Prisões Cautelares

Publicado em: 02/11/2010 |Comentário: 0 | Acessos: 6,973 |

Prisões Cautelares

 

Prisão na etimologia da palavra é a privação do direito de ir e vir de uma determinada pessoa em razão de seu recolhimento em instituto prisional. Sendo assim, temos a diferenciação da prisão decorrente de sentença penal condenatória, das prisões de cunho provisório, quais são, as determinadas em casos específicos e em momentos necessário durante a instrução criminal ou, até o transito em julgado da sentença penal condenatória. Posto isto, resta claro que esta espécie de prisão somente será aceita em caráter de urgência, visto que sua determinação visa assegurar o decurso pacifico e correto da instrução processual.

Dentre as prisões provisórias podemos citar a prisão preventiva, a prisão temporária e a prisão decorrente de flagrante delito.

 

Prisão Preventiva

 

É a prisão imposta como medida de prevenção, como uma forma de se manter o interesse da justiça mesmo ainda quando não há sentença penal transitada em julgado. Seu nome esclarece que esta prisão se faz como forma de "manutenção da cautela", como uma forma de precaução e assim, a prisão preventiva age de modo com que o acusado não se evada, estando o mesmo sob a mira da justiça de modo com que ocorra a correta aplicação do direito. Assim, se aplica a respectiva prisão quando a autoridade judiciária possui fundado receio de que o suspeito fuja para que não seja condenado.

 

Para a ocorrência da prisão preventiva necessário se faz a comprovação da materialidade do crime e dos indícios suficientes de autoria (fumus boni iuris), motivos (fundamentos) para decretação (periculum in mora):1.)Garantia da ordem pública; 2.)Garantia da ordem econômica; 3.)Conveniência da instrução criminal; 4.)Assegurar a aplicação da lei penal; 5.)Assegurar o cumprimento de medida protetiva de urgência (art. 20 da Lei "Maria da Penha" - L. 11.340).

 

Caberá nas seguintes situações:

 

1.) Crimes dolosos, punidos com reclusão; 2.) Crimes dolosos punidos com detenção. Se o indiciado é vadio ou, havendo dúvida sobre sua identidade, não fornecer elementos para esclarecê-la; 3.) Se o réu já foi condenado por outro crime doloso há menos de 5 anos; 4.) Se o crime envolver violência doméstica contra a mulher.

Sua revogação poderá ocorrer a qualquer instante desde que nao mais estejam presentes os requisitos autorizadores de sua decretação.

 

 

Prisão Temporária

 

Em determinadas situações a liberdade do suspeito impossibilita o sucesso das investigações criminais sobre determinado crime do qual é acusado. Dessa forma, decreta-se a prisão temporária com a determinação de que a mesma garanta a correta instrução criminal, ao passo que, a mesma para ser adequada, deve ser imprescindível à investigação criminal.

Assim, no que nos trouxe o disposto no § 1° da Lei nº 7.960 de 21.12.1989, as hipóteses de cabimento da prisão temporária:

 

Caberá prisão temporária: quando imprescindível para as investigações do inquérito policial; quando o indicado não tiver residência fixa ou não fornecer elementos necessários ao esclarecimento de sua identidade;- quando houver fundadas razões, de acordo com qualquer prova admitida na legislação penal, de autoria ou participação do indiciado nos seguintes crimes:

homicídio doloso (art. 121, caput, e seu § 2°);seqüestro ou cárcere privado (art. 148, caput, e seus §§ 1° e 2°);roubo (art. 157, caput, e seus §§ 1°, 2° e 3°); tráfico de drogas (art. 12 da Lei n° 6.368, de 21 de outubro de 1976); crimes contra o sistema financeiro (Lei n° 7.492, de 16 de junho de 1986). d) extorsão (art. 158, caput, e seus §§ 1° e 2°); extorsão mediante seqüestro (art. 159, caput, e seus §§ 1°, 2° e 3°); estupro (art. 213, caput, e sua combinação com o art. 223, caput, e parágrafo único); atentado violento ao pudor (art. 214, caput, e sua combinação com o art. 223, caput, e parágrafo único); rapto violento (art. 219, e sua combinação com o art. 223 caput, e parágrafo único); epidemia com resultado de morte (art. 267, § 1°); envenenamento de água potável ou substância alimentícia ou medicinal qualificado pela morte (art. 270, caput, combinado com art. 285); quadrilha ou bando (art. 288), todos do Código Penal; genocídio (arts. 1°, 2° e 3° da Lei n° 2.889, de 1° de outubro de 1956), em qualquer de sua formas típicas.

 

 

É importante ressaltar que o art. 219 do Código Penal foi revogado pela Lei nº 11.106/2005, sendo que, o fato típico ainda existe em figuras mais graves como o seqüestro e o cárcere privado praticados com finalidades libidinosas (art. 148, §1º, V, CP), sendo que os mesmo, continuam previstos na Lei n° 7960/89, e, portanto, continua em tese a valer prisão temporária nestes casos.

 

Esta modalidade de prisão se difere da preventiva visto que aqui a autoridade judiciária não pode decretá-la de oficio, devendo a mesma ser provocada pelo Ministério Publico através de requerimento ou pela Autoridade Policial competente mediante representação. O prazo é de 5 dias prorrogável por igual período em casos que fiquem comprovados a extrema necessidade de prorrogação (art. 2, caput, Lei nº 7.960/89).

 

Nos casos dos crimes hediondos, de tortura, trafico ilícito de entorpecentes e terrorismo, este prazo será diferenciado, pois a prisão poderá ser decretada em ate 30 dias, prorrogável por igual período em caso de extrema necessidade

No que dispõe o art. 1º da Lei nº 8.072/90 (Lei dos Crimes Hediondos): São considerados hediondos os seguintes crimes, todos tipificados no Decreto-Lei no 2.848, de 7 de dezembro de 1940 - Código Penal, consumados ou tentados: homicídio, quando praticado em atividade típica de grupo de extermínio, ainda que cometido por um só agente, e homicídio qualificado (art. 121, § 2o, I, II, III, IV e V); latrocínio (art. 157, § 3o, in fine); extorsão qualificada pela morte (art. 158, § 2o); extorsão mediante seqüestro e na forma qualificada (art. 159, caput, e §§ lo, 2o e 3o); estupro (art. 213, caput §§ 1o e 2o); estupro de vulnerável (art. 217-A, caput §§ 1o, 2o, 3o e 4o); epidemia com resultado morte (art. 267, § 1o); falsificação, corrupção, adulteração ou alteração de produto destinado a fins terapêuticos ou medicinais (art. 273, caput e § 1o, § 1o-A e § 1o-B, com a redação dada pela Lei no 9.677, de 2 de julho de 1998). E, por fim, considera-se também hediondo o crime de genocídio previsto nos arts. 1o, 2o e 3o da Lei no 2.889, de 1o de outubro de 1956, tentado ou consumado.

 

Prisão em Flagrante

 

Uma das espécies de prisão temporária, de natureza cautelar e processual, que independe de ordem escrita e fundamentada de autoridade competente, desde que o agente se encontre em determinada situação flagrancial como descrita em lei. Entre as classificaçoes da prisão em flagrante temos:

 

Flagrante próprio:

 

Diz-se ser aquele em que o agente é pego de surpresa cometendo uma infração

penal ou no imediato instante seguinte ao seu acontecimento. É restrita a possibilidadedo termo "acabar de ocorrer à infração," visto que, assim, o agente deverá ser imediatamente encontrado após a ocorrência da infração penal.

 

Flagrante impróprio:

 

Esta hipótese se baseia na perseguição do agente logo após a pratica do fato, seja

pela autoridade, pela vitima ou por outra pessoa, tornando assim o autor presumidamen

te praticante daquele ilícito penal. Assim, não se encontra fundada base de alicerce para o dito popular que estabelece 24 horas o prazo entre a ocorrência do delito e a prisão do agente.

 

Flagrante presumido:

 

Ocorre quando agente é capturado logo após de cometer o delito, estando ainda

em sua posse, instrumentos, armas, objetos, ou até, papéis que deduzam ser este o

infrator.

Para a confecção de tal espécie não se faz necessário que haja perseguição, é

somente necessário que o agente seja encontrado momentos seguintes à prática do

delito.

 

Flagrante esperado:

 

Disciplinado na Lei 11.343 e na Lei 9.034 este flagrante propicia aos agentes policiais a colheita de provas mais contundentes do delito, uma vez que, os mesmos, apenas esperam o momento exato da realização do flagrante. Com isso, as provas coletadas autorizadoras do flagrante tornam-se mais fortes, reforçando a materialidade do crime.

 

Flagrante forjado:

 

Decorre da ação de policiais ou particulares que criam provas anteriormente

inexistentes para que recaia sobre um terceiro culpa inexistente, assim, não há crime, e

ainda, responde tanto o policial quanto por abuso de autoridade.

Um exemplo clássico desta espécie de flagrante é aquele em que, por exemplo,

coloca-se no interior de um veículo substância entorpecente.

 

 

Conclusão:

 

As prisões cautelares são imprescindíveis para o ordenamento jurídico visto que sua decretação, via de regra, visa principalmente a efetivação da justiça, ou seja, assegurar a justa aplicação da lei, e também, o andamento correto e pacifico do inquérito e processo que julgará o delito, assegurando assim, a todos, uma efetiva manifestação jurisdicional como deve ser.

 

 

NUCCI, Guilherme de Souza. Código de processo penal comentado, 4 ed.rev., atual. e  ampl., São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 2005, p.541.

 

SILVA, De Plácido e. Vocabulário Jurídico. 21 ed., Rio de Janeiro, Forense, 2003, p.640.

 

FEITOZA, Denílson. Direito processual penal:teoria, crítica e práxis, 6ª ed., ver., ampl.  e atual. com a "Reforma Processual Penal"(Leis 11.689/2008, 11.690/2008 e 11.719/2008) e a Videoconferência (Lei 11.900/2009). Niterói/RJ: Impetrus, 2009, p.840.

 

 

 

 

 

 

 

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 0 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/direito-artigos/prisoes-cautelares-3595505.html

    Palavras-chave do artigo:

    prisoes

    ,

    cautelares

    ,

    prisao em flagrante

    Comentar sobre o artigo

    Alessandra Palladino

    Este trabalho tem por finalidade apresentar as principais características do Direito Penal Garantista, objetivando despertar o raciocino crítico sobre o sistema processual repressor, principalmente no que diz respeito às prisões cautelares, especialmente a prisão em flagrante, chamando a atenção basicamente para as irregularidades e a necessidade de verdadeiras mudanças à luz do modelo Garantista, visto não como a necessidade de se programar a “luta contra o crime”, para assegurar a “ordem social”, mas como um legítimo instrumento a serviço de um direito penal democrático e, acima de tudo, a serviço dos direitos fundamentais do cidadão. Neste estudo utilizou-se o método dedutivo, fundado em pesquisas bibliográficas, envolvendo livros especializados, artigos publicados em revistas e na internet, bem como pesquisa documental baseada em decisões de Tribunais.

    Por: Alessandra Palladinol Direitol 27/07/2009 lAcessos: 7,734 lComentário: 1
    José VIRGÍLIO Dias de Sousa

    Quais as espécies de prisões existem no ordenamento juridico nacional, quais são essas prisões. A prisão Penal decorrente da sentença penal condenatória irrecorrível é a regra, as prisões cautelares são as exceções. A revogação da prisão decorrente da sentença de Pronúncia, Art. 408, §2ºdo CPP ( Revogado pelaLei 11.689/08) e recolhimento à prisão para interpor recurso Art. 594 do CPP (Rvogado pela lei 11.719/08).

    Por: José VIRGÍLIO Dias de Sousal Direito> Legislaçãol 10/01/2010 lAcessos: 3,289 lComentário: 1

    O Congresso Nacional do Brasil aprovou a Lei nº 12.403/11 como resultado de uma política pública voltada para a justiça criminal, que colocou em vigor novos aspectos sobre a decretação de prisões e medidas cautelares descritas em nosso ordenamento. Por isso, o trabalho em questão tem como objetivo analisar a prisão cautelar em face do princípio da inocência à luz da Lei 12.403.

    Por: Felipe A. P. de Moural Direito> Doutrinal 24/09/2013 lAcessos: 54

    Este trabalho tem por objetivo analisar os modernos processos político-criminais de prisionização e desprisionização cautelares aplicados no Brasil. Portanto, foram analisados alguns aspectos que nos permitiu a compreensão do tema abordado. Que a prisão cautelar deve ser enfocada com atenção, sob pena de se cometer erros irreparáveis na vida do suposto criminoso ou infrator. A metodologia utilizada foi à pesquisa bibliográfica, com caráter qualitativo e exploratório, com a finalidade de se obte

    Por: Mª. Lindaura Chã Costal Direito> Doutrinal 31/10/2012 lAcessos: 128
    Doutor Pinheiro

    Os principais temas esclarecidos são: prisão e os requisitos para liberdade. O artigo aborda temas como liberdade provisória, "habeas corpus", suspensão e extinção da pena, livramento condicional e revisão Criminal e soltura.

    Por: Doutor Pinheirol Direito> Doutrinal 24/07/2009 lAcessos: 17,236 lComentário: 8

    O artigo a seguir visa a tratar da inconstitucionalidade da prisão especial prevista no artigo 295 do Código de Processo Penal face à Constituição Federal de 1988.

    Por: Mariana Ribeiro de Toeldol Direitol 27/05/2012 lAcessos: 110

    Reflete preocupação do legislador em dotar o ordenamento de medidas excepcionais e necessárias para garantir a segurança da sociedade.

    Por: mario bezerrada silval Direito> Doutrinal 01/11/2008 lAcessos: 7,044
    ALDINEI RODRIGUES MACENA

    O Inquérito policial é um Procedimento Administrativo sigiloso e inquisitivo, que busca subsídios para a proposição de uma ação penal; por isso era pacífico na Doutrina e na Jurisprudência a não incidência do contraditório e da ampla defesa no Inquérito Policial, no entanto, essa vedação passou a ser entendida pela autoridade policial que preside os inquéritos, como obstáculo ao acesso da defesa técnica aos autos do Inquérito, de forma que, tal postura, passou a afrontar as prerrogativas dos Adv

    Por: ALDINEI RODRIGUES MACENAl Direito> Doutrinal 13/04/2011 lAcessos: 14,043
    Sérgio Henrique Pereira

    Aprenda sobre seus direitos diante de blitzes policiais. Colabore pela sua segurança e dos demais concidadãos. Seja grato e agradeça ao policial que age respeitando à lei Denuncie o policial que age desrespeitando à lei.

    Por: Sérgio Henrique Pereiral Notícias & Sociedadel 28/11/2013 lAcessos: 33

    Estudo sobre o instituto da Barriga de Aluguel como prática frequente em vários países com o objetivo de averiguar como o direito brasileiro e o direito comparado solucionam os conflitos decorrentes dessa prática, bem como demonstrar algumas questões éticas que surgem nos conflitos dela decorrentes, principalmente quanto ao aspecto oneroso que, por muitas vezes, está presente nesse tipo de relação. Busca entender, ainda, o papel da bioética e do biodireito nesses conflitos.

    Por: Marília Oliveira Martinsl Direitol 17/09/2014

    Escritórios de advocacia são como qualquer empresa de qualquer setor: devem ser organizados para poder funcionar da melhor maneira possível e só fluir, gerando bons frutos disso e, é claro, lucro para os associados que exercem sua advocacia no local.

    Por: Sayuri Matsuol Direitol 16/09/2014

    Para fazer parte da advocacia brasileira, isto é, ser um advogado e poder exercer sua função um indivíduo deve possuir bacharel em Direito e ter conseguido aprovação no Exame de Ordem e ser regularmente inscrito na OAB, a Ordem dos Advogados do Brasil.

    Por: Sayuri Matsuol Direitol 08/09/2014

    No processo existente de Recuperação Extrajudicial podemos contar com um tipo de instituto que propicia o que seria uma nova solução. Através dela os devedores acabam negociando de forma direta com todos os credores, e ainda o Plano de recuperação determinado o que vai para a justiça apenas para que possa ser algo homologado.

    Por: Sayuri Matsuol Direitol 08/09/2014 lAcessos: 11

    Os problemas judiciais podem acontecer em qualquer segmento, como podemos perceber, a justiça influência em praticamente tudo dentro do nosso país, porém em boa parte dos casos, a mesma influência de forma negativa, na maioria das vezes tirando a oportunidade de trabalhadores ou até mesmo de empresários que estavam fazendo seu trabalho dentro da lei, mas que devido a leis mal feitas ou até mesmo pela falta de uma lei correta, acaba paralisando a atuação de uma empresa. O grande problema da paral

    Por: Sayuri Matsuol Direitol 05/09/2014
    RFF Associados

    Em face dos constrangimentos orçamentais existentes foi, recentemente, aprovado em Conselho de Ministros a segunda proposta de alteração à Lei que aprovou o Orçamento de Estado para o ano de 2014.

    Por: RFF Associadosl Direitol 04/09/2014
    RFF Associados

    No passado dia 27 de Agosto de 2014 entrou em vigor a Lei n.º 61/2014, que aprovou o regime especial aplicável aos activos por impostos diferidos. Tal como a denominação indicia, o novo regime aplica-se aos activos por impostos diferidos que tenham resultado da não dedução de gastos e variações patrimoniais negativas com perdas por imparidade em créditos e com benefícios pós-emprego ou a longo prazo de empregados.

    Por: RFF Associadosl Direitol 04/09/2014

    Infelizmente, algo que podemos verificar com uma determinada facilidade nos dias de hoje, é o fato de que há uma grande quantidade de pessoas que podem ser declaradas judicialmente como insolventes, ou seja, que não tem condições de pagar pelas dívidas que realizou no decorrer de sua vida sem que isto influencia ou até mesmo prejudique as suas necessidades básicas. Sendo assim, claro, acaba por ser necessário que esta situação seja solucionada, e principalmente evitada. Então vamos entender agor

    Por: Sayuri Matsuol Direitol 28/08/2014
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast