos que lhe estão sendo imputados, assegurando o direito ao silêncio e o direito de ser assistido por advogado, conforme preceitua o art. 5º, LXIII, da CF/1988.

6. As assinaturas serão colhidas após cada depoimento, se alguém não souber assinar outra pessoa assinará a rogo, após lido na presença de ambos, nos termos do art. 216, CPP.

7. Indiciamento.

8. Recolhimento à prisão, exceto no caso de prestar fiança ou livrar-se solto.

9. Entrega da nota de culpa, ou no prazo de 24 horas esta será entregue ao preso, mediante recibo, assinada pela autoridade, com o motivo da prisão, o nome do condutor e o das testemunhas (art. 306, § 2º,CPP, com a redação dada pela Lei nº12.403/2011).

10. Comunicação da prisão, nos termos dos arts. 306, CPP, e 5º, LXII, da CF/1988, com a redação dada ao art. 306 do CPP pela Lei nº12.403/2011, a prática  de também comunicar ao Ministério Público a prisão de alguém agora é exigência legal.

  REFERÊNCIAS

LOPES JR., Aury.  Direito Processual Penal e sua Conformidade Constitucional. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2008.

CAPEZ, Fernando. Curso de Processo Penal. 16. ed. rev. e atual. São Paulo: Saraiva, 2009.

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 0 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/direito-artigos/prisao-em-flagrante-6114374.html

    Palavras-chave do artigo:

    prisao

    ,

    flagrante

    ,

    artigos 301 a 310 codigo de processo penal

    Comentar sobre o artigo

    Alessandra Palladino

    Este trabalho tem por finalidade apresentar as principais características do Direito Penal Garantista, objetivando despertar o raciocino crítico sobre o sistema processual repressor, principalmente no que diz respeito às prisões cautelares, especialmente a prisão em flagrante, chamando a atenção basicamente para as irregularidades e a necessidade de verdadeiras mudanças à luz do modelo Garantista, visto não como a necessidade de se programar a “luta contra o crime”, para assegurar a “ordem social”, mas como um legítimo instrumento a serviço de um direito penal democrático e, acima de tudo, a serviço dos direitos fundamentais do cidadão. Neste estudo utilizou-se o método dedutivo, fundado em pesquisas bibliográficas, envolvendo livros especializados, artigos publicados em revistas e na internet, bem como pesquisa documental baseada em decisões de Tribunais.

    Por: Alessandra Palladinol Direitol 27/07/2009 lAcessos: 7,758 lComentário: 1

    O objetivo desse trabalho é mostrar de que formas é feita a sonegação e crimes contra a previdência, que infelismente muitas vezes ficam impunes.

    Por: ana claudial Direito> Legislaçãol 07/06/2011 lAcessos: 1,047

    Eventualmente, verifica-se a necessidade de se obter determinados documentos ou até mesmo informações nos órgãos públicos, contudo, na grande maioria dos casos a tentativa é frustrada em virtude de tanta burocracia. Ocorre que, o acesso a essas informações é direito constitucional do cidadão e o presente artigo se presta, justamente, a conferir mecanismos para que esse garantia seja cumprida.

    Por: Fábio Silva Andradel Direitol 28/01/2015 lAcessos: 11

    O presente artigo visa fornecer subsídios e elementos suficientes para que os proprietários revendedores de combustíveis possam reverter as multas aplicadas pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis - ANP apenas com uma pequena mudança na rotina de seus estabelecimentos.

    Por: Fábio Silva Andradel Direitol 28/01/2015

    Diante do exposto, é possível observar que a adequação das peculiaridades técnicas do meio envolvido às normas jurídicas proporcionará maior confiança na contratação virtual e contribuirá para a evolução das relações contratuais.

    Por: Natália Paz de Lyral Direitol 14/01/2015 lAcessos: 11

    Trata-se, pois, imprescindível a adoção de sistemas de criptografia que garantam a autenticidade, integridade, tempestividade e perenidade do documento. Desta forma, os contratos eletrônicos terão eficácia probatória contra terceiros. No caso de dúvida quanto à autenticidade e integridade, o contrato não será considerado inválido ou inexistente, mas poderá vir a ser comprovado em juízo por qualquer meio de prova admitido.

    Por: Natália Paz de Lyral Direitol 14/01/2015

    A expansão da Internet com propósitos comerciais, impulsionou o desenvolvimento do comércio eletrônico mediante a utilização de contratos eletrônicos. Entretanto, a vulnerabilidade desse novo ambiente de onde são celebrados os contratos eletrônicos gera insegurança entre as partes contratantes.

    Por: Natália Paz de Lyral Direitol 14/01/2015

    A discussão com relação a redução da maioridade penal causa polêmica em alguns setores da sociedade brasileira. Na nossa lei a responsabilidade penal é definida a partir dos dezoito anos de idade. Os que defendem a redução da maioridade penal objetivam considerar penalmente responsáveis os adolescentes menores de dezoito anos, pois consideram que seria essa a solução para a criminalidade.

    Por: Claudia Maria Werner Polidol Direitol 08/01/2015

    A posse é um dos assuntos mais controvertidos na doutrina civilista. Um dos pontos ainda não sedimentados em relação à posse é o reconhecimento de sua função social, assunto este abordado no presente trabalho. Para tamanha pretensão, não se pode prescindir da ligação da posse (autônoma ou causal) com o direito de propriedade, ligação essa que promove o entendimento de que a função social reconhecida em relação à propriedade deve ser também feita em relação à posse.

    Por: MARIANAl Direitol 06/01/2015

    O Direito Penal Econômico é uma matéria jurídica que visa coibir ou punir as condutas ilícitas com um conjunto de regras que tem o escopo de sancionar, com penas próprias, no âmbito das relações econômicas, as ofensas ou perigo aos bens ou interesses juridicamente relevantes. Essa ciência coaduna, perfeitamente, com a corrupção existente no alto escalão da sociedade brasileira, perfazendo com que haja uma diminuição nessa prática prejudicial para os rumos da nação.

    Por: JOSÉ CARLOS MAIA SALIBA IIl Direitol 17/12/2014 lAcessos: 14
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast