Quando A Viúva Fica Sem Herança

Publicado em: 29/05/2009 |Comentário: 1 | Acessos: 4,701 |

Quando a viúva fica sem herança

Poderia parecer estranho e injusto concebermos a idéia de deixarmos uma viúva sem o seu quinhão hereditário. Contudo, no país de “jeitinho brasileiro”, tudo tem que ser visto e revisto de lupa. Um fato curioso foi recentemente dado como findo pelo Superior Tribunal de Justiça - STJ. A esposa de um herdeiro não tem direito na partilha de bens adquiridos durante a separação de fato, ainda que casada em comunhão universal de bens.

O enredo fatídico deu-se nos autos de uma Ação Judicial de Inventário. O juízo monocrático, em uma atitude extremamente legalista admitiu a inclusão da viúva no inventário na qualidade de meeira para posteriormente partilhar os bens deixado pelo de cujus. Os irmãos do falecido, tendo em vista que a viúva encontrava-se separada de fato do finado não achavam justo que a ela tivesse direitos na partilha, pois com a separação o irmão deles adquiriu novos bens, porém não tomou o cuidado de promover a competente Ação de Divórcio para pôr fim definitivamente na relação marital.

Dando início a empreitada, interpuseram recurso de Agravo para o Tribunal de Justiça de São Paulo. Esse por sua vez negou provimento, entendendo ter a viúva direitos sobre a partilha, eis que continuava casada em regime de comunhão universal de bens. Inconformados os irmãos interpuseram Recurso Especial para o STJ, nos termos do art. 105, inciso III, alínea “c” da Constituição Federal.

O núcleo da alegação era o fato dos bens adquiridos após a separação de fato do casal não se comunicarem, mesmo que o casamento tenha sido celebrado em regime de comunhão universal de bens e não tendo ocorrido sentença de divórcio. Além disso, usaram a favor o fato de haver dissídio jurisprudencial no próprio STJ, com decisões contra e decisões a favor da viúva.

O Ministério Público, acertadamente, deu parecer contrário a viúva, ressaltando que uma mulher separada de fato, inclusive há mais de seis anos, não tem direito à meação de bens advindos de partilha realizada posteriormente à relação. Inclusive, diz que a ação da viúva repugna o direito e a moral.

Examinando o mérito do direito em debate, constava provado nos autos, que a quando da abertura da sucessão a viúva estava separada de fato do finado há mais de seis anos, período em que não subsistia mais a vida em comum. Cumpre-nos ressaltar que a separação de fato tem o viés subjetivo e objetivo. O objetivo é a separação em si, passando os cônjuges a viver em tetos distintos, deixando de cumprir o dever de coabitação, no mais amplo sentido da expressão.

Já o elemento subjetivo é o animus, a vontade de dar como encerrada a vida conjugal, comportando-se como se o vínculo matrimonial fosse dissolvido. Nesse sentido, o Ministro Luis Felipe Salomão, no papel de relator do caso em apreço, liderou o entendimento de que representa enriquecimento sem causa autorizar a comunicação, a partilha, dos bens adquiridos no período de separação de fato, sobretudo quando já transcorrido tempo necessário ao divórcio, nos termos do art. 40 da Lei 6515/77. Nesse caso, a viúva não participou da aquisição dos bens.

Com a ruptura da vida em comum, os acréscimos patrimoniais, normalmente, passam a ser amealhados individualmente, sem qualquer contribuição do outro cônjuge. Ao passo que a comunhão de bens, mesmo no regime de comunhão universal, pressupõe a colaboração recíproca de ambos os cônjuges. Esse entendimento está em perfeita simetria com o artigo 1.723, §1º do novo Código Civil, o qual autoriza a constituição de união estável entre pessoa casada e terceiro, desde que se encontre separada de fato.

No caso comentado, o finado, mesmo legalmente vinculado pela comunhão universal de bens com a então viúva, estabeleceu união estável com terceira pessoa, que ante a inexistência de contrato escrito, em sentido diverso, é regulado pelo regime de comunhão parcial de bens, por força do art. 1725 do Novo Código Civil. Portanto, existe de forma latente uma incompatibilidade de manutenção dos dois regimes. Caso contrário, o mesmo patrimônio estaria sendo duplamente comunicado, partilhado.

Com efeito, o condomínio patrimonial imposto pelo regime de comunhão universal de bens deve encerrar-se com a separação de fato, possibilitando o estabelecimento da união estável sem qualquer ônus e, por conseguinte, a plenitude do regime da comunhão parcial determinada pelo art. 1725. Desse modo, a comunhão de bens e dívidas deve subsistir apenas durante o período de convivência do casal, cessando com fim da vida em comum, ainda que não oficializada mediante ação de separação judicial ou divórcio. Assim, a comunhão dos bens não pode ser mantida no período da separação de fato, não tendo a viúva direito a meação sobre o quinhão hereditário. Contudo, deve-se respeitar a comunicação dos bens adquiridos na constância da sociedade conjugal, que deverão ser partilhados pelos cônjuges em momento oportuno.

Denis Farias é advogado

denisadvogado@hotmail.com

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 1 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/direito-artigos/quando-a-viuva-fica-sem-heranca-944559.html

    Palavras-chave do artigo:

    viuva

    ,

    heranca

    Comentar sobre o artigo

    Claudinei

    O dízimo NUNCA FOI dado em dinheiro, embora havia dinheiro na época...

    Por: Claudineil Religião & Esoterismo> Evangelhol 14/12/2010 lAcessos: 1,276 lComentário: 1

    O direito sucessório é parte do direito que regula a distribuição dos bens da pessoa que falece, sendo que os beneficiados desta lei são os sucessores. Neste estudo, pretende-se descrever os direitos sucessórios dos companheiros, quando este torna-se o único herdeiro a suceder a totalidade dos bens, sejam esses bens adquiridos de forma onerosa na vigência da União Estável, sejam bens particulares.

    Por: GISELE ELISE BLUMEl Direito> Doutrinal 29/07/2014 lAcessos: 18
    Alberto Matos

    Esta Oração Pública Diária destinar-se-á a ser celebrada no Presídio de Segurança Máxima da Papuda, no pátio nº 01, destinado às pessoas de elevada periculosidade criminal, na cidade de Brasília. Este grupo é composto de cem pessoas. Elas passam a maior parte do tempo em celas solitárias, devido a estrutura disciplinar e corretiva do sistema penitenciário; elas têm direito a 01 (uma) hora diária no pátio para tomar sol e duas oportunidades para receberem visitas durante o mês. Durante 4 (quatro)

    Por: Alberto Matosl Religião & Esoterismo> Religiãol 28/06/2008 lAcessos: 1,054 lComentário: 1

    Das sucessões, breves considerações sobre os direitos do companheiro no Código Civil.

    Por: Eduardo H. P. Leitel Direito> Doutrinal 16/12/2010 lAcessos: 288

    O presente aborda, à luz do novo Código Civil Brasileiro, as questões relativas ao direito sucessório do cônjuge e do companheiro, que embora notáveis as alterações ocorridas, o legislador se permitiu desigualar dois institutos que em sua essência têm o mesmo objetivo, quais sejam, o casamento e a união estável, que têm por finalidade constituir família, pelo afeto e pela convivência, que são merecedoras do mesmo respeito e tratamento dados às famílias que iniciaram pela força do matrimônio.

    Por: Juliano Silval Direito> Legislaçãol 11/06/2011 lAcessos: 1,057

    O trabalho discorre sobre a evolução do direito sucessório para o companheiro. Diante dessa pesquisa, inicia-se a exploração do direito sucessório, identificando as características pecuniárias do direito hereditário para o companheiro.

    Por: Karen Zanarottil Direitol 16/11/2009 lAcessos: 1,303

    Discorre-se sobre leis, jurisprudências e doutrinas acerca do Registro imobiliário com forma aquisitiva.

    Por: Alan João Orlandol Direitol 05/06/2011 lAcessos: 454

    este modelo tem por escop esclarecer duvidas de como elaborar um inventário

    Por: RODRIGO BARBOSA DE OLIVEIRAl Direitol 29/11/2008 lAcessos: 507,651 lComentário: 27

    O artigo aborda as distinções entre o tratamento dado pelo novo Código Civil à sucessão do companheiro e à sucessão do cônjuge e as distorções daí decorrentes.

    Por: Vitor Pereira Paschoalickl Direitol 14/12/2010 lAcessos: 301

    Eventualmente, verifica-se a necessidade de se obter determinados documentos ou até mesmo informações nos órgãos públicos, contudo, na grande maioria dos casos a tentativa é frustrada em virtude de tanta burocracia. Ocorre que, o acesso a essas informações é direito constitucional do cidadão e o presente artigo se presta, justamente, a conferir mecanismos para que esse garantia seja cumprida.

    Por: Fábio Silva Andradel Direitol 28/01/2015 lAcessos: 12

    O presente artigo visa fornecer subsídios e elementos suficientes para que os proprietários revendedores de combustíveis possam reverter as multas aplicadas pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis - ANP apenas com uma pequena mudança na rotina de seus estabelecimentos.

    Por: Fábio Silva Andradel Direitol 28/01/2015

    Diante do exposto, é possível observar que a adequação das peculiaridades técnicas do meio envolvido às normas jurídicas proporcionará maior confiança na contratação virtual e contribuirá para a evolução das relações contratuais.

    Por: Natália Paz de Lyral Direitol 14/01/2015 lAcessos: 11

    Trata-se, pois, imprescindível a adoção de sistemas de criptografia que garantam a autenticidade, integridade, tempestividade e perenidade do documento. Desta forma, os contratos eletrônicos terão eficácia probatória contra terceiros. No caso de dúvida quanto à autenticidade e integridade, o contrato não será considerado inválido ou inexistente, mas poderá vir a ser comprovado em juízo por qualquer meio de prova admitido.

    Por: Natália Paz de Lyral Direitol 14/01/2015

    A expansão da Internet com propósitos comerciais, impulsionou o desenvolvimento do comércio eletrônico mediante a utilização de contratos eletrônicos. Entretanto, a vulnerabilidade desse novo ambiente de onde são celebrados os contratos eletrônicos gera insegurança entre as partes contratantes.

    Por: Natália Paz de Lyral Direitol 14/01/2015

    A discussão com relação a redução da maioridade penal causa polêmica em alguns setores da sociedade brasileira. Na nossa lei a responsabilidade penal é definida a partir dos dezoito anos de idade. Os que defendem a redução da maioridade penal objetivam considerar penalmente responsáveis os adolescentes menores de dezoito anos, pois consideram que seria essa a solução para a criminalidade.

    Por: Claudia Maria Werner Polidol Direitol 08/01/2015

    A posse é um dos assuntos mais controvertidos na doutrina civilista. Um dos pontos ainda não sedimentados em relação à posse é o reconhecimento de sua função social, assunto este abordado no presente trabalho. Para tamanha pretensão, não se pode prescindir da ligação da posse (autônoma ou causal) com o direito de propriedade, ligação essa que promove o entendimento de que a função social reconhecida em relação à propriedade deve ser também feita em relação à posse.

    Por: MARIANAl Direitol 06/01/2015

    O Direito Penal Econômico é uma matéria jurídica que visa coibir ou punir as condutas ilícitas com um conjunto de regras que tem o escopo de sancionar, com penas próprias, no âmbito das relações econômicas, as ofensas ou perigo aos bens ou interesses juridicamente relevantes. Essa ciência coaduna, perfeitamente, com a corrupção existente no alto escalão da sociedade brasileira, perfazendo com que haja uma diminuição nessa prática prejudicial para os rumos da nação.

    Por: JOSÉ CARLOS MAIA SALIBA IIl Direitol 17/12/2014 lAcessos: 14
    Denis Farias

    O artigo trata do dever da Caixa Econômica Federal responder juntamente com a empresa empreiteira, perante o mutuário em casos de vicios ou prejuízos na construção do imóvel

    Por: Denis Fariasl Direito> Doutrinal 31/08/2011 lAcessos: 178
    Denis Farias

    O artigo trata da decisão do STF que entedeu ser do suplente da coligação e não do suplente do partido, a vaga deixada por candidato eleito.

    Por: Denis Fariasl Direito> Doutrinal 26/05/2011 lAcessos: 89
    Denis Farias

    O homem não vive sem seus mitos e crenças. Na sociedade em que vivemos um mito ganha força a cada dia. Será um mito mesmo ou uma realidade?

    Por: Denis Fariasl Direito> Doutrinal 07/03/2011 lAcessos: 101
    Denis Farias

    Fazemos uma avaliação sobre a equivocada decisão monocrática que declarou inconstitucional a prova da OAB

    Por: Denis Fariasl Direito> Doutrinal 07/01/2011 lAcessos: 117
    Denis Farias

    Os classificados tem uma grande importância no mundo empresarial, dai a necessidade da jurisdição verificar a responsabilidade dos envolvidos em publicações enganosas e que venham a causar prejuízo a terceiros

    Por: Denis Fariasl Direito> Doutrinal 15/10/2010 lAcessos: 445
    Denis Farias

    A lei do Pré-Sal foi aprovada de qualquer maneira pelo Senado Federal e sancionada em tempo recorde pelo Presidente Lula. Da forma como foi feita, abre precedentes para vários questionamentos, que são feitos em breves linhas nesse artigo.

    Por: Denis Fariasl Direito> Legislaçãol 12/08/2010 lAcessos: 1,235
    Denis Farias

    A Universidade é a responsável pelos danos que seus alunos sofrem no interios da Instituição. Tal entendimento ficou evidente com uma recente decisão que o Superior Tribunal de Justiça preferiu, mantendo a decisão das instâncias ordinárias

    Por: Denis Fariasl Direito> Doutrinal 04/08/2010 lAcessos: 496
    Denis Farias

    O novo estatuto do torcedor é uma nova lei que vei para tentar conter os atos de vandalismo e violência nos estádios em dias de jogos.

    Por: Denis Fariasl Direito> Doutrinal 03/08/2010 lAcessos: 812

    Comments on this article

    1
    claudia 07/08/2009
    meu marido antes de falecer comprou um carro junto com o pai dele e o recibo foi preenchido no mome do meu marido ele me deixou dois filhos para criar e gostaria de saber que direito tenho sobre esse carro
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast