Reponsabilidades do Administrador

Publicado em: 07/12/2010 |Comentário: 0 | Acessos: 220 |

Introdução

O presente artigo trata da responsabilidade limitada do administrador nas sociedades limitadas e anônimas. O objetivo é expor as principais características dessa responsabilidade e suas implicações, obviamente que são relevantes no campo jurídico. O artigo é baseado na opinião de renomados autores que serão citados na bibliografia.

Em primeiro lugar é de grande importância discorrer sobre as atividades que devem ser desempenhadas pelo administrador. Em suma, tem o objetivo de permitir que a sociedade consiga atingir os objetivos a que se propôs, quaisquer que sejam.

Em sociedades anônimas a administração não é cumprida por um só representante, pois quem realiza tal tarefa são os membros que compõe a diretoria; já nas sociedades limitadas tal cargo necessariamente não é ocupado por um só representante, neste caso gerente (ou gerentes), mas há essa possibilidade.

Administrador de Sociedade Limitada

Nas sociedades limitadas a gerência é um órgão da própria sociedade com a função de agir conforme vontade desta. Não há necessidade do gerente ou gerentes serem sócios, podendo ser até uma pessoa jurídica (para tanto deve existir esta possibilidade tratada no contrato social e posterior aprovação pela sociedade).

Quanto à capacidade do gerente há algumas restrições, que podem ser impostas pelo contrato social específico, quanto à sua atuação, obviamente além da obrigatoriedade de agir licitamente e de acordo com os objetivos da sociedade.

Desempenhar o cargo de gerente em uma sociedade implica em assumir responsabilidades e compromissos em nome da empresa, que responderá por tais atos na maioria dos casos, exceto (vide Decreto 3708/1919, art. 10) quando o gerente agir com excesso de mandato ou violando o contrato, ou mesmo a lei. Neste caso tem responsabilidade ilimitada e solidária com a sociedade e ou terceiros.

Quanto às ações de responsabilidade civil do administrador de sociedade limitada, tratadas no artigo 11 do Decreto 3708/1919, é prevista a possibilidade de ação de perdas e danos, mas sem responsabilidade criminal, contra sócio que indevidamente usar firma social, cabendo o papel de demandar à sociedade.


Administrador de Sociedade Anônima

Nestas sociedades quem realiza a administração são as diretorias ou o Conselho de administração.

O conselho de administração é composto por membros eleitos pela Assembléia Geral, (no mínimo três devem ser escolhidos). Esta mesma assembléia tem a capacidade de destituir qualquer desses eleitos, se assim decidido. Outra característica é o prazo máximo de administração, que é de três anos, com direito à reeleição, se assim permitido pela assembléia.

Além de eleger os diretores a Assembléia Geral tem caráter mais atuante na sociedade, como a fiscalização dos livros e capacidade de manifestação em relação à relatórios e contas da diretoria entre outros.

Os deveres do administrador na sociedade por ações

Tratados pela Lei 6404/76, são:

Diligência
O administrador deve agir em conformidade com a licitude e os interesses da sociedade, assim como não usar de seu poder delegado para agir sem autorização do Conselho ou da Assembléia.

Lealdade e sigilo
Estes deveres se confundem, pois ambos são tratados no artigo 155 da Lei das S/A. Por eles entendemos que o administrador deve, além de agir em conformidade com os objetivos da sociedade, também zelar pelas informações que a ele são confiadas e que têm papel indispensável para o desenvolvimento das atividades da empresa e que, portanto, devem ser mantidas dentro dela.

Proibição de agir em conflito de interesses

Como previsto no artigo 156 da Lei de Sociedades Anônimas, o administrador não pode agir em interesse próprio de forma diversa a da manifesta como vontade da empresa.

Informar
O administrador tem, ainda, como dever o de informar a qualquer acionista com mais de 5% do capital social, informações que sejam de relevância aos que compõem a companhia, dando total abertura a situação desta.

Civilmente o administrador não é responsável pelas obrigações assumidas pela companhia, mas sim por ato ilícito seu, sendo com culpa ou dolo, segundo art. 158 da LSA. A companhia pode processar seu administrador se assim deliberado pela Assembléia Geral, sendo o administrador destituído do cargo.

Se a Assembléia retardar a propositura por período superior a três meses qualquer acionista pode propô-la em nome da companhia. Em caso de a Assembléia escolher não responsabilizar o administrador qualquer acionista ou grupo deles, com 5% do capital social poderá promover ação judicial em nome da companhia, seguindo a hipótese de substituição processual originária, (art. 159 §4º). Destaca-se, então, a possibilidade de uma ação direta de um acionista ao administrador.

O prazo prescricional para a ação de responsabilidade é de 3 anos a partir da data de publicação da ata votação do balanço da Assembléia Geral.

Para encerrar, fica assim claro que se o administrador de ambas as sociedades agir com probidade e de acordo com as vontades sociais, não responderá ilimitadamente e de forma solidária com elas (assim sendo quem responderá será a sociedade), isso só ocorre se houver abusos ou excessos por parte daquele.

Bibliografia

COELHO, Fábio Ulhoa. Curso de direito comercial: direito de empresa. v. 2. 10. ed. São Paulo: Saraiva, 2007.

VENOSA, Sílvio de Salvo. Direito Civil: responsabilidade civil. v. 4. 4.ed. São Paulo: Atlas, 2004.

Site do Superior Tribunal de Justiça - www.stj.gov.br. Acesso em: 28 nov. 2010

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 1 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/direito-artigos/reponsabilidades-do-administrador-3802798.html

    Palavras-chave do artigo:

    responsabilidades do administrador nas sociedades

    Comentar sobre o artigo

    Este artigo visa uma discussão acerca das responsabilidades dos administradores na Sociedade Limitada.

    Por: Alan João Orlandol Direito> Doutrinal 12/12/2010 lAcessos: 430

    Discorremos sobre aspectos gerais a respeito do tema, com nuances legais e praticas, possibilitando que o leitor se familiarize com o assunto.

    Por: Adilson Kochl Direitol 07/12/2008 lAcessos: 35,928 lComentário: 2

    Na sociedade limitada, a responsabilidade dos sócios é limitada ao valor do capital social subscrito e integralizado, mas a realidade não é essa, tendo em vista que os bens particulares dos sócios da sociedade podem ser atingidos em faces das ações trabalhistas, tributárias.

    Por: Aline Ana Possamail Direito> Doutrinal 23/11/2011 lAcessos: 182
    Robson Zanetti

    O artigo 153 da Lei das Sociedades Anônimas estabelece: "Art. 153. O administrador da companhia deve empregar, no exercício de suas funções, o cuidado e diligência que todo homem ativo e probo costuma empregar na administração dos seus próprios negócios".

    Por: Robson Zanettil Direitol 10/05/2010 lAcessos: 68

    O presente artigo trata de principais elementos da responsabilidade e direitos dos sócios no âmbito da sociedade limitada.

    Por: Ana Carolina da Silval Direito> Doutrinal 08/12/2010 lAcessos: 3,660

    O presente artigo almeja refletir sobre a função do contador na sociedade, suas principais responsabilidades e o vasto campo de atuação que a área contábil propicia. O trabalho apresenta como o contabilista deve se portar perante as constantes mudanças no mercado de trabalho e como se manter atualizado para não ficar fora do mesmo.

    Por: FRANCISCA SOARESl Negócios> Administraçãol 05/01/2011 lAcessos: 6,747

    O texto versa sobre inclusão/exclusão no contexto da educação escolar. Reflete sobre o papel do gestor educacional e sua importância no processo da inclusão do "diferente".

    Por: Rubem Menezesl Educaçãol 29/04/2008 lAcessos: 18,637 lComentário: 2
    Gerisval Alves Pessoa

    Discute o conceito de Responsabilidade Social Empresarial (RSE), que atualmente dada a relevância do tema, deixou de ser uma opção para tornar-se fator estratégico na política das empresas. Apresenta uma breve explanação do histórico do Grupo Mateus e principalmente sobre as suas práticas de Responsabilidade Social Empresarial.

    Por: Gerisval Alves Pessoal Negócios> Gestãol 10/07/2010 lAcessos: 1,133
    Robson Zanetti

    Na prática se constata que as condenações por perdas e danos decorrentes da gestão culposa do administrador são relativamente raras; a responsabilidade desse é mais freqüente no caso de violação da lei e do contrato social. Uma vez realizando má gestão(1), o sócio-administrador será responsabilizado.

    Por: Robson Zanettil Direitol 10/05/2010 lAcessos: 137
    Robson Zanetti

    Os administradores terão sua responsabilidade comprometida quando ficar caracterizada sua culpa à luz do que estabelece o artigo 1016 do Código Civil. Nesse caso se aplicam as regras do direito comum aplicadas ao caso de responsabilidade civil, podendo ser desconsiderada a personalidade jurídica quando ficar constatado fraude na gestão.(1)

    Por: Robson Zanettil Direitol 10/05/2010 lAcessos: 91

    Escritórios de advocacia são como qualquer empresa de qualquer setor: devem ser organizados para poder funcionar da melhor maneira possível e só fluir, gerando bons frutos disso e, é claro, lucro para os associados que exercem sua advocacia no local.

    Por: Sayuri Matsuol Direitol 16/09/2014

    Para fazer parte da advocacia brasileira, isto é, ser um advogado e poder exercer sua função um indivíduo deve possuir bacharel em Direito e ter conseguido aprovação no Exame de Ordem e ser regularmente inscrito na OAB, a Ordem dos Advogados do Brasil.

    Por: Sayuri Matsuol Direitol 08/09/2014

    No processo existente de Recuperação Extrajudicial podemos contar com um tipo de instituto que propicia o que seria uma nova solução. Através dela os devedores acabam negociando de forma direta com todos os credores, e ainda o Plano de recuperação determinado o que vai para a justiça apenas para que possa ser algo homologado.

    Por: Sayuri Matsuol Direitol 08/09/2014

    Os problemas judiciais podem acontecer em qualquer segmento, como podemos perceber, a justiça influência em praticamente tudo dentro do nosso país, porém em boa parte dos casos, a mesma influência de forma negativa, na maioria das vezes tirando a oportunidade de trabalhadores ou até mesmo de empresários que estavam fazendo seu trabalho dentro da lei, mas que devido a leis mal feitas ou até mesmo pela falta de uma lei correta, acaba paralisando a atuação de uma empresa. O grande problema da paral

    Por: Sayuri Matsuol Direitol 05/09/2014
    RFF Associados

    Em face dos constrangimentos orçamentais existentes foi, recentemente, aprovado em Conselho de Ministros a segunda proposta de alteração à Lei que aprovou o Orçamento de Estado para o ano de 2014.

    Por: RFF Associadosl Direitol 04/09/2014
    RFF Associados

    No passado dia 27 de Agosto de 2014 entrou em vigor a Lei n.º 61/2014, que aprovou o regime especial aplicável aos activos por impostos diferidos. Tal como a denominação indicia, o novo regime aplica-se aos activos por impostos diferidos que tenham resultado da não dedução de gastos e variações patrimoniais negativas com perdas por imparidade em créditos e com benefícios pós-emprego ou a longo prazo de empregados.

    Por: RFF Associadosl Direitol 04/09/2014

    Infelizmente, algo que podemos verificar com uma determinada facilidade nos dias de hoje, é o fato de que há uma grande quantidade de pessoas que podem ser declaradas judicialmente como insolventes, ou seja, que não tem condições de pagar pelas dívidas que realizou no decorrer de sua vida sem que isto influencia ou até mesmo prejudique as suas necessidades básicas. Sendo assim, claro, acaba por ser necessário que esta situação seja solucionada, e principalmente evitada. Então vamos entender agor

    Por: Sayuri Matsuol Direitol 28/08/2014

    O feminicídio é o crime praticado contra a mulher, por esta pertencer ao gênero feminino. Cada vez mais, esse termo ganha destaque no cenário nacional e, inclusive, poderá ser tipificado em breve. Existe no Senado Federal um Projeto de Lei que prevê a inclusão dessa forma de violência no Código Penal e na Lei dos Crimes Hediondos e que, até mesmo, já recebeu parecer favorável pela Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ).

    Por: JOSÉ CARLOS MAIA SALIBA IIl Direitol 26/08/2014
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast