Renuncia da Herança

Publicado em: 06/06/2011 |Comentário: 0 | Acessos: 8,090 |

Renuncia da Herança

           

Pode se perguntar, se toda herança deve ser aceita pelo herdeiro ou não, e caso queira recusá-la, quais as conseqüências que esse ato pode provocar nas demais pessoas que da herança poderiam aproveitar?

É neste sentido que primeiramente esclarecemos que o herdeiro pode sim recusar a herança. É seu direito e livre manifestação de sua vontade querer não receber a herança que lhe cabe.

Renunciar significa repudiar uma herança aberta em favor próprio.

Apenas o herdeiro é quem pode declarar de forma unilateral a sua vontade de não aceitar a herança. Observamos com isso, que para realizar tal o ato, o herdeiro deve ter plena capacidade para fazê-lo. Assim, a renuncia de herdeiro incapaz, mesmo que representado legalmente não terá validade, pois a representação reúne poderes de administração, de gerenciamento de bens e não de alienação, portanto, o representante não tem a liberdade para dispor de bens que o incapaz possa receber como herança (Caio Mario da silva Pereira, 2009, p. 51), exceção feita nos casos em que tenha autorização judicial para fazê-lo.

Outro requisito importante é que, em sendo o herdeiro casado, para que possa renunciar a herança, deverá ter a outorga do cônjuge, salvo se o regime em que contraíram matrimônio for o de separação absoluta (art. 1.647do CC). Autores como Washington de Barros Monteiro e Maria Helena Diniz entendem não ser necessário essa anuência do cônjuge.

O herdeiro ainda pode efetuar o ato da renuncia através de mandatário, desde que, esteja ele munido de poderes especiais e expressos em documento de procuração como ensina Caio Mario da silva Pereira, 2009, p. 51, citando Page.

A renuncia não pode ser admitida de forma tácita ou presumida, mas somente na forma expressa. Exceção feita no caso em que for conferido ao herdeiro testamentário uma herança que deva ser entregue mediante condição de entregar um patrimônio que lhe pertença a uma outra pessoa, e neste caso, não realizando essa entrega, teria como tida uma renuncia de forma presumida, já que não foi realizada a condição requerida pelo testador.

Quanto à formalização, a renuncia deve ser expressa e redigida por escritura pública ou por termo judicial. Se por escritura publica, o renunciante deverá lavrá-la em Cartório, expressando a livre vontade de renunciar a herança aberta em seu favor, sendo esse documento juntado aos autos. Em se tratando de renuncia por termo judicial, o renunciante deverá requerer ao Poder Judiciário a autorização de pedido de renuncia e, assim que deferido, será intimado sob o pleito.

Em ambas as formas, o documento sem a assinatura do renunciante é nulo, sendo que o momento da renuncia será quando ocorrer à juntada da escritura pública ou do Termo Judicial aos autos do processo. A lei não permite outra forma se não essas duas apresentadas.

 

Modalidades de Renuncia da Herança

 

A renuncia poderá ser efetivada nas modalidades Abdicativa ou Translativa. Entende –se na primeira que o renunciante pretende ficar alheio ao destino de sua quota, pois a própria lei é que define o destino da cota abdicada, ao passo que na segunda, o renunciante dará a um beneficiário o destino de sua quota.

A renuncia translativa funciona semelhante ao instituto da doação, pois o renunciante destina o seu quinhão hereditário a alguém. Mas é importante ter cuidado pois como ensina Caio Mário da Silva Pereira, não podemos confundir doação com renúncia de herança, uma vez que a primeira subentende saída de bens do patrimônio do doador e sua entrada no do donatário; e o repúdio à herança não traduz essa mutação, mas somente obstáculo a aquisição.

A renuncia também não se trata de desistência, pois esse instituto converte – nos ao entendimento de ter havido aceitação em momento anterior ao passo que a renuncia não exprime qualquer entendimento de aceitação antecedente.

 

Efeitos da Renuncia

 

A Renuncia tem efeito retroativo "ex tunc". Retroage ao tempo da abertura da sucessão tendo o herdeiro renunciante como se nunca tivesse existido. Desta forma, o primeiro efeito a se destacar é que a transmissão da herança não se dará ao herdeiro que a renunciou. Não será aplicado a ele o princípio da "saisine" e com efeito, até seus descendentes estarão impedidos de representá-lo na sucessão.

Mas a cota que cabe ao herdeiro renunciante não poderia ficar vaga ou sem destinação, dessa forma, entendeu o legislador em dirigi-la, acrescendo essa cota aos demais herdeiros da mesma classe. Mas caso o renunciante seja o único herdeiro na classe, ela (herança) será destinada aos herdeiros da classe subseqüente (art. 1.810 do CC). Por não haver, neste caso, direito de representação na sucessão, previu o legislador a hipótese de ser o renunciante o único herdeiro em sua classe de sucessão ou que todos da mesma classe renunciarem a herança, e neste caso, poderão os seus filhos virem a suceder por direito próprio (art. 1.811 do CC). Aplica-se o mesmo dispositivo caso o herdeiro renunciante venha a falecer.

Como ensina Caio Mario da Silva Pereira (2009, p.52), a renuncia não pode ser feita antes da abertura da sucessão. E não vale depois de praticar o herdeiro qualquer ato equivalente a aceitação da herança.

O ato de renunciar é irrevogável (art. 1.812 do CC). Em regra, uma vez renunciado, não poderá o herdeiro voltar a traz em sua decisão, contudo, se o ato foi realizado mediante algum vício de consentimento como erro, dolo ou coação, poderá, através de ação de revogação de renuncia, anular o ato.

Pode ocorrer casos em que o herdeiro, percebendo que sua herança será destinada a pagamento de seus credores, e mesmo assim ele renuncia o seu quinhão com o objetivo de não pagar dívida, os credores prejudicados ainda terão chance de ver seu crédito pago, pois o art. 1.813 do CC protege os credores que poderão, com autorização judicial, aceitar a herança em nome do renunciante, para obter o crédito devido, desde que esse crédito seja anterior a renuncia da herança.

Essa autorização judicial para que os credores aceitem a herança em nome de quem a abdicou é chamada de habilitação de credores. Tem prazo de 30 dias contados a partir do conhecimento por parte do interessado. Caso venha a sobrar parte do patrimônio após pagas as dividas, o remanescente será entregue aos demais herdeiros porque a renuncia ainda prevalece como decisão tomada pelo renunciante (art. 1.813 § 2º).

O Código Civil previu ainda a possibilidade de o renunciante de herança poder aceitar a herança ou legado de outro, neste caso, as causas aquisitivas são diversas podendo quem abdicou de uma aceitar a outra, podendo o abdicante atuar por representação ou por estirpe. De nada impede um herdeiro legitimo e também legatário em testamento renunciar de uma e aceitar a outra na mesma sucessão. Há evidente o direito de aceitar ou renunciar em ambas as sucessões simultaneamente.

O prazo para renunciar é o mesmo valido para a aceitação, ou seja, o de trinta dias para se manifestar se aceita ou renuncia. Caso o herdeiro nada faça, será considerada aceita a herança e dela não poderá mais abdicar.

 

Bibliografia

PEREIRA, Caio Mario da Silva. Instituições de Direito Civil. 17ª edição. Rio de Janeiro: Editora Forense, 2009;

MONTEIRO, Washington de Barros. Curso de Direito Civil. 40ª edição. São Paulo: Editora Saraiva, 2010;

DINIZ, Maria Helena. Curso de Direito Civil Brasileiro. 24ª edição. São Paulo: Editora Saraiva, 2010;

BUSSO, Sérgio. Aceitação e renúncia da herança e exclusão da sucessão. Jus Navigandi, Teresina, ano 8, n. 61, 1 jan. 2003. Disponível em: <http://jus.uol.com.br/revista/texto/3669>. Acesso em: 6 jun. 2011.

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 0 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/direito-artigos/renuncia-da-heranca-4869590.html

    Palavras-chave do artigo:

    renuncia da heranca

    ,

    modalidades

    ,

    efeitos

    Comentar sobre o artigo

    Renúncia e abandono são formas de perda da propriedade, realizadas de forma unilateral pelo proprietário do bem.

    Por: MARIANA MARIN NAKADl Direito> Doutrinal 10/06/2011 lAcessos: 1,171

    O presente artigo versa sobre o contrato de doação. Primeiramente descrevendo sua constituiçao histórica. Apos segue tratando de sua formação, classificação, requisitos essenciais e modalidades de doação.

    Por: felipel Direito> Doutrinal 01/05/2011 lAcessos: 1,766

    Assim demonstra-se a função do Princípio da Saisine, visto que, dado o falecimento do "de cujus", todo o patrimônio passa imediatamente a ser propriedade dos herdeiros, permitindo que estes pratiquem todos os atos efetivamente necessários à proteção do patrimônio, como por exemplo, os institutos possessórios, impedindo que conseqüências alheias prejudiquem a sua divisão no transcurso do procedimento sucessório regulado pelo Ordenamento Civil.

    Por: ANDREAl Direito> Doutrinal 10/06/2011 lAcessos: 1,643
    Juliana Gentilini David

    Esse trabalho tem como propósito demonstrar três maneiras de se adquirir o direito a sucessão que são: Herança, Legado e Partilha.

    Por: Juliana Gentilini Davidl Direito> Doutrinal 10/11/2010 lAcessos: 8,207

    Este trabalho tem por objetivo a apreensão conceitual e das características da relação alimentar na sistemática do Código Civil e propõe uma breve análise do novo panorama de prestação de alimentos que encontrou previsão legal muito recentemente com a edição da Lei 11.804/08 que disciplina os alimentos gravídicos e a forma como ele será exercido.

    Por: rogeriol Direito> Doutrinal 09/06/2011 lAcessos: 1,711

    O direito sucessório é parte do direito que regula a distribuição dos bens da pessoa que falece, sendo que os beneficiados desta lei são os sucessores. Neste estudo, pretende-se descrever os direitos sucessórios dos companheiros, quando este torna-se o único herdeiro a suceder a totalidade dos bens, sejam esses bens adquiridos de forma onerosa na vigência da União Estável, sejam bens particulares.

    Por: GISELE ELISE BLUMEl Direito> Doutrinal 29/07/2014

    Sucessões - Saisine O Direito Sucessório é ramo do Direito que tem por objetivo disciplinar as relações econômicas oriundas da transmissão dos patrimônios do de cujos aos seus herdeiros, legítimo e testamentário, se houver. Não existe herança de pessoa viva. Com a morte, abre-se a sucessão, surgindo o princípio da Saisine que permite a transmissão dos bens do morto aos seus herdeiros, de maneira imediata sem a necessidade de formalidade. Fato jurídico transformador de expectativa de direito em real direito adquirido que Sub-roga os herdeiros ao de cujos em seus mesmos direitos e deveres, ou seja, a vida humana desaparece, mas seus bens continuam, contribuindo para a manutenção do morto, para depois da sua morte, traduzindo sua continuidade.

    Por: Mayra Elias Pereira dos Santosl Direitol 04/12/2009 lAcessos: 2,637

    O legado genérico é modalidade de legado no qual o testador estipula o legado apenas com o gênero e quantidade, fazendo assim existir uma espécie de obrigação dos herdeiros de dar coisa incerta ao legatário.

    Por: Edson Mendes Marto Juniorl Direitol 02/12/2009 lAcessos: 1,413

    Introduz o conceitos de falência e analisa os diversos aspectos da falência, sob as perspectivas do direito de empresa, econômicas e sociológicas.

    Por: Bruno Loiola Barbosal Direito> Doutrinal 04/12/2012 lAcessos: 1,423

    Escritórios de advocacia são como qualquer empresa de qualquer setor: devem ser organizados para poder funcionar da melhor maneira possível e só fluir, gerando bons frutos disso e, é claro, lucro para os associados que exercem sua advocacia no local.

    Por: Sayuri Matsuol Direitol 16/09/2014

    Para fazer parte da advocacia brasileira, isto é, ser um advogado e poder exercer sua função um indivíduo deve possuir bacharel em Direito e ter conseguido aprovação no Exame de Ordem e ser regularmente inscrito na OAB, a Ordem dos Advogados do Brasil.

    Por: Sayuri Matsuol Direitol 08/09/2014

    No processo existente de Recuperação Extrajudicial podemos contar com um tipo de instituto que propicia o que seria uma nova solução. Através dela os devedores acabam negociando de forma direta com todos os credores, e ainda o Plano de recuperação determinado o que vai para a justiça apenas para que possa ser algo homologado.

    Por: Sayuri Matsuol Direitol 08/09/2014

    Os problemas judiciais podem acontecer em qualquer segmento, como podemos perceber, a justiça influência em praticamente tudo dentro do nosso país, porém em boa parte dos casos, a mesma influência de forma negativa, na maioria das vezes tirando a oportunidade de trabalhadores ou até mesmo de empresários que estavam fazendo seu trabalho dentro da lei, mas que devido a leis mal feitas ou até mesmo pela falta de uma lei correta, acaba paralisando a atuação de uma empresa. O grande problema da paral

    Por: Sayuri Matsuol Direitol 05/09/2014
    RFF Associados

    Em face dos constrangimentos orçamentais existentes foi, recentemente, aprovado em Conselho de Ministros a segunda proposta de alteração à Lei que aprovou o Orçamento de Estado para o ano de 2014.

    Por: RFF Associadosl Direitol 04/09/2014
    RFF Associados

    No passado dia 27 de Agosto de 2014 entrou em vigor a Lei n.º 61/2014, que aprovou o regime especial aplicável aos activos por impostos diferidos. Tal como a denominação indicia, o novo regime aplica-se aos activos por impostos diferidos que tenham resultado da não dedução de gastos e variações patrimoniais negativas com perdas por imparidade em créditos e com benefícios pós-emprego ou a longo prazo de empregados.

    Por: RFF Associadosl Direitol 04/09/2014

    Infelizmente, algo que podemos verificar com uma determinada facilidade nos dias de hoje, é o fato de que há uma grande quantidade de pessoas que podem ser declaradas judicialmente como insolventes, ou seja, que não tem condições de pagar pelas dívidas que realizou no decorrer de sua vida sem que isto influencia ou até mesmo prejudique as suas necessidades básicas. Sendo assim, claro, acaba por ser necessário que esta situação seja solucionada, e principalmente evitada. Então vamos entender agor

    Por: Sayuri Matsuol Direitol 28/08/2014

    O feminicídio é o crime praticado contra a mulher, por esta pertencer ao gênero feminino. Cada vez mais, esse termo ganha destaque no cenário nacional e, inclusive, poderá ser tipificado em breve. Existe no Senado Federal um Projeto de Lei que prevê a inclusão dessa forma de violência no Código Penal e na Lei dos Crimes Hediondos e que, até mesmo, já recebeu parecer favorável pela Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ).

    Por: JOSÉ CARLOS MAIA SALIBA IIl Direitol 26/08/2014
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast