Reclamação Trabalhista - Rito Sumaríssimo

Publicado em: 26/08/2009 |Comentário: 1 | Acessos: 28,768 |

EXMO. SR. DOUTOR. JUIZ DA _____ VARA DO TRABALHO DA COMARCA DA CAPITAL / RJ.

 

 

 

                        FULANO DE TAL, brasileiro, solteira, professora, portadora da CTPS Nº xxxx, série xxx, carteira de identidade nº 12535923-2 IFP, inscrita no CPF/MF sob o nº xxxxxx, residente e domiciliada na Rua xxxx, nº xxx, bairro, Rio de Janeiro, CEP: xxxxxx, vem por seus patronos infra-assinados, conforme instrumento procuratório em anexo, com endereço profissional na Rua xxxxx, nº xxx, bairro, Rio de Janeiro, vem a V. Exa. propor a presente

 

 RECLAMAÇÃO TRABALHISTA

 

 

pelo Rito Sumaríssimo, em face de SICRANO, estabelecido na Rua xxxx, nº xxxx, Bairro, CEP: xxxxx, Rio de Janeiro, inscrito no CNPJ sob o nº xxxxxx, pelas razões de fato e de direito que passa a expor:

 

1- DAS PUBLICAÇÕES E INTIMAÇÕES

 

                         Inicialmente a parte autora requer à V. Exa., que todas as citações e intimações sejam remetidas para o endereço profissional de seus patronos, sito à Rua xxxx, n° xxx – Bairro – Rio de Janeiro – CEP: xxxxxxx, atendendo assim ao disposto no artigo 39 inciso I do CPC.

 

1- DA GRATUIDADE

                       Inicialmente requer seja deferida a gratuidade de Justiça, de acordo com a Lei 1.060/50, com alterações introduzidas pela lei nº 7510/86 uma vez que sua situação financeira não permite arcar com os ônus processuais e honorários advocatícios, sem prejuízo de seu sustento e de seus familiares.

 

3- DO RITO PROCESSUAL

 

                       O Rito Sumaríssimo adotado na presente ação, não é uma opção do Reclamante, mas sim um imperativo estabelecido no art. 852-A, introduzido na CLT pela Lei 9957/00, visto que os valores totalizados das verbas postuladas não ultrapassam a 40 (quarenta) vezes o salário mínimo vigente, limite estabelecido no retro mencionado Diploma Legal, como se demonstrará.

 

4 – DA CONCILIAÇÃO PRÉVIA

                       Cumpre inicialmente informar que o Reclamante não submeteu a presente a presente demanda à Comissão de Conciliação Prévia, na forma do art. 625-D da CLT, porque de acordo com a decisão proferida pelo STF nas Adins nº 2160/05 e 2139,, que deu interpretação conforme o art. 5º, XXXV da Constituição Federal.

                       Além disso, a Lei não pode restringir aquilo que a Legislação garante, não podendo, pois, estabelecer pressupostos processuais impeditivos de acesso à jurisdição; além do que a Justiça do Trabalho é uma conciliadora por excelência, e nas audiências as partes podem resolver livremente as suas pendências.

 

 5- DO CONTRATO DE TRABALHO

 

                       A Reclamante foi admitida aos serviços da Reclamada em 03/04/2007, exercendo a função de professora, com jornada de trabalho de 08:00 h às 17:00h com 01 (uma) hora de almoço de segunda-feira à sexta-feira, tendo rescindido o contrato de trabalho, INDIRETAMENTE, em 26/06/2008, por força de faltas graves cometidas pela Reclamada, oportunidade em que recebia o salário base mensal de R$ 400,00 (quatrocentos reais), sem receber seus direitos rescisórios, tais como: Aviso Prévio, 13º salário, Férias, guias do FGTS e multa dos 40%.

                       Cumpre assinalar que a anotação na CTPS é obrigatória para o exercício que qualquer emprego, conforme expõe o art. 13, caput da CLT, sendo assim a Reclamada cometeu falta grave quando deixou de fazer as anotações necessárias na  CTPS da Reclamante, o que perdurou por mais de um ano.

 

                        Conseqüentemente, não houve depósitos para o FGTS e nem o recolhimento para a Previdência Social.

                          Ocorre que a Reclamante no período letivo de 2007, lecionava em duas turmas, na parte da manhã e na parte da tarde, recebendo apenas o salário correspondente a uma turma, ou seja, o valor de R$ 400,00 (quatrocentos reais).

                           Insta mencionar que a categoria profissional da Reclamante possui salário-base estipulado pela categoria no importe de R$ 613, 60 (seiscentos e treze reais), correspondente a 4 (quatro) horas como carga horária, conforme mostra a norma coletiva em anexo.

                           Desta forma, fica claro que a Reclamante fora prejudicada durante todo o ano letivo de 2007, quando deveria receber seus proventos mensais no valor de R$ 1.227,20 (hum mil duzentos e vinte e sete reais e vinte centavos) e não R$ 400,00 (quatrocentos reais), como de fato ocorria.

                            Nesse mesmo diapasão, fica claro que a Reclamante recebeu pelo período de Abril de 2007 à Dezembro de 2007, o equivalente à R$ 3.600,00 (três mil e duzentos reais), referente a 9 (nove) meses laborados, devendo a mesma receber o valor no importe de R$ 7.444,80 (sete mil quatrocentos e quarenta e quatro reais e oitenta centavos).

                             Convém ressaltar que a Reclamante, no período do ano letivo de 2008 lecionava apenas em uma única turma recebendo apenas o salário no valor de R$ 400,00 (quatrocentos reais) mensais, devendo salientar que a partir do mês de abril de 2008 a categoria teve um reajuste no importe de 6,5 %, devendo assim receber seus proventos no importe de R$ 653,48 (seiscentos e cinqüenta e três reais e quarenta e oito centavos) a cada 4 (quatro) horas trabalhadas.      

                              Desta forma, ficam claro que a Reclamante deveria ter recebido pelo período de 2008 laborado, referente aos 6 (seis) meses de labor, os valores na proporção de R$ 3.801,24 (três mil oitocentos e um reais e vinte e quatro centavos), e não o valor de R$ 2.400,00 (dois mil e quatrocentos reais).

                               Sendo assim, fica claro que a Reclamada deverá pagar os valores devidos à Reclamante, devendo o mesmo ser entendido da seguinte forma:

Ano letivo de 2007 (2 turmas) = R$ 613,60 por turma = R$ 1.227,20

Reclamante recebia = R$ 400,00 pelas duas turmas

De Abril à Dezembro de 2007 deveria receber = R$ 11.044,80

Reclamante recebeu no período de Abril à Dezembro de 2007 = R$ 3.600,00

Diferença mensal devida pelo período de 2007:

Abril de 2007 = R$ 827,20 (R$ 1.227,20 – R$ 400,00)

Maio de 2007 = R$ 827,20

Junho de 2007 = R$ 827,20

Julho de 2007 = R$ 827,20

Agosto de 2007 = R$ 827,20

Setembro de 2007 = R$ 827,20

Outubro de 2007 = R$ 827,20

Novembro de 2007 = R$ 827,20

Dezembro de 2007 = R$ 827,20

Diferença devida pelo período de 2007 = R$ 7.444,80 

 

Ano letivo de 2008 (1 turma) = R$ 613,60 (até março de 2008)

Reclamante recebia = R$ 400,00

De Janeiro à Março de 2008 deveria receber = R$ 1.840,80

Reclamante recebeu no período de Janeiro à Março de 2008 = R$ 1.200,00

Diferença mensal devida pelo período de Janeiro à Março de 2008:

Janeiro de 2008 = R$ 213,60

Fevereiro de 2008 = R$ 213,60

Março de 2008 = R$ 213,60

Diferença devida mensal de Janeiro à Março de 2008 = R$ 640,80

 

Ano letivo de 2008 (1 turma) = R$ 653,48 (de Abril à Junho de 2008)

Reclamante recebia = R$ 400,00

De Abril à Junho de 2008 deveria receber = R$ 1.960,44

Reclamante recebeu no período de Abril à Junho de 2008 = R$ 1.200,00

Diferença mensal devida pelo período de Abril à Junho de 2008:

Abril de 2008 = R$ 253,48

Maio de 2008 = R$ 253,48

Junho de 2008 = R$ 253,48

Diferença devida de Abril à Junho de 2008 = R$ 760,44  

 

6 – RESCISÃO INDIRETA – ART. 483, ALÍNEA D, DA CLT - POR FALTA DE ANOTAÇÃO NA CTPS, PELO NÃO PAGAMENTO INTEGRAL DOS SALÁRIOS, PELO NÃO RECOLHIMENTO DO FGTS E NÃO RECOLHIMENTO PARA A PREVIDÊNCIA SOCIAL

                           Insta mencionar que conforme o art. 477, da CLT, o empregado tem direito a rescisão do contrato de trabalho, devendo haver por parte do empregado o pagamento das verbas indenizatórias devidas.

                          Data vênia ocorre que, a Reclamada somente veio pagar a Reclamante o valor no importe de R$ 400,00 referente ao mês trabalhado, não pagando nada além do que a Reclamante teria direito.

                           Postas essas premissas, parece-nos oportuno salientar o entendimento do TST em sua súmula 276, quando diz que: “O direito ao aviso prévio é irrenunciável pelo empregado. O pedido de dispensa de cumprimento não exime o empregador de pagar o respectivo valor, salvo comprovação de haver o prestador dos serviços obtido novo emprego.”

 

7 – DAS FÉRIAS NÃO PAGAS

                               É preciso dizer que, o descanso anual remunerado é consagrado em todas as legislações por razões médicas, familiares e sociais. No Brasil é um princípio constitucional e está previsto no art. 7º da C.R.F.B de 1.988, bem como em Convenção Internacional da OIT.

Art. 7º, XVII, da CF/88 – São direitos dos trabalhadores ... além de outros... XVII – gozo de férias anuais remuneradas com, pelo menos, um terço a mais do que o salário normal.

                               Convém ressaltar que, que a Reclamante tem direito às férias vencidas de 2007, bem como as férias proporcionais pelo período trabalhado no ano letivo de 2008. Ocorre que, a Reclamada quando pagou as verbas indenizatórias à Reclamante, não pagou as férias conforme o que dispõe o art. 7º da CF/88 c/c art. 129 da CLT.

                               A Reclamada não pagou as férias para a Reclamante, devendo a mesma ser compelida a pagar o valor na proporção de R$ 1.089,11 (um mil e oitenta e nove reais e onze centavos), devendo os valores ser entendidos da seguinte forma:

 Férias vencidas de 2007 = R$ 653,48

1/3 constitucional das férias de 2007 = R$ 217,82

Férias proporcionais de 2008, já com o aviso = R$ 163,36

1/3 das férias proporcionais de 2008, já com o aviso = R$ 54,45

 

8 – 13º SALÁRIO PROPORCIONAL

                            Oportuno torna-se dizer que o 13º salário é um direito do empregado, independentemente se o contrato de trabalho venha a ser rescindido,  devendo o mesmo ser pago pelo empregador nas verbas indenizatórias. Desta forma, a Reclamante faz jus ao valor de R$ 326,73 (trezentos e vinte seis reais e setenta e seis centavos), referente aos seis meses trabalhados no período de janeiro a junho de 2008, bem como a diferença referente ao valor pago pela gratificação de natal paga no período de 2007, no importe de R$ 213,60 (duzentos e treze reais e sessenta centavos).

                             Sendo assim, os valores devidos devem ser entendidos da seguinte forma:

Diferença do 13º Salário pago em 2007: R$ 213,60

 13º Salário proporcional referente ao ano de 2008: R$ 326,73

 

 PEDIDOS

Diante do exposto, requer a Reclamante que:

1-     Seja deferida a Gratuidade de Justiça;

2-     Anotação na CTPS desde o período de 03/04/07 até a data de 26/06/2008.

3-     Entrega das guias do FGTS, respondendo a Reclamada pela integralidade dos depósitos, sob pena de pagamento em espécie;

4-     O pagamento referente à diferença paga por todo o período laborado no ano de 2007, pela Reclamante no importe de R$ 7.444,80, sendo o mesmo entendido da seguinte forma:

  • Abril de 2007 = R$ 827,20 (R$ 1.227,20 – R$ 400,00)
  • Maio de 2007 = R$ 827,20
  • Junho de 2007 = R$ 827,20
  • Julho de 2007 = R$ 827,20
  • Agosto de 2007 = R$ 827,20
  • Setembro de 2007 = R$ 827,20
  • Outubro de 2007 = R$ 827,20
  • Novembro de 2007 = R$ 827,20
  • Dezembro de 2007 = R$ 827,20

5-     O pagamento referente à diferença paga por todo o período laborado no ano de 2008, pela Reclamante no importe de R$ 1.401,24, sendo o mesmo entendido da seguinte forma:

  • Janeiro de 2008 = R$ 213,60
  • Fevereiro de 2008 = R$ 213,60
  • Março de 2008 = R$ 213,60
  • Abril de 2008 = R$ 253,48
  • Maio de 2008 = R$ 253,48
  • Junho de 2008 = R$ 253,48

6-  O pagamento das férias de 2007, já com a projeção do Aviso, com acréscimo de 1/3 constitucional, da seguinte forma:

  • 2007 + 1/3 Constitucional = R$ 871,30

7-  O pagamento das férias proporcionais de 2008, já com a projeção do Aviso, com acréscimo de 1/3 constitucional, da seguinte forma:

  • 2008 + 1/3 Constitucional = R$ 217,81

8- Aviso Prévio no importe de R$ 653,48;

9-  Diferença devida referente ao 13º salário de 2007, pago à menor, no importe de R$ 213,60;

10- 13º salário proporcional de 2008, ou seja, 07/12 avos, face à projeção do aviso, no importe de R$ 381,19;

11- Multa de 50% sobre os valores de verbas rescisórias, conforme Art. 467 da CLT, em caso de não pagamento em primeira audiência;

12- Juros legais e Correção Monetária no que couber;

13- Honorários advocatícios na razão de 20%;

14-  Expedição de ofícios à DRT, CEF e INSS diante das irregularidades supramencionadas.

 

                               Isto posto, requer o Reclamante que se digne V. EXª. determinar a notificação citatória da Reclamada, para contestar a presente, sob pena de revelia e confissão da matéria de fato, esperando ao final ver julgados procedentes os pedidos formulados na presente Reclamatória.

                               Requer ainda, a produção de todos os meios de prova em direito admissíveis, especialmente documental, testemunhal e depoimento pessoal da Reclamada, sob pena de confissão.

 

VALOR DA CAUSA:

                                Dá-se à presente o valor de R$ 11.183,42 (onze mil cento e oitenta e três reais e quarenta e dois centavos).

 

Nestes termos,

pede deferimento.

Data

Advogado

OAB

Avaliar artigo
5
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 8 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/direito-artigos/reclamacao-trabalhista-rito-sumarissimo-1161420.html

    Palavras-chave do artigo:

    reclamacao

    ,

    trabalhista

    ,

    rito

    Comentar sobre o artigo

    O procedimento sumaríssimo na Justiça do Trabalho surge com intuito de solucionar de maneira rápida os conflitos trabalhistas. Porém em virtude da celeridade surge com requisitos específicos de aplicação. E este artigo pretende analisar o procedimento sumaríssimo no que tange a sua possibilidade de conversão em ordinário nos casos em que o paradeiro do empregador torna-se incerto no decorrer do processo e nos casos de pedido ilíquido.

    Por: Camila Cantanhede Lunal Direito> Doutrinal 15/06/2012 lAcessos: 1,770

    A divergência jurisprudencial acerca do delito de peculato previsto no art. 312 do código penal. O entendimento consolidado nos tribunais, incluindo os tribunais superiores. A visão doutrinária. Conclusões.

    Por: Leandro Bastos Nunesl Direito> Doutrinal 26/04/2012 lAcessos: 942

    A divergência na jurisprudência relacionada ao crime do artigo 312 do código penal. Os diversos posicionamentos na jurisprudência pátria. A experiência prática do procurador Leandro Bastos Nunes em Pernambuco.

    Por: Leandro Bastos Nunesl Direito> Doutrinal 08/03/2012 lAcessos: 1,703
    Jório Rocha

    Resumo: Este artigo científico procura tecer algumas considerações sobre o procedimento sumaríssimo trabalhista, especificamente sobre a possibilidade de conversão do procedimento sumaríssimo em ordinário quando o pedido da causa for ilíquido ou quando houver a necessidade de realização da citação por edital. Abstract: This research paper seeks to make a few remarks about the procedure accelerated, labor, specifically about the possibility of converting the ordinary procedure in highly summary.

    Por: Jório Rochal Direitol 20/06/2012 lAcessos: 2,538
    lidson tomass

    Segunda Parte. O que fazer ao se perder o prazo para embargos de devedor, na defesa da Fazenda Pública? Este trabalho aponta soluções. Com base em doutrina e jurisprudência demonstra que nesse cso, não há perda do direito material do devedor a uma execução nos limites da coisa julgada, da lei e da Constituição, podendo ser manejados vários outros meios de defesa em prol do erário público, sem que se possa falar em precluão ou coisa julgada da execução.

    Por: lidson tomassl Direito> Doutrinal 17/11/2012 lAcessos: 152
    Pedro Paulo Grizzo Serignolli

    O presente artigo aborda os contornos gerais da ação anulatória de débito fiscal na Justiça do Trabalho em virtude débitos resultantes de penalidades administrativas impostas por autoridades do Ministério do Trabalho e Emprego. Também é constatada a competência para o julgamento destas ações, e a constitucionalidade da exigência dos depósitos recursais na Justiça do Trabalho. Seguindo-se às conclusões.

    Por: Pedro Paulo Grizzo Serignollil Direitol 11/12/2009 lAcessos: 3,659

    ARTIGO QUE VISA DISCUTIR O DIREITO DE POSTULAR NO BRASIL.

    Por: wdileston gomes batistal Direito> Doutrinal 28/09/2008 lAcessos: 1,360 lComentário: 1

    Nos dias atuais, é muito comum vermos o marketing e a propaganda dos empréstimos bancários. Prazos, facilidades e juros baixos, são algumas das promessas de tal transação financeira. Futuramente, será muito comum que essas facilidades se tornarem um pesadelo e o contrante não consiga honrar com o pagamento do empréstimo. Veja o que fazer para ingressar com ação revisional de contrato bancário, e solicitar que cláusulas abusivas ou leoninas sejam revistas pelo Judiciário.

    Por: Solange Torresl Direitol 19/08/2014

    O artigo apresenta um estudo a respeito dos aspectos jurídicos e sociológicos constituídos junto a população, mais especificamente relacionados com a ética, moral e direito tanto em relação aos cidadãos como em conjunto com os operadores do direito de forma geral. Além disso, faz a diferenciação e conceituação desses valores e ciência apreciados de forma hodierna. Considera e pontua como deve ser as atitudes dos advogados perante seus colegas de trabalho e clientes.

    Por: Anderson Martinsl Direitol 18/08/2014

    Para quem gosta de verificar assuntos realacionados a finanças comerciais, é bastante provavel que já tenham ouvido falar sobre a recuperação judicial, no entanto, quando chega no momento de fazer isto com a sua empresa, é necessário que se tenha bastante cuidado. No entanto se você não entende bem sobre o que se trata, ou até mesmo quais seriam os riscos de uma recuperação judicial, veja agora mesmo.

    Por: Sayuri Matsuol Direitol 14/08/2014

    Saiba mais sobre o processo de recuperação judicial, o que é e como funciona.

    Por: Sayuri Matsuol Direitol 30/07/2014

    Para todos os empresários que já usufruem de novas leis de recuperação judicial, para se ter ideia, apenas no ano passado foram pelo menos 60 ações propostas nas grandes capitais, com um montante equivalente de mais de R$ 100 milhões. Existem vários outros casos determinados em análise através de escritórios, que são a partir disto deferidos pela justiça.

    Por: Sayuri Matsuol Direitol 28/07/2014 lAcessos: 11

    O processo de insolvência nada mais é do que um estado determinado onde o devedor deverá ter as suas prestações a cumprir que sejam superiores a todos os rendimentos que acabam recebendo. Em contrapartida os insolventes não conseguem cumprir todas as suas obrigações e seus pagamentos. Uma pessoa ou uma empresa que possa ser insolvente poderá no final de um processo ser considerada definitivamente insolvente, em falência ou em sua recuperação determinada.

    Por: Sayuri Matsuol Direitol 28/07/2014 lAcessos: 11

    Estudar as Constituições Brasileiras é analisar a evolução histórica do país, além da evolução do Direito em nosso ordenamento. A partir dela podemos notar as várias mudanças na estrutura do Brasil, como a economia, política e sociedade, desde a independência até os dias atuais. Dessa forma então, veremos quais as peculiaridades e aspectos de cada uma das sete constituições brasileiras. E quanto ao famoso Preâmbulo da Carta de 1988, quais suas características? Qual sua força normativa?

    Por: Iury Jim Barbosa Lobol Direitol 28/07/2014 lAcessos: 23
    Sérgio Henrique Pereira

    O artigo analisa os atos de vandalismo durante o Golpe Militar (1964 a1985) e os atos de vandalismos durante a Constituição Cidadã (1988), assim como os atos do Estado contra os manifestantes.

    Por: Sérgio Henrique Pereiral Direitol 26/07/2014
    Dra. Michely J. Barros

    Artigo científico que tem por finalidade focalizar os aspectos jurídicos, amparados pela legislação vigente, nos relacionamentos homoafetivos.

    Por: Dra. Michely J. Barrosl Direitol 14/09/2009 lAcessos: 1,238

    Comments on this article

    7
    sonia 18/08/2011
    ola meu marido tem um procsso trabalhista ha as de 13 anos e saiu agora uma hasta publica Protocolo de Petição de Recebimento de ofício
    16/08/2011 Protocolo de Petição de Juntada de documentos
    vi que foi vendido o imovel quanto tempo demora ainda para ele receber?Protocolo de Petição de Recebimento de ofício
    16/08/2011 Protocolo de Petição de Juntada de documentos
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast